quinta-feira, 30 de abril de 2009

Nuggets vão à semi da Conferência Oeste

Depois de uma espera de 15 anos, o Denver Nuggets, do ala-pivô brasileiro Nenê Hilario, voltou às semifinais da Conferência Oeste da NBA, graças a uma vitória tranqüila, nesta quarta-feira, em casa, sobre o New Orleans Hornets, por 107 a 86.

Com o triunfo, os Nuggets fecharam em 4 a 1 a série melhor de sete entre as duas equipes, pela primeira rodada dos playoffs da NBA.

O destaque da franquia do Colorado ficou mais uma vez com o ala Carmelo Anthony, que marcou 34 pontos, enquanto o armador J.R. Smith, que começou no banco de reservas, contribuiu com outros 20.

Os Nuggets contaram ainda com a boa atuação do armador Chauncey Billups, que garantiu um double-double (dois dígitos em dois fundamentos) ao marcar 13 pontos e distribuir 11 assistências.

Já Nenê foi um dos principais jogadores defensivos do Denver, com sete rebotes nos 36 minutos em que esteve em quadra.

O brasileiro contribuiu ainda com 3 assistências e 10 pontos, ao converter 3 de 5 arremessos quadra e 4 de 6 lances livres.

Pelos Hornets, o ala David West marcou 24 pontos, enquanto o reserva James Posey converteu outros 18.

Esta é a primeira vez que os Nuggets chegam a uma semifinal de conferencia desde a temporada de 1994, quando eliminaram o Seattle SuperSonics na primeira rodada dos playoffs. O adversário agora será o Dallas Mavericks, que eliminou o San Antonio Spurs.

A equipe de Nenê terá novamente a vantagem de quadra, e conta com um retrospecto recente positivo, com quatro vitórias em quatro partidas este ano contra os Mavericks.

Os Nuggets não vencem uma série de semifinais desde 1984, ano em que eliminaram o Utah Jazz.

Mesmo "sem saque", Federer se vinga de Stepanek

Derrotado surpreendentemente por Radek Stepanek nas quartas de final do último Masters 1000 de Roma, Roger Federer chegou à revanche nesta quinta-feira. Ainda que continue devendo em um de seus principais fundamentos, o saque, o suíço não teve trabalho para controlar o checo e avançou com parciais de 6/4 e 6/1.

Em um confronto que já ganhou contornos de rivalidade, especialmente em virtude das comemorações animadas de Stepanek, Federer conseguiu triunfar sem muitos problemas. Seguro com 19 winners e 18 erros não-forçados, o favorito só deu bobeira no primeiro set, quando chegou a sacar em 5/3, mas só conseguiu abrir vantagem após obter nova quebra no game seguinte.

Conseguindo controlar os slices e as subidas à rede do checo, o número dois do mundo permitiu que o rival ganhasse apenas 13 dos 28 pontos em que tentou voleios. Curiosamente, havia sido essa mesma tática a utilizada pelo 19º colocado da lista de entradas para bater o helvético na Cidade Eterna há 12 meses, aplicando duplo 7/6.

Apesar de ter conhecido sua segunda vitória na Itália em menos de 1h10, Federer mostrou que ainda precisa melhorar o saque, o qual o próprio tenista havia criticado 15 dias atrás, no Masters 1000 de Monte Carlo. Ante Stepanek, o preferido da torcida teve um aproveitamento de apenas 43% de primeiro serviço, sendo que tal estatística chegou a ser de 33% na parcial de abertura.

Em todo caso, o suíço conseguiu mais uma vez minimizar as críticas e tenta agora voltar às semifinais em Roma, onde já foi vice- campeão em 2003 e 2006. Nesta sexta-feira, ele pode ter de buscar mais uma "vingança" caso seu oponente seja Gilles Simon, que vem de duas vitórias seguidas contra o antigo melhor do planeta, ambas na temporada passada. O francês top 10 enfrenta o qualifier alemão Mischa Zverev, 76º colocado do ranking.

FIA bane reabastecimento e aquecedores de pneus para 2010

Além de discutir o futuro da McLaren, a reunião do Conselho Mundial da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) também serviu para impor duas sensíveis mudanças no regulamento da Fórmula 1. Conforme foi anunciado nesta quinta-feira, a partir de 2010 não haverá mais reabastecimento durante as corridas, e os pilotos serão proibidos de utilizar mantas térmicas para aquecer os pneus.

Segundo a FIA, decidiu-se pelo fim das paradas nos boxes para colocar combustível no intuito de seguir cortando os gastos da categoria. Um outro motivo tem relação com a postura ecologicamente correta que o órgão vem assumindo.

"Foi confirmado que em 2010 o reabastecimento durante os grandes prêmios estará proibido para diminuir os custos do transporte de equipamento e para incentivar a fabricação de motores que economizem gasolina", disse a entidade por meio de comunicado. O reabastecimento voltou a Fórmula 1 em 1994 depois de um longo tempo de proibição.

Além dessa novidade, a FIA ainda confirmou que as tradicionais mantas, bem como qualquer outro tipo de aquecedores de pneus. não poderão ser mais utilizadas. Essa medida, que não conta com o apoio da maioria dos pilotos, já era esperada e quase foi colocada em prática ainda neste ano. Ela visa a aumentar o número de ultrapassagens, pois os carros voltarão à pista após as paradas com os compostos ainda frios.

Leão reconhece má atuação do Atlético-MG e pede paciência

Duas derrotas em quatro dias. Oito gols sofridos e nenhum marcado. Campeonato Mineiro praticamente perdido e situação complicada na Copa do Brasil. Quem vê o atual quadro do Atlético-MG não consegue imaginar que este time vinha de 13 jogos sem perder, sequência que incluía 12 vitórias.

» Veja as fotos do jogo
» Abatido, Atlético-MG perde Tardelli e cai para o Vitória
» ESPN: assista ao vídeo
» Confira tabela e resultados

A atuação desta quarta-feira, na derrota de 3 a 0 para o Vitória, no Barradão, pela Copa do Brasil, deixou o técnico Emerson Leão ainda mais preocupado com a situação de seu time.

"O goleiro adversário não trabalhou e, quando não trabalha, é porque nós não rendemos o suficiente", resumiu o técnico Emerson Leão, que comentou ainda o fato de o jogo aéreo ser o ponto fraco alvinegro. Nesta quarta, os três gols rubro-negros foram de cabeça.

"Ninguém faz nada errado por acaso ou porque quer fazer, e sim por algum motivo. Eu tenho que compreender, eu fui atleta durante 24 anos, compreendo que este é um momento desagradável. Só que um jogador de futebol não pode se deixar abalar por um momento desagradável. Ele tem que lutar", disse Leão, acreditando que os sucessivos erros fazem parte do pacote da má fase.

Por fim, o treinador pediu calma e trabalho para que o time reencontre o caminho das vitórias. "Nós temos que ter muita paciência, reorganizarmos-nos novamente, para podermos voltar a jogar aquilo que nós sabemos. E contar também com um pouco de ajuda divina para que os jogadores não machuquem, para que nós possamos sempre jogar juntos", apontou Leão.

Outros resultados:

Atlético PR 3x2 Corinthians (precisa vencer por 1 a 0 para garantir vaga)
Americano 0x0 Ponte Preta (quem vencer, se classifica)
CSA 0x4 Coritiba (o CSA precisa fazer 3 a 0 para a classificação)
Flamengo 0x0 Fortaleza (quem vencer, se classifica)
Náutico 0x3 Internacional (o Náutico precisa de 2 a 0 ou mais para classificação)

Edu acerta salários e fica próximo do Corinthians

Sem espaço no Valencia (ESP), o volante Edu está próximo de ser o primeiro reforço do Corinthians para o Brasileiro. Os valores oferecidos pelo presidente Andrés Sanchez foram bem recebidos por Jean Gaspar, irmão e representante do jogador nas negociações.

A finalização do acordo depende apenas do acerto de Edu com a equipe espanhola. Ainda com mais um ano de contrato, o jogador prometeu convencê-los a liberá-lo na próxima janela de transferência internacional, no mês de agosto.

Duas situações jogam a favor da liberação: as dificuldades financeiras do Valencia neste momento e, principalmente, a pouca utilização do volante na equipe. Situação causada, basicamente, por lesões nos joelhos durante cerca de dois anos.

Edu e Andrés Sanchez têm estreito elo de amizade. Revelado nas categorias de base no Corinthians, o volante ficou conhecido na final da Copa São Paulo de Juniores, em 1999, ao fazer o gol do título contra o Vasco.

Campeão brasileiro (1999) e mundial (2000) pelo Corinthians, o volante foi para o Arsenal em 2001. Em quatro anos e meio, foram sete títulos (duas ligas nacionais e duas Supercopas da Inglaterra, além de três Copas da Inglaterra).

Em 2005, acertou sua ida para o Valencia, mas foi prejudicado pela sequência de lesões. Após anos na Europa, está próximo de voltar.

Uma novidade: começamos a falar em Campeonato Brasileiro aqui no blog.

Palmeiras "fuzilou" o Colo Colo, dizem chilenos

A imprensa esportiva chilena disse nesta quinta-feira que o Palmeiras "estragou a festa" preparada pelo Colo Colo e "fuzilou" o rival para comemorar a vaga às oitavas-de-final da Libertadores com a vitória por 1 a 0 na noite de quarta, em pleno Estádio Monumental.

O herói da classificação palmeirense foi o meia Cleiton Xavier, que fez um golaço aos 42min do segundo tempo. Os paulistas jogaram boa parte da etapa final sem o zagueiro Marcão, expulso ao levar o segundo cartão amarelo.

Os jornais de Santiago disseram que a equipe da casa não soube aproveitar a vantagem do empate para avançar, além de lamentar a lesão do colombiano Macnelly Torres, principal articulador de jogadas, ainda aos 17 minutos.

"Não podemos acreditar", disse o jornal El Mercurio, acrescentando que o Colo Colo "construiu um paredão para ser fuzilado" com a eliminação.

A publicação fez referência à crise que assola o clube há duas semanas, iniciada com a saída do técnico argentino Marcelo Barticciotto por conta de um boicote do elenco. O Colo Colo também vai mal no campeonato local.

O La Tercera também comentou a difícil situação e disse que a equipe "afunda agora em uma crise institucional".

A manchete do La Nación foi "Colo Colo caiu em casa e se despediu da Copa Libertadores". A publicação disse ainda que o Palmeiras foi superior durante toda a partida.

O Las Últimas Notícias lembrou os gritos de "saiam todos" vindos dos 45 mil torcedores após a partida, irritados com a atuação do time. "Um golaço os eliminou", disse o jornal.

Segundo o La Cuarta, a derrota do Colo Colo foi como uma "facada" no coração dos torcedores que foram apoiar a equipe, que acabou em terceiro na chave 1 da Libertadores com sete pontos - três atrás do Palmeiras e com seis em relação ao líder Sport.

Olha o comentário de Jonathan Left:
"Será um milagre o Palmeiras chegar muito longe na fase de mata-mata na Libertadores. Acho que o Palmeiras está bem estruturado, mas a campanha na copa não foi tão boa quanto se esperava de um time como o Palmeiras."

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Estreia

Hoje, no "Blog do esporte" estreia o "Comparações", parte de blog que mostra a tragetória de dois times rivais (praticamente um clássico), mostrando como foi a história de conquistas e vitórias entre os dois.
Iniciamos hoje com Corinthains x São Paulo:

Majestoso é, no futebol paulista, o confronto entre Sport Club Corinthians Paulista e São Paulo Futebol Clube. Esse apelido foi dado pelo jornalista Thomaz Mazzoni, do jornal A Gazeta Esportiva. Atualmente é o clássico que reúne o maior número de torcedores no estado de São Paulo, de acordo com as últimas estatísticas. Nesse grande clássico nunca faltou lances polêmicos, grandes jogadas, lindos gols e brigas, muitas brigas. Juntamente com Santos FC e Palmeiras, Corinthians e São Paulo formam os chamados Quatro Grandes do Futebol Paulista.

Estatísticas
Último jogo considerado:
São Paulo 0 a 2 Corinthians, Campeonato Paulista de Futebol, 19 de Abril de 2009.

Números Totais
Estatística do Majestoso:
Número de jogos: 299
Vítórias do Corinthians: 109
Vitórias do São Paulo: 95
Empates: 95
Número de gols: 848
Gols marcados pelo Corinthians: 428
Gols marcados pelo São Paulo: 420

Era Profissional:
Número de jogos: 240
Vítórias do Corinthians: 84
Vitórias do São Paulo: 76
Empates: 80
Número de gols: 630
Gols marcados pelo Corinthians: 312
Gols marcados pelo São Paulo: 318


Números por competição
Último jogo
19 de abril de 2009: São Paulo 0 a 2 Corinthians - Estádio do Morumbi (Campeonato Paulista)

Primeiro jogo
25 de maio de 1930: Corinthians 2 x 1 São Paulo - Parque São Jorge (Campeonato Paulista)

Decisões diretas de títulos
Só conta como final de campeonato a partida em que ambas as equipes entram em campo ainda disputando o título, e uma se consagra campeã com o resultado final da mesma.
Campeonato Paulista
23/04/1939: Corinthians 1x1 São Paulo - Corinthians Campeão de
1938 (*)
31/12/1957: São Paulo 3x1 Corinthians - São Paulo Campeão de
1957
08/12/1982: Corinthians 1x0 São Paulo
12/12/1982: Corinthians 3x1 São Paulo - Corinthians Campeão de
1982
11/12/1983: Corinthians 1x0 São Paulo
14/12/1983: Corinthians 1x1 São Paulo - Corinthians Campeão de
1983
26/08/1987: São Paulo 2x1 Corinthians
30/08/1987: São Paulo 0x0 Corinthians - São Paulo Campeão de
1987
08/12/1991: São Paulo 3x0 Corinthians
12/12/1991: São Paulo 0x0 Corinthians - São Paulo Campeão de
1991
05/06/1997: Corinthians 1x1 São Paulo - Corinthians Campeão
1997
03/05/1998: São Paulo 1x2 Corinthians
10/05/1998: São Paulo 3x1 Corinthians - São Paulo Campeão de
1998
16/03/2003: Corinthians 3x2 São Paulo
22/03/2003: Corinthians 3x2 São Paulo - Corinthians Campeão de
2003
Obs.:
Em 1931, o último jogo do campeão São Paulo foi em 10/01/1932: São Paulo 4x1 Corinthians - São Paulo Campeão (de 1931). Porém o campeonato era por pontos corridos e os dois não disputavam o campeonato diretamente: o Corinthians terminou em 6º lugar com 30 pontos, 15 pontos atrás do Tricolor.
Em 1938, o último jogo do campeão Corinthians foi em 23 e 25/04/1939: Corinthians 1x1 São Paulo - Corinthians campeão (de 1938). Porém o campeonato era disputado por pontos corridos e os dois disputavam o campeonato diretamente: o São Paulo terminou em 2° lugar com 14 pontos, 3 pontos atrás do Timão. Campeonato Brasileiro
13/12/1990: Corinthians 1 x 0 São Paulo
16/12/1990: Corinthians 1 x 0 São Paulo - Corinthians Campeão de
1990
2002 – Torneio Rio x SP
05/05/2002: São Paulo 2 x 3 Corinthians
12/05/2002: Corinthians 1 x 1 São Paulo - Corinthians Campeão de
2002
(*) jogo interrompido em razão de fortes chuvas e concluído no dia 25/04/39

Maiores goleadas
A maior goleada do confronto ocorreu no dia
10 de setembro de 1933, quando o São Paulo, ainda da Floresta, aplicou 6 x 1 no Corinthians no Estádio Alfredo Schürig pelo Campeonato Paulista de Futebol de 1933.
Equipe vencedora

Placar
Ano
Data
São Paulo
6 x 1
1933
10 de setembro
Corinthians
5 x 0
1996
10 de março
São Paulo
5 x 1
1946
1 de janeiro
Corinthians
5 x 1
1947
16 de abril
Corinthians
5 x 1
1962
3 de junho
São Paulo
5 x 1
2005
8 de maio
São Paulo
4 x 0
1944
15 de outubro
Corinthians
4 x 0
1951
26 de agosto
Corinthians
4 x 0
1999
6 de junho
São Paulo
5 x 2
1934
21 de janeiro
São Paulo
4 x 1
1932
10 de janeiro
Corinthians
4 x 1
1940
24 de março

Amistosos
Na história do confronto houve 58 "Jogos não-oficiais" segundo dados do São Paulo, o último foi em
15 de agosto de 1995 em Goiânia, onde houve empate em 2-2.
No total houve 24 vitórias do Corinthians, 19 vitórias do São Paulo, e 15 empates.

Corinthians luta para manter fama de carrasco do Atlético-PR

A Arena da Baixada volta a receber um Atlético-PR e Corinthians pela Copa do Brasil nesta quarta-feira à noite. Se jogar em casa pode ser um alento para os atleticanos, aos corintianos, mostra a história, enfrentar o rival no Paraná traz boas recordações.

Em dois confrontos pela competição, o Corinthians conseguiu a classificação atuando fora de casa. Curiosamente, em ambas as temporadas também ganhou o Campeonato Paulista, perspectiva que se repete para 2009, já que tem vantagem confortável para a decisão com o Santos no próximo domingo.

Em 2001, quando enfrentou o Atlético-PR pelas quartas-de-final da Copa do Brasil, o Corinthians havia empatado sem gols jogando em São Paulo. No jogo de volta, no dia 23 de maio, segurou a pressão adversária e se classificou com um gol de Ewerthon, então despontando entre os profissionais. Na mesma temporada, passou pelo Santos na semifinal e foi campeão paulista batendo o Botafogo de Ribeirão Preto.

Na outra ocasião, em 1997, o Corinthians conseguiu resultado histórico no Paraná. Em data anterior à inauguração da Arena da Baixada, os corintianos enfrentaram o Atlético-PR no Pinheirão e conseguiram reverter uma vantagem dos paranaenses, que haviam vencido por 2 a 1 em São Paulo no jogo de ida. No auge da equipe bancada pelo extinto Banco Excel, Mirandinha brilhou ao lado de Donizete no ataque e o placar de 6 a 2 definiu a classificação paulista. No Estadual, título conquistado sobre o São Paulo.

Em Campeonatos Brasileiros, por outro lado, o Atlético-PR conseguiu resultados marcantes contra o Corinthians nos últimos anos. Em 2004, os atleticanos fizeram 5 a 0 sobre os corintianos no Pacaembu, ocasionando a demissão de Osvaldo de Oliveira. Dagoberto, hoje no São Paulo, fez dois gols, enquanto Jadson, do Shakhtar, marcou mais três.

Em 2007, um empate entre as duas equipes, também no Pacaembu, deixou o Corinthians mais perto do rebaixamento. Betão abriu o marcador, mas Danilo e Alex Mineiro viraram para os visitantes. Só aos 47min do segundo tempo, um gol de Finazzi livrou a derrota.

Para o confronto com o Corinthians de 2009, o Atlético-PR aposta em seu ótimo retrospecto na Arena da Baixada nessa temporada. Em 14 jogos realizados em casa, os rubro-negros alcançaram 11 vitórias e um empate. As exceções ficam por conta das derrotas diante de J. Malucelli e Coritiba, adversários na luta pelo título estadual.

Corinthians vende só 2 mil ingressos no Pacaembu e revolta torcida

Alguns torcedores do Corinthians esperaram na fila desde domingo passado, mas outros que chegaram mais tarde não conseguiram comprar seu ingresso para a segunda final do Campeonato Paulista, neste domingo, no Pacaembu, contra o Santos. Isso porque o time do Parque São Jorge colocou só 2 mil bilhetes à venda nesta quarta-feira, no local do confronto, diante de uma procura muito maior por parte do público.

Cerca de 10 mil pessoas ficaram sem ingressos, alguns na fila do Pacaembu há dias. O fechamento das bilheterias, ocorrido por volta das 10h20 (de Brasília), revoltou os torcedores e a Tropa de Choque da Polícia Militar foi acionada para conter os mais exaltados.

Um total de 15 mil ingressos foi destinado para venda no Pacaembu e em outros pontos de venda, como Parque São Jorge, Canindé e Ginásio do Ibirapuera. Pela Internet, já foram comercializados 17 mil bilhetes, lembrando que 2 mil do total da carga são do Santos.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Federer se diz responsável por evolução de Nadal

Após ser derrotado nas semifinais do Aberto da Austrália em 2008, Roger Federer admitiu que criara um "monstro" dele mesmo, sendo obrigado a vencer todas as partidas. Um ano e quatro meses depois, o suíço admitiu que se considera também o responsável pela ascensão de Rafael Nadal, pois deu muita confiança ao espanhol com tantos embates seguidos no saibro.

Além da clara evolução técnica de Nadal sobre quadras rápidas, Federer acredita que o grande nível de jogo apresentado pelo jovem tem relação com os inúmeros encontros entre eles no piso lento. Como saiu vitorioso na maioria das vezes nessa superfície - foram nove triunfos em dez confrontos realizados, incluindo nas três últimas decisões de Roland Garros -, o atual número um do mundo passou a acreditar em desbancar o rival também em Wimbledon e no Australian Open, conforme aconteceu.

"Eu ajudei um pouco Rafa a estar assim em termos de confiança, desafiando-o em todos os torneios na terra batida-, Montecarlo, Roma, Hamburgo e Roland Garros - e perdendo para ele, mesmo se as partidas tenham sido acirradas", disse o tenista da Basiléia à Gazzetta dello Sport.

"Aí ele foi se energizando também para os outros pisos. E, depois de três finais seguidas em Paris, ganhou coragem também para Wimbledon, que vem pouco tempo depois".

Além de contar sua teoria sobre a ascensão de Nadal, Federer comentou ainda o seu atual momento. Às vésperas de estrear no Masters de Roma contra Ivo Karlovic, ele vem pressionado por ainda não ter conquistado títulos no ano, mas diz estar em boa forma após treinar por toda a semana passada na Itália - embora não divulgue o lugar em que esteve, a Gazzetta assegura que o atleta foi à Sardenha ao lado de Mirka Vavrinec, sua esposa.

"Onde fui após Montecarlo é segredo. Ninguém me reconheceu, treinei quatro horas por dia correndo pra cima e pra baixo com Pierre (Paganini, seu preparador físico). Esperamos que em Roma se vejam os frutos", afirmou o suíço, que quer chegar ao menos às semifinais do torneio. "Assim não me faria tantas perguntas e não ficaria me perguntando se é melhor trabalhar nisso ou naquilo. Por isso é bom vencer, à parte a satisfação, os pontos e a confiança decorrentes".

Com Ronaldo, Corinthians pode faturar R$ 18,5 milhões

A passagem de Ronaldo pelo Corinthians é um sucesso dentro e fora de campo. Além dos gols que deixam a equipe perto do título, o camisa 9 também proporciona dinheiro. Com a presença do astro, o clube deve fechar sua participação no Paulista com nada menos do que R$ 18,5 milhões arrecadados em apenas quatro meses. Valor esse que, agora, só depende da confirmação do título, que renderá R$ 2 milhões da Federação Paulista.

Além do prêmio da FPF ao campeão, o clube conseguiu R$ 1,2 mi com patrocínios de oportunidade em alguns jogos (Locaweb, Visa, Panasonic, Lupo, Banco PanAmericano e Bozzano) e, com a renda da finalíssima, que deve gerar em torno de R$ 1,5, obteve mais R$ 7,8 mi com bilheteria. Isso tudo, claro, somado aos direitos de transmissão de TV: R$ 7,5 milhões.

Com exceção da cota de TV, garantida de qualquer maneira, Ronaldo é responsável direto pelos outros valores. Em relação ao prêmio, seus gols deixaram a equipe perto do título; dos patrocínios pontuais, sua presença foi fundamental, assim como o aumento da arrecadação, ainda mais após a majoração no valor dos ingressos.

Apesar disso, o camisa 9 nega qualquer diferenciação com os demais. Em tom de humildade, garante que seu valor é o mesmo dos outros jogadores.

"Não sou mais nem menos do que ninguém. Nem pretendo ser", afirmou o craque Ronaldo.

Palermo sonha com a contratação de Ronaldo mesmo "gordinho"

O diretor esportivo do Palermo, Walter Sabatini, disse que seria um sonho para o time do Sul da Itália ter o atacante Ronaldo, destaque do Corinthians no Campeonato Paulista, para a próxima temporada.

Com bom humor, Sabatini disse que nem se importaria com o peso do jogador. "Eu gostaria de ter o Ronaldo no Palermo, mesmo que seja com alguns quilinhos a mais", brincou o dirigente em entrevista à emissora italiana Sport Italia.

Ronaldo, porém, surpreenderia o dirigente. Desde que chegou ao Corinthians, o atacante passa por um processo de recuperação física e já está próximo do peso ideal.

A boa forma de Ronaldo tem se traduzido em boas atuações. No último domingo, o atacante marcou dois gols na vitória do Corinthians por 3 a 1 diante do Santos, na Vila Belmiro, pela decisão do Campeonato Paulista.

Vale lembrar que Ronaldo em contrato firmado com o Corinthians até o final de 2009 e ambas as partes já mostraram interesse em renovar o vínculo pelo menos por mais uma temporada.

Ferguson pede torcida barulhenta para encurralar Arsenal

Com a lembrança da vitória de virada diante do Tottenham no último sábado, o técnico do Manchester United, Alex Ferguson, pediu para a torcida repetir o apoio e fazer muito barulho na partida desta quarta-feira, contra o Arsenal, pelas semifinais da Copa dos Campeões.

Na ocasião, o Manchester perdia por 2 a 0 até intervalo. No segundo tempo, a torcida se inflamou com o primeiro gol e conduziu o time na virada para 5 a 2 no Estádio Old Trafford.

"Foi incrível a transformação quando nós marcamos o primeiro gol contra o Tottenham. Nós precisamos do apoio de nossos fãs e eles terão de fazer a parte deles neste final de temporada. Eles precisam nos conduzir", disse.

O lateral-esquerdo Evra faz eco às palavras do treinador. "Os torcedores são muito importantes. Eu espero que eles nos apóiem o tempo inteiro. Nós precisamos intimidar o Arsenal e colocá-los sobre pressão. É muito difícil para os adversários jogar no Old Trafford quando a multidão está conosco", afirmou.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Barrichello culpa Nelsinho por ficar fora de pódio

Superado por Jenson Button pela quarta vez no ano, Rubens Barrichello foi o quinto colocado do Grande Prêmio do Bahrein e muitos apontaram que o motivo da discrição do brasileiro tenha sido a estratégia de três paradas nos boxes. Entretanto, o próprio piloto não compartilha dessa teoria, culpando na verdade o tempo que perdeu atrás de Nelsinho Piquet.

Como já está a 12 pontos do ponteiro do Mundial da Fórmula 1, Button, Rubinho vem ficando cada vez mais longe do sonho do título inédito, mas novamente não se mostrou preocupado em relação a isso. "Estou em uma ótima posição, estou feliz. Só no Brasil as pessoas criticam - tenho o mesmo carro do líder e preciso tirar algo positivo disso. O momento é de apoio, porque uma hora a coisa vira".

Otimista, portanto, o veterano evitou criticar a escolha tomada pela Brawn GP, que o levou ao pit em três ocasiões no Bahrein. "A gente tentou fazer uma estratégia diferente para superar a galera. A gente tinha um plano A e um B, mas fazer duas ou três paradas não mudaria muita coisa", disse ele, o único piloto entre os melhores da prova que reabasteceu por três vezes.

Ao final, Barrichello só citou uma causa para ficar longe do pódio: as voltas em que não conseguiu deixar Piquet para trás, logo após a sua primeira ida aos boxes. "Jenson teve um grande rendimento, com uma bela ultrapassagem sobre Hamilton (na primeira volta). Eu fiquei atrás, não consegui superá-lo e depois fiquei trancado pelo Nelsinho, que estava de três a quatro segundos mais lento e fechou a porta. Isso custou um pouco a minha corrida"

Comentários de John Locker:

"Eu estou analisando que o nosso 'querido' Rubinho está achando que, só porque está numa posição mais favorável para ele esse ano, ele pode ficar brigando com todos que ficam 'atrapalhando' ele nas corridas. Eu acho que ele (Rubinho) tem de ter um pouco da noção de como o ano está confuso perante a tudo que ocorre no fórmula 1. Ele tem de analisar que não é só ele que está correndo para ganhar o campeonato. Dou nota zero de educação para o Rubinho."

Sete torcedores se ferem em acidente da Nascar

Um acidente ocorrido no último domingo, durante a última volta da etapa de Talladega da Nascar Sprint Cup, quase terminou em tragédia. Sete espectadores ficaram feridos depois que o carro de Carl Edwards chocou-se na cerca da arquibancada.

Edwards disputava posição com Brad Keselowski quando foi tocado. O carro do piloto americano literalmente decolou, atravessou a pista e chocou-se contra o muro, antes de pegar fogo.

Das sete vítimas, apenas duas foram transferidas para um hospital nas redondezas. O caso mais grave foi o de uma mulher com lesões faciais transportada de helicóptero. A corrida foi vencida por Brad Keselowski's.

Equipe da GP2 quer levar Bruno Senna à Fórmula 1

Uma das principais equipes da GP2, a iSport International é mais uma das interessadas em entrar na Fórmula 1 caso seja confirmado o teto orçamentário para o ano que vem. No projeto de Paul Jackson, chefe dos britânicos, consta o nome de Bruno Senna, que defendeu a equipe em 2008. Assim como a Prodrive de David Richards, a iSport é um outro time que pode passar a integrar a elite do automobilismo mundial se a ideia da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) de restringir os gastos máximos em 2009 for aprovado.

Atualmente, a entidade pretende que cada escuderia que fizer uma temporada com 30 milhões de libras (cerca de R$ 96 milhões) tenha vantagens técnicas na comparação com as demais.

"As equipes existentes não estão estruturadas para operar com 30 milhões de libras, portanto provavelmente seria melhor começar com uma folha em branco", apontou Jackson ao site alemão Motorsports-Magazine. "Estamos acostumados a trabalhar com recursos limitados e quero mostrar às pessoas que eles estão jogando dinheiro pela janela".

Campeã da GP2 em 2007 com Timo Glock e vice em 2008 com Bruno Senna, a iSport ainda tem o objetivo de alinhar com o brasileiro na Fórmula 1. "Seria fantástico, porque estou convencido de que ele pertence à Fórmula 1", afirmou o fundador da equipe, abrindo uma porta para o piloto que ficou perto de conseguir uma vaga na Brawn GP.

Blake perde para 112º do ranking em Roma

Poucas horas de disputa no Foro Italico bastaram para que a primeira grande zebra do Masters Series de Roma acontecesse. Longe de seu piso preferido, James Blake ampliou seu mau momento ao ser eliminado logo na estreia no saibro italiano, caindo diante do 112º colocado do ranking de entradas, o romeno Victor Crivoi, por 7/5 e 6/3.

Vindo de apenas nove vitórias nos 16 jogos que disputara em 2009, Blake deu novos indícios de que não deve conseguir a recuperação no saibro. Depois de ter se aventurado nessa superfície no Torneio de Houston, quando saiu sem vitórias, o norte-americano repetiu o desempenho em Roma.

Com inúmeros erros não-forçados (foram 24 apenas no primeiro set), o favorito logo permitiu que Crivoi abrisse 5/0 na partida. Mais acostumado a atuar em nível challenger, o romeno se mostrou nervoso e perdeu toda a vantagem, só conseguindo fechar em 7/5. O antigo top 10 ainda esboçou uma reação na parcial seguinte, quebrando o saque do rival para fazer 2/0, porém voltou a se complicar até cair em uma hora 12 minutos.

Atualmente o número 16 do mundo, Blake ainda está prestes a aumentar sua queda livre na lista de entradas, visto que defendia 250 pontos no torneio italiano. Sem ter nada a ver com os problemas do oponente, o qualifier europeu comemorou a maior vitória de sua carreira e tentará surpreender o sueco Robin Soderling ou o espanhol Marcel Granollers, que se enfrentam ainda nesta segunda-feira.

Outros favoritos avançam: Enquanto o 14º pré-classificado se despediu do Masters de Roma, os cabeças-de-chave dez, Stanislas Wawrinka, e 15, Marin Cilic, confirmaram os prognósticos rumo à segunda rodada.

Por ser o atual vice-campeão da competição, Wawrinka chegou pressionado à Itália e controlou sem problemas seu primeiro desafiante. Tranqüilo, o suíço aplicou 6/3 e 6/4 sobre o russo Igor Kunitsyn e agora aguarda pela definição do próximo adversário, que sai do confronto entre Mikhail Youzhny e Daniel Gimeno-Traver.

Cilic, por sua vez, garantiu nova vitória sobre o italiano Flavio Cipolla. Assim como acontecera em Montecarlo há duas semanas, o croata não cedeu sets ao convidado local, superado por duplo 6/2. Ainda que não seja especializado em saibro, o número 15 do mundo tem boas chances de chegar às oitavas, já que encara agora o belga Christophe Rochus, algoz do argentino Juan Ignácio Chela por 6/1 e 6/2.

O confronto até aqui entre Cilic e Rochus se limita ao nível challenger, sendo que o 55º colocado da ATP foi derrotado com 6/4 e 6/4 na edição 2007 do evento de Rijeka, disputado justamente sobre a terra batida.

Presidente de avaliação do COI chega ao Rio

Presidente da Comissão de Avaliação do Comitê Olímpico Internacional (COI), a marroquina Nawal El Moutawakel chegou ao Rio de Janeiro na manhã desta segunda-feira. A Comissão do COI, responsável por avaliar as quatro cidades candidatas à sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, é formada por 13 pessoas e ficará no Rio de Janeiro até o dia 3 de maio.

No mesmo vôo de Nawal El Moutawakel chegaram outros dois integrantes da Comissão do COI, os franceses Guy Drut e Etienne Thobois. Também na manhã desta segunda-feira desembarcaram o russo Alexander Popov, o colombiano Andrés Botero, o chinês Wu Ching-Kuo e o australiano Simon Balderstone.

O grupo foi recepcionado pelo presidente do Comitê de Candidatura Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman; pelo governador Sérgio Cabral e pelo prefeito Eduardo Paes. "Estamos muito felizes e honrados de receber a Comissão de Avaliação do COI no Rio de Janeiro. Será uma oportunidade de mostrar o trabalho realizado pelo Comitê Rio 2016 em parceria com os três níveis de governo, e o envolvimento da cidade com o projeto de trazer os Jogos Olímpicos para a América do Sul pela primeira vez", disse Carlos Arthur Nuzman.

Nos sete dias que passarão na cidade, os integrantes da Comissão de Avaliação do COI participarão de reuniões sobre os 17 temas apresentados no Dossiê de Candidatura e visitarão instalações esportivas que fazem parte do projeto Rio 2016.

Nova marcação: Olimpíada

Visitantes surpreendem na primeira partida da segunda fase

Na primeira rodada desta segunda fase do Campeonato Paulista da Série A2, os times visitantes acabaram surpreendendo os donos da casa, vencendo duas das quatro partidas disputadas. O único clube a vencer em seus domínios foi o Sertãozinho, que derrotou o União São João por 2 a 1, garantindo a segunda colocação do Grupo 3.

Quem ficou com a liderança da chave foi o Rio Branco, que venceu o São José por 3 a 1, garantindo um saldo de gols superior ao do Sertãozinho. Com isso, as posições do final da primeira fase foram bastante alteradas, já que o União São João, classificado em segundo lugar na primeira etapa da competição caiu para a terceira posição do grupo, deixando a lanterna para a equipe de São José dos Campos, derrotada em casa.

Outro clube a perder a partida em seus domínios foi o Taquaritinga, vencido por 3 a 0 pelo Monte Azul, líder absoluto na primeira fase desta Série A2. Assim, a equipe ficou com a última colocação do Grupo 2, mantendo o resultado obtido na primeira etapa da competição, na qual se classificou na oitava colocação. O equilíbrio técnico entre Rio Claro e Flamengo, observado na primeira fase, confirmou-se mais uma vez nesta primeira partida dos dois clubes na segunda fase. Na partida disputada em Guarulhos, as equipes empataram por 0 a 0.

Confira abaixo os resultados das primeiras partidas desta segunda fase do Campeonato Paulista da Série A2.
Taquaritinga 0 x 3 Monte Azul
Flamengo 0 x 0 Rio Claro
Sertãozinho 2 x 1 União São João
São José 1 x 3 Rio Branco

Troca de tapas entre Chicão e Germano está na mira do TJD

O volante Germano, do Santos, e o zagueiro Chicão, do Corinthians, que trocaram tapas fora do lance de bola em uma jogada na grande área corintiana durante a primeira partida decisiva do Campeonato Paulista, estão na mira do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) da Federação Paulista de Futebol.

A jogada em questão não foi vista pelo árbitro do clássico, Wilson Luiz Seneme, já que aconteceu fora da linha da bola, mas isso não impedirá uma possível punição à dupla. As imagens mostram que o defensor corintiano acertou um tapa no rosto de Germano, que revidou com um soco na orelha de Chicão.

O procurador-geral do TJD-SP, Antonio Meccia, não viu o lance, mas garantiu que irá pedir as imagens às emissoras da televisão para análise. Se Meccia entender que a suspeita procede, a denúncia deverá ser feita até quarta-feira e os dois podem entrar na pauta de julgamentos da próxima semana.

Caso sejam denunciados por agressão física, Germano e Chicão podem ser enquadrados no artigo 253 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), cuja pena pode variar de 120 a 540 dias de suspensão. Em caso de punição em 'dias', a suspensão vale para qualquer competição nacional, como o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil, por exemplo.

Agora, se o procurador entender que não houve agressão, apenas uma troca de hostilidade entre os dois, o volante santista e o zagueiro corintiano devem ser denunciados no artigo 255 (praticar ato de hostilidade contra adversário ou companheiro de equipe), que prevê suspensão de um a três jogos, mas que só poderá ser cumprida no Paulistão do ano que vem.

Para Geninho, derrota se desenhou no 1º tempo

Uma derrota decretada no primeiro tempo. Essa foi definição do técnico Geninho para o triunfo do Coritiba sobre o Atlético-PR, neste domingo na Arena da Baixada, que poderia dar o título antecipado do Campeonato Paranaense ao clube rubro-negro.

Para o treinador, a postura do Atlético-PR no primeiro tempo foi determinante para o resultado final da partida. Com 20min de jogo, o adversário já tinha 2 a 0 de vantagem no placar.

"O primeiro tempo foi decisivo para o resultado. Fomos quase que inexpressivos e o Coritiba mandou no jogo. Tivemos um primeiro tempo muito abaixo do que apresentamos", destacou.

Geninho ainda se desculpou pela derrota, mas se mostrou otimista para não deixar o título escapar na próxima e última rodada do Campeonato Paranaense.

"Temos que pedir desculpas por não termos conseguido premiá-la com o título agora, mas vamos torcer para que isso aconteça no domingo contra o Cianorte", afirmou Geninho.

Corinthians não perde por três gols há 20 meses

Somente uma façanha do Santos no Pacaembu pode tirar o título paulista das mãos corintianas. Sob o comando de Mano Menezes, o Corinthians não conheceu uma derrota por três gols de diferença, vantagem necessária para que os santistas fiquem com o troféu. No total, porém, o tempo sem uma derrota desse quilate é ainda mais distante: 20 meses.

A última vez que o Corinthians perdeu por uma diferença tão grande foi no dia 29 de agosto, contra o Atlético-MG, dentro do Mineirão, na estréia de Zé Augusto como treinador interino. Em derrota por 5 a 2, Finazzi e Clodoaldo fizeram os gols corintianos, mas Felipe precisou buscar a bola na rede em cinco oportunidades: dois de Vanderlei, um de Éder Luís, um de Marquinhos e mais um de Danilinho.

Curiosamente, quatro dias antes, o Corinthians havia perdido outro jogo pela mesma diferença. Na partida que selou a queda de Paulo César Carpegiani, o Cruzeiro fez 3 a 0 dentro do Pacaembu, exatamente o que o Santos precisará fazer no domingo. Alecsandro, duas vezes, e Jonathan, fizeram os gols.

Sob o comando de Mano Menezes, o Corinthians só sofreu três gols em três partidas, todas em 2008: contra o São Caetano e o Noroeste, no Campeonato Paulista, em derrotas por 3 a 1 e 3 a 2, respectivamente. O terceiro jogo foi contra o Goiás, pela Copa do Brasil, em um novo 3 a 1.

Em números gerais, Mano, aliás, não perde por três gols há ainda mais tempo que o Corinthians: a última derrota expressiva foi com o Grêmio, em 9 de junho, com o Vasco fazendo 4 a 0. Romário ainda atuava e anotou um dos gols vascaínos.

sábado, 25 de abril de 2009

Internacional

Estádios

Estádio dos Eucaliptos
No ano de 1928, o Asilo da Providência (dono da Chácara dos Eucaliptos) resolveu vender o terreno, dando preferência ao Internacional, embora o preço fosse alto. Mas o Inter não se interessou pelo terreno e, sem sede, esteve próximo de fechar as portas.

Até que o engenheiro Ildo Meneghetti iniciou uma campanha de arrecadação de dinheiro para comprar um terreno no bairro Menino Deus. Depois de 20 anos utilizando campos alheios, o colorado finalmente adquiria uma propriedade. O Estádio dos Eucaliptos, com suas arquibancadas de madeira que abrigavam aproximadamente 10 mil pessoas, já era uma realidade.

No dia 15 de Março de 1931, o Internacional inaugurava o "majestoso" Estádio dos Eucaliptos. Nada melhor do que convidar o Grêmio para a primeira partida no novo campo. No Gre-Nal de inauguração deu Inter: 3 a 0 no rival, todos os gols marcados por Javel. Em reconhecimento ao seu grande esforço, o Internacional homenagearia o presidente Ildo Meneghetti, anos mais tarde, com o título de patrono colorado. A partir de 14 de Fevereiro de 1944, o Estádio dos Eucaliptos recebeu oficialmente o nome de Estádio Ildo Meneghtti. O Estádio dos Eucaliptos seria a casa colorada até o aparecimento do Beira-Rio, em 1969. No dia 26 de Março de 1969, o Internacional realizava a sua última partida no Estádio dos Eucaliptos. No amistoso de despedida, o Colorado goleou o Rio Grande por 4 a 1, gols de Sérgio, Valdomiro, Gilson Porto e Marciano (descontando Motine para o Rio Grande). Nesta partida, o ex-craque Tesourinha, então com quarenta e sete anos, voltou a jogar por alguns minutos com a camisa do Inter.


Estádio Beira-Rio

Estádio Beira-Rio, o maior do Sul.
A construção do Gigante da Beira-Rio, projeto do ilustre vereador colorado Ephraim Pinheiro Cabral, iniciou-se no dia 12 de Setembro de 1956, quando foi doado o terreno onde seria construído o estádio. Na verdade, o terreno consistia de uma pequena porção das águas do Guaíba, pois o aterro só teve início em 1958. As primeiras estacas foram colocadas somente no ano de 1959.

Em 1965, as obras chegaram a parar e só continuaram com a ajuda do Banco da Província do Rio Grande do Sul. Em princípio, as obras foram lideradas pelo português José Pinheiro Borda, torcedor fanático do Internacional. Borda faleceu em 1966 e não pode ver o seu sonho se concretizar.

Era uma época difícil para todos os colorados. O Inter perdeu muitas partidas nesse período, pois todo o dinheiro arrecadado era destinado à construção do estádio, sobrando muito pouco para investir nos jogadores. Entretanto, a torcida colorada colaborou com doações de material de construção para o término do estádio.

Após anos de espera, o Estádio Gigante da Beira-Rio (oficialmente Estádio José Pinheiro Borda, em homenagem ao imigrante português que ajudou a construí-lo) era finalmente inaugurado no dia 6 de Abril de 1969. Exatamente 60 anos e dois dias após a fundação do clube.

Na partida inaugural do Estádio Beira-Rio, o Internacional enfrentava o poderoso time do Benfica, campeão português e europeu. O Inter bateu o time português por 2 a 1, sendo que o primeiro gol da história do estádio foi marcado por Claudiomiro. Os demais gols da partida foram marcados pelo colorado Gilson Porto, descontando o lendário Eusébio para o Benfica.


Gigante Para Sempre
A diretoria colorada possui um projeto que visa a remodelação do Complexo Beira-Rio[10]. Com isso o clube se adaptaria às mais recentes exigências e padrões internacionais do futebol, pronto para sediar qualquer jogo nacional ou internacional, com um complexo esportivo sustentável.


Treinadores
Rubens Minelli, Ênio Andrade e Abel Braga marcaram época no Colorado Gaúcho em função de suas conquistas. Minelli atingiu auge de sua carreira nos anos 1970, quando estruturou o histórico time do Internacional, que contava com craques como Falcão, Figueroa e Carpegiani. Com isso, levou o Inter ao Bicampeonato Brasileiro - 75 e 76. Ênio foi outro técnico que brilhou no Internacional. Dirigiu o clube na conquista do Tricampeonato Brasileiro, de maneira invicta, em 1979. Abel Braga, em 2006, conduziu o Internacional ao seu primeiro título da Taça Libertadores, após uma final disputada com o então campeão do mundo São Paulo. O título garantiu a presença do Internacional no Campeonato Mundial de Clubes da FIFA em Dezembro daquele ano. Abel não perdeu a oportunidade e conquistou o título mundial após derrotar o Barcelona na final.


Presidentes
Dentre os grandes presidentes do Inter, deve-se destacar dois. O primeiro foi o engenheiro Ildo Meneghetti, que foi o responsável pela criação do Estádio dos Eucaliptos na década de 30 no Menino Deus em Porto Alegre. Ildo foi presidente do Colorado entre 1929 e 1934 e novamente em 1938. O segundo é Fernando Carvalho, presidente responsável pela recuperação da "Grandeza" do Inter. Foi com os investimentos pesados nas categorias de base que o presidente apostou, revelando craques e garantindo títulos internacionais. Foi com Fernando Carvalho que o Inter conquistou o Mundial de Clubes da FIFA, em 2006, último ano de sua gestão. Administrou o Internacional, de 2002 até 2006.


Torcida

Torcedores do Inter.
Popular do Inter.
Clube do Povo
As primeiras grandes pesquisas de parâmetro nacional em relação ao tamanho das torcidas, foram realizadas em 1983 em relação aos grandes clubes brasileiros. De acordo com a primeira pesquisa, o Internacional era detentora da 12ª maior torcida do Brasil, junto ao Fluminense com 4,1% de torcedores em todo o Brasil. Em 1993, o percentual foi de 3,1% torcedores estando a frente de seu maior rival, Grêmio que abrigava 2,6% de torcedores. Nessa ocasião, o Inter ocupava a 11ª posição entre o grandes do Futebol Brasileiro. O Inter já chegou a ocupar a sétima posição em 1998 com 3,1% de torcedores e a nona posição em 2004 com 2,6%. Em 2008, a equipe Colorada é a sétima maior torcida do Brasil juntamente com o Cruzeiro com 3% de torcedores em todo país com 5,5 milhões de colorados. Outro dado que analisa as torcidas é o total de apostas na Timemania, na qual o Inter é o sétimo colocado entre os clubes brasileiros desde o lançamento da loteria, com o porcentual de 3,6 das apostas. [11] Historicamente, a popularização do Inter ocorreu nos anos 1940 com o chamado "Rolo Compressor" e que décadas depois, reforçou sua hegemonia do futebol gaúcho nos anos 970. O jejum do clube nos anos 80, período no qual a população brasileira e o poder da imprensa cresciam rapidamente em torno do futebol, o Inter encontrou sérias dificuldades de formar novos torcedores, em virtude da boa fase que atravessava seu rival, Grêmio. O Sport Club Internacional é chamado de Clube do Povo do Rio Grande do Sul.


Torcidas organizadas
O Internacional, como em muitos outros aspectos, é pioneiro em torcidas organizadas. Nos anos 1940, comandados pelo inesquecível Vicente Rao, o Colorado teve a primeira torcida organizada que se tem notícia no Brasil, na época do lendário Rolo Compressor.Com o passar dos anos, os colorados foram mantendo sua paixão pelo clube, apoiando a equipe sempre e crescendo seu espaço nas arquibancadas. São nas excursões que as organizadas integram-se com colorados de todo o Brasil, se mostrando animadas e participativas nos jogos disputados por todas as competições do Internacional. Hoje o Internacional é representado por três torcidas organizadas oficiais: Camisa 12, Super F.I.C.O. e Nação Independente. A Guarda Colorada não é considerada uma torcida oficial. Todas torcem com faixas, cantos e hinos, visando incentivar o clube.

Camisa 12 - Maior torcida organizada do Internacional que fica sempre próxima ao gol em frente ao placar eletrônico do estádio Beira-Rio, na arquibancada inferior.
Super F.I.C.O. - Pertence ao anel superior do estádio Beira-Rio.
Nação Independente - Ela se situa na arquibancada inferior, próxima ao gol do Gigantinho.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Com facilidade, Nadal avança às oitavas em Barcelona

Diante de sua torcida, o tenista espanhol Rafael Nadal, cabeça-de-chave número 1, passou pelo português Frederico Gil por 2 sets a 0, com um duplo 6/2, e garantiu vaga nas oitavas-de-final do Torneio de Barcelona, nesta quarta-feira.

Em busca do pentacampeonato do torneio, Nadal se defendeu com eficiência nas três ocasiões em que teve seu saque ameaçado e ganhou a partida ao aproveitar quatro das sete oportunidades que criou para quebrar o adversário, 75º da lista mundial. Depois de ficar de bye na primeira rodada, o espanhol venceu com um duplo 6/2.

Com este resultado, o líder do ranking aumenta sua vantagem no confronto direto diante do português. Depois de dois encontros, ele permanece invicto. O primeiro duelo, vencido pelo espanhol com parciais de 7/5 e 6/3, foi disputado no Masters de Miami desta temporada.

Com este resultado, Rafael Nadal conquista uma vaga nas oitavas-de-final da competição realizada na Espanha. Na próxima fase do torneio, ele aguarda pelo vencedor do confronto entre o belga Cristophe Rochus e o francês Richard Gasquet, 13º pré-classificado.

Cabeça-de-chave número 5 em Barcelona, o chileno Fernando González bateu o argentino José Acasuso com um duplo 6/4. Após vencer o confronto sul-americano, ele enfrenta o ganhador do duelo entre o também argentino Juan Monaco e o espanhol Daniel Gimeno-Traver.

Atual vice-campeão do torneio e quarto favorito ao título deste ano, o espanhol David Ferrer conheceu seu primeiro adversário nesta quarta-feira. Na estreia, ele enfrenta Potito Starace. O italiano avançou ao surpreender o sueco Robin Soderling, 14º pré-classificado, com um triunfo por 2 sets a 1, parciais de 7/6 (7-5), 2/6 e 6/2.

Mancini aponta Corinthians como favorito

Mesmo prevendo uma decisão de Campeonato Paulista equilibrada, o técnico santista Vagner Mancini aproveitou a coletiva depois do treino de terça-feira para jogar toda a responsabilidade para o Corinthians na primeira partida da final do Estadual.

"É uma equipe que joga bonito e deve ser apontada como favorita. Seria injusto falar em igualdade, até porque eles têm a vantagem. O Santos terá que se desdobrar outra vez", afirmou o técnico.

Mancini também comemorou o fato do palco do primeiro jogo ser a Vila Belmiro. Para o santista, a energia de jogar em casa é outra e pode ajudar a reverter a vantagem do rival, que joga por dois empates na decisão.

"O Santos ganha o mesmo que o Corinthians, porque ambos terão o benefício de jogar nos seus estádios. Só o fato de jogar em casa não dá uma super vantagem, mas ajuda a equilibrar as coisas. Temos que tirar vantagem de jogar na Vila", afirmou.

O treinador também comentou sobre Ronaldo e negou os rumores de que os jogadores poderiam forçar o terceiro cartão amarelo para o craque, que então ficaria de fora da finalíssima no Pacaembu.

"Não existe a possibilidade de forçar um terceiro cartão. Não dá pra fazer isso, é muito difícil. Se você orienta alguém para levar um cartão amarelo, o cara pode ser expulso em outra jogada. A não ser que seja em uma situação totalmente atípica, não acredito. Temos que jogar mais do que viemos jogando, porque vamos enfrentar uma equipe forte", finalizou.

terça-feira, 21 de abril de 2009

Mais Internacional

2008 - Campeão de tudo

Inter conquista a Copa Dubai em 2008No começo do ano de 2008, o Internacional participou da Copa Dubai, nos Emirados Árabes. Em sua partida de estréia, o clube venceu o Stuttgart, da Alemanha, por 1 a 0 (gol de Alex) e classificou-se para as finais da competição[4]. Na decisão, o Colorado derrotou a forte equipe italiana da Internazionale de Milão por 2 a 1 (gols de Fernandão e Nilmar) e conquistou o título[5].

No mesmo ano, o clube foi campeão do Campeonato Gaúcho, após dois anos sem conquistar a competição. Na primeira partida da decisão, o Colorado foi derrotado pelo Juventude por 1 a 0, em Caxias do Sul. Na partida decisiva, no Beira-Rio, um placar histórico: 8 a 1 para o Internacional, com três gols de Fernandão e os demais assinalados por Danny Morais, Alex, Nilmar, Índio e até mesmo pelo goleiro Clemer (de pênalti, no final do jogo). A vitória rendeu ao clube o 38° título e consolidou o Internacional como o maior vencedor da história do Campeonato Gaúcho[6].

No fim do ano, o Inter ainda obteve um título inédito para o futebol nacional: a Copa Sul-Americana de 2008, da qual fora campeão invicto, com 5 vitórias e 5 empates. Foi o quarto título internacional oficial do clube: Libertadores, Mundial, Recopa e agora, Sul-Americana, este último nenhum clube brasileiro havia conquistado. Com isto, o Internacional tornou-se, ao lado do Boca Juniors, da Argentina, um dos dois clubes a possuir todos os títulos oficiais que um clube da América do Sul pode almejar.

Ainda em 2008, o clube lançou uma campanha que visa a obtenção de cem mil associados até a data seu centenário do Clube, em abril de 2009[7]. Em maio, o clube alcançou a marca histórica de 70 mil associados, figurando entre os dez clubes com maior número de sócios em todo o mundo[8]. Entretanto, Décio Hartmann, vice-presidente de administração do clube disse que a marca dificilmente será alcançada até abril, mas que com certeza chegará até o final do ano.[9] A partir do conceito "campeão de tudo", o Inter modificou seu escudo para o 2009.

Títulos


Mundiais
Campeonato Mundial de Clubes FIFA: 2006*.

Continentais
Copa Libertadores da América: 2006.
Copa Sul-Americana: 2008*.
Recopa Sul-Americana: 2007.

Nacionais
Campeonato Brasileiro de Futebol: 3 vezes (1975, 1976 e 1979*).
Copa do Brasil: 1992.

Estaduais
Campeonato Gaúcho: 39 vezes (1927*, 1934*, 1940*, 1941*, 1942*, 1943*, 1944, 1945*, 1947, 1948*, 1950*, 1951, 1952*, 1953, 1955*, 1961, 1969, 1970, 1971, 1972, 1973, 1974*, 1975, 1976, 1978, 1981, 1982, 1983, 1984, 1991, 1992, 1994, 1997, 2002, 2003, 2004, 2005, 2008 e 2009*).
Campeonato de Porto Alegre: 24 vezes (1913, 1914, 1915, 1916, 1917, 1920, 1922, 1927, 1934, 1936, 1940, 1941, 1942, 1943, 1944, 1945, 1947, 1948, 1950, 1951, 1952, 1953, 1955 e 1972).
* Campeão invicto.

Estatíticas

O Internacional apresenta um dos melhores históricos entre os times brasileiros somando 4 títulos nacionais de grande expressão, além de possuir a Tríplice Coroa: Libertadores, Mundial e Recopa, ambos conquistados em 2006 e 2007, respectivamente.

Inter no Gauchão Ano 1927 1934 1936 1940 1941
Pos. 1º 1º 2º 1º 1º
Ano 1942 1943 1944 1945 1947 1948 1950 1951 1952 1953
Pos. 1º 1º 1º 1º 1º 1º 1º 1º 1º 1º
Ano 1955 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967 1968 1969
Pos. 1º 1º 2º 2º 2º 5º 2º 2º 2º 1º
Ano 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979
Pos. 1º 1º 1º 1º 1º 1º 1º 2º 1º 3º
Ano 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989
Pos. 2º 1º 1º 1º 1º 2º 2º 2º 2º 2º
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. 3º 1º 1º 2º 1º 2º 6º 1º 2º 2º
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. 3º 4º 1º 1º 1º 1º 2º 7º 1º 1º
Inter no Brasileirão Ano 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979
Pos. 5º 3º 4º 4º 1º 1º 25º 3º 1º
Ano 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989
Pos. 3º 8º 24º 19º 22º 10º 12º 2º 2º 15º
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. 16º 7º 10º 17º 12º 9º 9º 3º 12º 16º
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. 6º 9º 21º 6º 8º 2º 2º 11º 6º
Inter na Copa do Brasil Ano 1989
Pos. 14º
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. 19º — 1º 11º 6º 10º 7º 7º 19º 4º
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. 23º 25º 11º 19º 12º 9º — — 5º
Inter na Taça Brasil/Taça de Prata Ano 1962 1967 1968 1969 1970
Pos. 3º 2º 2º 5º 5º
Inter na Libertadores Ano 1976 1977 1980 1989 1993 2006 2007
Pos. 9º 4º 2º 3º 20º 1º 18º
Inter na Sul-Americana Ano 2003 2004 2005 2008 2009
Pos. 17º 4º 7º 1º
Inter no Mundial Ano 2006
Pos. 1º
* Todas as participações em torneios oficiais.

Internacional

O Sport Club Internacional, também chamado de Inter, é um clube brasileiro de futebol, da cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Seus torcedores são conhecidos como colorados.

Foi campeão da Copa Libertadores da América e do Mundial de Clubes FIFA em 2006, da Recopa Sul-Americana em 2007 e da Copa Sul-Americana de 2008, título inédito até então para um time do Brasil, além de ser, ao lado do clube argentino Boca Juniors, o clube que possui todos os títulos que um clube Sul-Americano pode almejar atualmente. É ainda o único clube brasileiro a ter sido campeão nacional de forma invicta (1979), e também o único octacampeão consecutivo gaúcho (1969-1976)[1].

Em janeiro de 2009, o Internacional chegou à marca de 83 mil associados e tornou-se o clube de futebol com maior número de sócios na América Latina, ultrapassando o argentino River Plate (82.155 sócios) e ficando atrás de apenas 6 clubes europeus

Fundação

Henrique Poppe foi um dos fundadores do clubeOs comerciantes paulistas, descendentes de italianos da Lombardia, os irmãos José e Henrique Poppe Leão, e o primo Luiz Madeira Poppe, foram os responsáveis pela criação do Sport Club Internacional.

A maior dificuldade encontrada pelos Poppe, quando se transferiram de São Paulo para Porto Alegre, em 1908, foi a de não serem aceitos como sócios nos dois clubes da cidade (o Grêmio e o Fussball Porto Alegre), pois não tinham ascendência germânica. A intenção dos Poppe era praticar algum esporte, preferencialmente o futebol. No Grêmio, que existia há 6 anos, as portas foram fechadas a eles, com a desculpa de que eram gente recém-chegada e pouco conhecida na cidade. Isso irritou os Poppe, que então convocaram um grupo de estudantes e comerciários de Porto Alegre para uma reunião, marcada para o dia 4 de abril de 1909, no endereço de número 141 na avenida Redenção (hoje avenida João Pessoa, 1025), com o objetivo de fundar um novo clube de futebol. Começou assim a história do Sport Club Internacional.

Mais de 40 pessoas votaram também para a escolha do nome do clube, definido em homenagem ao Sport Club Internacional (São Paulo), então campeão paulista, de onde vieram os irmãos Poppe. Como na época os clubes eram costumeiramente identificados com colônias de imigrantes de determinada etnia ou nacionalidade (como o Palestra Itália paulista, em relação aos italianos; o Vasco da Gama, em relação ao imigrantes portugueses etc.), o nome "Internacional" tinha por escopo identificar um clube em que "todos" poderiam jogar, independentemente de origem, raça ou status social. Surgia assim um clube genuinamente democrático e sem preconceitos.

Cumpre ressalvar que seria absolutamente improvável que o nome do Inter de Porto Alegre tivesse sido inspirado no do homônimo italiano, já que este foi criado em 1908, apenas um ano antes, em época em que as informações demoravam meses, se não anos para atravessar o oceano. No ano de sua fundação, a Internazionale de Milão tinha jogado somente três partidas e perdera as três. Em 1909, o clube italiano não tinha a menor expressão, tampouco conquistado qualquer título, sendo um clube ainda desconhecido.


Anos 10/20 - Primeiros títulos

Inter Campeão do Citadino de 1922O Internacional realizou seus primeiros treinamentos já no primeiro mês de fundação, em abril de 1909, num terreno da Rua Arlindo, na Ilhota. Mas o time nem chegou a jogar ali, ficando no local apenas um ano. As inundações freqüentes fizeram com que fosse logo abandonado o campo da Ilhota. Atualmente neste local fica a Praça Sport Club Internacional no bairro Azenha.

Para marcar definitivamente a rivalidade entre os dois maiores clubes do Rio Grande do Sul, os dirigentes do clube convidaram o Grêmio (já com seis anos de experiência) para disputar o primeiro clássico Gre-Nal da história. No dia 18 de julho do mesmo ano, o Internacional realizou sua primeira partida, no estádio do Grêmio (Baixada), situado no Bairro Moinhos de Vento. O resultado não poderia ser pior para o Inter, que com apenas três meses de fundação, perdeu por 10 a 0 para o Grêmio.

No dia 7 de setembro de 1909, com cinco meses de vida, o Internacional obteve seu primeiro empate contra uma equipe considerada de primeira linha na época: 0 a 0 contra o Militar Football Club, que no ano seguinte seria o campeão citadino. Mas a primeira vitória viria ainda neste ano, no dia 12 de outubro contra o mesmo Militar, por 2 a 1. Esta foi a primeira de muitas vitórias do clube.

Em 1913, o Internacional conquistou seu primeiro título, e de forma invicta: o do Campeonato Metropolitano de Porto Alegre. Esse feito seria repetido no ano seguinte, em 1914. Apesar dos progressos, o incômodo dos Gre-Nais permanecia e pertubou a vida de colorados até 1915, quando finalmente venceu o Grêmio por 4 a 1. O dirigente Antenor Lemos gritava de felicidade: "Está quebrado o lacre, esta quebrado o lacre", repetia sem parar, emocionado. Em julho de 1916, o Inter aplicou mais uma goleada no rival: 6 a 1, já na Chácara dos Eucaliptos. O ponta-esquerda Francisco Vares o grande herói colorado na partida, fazendo todos os seis gols do Inter.

Nesta primeira fase do Internacional, a importância dos estudantes foi tanta que os campeonatos citadinos vencidos sucessivamente em 1913 a 1916 de forma invicta, e 1917, só foram interrompidos em 1918, por força do surto da febre espanhola. As escolas e as faculdades suspenderam as aulas com receio de contágio - e o Internacional ficou praticamente sem time.

A partir da década de 1920, o Inter abriria a sua sede e daria lugar no seu time aos jogadores que pertenciam às muitas ligas que organizavam competições entre clubes representativos de negros (a famosa Liga da Canela Preta, por exemplo), de funcionários públicos, de funcionários do comércio e de estivadores.Em 1925, um jogador negro veste pela primeira vez a camisa colorada. Chamava-se Dirceu Alves e atuava na defesa.

O reconhecimento estadual aconteceu em 7 de setembro de 1927, quando o Inter sagrou-se Campeão Gaúcho pela primeira vez, ao vencer o Bagé no estádio da Baixada (antigo estádio do Grêmio) por 3 a 1, em dois tempos de 40 minutos. Nessa época, o campeonato gaúcho era decidido entre o campeão da capital e o campeão do interior.


Anos 30 - Período de afirmação
Após a criação do Estádio dos Eucaliptos, em 1931, graças ao presidente do clube, Ildo Meneghetti, o clube faria a sua primeira viagem fora do Rio Grande do Sul, e também a primeira fora do Brasil. A ocasião deve-se ao amistoso realizado contra o uruguaio Oriental, no dia 25 de maio em Rivera, no Uruguai. O Internacional venceu a partida amistosa por 4 a 2.

Começa a grande mudança social do clube. Com o segundo título estadual em 1934, os jogadores já recebiam alguma forma de remuneração para jogar futebol. O time não era mais formado por tios, primos, filhos, e amigos da família. Estavam em campo jogadores das ligas periféricas, gente mais simples, alguns pobres, e negros. Também foi nesta época que se construía a eterna rivalidade do futebol gaúcho.


Anos 40/50 - Rolo compressor
O Rolo compressor era um time de craques extremamente ofensivo formado pelo dirigente Hoche de Almeida Barros (o Rocha), quando assumiu a presidência do clube em 1940. No Rolo, se consolidavam aos poucos as peças de um time de futebol que seria invencível. Houve uns quatro ou cinco rolos, mas o primeiro tem um nome que deflagrou todo o resto: Carlitos, o maior goleador da história do futebol gaúcho, marcando 485 gols.

Quem criou a expressão "Rolo" foi Vicente Rao, o Rei Momo de Porto Alegre, cujo reinado foi de 22 anos (de 1950 a 1972). Jogador do Internacional na década de 20 (inclusive fazendo parte do grupo de jogadores que conquistou o primeiro Campeonato Gaúcho do Inter, em 1927), acabou sendo inscrito na história do clube como o seu insuperável animador de torcida. Gostava de futebol e da juventude, tanto que foi ele quem criou as primeiras escolinhas de futebol do Internacional.

Aliás, Vicente Rao era um caso de "coloradismo" patológico e fatal: nasceu justamente em 4 de abril, data de aniversário de seu clube do coração. Se divertia em dizer que não havia nascido: foi inaugurado. Rao fazia desenhos dos jogadores do Inter e do time todo, em forma de um rolo compressor, amassando todos os adversários. Depois, levava suas charges pessoalmente aos jornais.

É deste tempo também o surgimento das grandes bandeiras e entradas do time em campo abaixo de foguetes, serpentinas, uma barulhada de sinos e sirenes. Por iniciativa de Rao, também, surge nesta mesma década prodigiosa a primeira torcida organizada do Internacional e do Estado, denominada "Camisa 12".

Na década de 40, a grande equipe do Internacional teve um retrospecto avassalador contra o rival: em 28 Gre-Nais venceu dezenove, empatou cinco e perdeu apenas quatro. Nesta mesma época, conquistou o hexacampeonato estadual (de 1940 a 1945), sendo que em 1942, 1943 e 1945 foi invicto.

Em 18 de novembro de 1945, o Internacional ganhou o inédito título de hexacampeão gaúcho, na Timbaúva, estádio do Força e Luz, jogando contra o Pelotas. A partir daí é que o apelido de Rolo Compressor dado por Vicente Rao ganhou fama. Os grandes clubes do eixo Rio-SP apareciam com propostas milionárias, mas os jogadores recusavam-se a sair de Porto Alegre. Era mesmo uma grande família, unidos para sempre e adorados pelos torcedores e imprensa, jamais sendo esquecidos.

O time mais ofensivo de todos os tempos já surgido no Rio Grande do Sul durou praticamente toda a década, e teve um sucessor, o "Rolinho" comandado pelo inesquecível Teté nos anos 1950.


Anos 60 - Âmbito nacional
O ano de 1967 marca a definitiva entrada do Internacional no cenário do futebol brasileiro. Até ali, a presença de clubes de fora do eixo RJ-SP se resumia a esporádicas presenças na Taça Brasil, um torneio rápido e em fases eliminatórias, instituído em 1959,e que durou até 1968; o Internacional participou da edição de 1962, obtendo um honroso 3º lugar, ficando atrás apenas de Santos e Botafogo. Finalmente, o Torneio Rio-São Paulo foi estendido a dois clubes do Rio Grande do Sul, dois de Minas Gerais e um do Paraná, criando-se o Torneio Roberto Gomes Pedrosa (ou "Robertão"). O Inter foi logo se destacando, terminando seu primeiro campeonato nacional como vice-campeão do país.

A histórica vitória de 1 a 0 sobre o Corinthians, gol de Lambari em pleno Estádio Pacaembu, aconteceu no dia 28 de maio de 1967. O Corinthians estava invicto há quinze partidas e parecia imbatível. Essa foi a primeira vitória de um clube gaúcho frente a um clube paulista em São Paulo[3]. Na temporada seguinte, em 1968, o Colorado repetiu o segundo lugar no "Robertão".


Anos 70 - Pioneirismo nacional
Após a criação da Gigante da Beira-Rio em 1969, surgiu um dos maiores times da história do futebol brasileiro: o Internacional de Falcão, Figueroa, entre outros na década de 70

Em 1974, um feito histórico. O Internacional conquistava o Campeonato Gaúcho com uma campanha impressionante: 18 vitórias em 18 partidas. O Colorado disputou todo o campeonato sem conhecer outro resultado que não fosse vitória.

No ano seguinte, o Internacional seria o primeiro clube gaúcho a conquistar o Brasil. Após terminar sempre entre os cinco primeiros colocados nos anos anteriores, desde que o Campeonato Brasileiro fora criado, o Inter finalmente era campeão. O primeiro título foi obtido em uma partida emocionante, na vitória por 1 a 0 sobre o Cruzeiro, no Estádio Beira-Rio. O único gol da partida foi marcado pelo zagueiro chileno Figueroa. Este gol tornou-se conhecido como “gol iluminado”, pelo fato de ter surgido um facho de luz do sol exatamente onde Figueroa subiu para cabecear a bola para o fundo da rede adversária.

Em 1976, o Internacional conseguia outra façanha inédita nos pampas. O Colorado conquistava o Octacampeonato Gaúcho (69 a 76), a maior série de títulos consecutivos de campeonatos estaduais no Rio Grande do Sul (e uma das maiores do Brasil), quebrando o recorde do rival, o qual havia alcançado a marca de sete títulos consecutivos em 1968. Em nível nacional, o Inter conquistou mais um título nacional, ao bater o Corinthians por 2 a 0 no Beira-Rio. Os gols foram marcados por Dario (que terminaria como artilheiro da competição, com 16 gols marcados) e Valdomiro.

Nenhum dos feitos colorados de até então se igualaria ao que estava por vir. No ano de 1979, o Internacional sagrou-se Campeão Brasileiro pela terceira vez. Desta vez, porém, de forma invicta (algo que nenhum outro clube do País conseguiu repetir até hoje). Na partida decisiva, no Beira-Rio, vitória colorada sobre o Vasco da Gama por 2 a 1 (gols de Jair e Falcão para o Inter, e Wilsinho descontando para o Vasco), depois de ter vencido o time carioca na primeira partida da final em pleno Maracanã pelo placar de 2 a 0 (dois gols de Chico Spina).

Em 1980, o Internacional alçaria vôos mais altos. Não bastasse ter sido o primeiro time gaúcho a disputar a Taça Libertadores da América, em 1976, o Inter seria também o primeiro a chegar na final da competição sul-americana. O adversário da decisão era o Nacional de Montevidéu. Após um empate frustrante em zero a zero no Beira-Rio, o Inter perderia o título ao ser derrotado com um magro 1 a 0 no Uruguai, gol de Waldemar Victorino.


Anos 80/90 - Tempos difíceis
Os anos 1980 foi um período de poucos títulos para o Internacional. Mesmo assim, forneceu praticamente todo o time (nove dos onze titulares) da Seleção Brasileira que disputou as Olimpíadas de 1984, alcançando uma inédita medalha de prata em Los Angeles. Destaque também para a conquista do Troféu Joan Gamper, em Barcelona, no qual o Internacional eliminou o poderoso Barcelona (que anos mais tarde viria a ser o adversário da maior conquista da história do clube) de Maradona e venceu o inglês Manchester City na final, por 3 a 1. Obteve um Tetracampeonato Gaúcho (de 1981 a 1984). No cenário nacional, o clube conquistou o Torneio Heleno Nunes em 1984 e chegou a duas finais consecutivas do Campeonato Brasileiro (1987 e 1988).

O clube passou por graves crises na década de 1990. O ano de 1992 foi uma exceção: o Colorado conquistava o inédito título da Copa do Brasil. A final dramática no Beira-Rio foi contra o Fluminense. O Inter venceu a partida com um polêmico pênalti ocorrido aos 42 minutos do segundo tempo, convertido pelo zagueiro Célio Silva. Nessa década, o Internacional ainda obteve quatro títulos gaúchos (1991, 1992, 1994 e 1997). Após boa campanha no Campeonato Brasileiro de 1997, no qual terminou na terceira colocação, o Internacional viveria um dos piores momentos de sua história em 1999, quando esteve ameaçado de ser rebaixado para a Segunda Divisão nacional. O Colorado escapou do rebaixamento apenas na última partida do Campeonato Brasileiro daquele ano, com um gol do ídolo Dunga sobre o Palmeiras de Luiz Felipe Scolari, no Beira-Rio, garantindo a permanência do clube gaúcho entre as principais equipes do futebol brasileiro.

O Internacional manteve-se durante 24 anos seguidos (1975-1998) como primeiro lugar no Ranking de Pontos do Campeonato Brasileiro de Futebol.


2002/2006 - A Tríplice coroa
O Sport Club Internacional, conhecido como Celeiro de Ases por ser um dos principais formadores de jogadores no Brasil, resolveu apostar em sua categoria de base para uma nova era de conquistas, no início de Século XXI. O clube revelou grandes jogadores ao futebol brasileiro e mundial nos últimos anos, como Lucio, Fábio Rochemback, Daniel Carvalho, Nilmar, Rafael Sóbis e Alexandre Pato.

Após uma nova ameaça de rebaixamento em 2002, novamente livrando-se da queda apenas na última partida (desta vez fora de casa, contra o Paysandu, em Belém), o Internacional recuperou a hegemonia do futebol gaúcho, com a conquista de quatro estaduais consecutivos (2002, 2003, 2004 e 2005).

Sob o comando do presidente Fernando Carvalho, o Inter voltou a disputar competiçőes sul-americanas, depois de um longo tempo afastado do cenário internacional. Na Copa Sul-Americana, o Colorado fez boas campanhas. Em 2004, chegou nas semifinais, sendo derrotado pelo Boca Juniors da Argentina e, em 2005, após passar por São Paulo e Rosario Central (o clube argentino ostentava uma invencibilidade de 40 partidas contra equipes estrangeiras em casa, até ser derrotado pelo Internacional em seu estádio), o Inter cairia novamente diante do Boca Juniors. A experiência adquirida na Copa Sul-Americana serviu para que os jogadores, em sua maioria mantidos, pudessem encarar um desafio ainda maior: a Copa Libertadores da América.

A vaga para a principal competição sul-americana seria alcançada em 2005, ano que jamais será esquecido pela torcida colorada, que viu o título do Campeonato Brasileiro ser tirado do Internacional através de uma manobra extrajudicial, na qual o Corinthians foi o maior beneficiado. Dentro de campo, o Internacional fez mais pontos que seu adversário. Porém, um escândalo envolvendo manipulação de resultados abriu uma brecha para que o Corinthians disputasse novamente duas partidas das quais havia perdido. Não bastando isso, no confronto direto entre as duas equipes do dia 20 de novembro, no Estádio do Pacaembu, o árbitro Márcio Rezende de Freitas errou ao não marcar um pênalti claro sofrido por Tinga e, não satisfeito, expulsou o jogador colorado, que era um dos melhores da partida, quando o jogo estava empatado em 1 a 1, resultado que se manteve até o final. Duas semanas depois, o clube paulista acabou ficando com o título, com apenas três pontos de vantagem sobre o Internacional, vice-campeão.

A compensação colorada viria no histórico ano de 2006, o ano do Internacional. Depois de perder o Campeonato Gaúcho para o maior rival, o Inter finalmente conquistaria um grande título internacional. Treinado por Abel Braga, o time colorado sagrou-se campeão da Copa Libertadores, no dia 16 de agosto de 2006. Mais de 57 mil torcedores lotaram o Beira-Rio para assistirem ao emocionante empate em 2 a 2 contra o São Paulo (campeão mundial em 2005), colocando assim o clube colorado na galeria dos campeőes da Libertadores, tornando-se o segundo time no sul do Brasil a conquistar este título. Os gols do Inter foram marcados por Fernandão e Tinga, enquanto Lenílson e Fabão fizeram os gols do time adversário. O Inter jogou desde os 27 minutos do segundo tempo com um jogador a menos, após a expulsão de Tinga. No primeiro duelo das finais, no Morumbi, o Internacional havia vencido por 2 a 1, numa grande atuação de Rafael Sóbis, que marcou duas vezes.

Com a vaga garantida no Mundial de Clubes da FIFA, o Inter manteve a boa fase no Campeonato Brasileiro. Mesmo tendo utilizado o time reserva em boa parte da competição, o grupo colorado conseguiu terminar na vice-liderança. Mais um feito inédito na história do futebol brasileiro, pois nunca um clube do Brasil que conquistou a Libertadores havia terminado entre os dois primeiros colocados do Campeonato Brasileiro do mesmo ano. O melhor resultado de até então era o quarto lugar obtido pelo São Paulo, no campeonato de 1993.

O dia 17 de dezembro ficará marcado na memória de todos os colorados como aquele em que o Inter viveu a maior glória de sua quase centenária existência. Nesta data, o Internacional sagrou-se campeão do Mundial de Clubes da FIFA, ao novamente enfrentar e vencer, em Yokohama (Japão), o Barcelona. O clube espanhol era considerado favorito por grande parte da imprensa mundial, vinha de uma goleada na partida anterior e ainda contava com Ronaldinho Gaúcho (duas vezes eleito o melhor jogador do mundo) no elenco, enquanto o Internacional teve dificuldades para vencer o egípcio Al-Ahly por 2 a 1, com gols de Alexandre Pato e Luiz Adriano. Porém, o Internacional levou a melhor, vencendo a partida por 1 a 0. O gol foi marcado por Adriano Gabiru, jogador contestado pela torcida, que saiu da reserva para fazer o gol mais importante da história do Clube. Na chegada à Porto Alegre, o time colorado foi recepcionado por milhares de torcedores, do aeroporto até o trajeto ao Beira-Rio, que se encontrava lotado para recepcionar os campeões.

Em meio a tantas vitórias, o Internacional teve um mau início de temporada em 2007. Porém, para fechar com chave de ouro este ciclo vitorioso, no dia 7 de junho de 2007 o Inter conquista a Recopa Sul-Americana diante do Pachuca do México, pelo placar final de 5 a 2. No primeiro jogo, no estádio Hidalgo, a equipe não teve uma boa atuação e foi derrotada por 2 a 1. Alexandre Pato abriu o placar, mas Gimenez, com dois gols, virou para o time mexicano. Na segunda partida, apoiado por mais de 51 mil torcedores que lotaram o Beira-Rio, o Inter venceu o adversário pelo placar de 4 a 0 - a maior goleada da história da competição. Alex, de pênalti, Pinga, Alexandre Pato e Mosquera (contra) marcaram os gols. Depois de erguer as taças da Libertadores e do Mundial de Clubes da FIFA em 2006, o Inter vencia a Recopa e garantia a inédita Tríplice Coroa Internacional.

Ferrari pode estar um caos só com italianos, diz ex-campeão

Conhecido por suas declarações polêmicas, o tricampeão de Fórmula 1 Niki Lauda afiou a língua para comentar a situação da Ferrari, que não marcou pontos nas três primeiras corridas da temporada, pior desempenho desde 1981. O austríaco acredita que a escuderia está um caos por conta da predominância da cultura italiana

"Ross Brawn (antigo chefe de equipe), porque é um inglês, foi a ponte ideal entre os italianos, com a sua cultura spaghetti, e Schumacher, com a sua eficiência alemã. Agora os italianos estão comandando tudo. Isso funciona? Pode ser um caos. Esse é o problema", avaliou.

No último ano, o italiano Stefano Domenicali assumiu o cargo de chefe de equipe. Desde então, a escuderia tem se destacado mais pelos erros do que pela eficiência tão exaltada na época em que a dupla Schumacher/Brawn dominou a categoria.

Neste ano, os pilotos Felipe Massa e Kimi Raikkonen estão sendo vítimas das trapalhadas da equipe. No GP da China, no último domingo, o brasileiro abandonou a prova depois da quebra de sua Ferrari quando estava em terceiro lugar. Massa havia largado na 13ª colocação.

Grêmio confirma Autuori; apresentação será só em maio

A direção do Grêmio definiu a permanência de Marcelo Rospide como técnico até a chegada de Paulo Autuori. O novo treinador termina seu contrato com o Al Rayyan, do Catar, dia 20 de maio e se apresenta em seguida no Olímpico.

Assim, Rospide continuará dirigindo o time diante do Boyacá Chicó, dia 28 de abril, nas oitavas-de-final da Libertadores e nas duas primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro contra Santos e Atlético-MG.

Os dirigentes aparentam tranqüilidade na escolha, mesmo correndo o risco de uma eliminação no torneio sul-americano sem um técnico efetivo.

Houve convicção na espera por Autuori pela dificuldade de contratar profissionais empregados. Geninho e Vanderlei Luxemburgo foram procurados, mas os altos valores das multas rescisórias impediram o prosseguimento das negociações.

Autuori assinará contrato até o final de 2010 com amplos poderes para supervisionar as categorias de base. O preparador físico ainda não foi escolhido. Moraci Santana, sem clube no momento, está cotado

Santos coloca ingressos para final a partir de R$ 80

Os ingressos para a primeira partida da final do Campeonato Paulista entre Santos e Corinthians começam a ser vendidos nesta quinta-feira nos postos de venda credenciados pelo clube da Baixada. A partida será realizada, neste domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro, e as bilheterias da Vila funcionarão até o intervalo da partida (se ainda houver ingressos).

Como a Vila certamente estará lotada, a diretoria do Santos resolveu reajustar os preços. Os ingressos de arquibancada, que custavam R$ 20, e nas semifinais do Paulista foram vendidos a R$ 40, desta vez serão vendidos a R$ 80 (meia-entrada: R$ 40).

As cadeiras laterais vão custar R$ 200 (meia: R$ 100) e cadeiras de fundo R$ 150 (meia: R$ 75). Já o setor VIP custará R$ 180 (meia: R$ 90). Os bilhetes para o setor vip podem ser adquiridos pela internet: www.futebolcard.com

Já a torcida visitante do Corinthians deverá efetuar a compra de ingressos nos guichês do Portão 21 da Vila Belmiro (acesso pela rua José de Alencar). As entradas custam R$ 80 e a meia-entrada, R$ 40. Devem ser destinados 1.259 ingressos à torcida corintiana, a mesma cota que receberam os torcedores do Palmeiras, pelas semifinais da competição. No total, serão colocados 18 mil ingressos à venda.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Kaká marca em goleada e Milan é vice-líder

O Milan atropelou o Torino por 5 a 1 em partida que fechou a 32ª rodada do Campeonato Italiano, com direito a um gol de Kaká, e assumiu a vice-liderança da competição, ultrapassando a Juventus nos critérios de desempate.

O brasileiro balançou as redes no Estádio San Siro aos 23min da etapa final, cobrando pênalti. Mas o destaque ficou para os três gols do veterano Filippo Inzaghi, dois com passe de Beckham e um com assistência do brasileiro Ronaldinho.

Ambrosini, nos acréscimos, fez o quinto, enquanto Franceschini marcou o único do Torino - que permanece na 17ª posição, com 27 pontos.

Já o Milan chegou aos mesmos 64 pontos da Juventus, que ontem ficou no 1 a 1 com a líder Inter de Milão em Turim. O time rubro-negro precisava de um triunfo com dois gols de saldo para assumir a posição.

A Inter está na frente, com 74 pontos, e parece ficar cada vez mais perto da taça.

Sem astros, Manchester é eliminado pelo Everton nos pênaltis

Sem seus principais astros, como Cristiano Ronaldo, Wayne Rooney e Ryan Giggs, o Manchester United não saiu de um 0 a 0 com o Everton no tempo normal pela semifinal da Copa da Inglaterra, neste domingo. No entanto, nos pênaltis, o time de Liverpool venceu e avançou à decisão da competição.

Na outra semifinal, o Chelsea já garantiu sua vaga ao derrotar o Arsenal por 2 a 1. A decisão será realizada dia 30 de maio, no último jogo da temporada inglesa.

O grande nome das penalidades foi o goleiro Howard, que defendeu os tiros de Berbatov e Ferdinand. Vidic e o brasileiro Anderson marcaram para o Manchester. Pelo lado do Everton, Cahill desperdiçou sua chance, mas Baines, Phill Neville, Vaughan e Jagielka garantiram sua equipe na final.

Com a eliminação, o time de Sir Alex Ferguson dá adeus à pretensão de conquistar todos os títulos que disputa na temporada. Depois de vencer o Mundial e a Copa da Liga Inglesa, o Manchester ainda estão na Copa dos Campeões (semifinal) e no Campeonato Inglês, competição em que é líder.

Agora, as duas equipes voltam a campo na próxima quarta-feira para fechar a 33ª rodada do Campeonato Inglês. O Everton terá um confronto difícil contra o Chelsea fora de casa, enquanto o Manchester tentará se manter na liderança do torneio contra o Wigan.

Djokovic se aproxima de Federer no ranking da ATP

O sérvio Novak Djokovic, número três do Ranking da ATP, começa a se aproximar do suíço Roger Federer na briga pela segunda posição, segundo a lista divulgada nesta segunda-feira.

Federer aparece com 10.760 pontos, enquanto Djokovic chegou aos 9.520 ao perder a final do Masters de Monte Carlo para o espanhol Rafael Nadal - que segue absoluto na primeira posição, com 15.360.

O único brasileiro no top 100 é Thomaz Bellucci. O paulista aparece em 73º lugar, com 984 pontos.

Confira os dez melhores do Ranking da ATP:

1. Rafael Nadal (ESP) 15.390 pontos
2. Roger Federer (SUI) 10.760
3. Novak Djokovic (SER) 9.520
4. Andy Murray (ESC) 8.950
5. Juan Martín del Potro (ARG) 4.580
6. Andy Roddick (EUA) 4.340
7. Fernando Verdasco (ESP) 3.790
8. Nikolay Davydenko (RUS) 3.675
9. Gilles Simon (FRA) 3.670
10. Gael Monfils (FRA) 3.460

Ronaldo marca, Corinthians elimina São Paulo e volta à final

Em seu quarto clássico com a camisa alvinegra, Ronaldo mais uma vez voltou às redes e ajudou o Corinthians a eliminar novamente o São Paulo em um mata-mata de Campeonato Paulista. Com um histórico amplamente favorável neste tipo de disputa, a equipe alvinegra venceu o rival por 2 a 0 na tarde deste domingo, em pleno Estádio do Morumbi, e volta a disputar uma final depois de seis anos, a primeira após a queda para a segunda divisão nacional.

A vantagem de poder jogar pelo empate, após a vitória heróica por 2 a 1 do último domingo, decidida apenas nos últimos segundos, foi bem usada pelo time do Parque São Jorge. Depois de ser dominado na maior parte do duelo e chegar a ser ameaçado na volta para o segundo tempo, os comandados de Mano Menezes souberam explorar os contra-ataques para abrir vantagem e definir o duelo.

Além de eliminar o rival tricolor mais uma vez, o Corinthians ainda pode comemorar a importante vantagem obtida para a final que fará com o Santos. Com seis pontos conquistados nos confrontos da semifinal, a equipe jogará pelo empate contra o time da Baixada e ainda terá o direito de definir em seus domínios, provavelmente no Estádio do Pacaembu.

O resultado favorável obtido em um Morumbi lotado por são-paulinos representa a repetição de uma história que ocorre na maioria das vezes em que os corintianos largaram em vantagem. Nos oito mata-matas anteriores, sempre que venceram a primeira partida, apenas em uma ocasião não conseguiram eliminar o rival. No duelo entre os clubes mais recente no Paulista, o time do Parque São Jorge venceu os tricolores em 2003, na decisão, quando faturaram o Estadual pela última vez.

Neste domingo, com as duas equipes apostando em formações ofensivas, com três atacantes, o Corinthians soube se segurar nos primeiros 45 minutos e só precisou de dois minutos para definir o duelo. Aos 10min, tentando sair de um início de pressão são-paulina, Ronaldo achou Jorge Henrique livre dentro da área, que teve tempo para dominar e carimbar a trave de Bosco. No rebote, Douglas apareceu com liberdade para empurrar para as redes e aumentar a vantagem alvinegra.

Ainda em clima de festa, a pequena torcida corintiana no Morumbi ainda ampliou a festa dois minutos depois, desta vez com o maior astro de seu elenco. Assim como fez em sua estréia no Paulista, contra o Palmeiras, Ronaldo voltou a vazar um rival depois de receber lançamento preciso de Cristian e dar um leve toque na saída de Bosco. Na comemoração, o atacante fez gesto irônico com os dedos indicadores, lembrando o gesto polêmico que o mesmo volante fez no Pacaembu, no último final de semana, e que rendeu críticas de dirigentes tricolores.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 0 x 2 CORINTHIANS

Gols
Corinthians: Douglas, aos 10min, e Ronaldo, aos 12min do 2º tempo

Ponto Forte do São Paulo
Atuação do setor de meio-campo na primeira etapa, quando anulou as principais jogadas ofensivas do rival e dominou a partida

Ponto Forte do Corinthians
Eficiência nos contra-ataques no início do segundo tempo, quando chegou duas vezes à meta defendida por Bosco e definiu a classificação

Ponto Fraco do São Paulo
Queda de rendimento da equipe após sofrer os gols, quando não demonstrou poder de reação, mostrou abatimento e se conformou com a eliminação

Ponto Fraco do Corinthians
Falta de criatividade demonstrada na primeira etapa, quando pouco ameaçou o goleiro Bosco

Personagem do jogo
Douglas, do Corinthians

Esquema Tático São Paulo
3-4-3
Bosco; Renato Silva, Rodrigo e Miranda; Júnior César, Jean, Hernanes e Jorge Wagner; Dagoberto (Wellington), Borges e Washington

Esquema Tático Corinthians
4-3-3
Felipe; Alessandro, Chicão, William e André Santos (Diego); Cristian, Elias e Douglas; Jorge Henrique, Dentinho (Morais) e Ronaldo (Boquita)

Cartões Amarelos
São Paulo: Rodrigo, Dagoberto e Washington
Corinthians: André Santos, Cristian e Dentinho

Cartões Vermelhos
São Paulo: Rodrigo

Árbitro
Wilson Luiz Seneme

Público
45.710 pagantes

Renda
R$ 1.556.880,00

Local
Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)

Inter e Sport festejam; Ronaldo e Cuca "calam" rivais

No dia em que foram conhecidos alguns campeões e finalistas dos Estaduais pelo Brasil, times de Internacional e Sport confirmaram o domínio recente em suas regiões e não tiveram dificuldades para erguer nova taça. Com amplo favoritismo desde o início das disputas, as equipes comandadas por Tite e Nelsinho Baptista não deram chances às "zebras" e ampliaram a hegemonia nos torneios de Rio Grande do Sul e Pernambuco de forma invicta e antecipada. No entanto, o domingo do futebol também teve outras emoções e viu as respostas dos criticados Ronaldo e Cuca nos triunfos de Corinthians e Flamengo em clássicos.

Absoluto no Estado nos últimos anos e ainda vivendo a expectativa dos momentos decisivos da Libertadores da América, o Sport não deu chances aos rivais em Pernambuco e faturou o quarto título seguido. Vencedor com folga do primeiro turno com sete pontos de vantagem, a equipe rubro-negra confirmou neste final de semana o título do segundo turno com três pontos a mais que o Náutico, evitando assim a decisão da competição. Com o empate sem gols nos Aflitos, diante do maior rival, o time levantou o 38º caneco de sua história.

Já no Beira-Rio, o Inter repetiu o feito da última temporada e fez oito gols em uma decisão no Rio Grande do Sul. Depois de massacrar o Juventude em 2008, neste ano a vítima foi o Caxias, que levou 8 a 1 no estádio colorado e sacramentou a conquista da equipe do técnico Tite. Com direito a três vitórias sobre o Grêmio no Gaúcho, que eliminaram o maior rival no primeiro e no segundo turno, o time não deu chances aos rivais e, a exemplo do Sport, também não precisou da decisão e se sagrou campeão sem saber o que é perder.

No entanto, os personagens mais importantes do final de semana saíram dos times mais populares do País, nos duelos em São Paulo e Rio de Janeiro. Na capital paulista, após ser provocado pelo dirigente do São Paulo, o diretor de futebol Carlos Augusto de Barros e Silva, Ronaldo deu a resposta em campo com uma atuação decisiva no Morumbi, que selou a classificação corintiana à final. Chamado de ex-jogador pelo cartola, o camisa nove deu a assistência que deu origem ao gol de Douglas e deixou a sua marca em seguida ao tocar por cima do goleiro Bosco.

"Teve só um babaca que diz ser do clube, não sei nem se é, e disse algumas coisas. Vamos ver se agora ele aparece aí para falar qualquer besteira", disse Ronaldo após a partida, aceitando o clima de provocações iniciado por Leco, e logo acompanhado pelo arqueiro Felipe. "Quero ver o que ele vai falar agora quando for à padaria depois de dizer que o Ronaldo é ex-jogador. Mas continuem falando, até mesmo os dirigentes de outros times, porque dentro de campo a fera ferida resolve", cutucou o camisa um.

Já na capital fluminense, além de evitar a conquista antecipada do Botafogo no Estadual, Cuca comandou uma vingança pessoal contra os torcedores alvinegros na decisão da Taça Rio. Com a vitória por 1 a 0 do Flamengo sobre seu antigo clube no Estádio do Maracanã, o treinador abafou os gritos de "vice é o Cuca" cantados pelos fãs rivais na conquista da Taça Guanabara, durante o triunfo sobre o Resende na final. Na ocasião, as arquibancadas lembraram do histórico de fracassos do técnico quando era comandante do time de General Severiano.

Perto de amargar o "tetra-vice" no Rio de Janeiro (Carioca de 2008 e 2007 Taça Guanabara do ano passado), sempre no comando do Botafogo e contra o Flamengo, Cuca deu sua resposta em campo e faturou seu tricampeonato da Taça Rio neste domingo. Apesar de ter se mostrado chateado com os antigos fãs, o técnico evitou as polêmicas e descartou o sentimento de vingança.

"Eu gosto do Botafogo, não tenho que tripudiar. O que eu falar contra eles, falo contra mim, já que trabalhei dois anos lá", disse o treinador flamenguista, que completou. "Tenho o maior respeito e o maior carinho pela torcida do Botafogo. Sei que não foi algo direcionado para mim e sim para o técnico do rival. Estou muito feliz com o carinho da torcida do Flamengo, mas ainda tenho um carinho pela torcida do Botafogo. Não tenho queixa, nem raiva de ninguém", finalizou.