quarta-feira, 31 de março de 2010

Especial – Alemanha

A Seleção Alemã de Futebol (AO 1945: Selecção Alemã de Futebol), é organizada pela Federação Alemã de Futebol, a instituição que administra o futebol na Alemanha, e representa a Alemanha nas competições internacionais de futebol, como a Copa do Mundo e a Eurocopa.

É a terceira seleção de futebol mais bem sucedida em Copas do Mundo, participando de sete finais e, ganhando três delas. Chegaram a seis finais da Eurocopa, também vencendo três.


História

O uniforme alemão consiste em camisas e meias brancas e calças pretas, cores da antiga monarquia do país. O uniforme reserva tradicional consiste em camisas e meias verdes (cores neutras) e calças brancas, tendo sido utilizado na final da Copa do Mundo de 1986. Na primeira década do século XXI, o uniforme reserva deixou de usar verde, chegando a utilizar cinza e preto, atualmente usando a cor vermelha.

A Seleção Alemã foi fortemente marcada pela política. Entre 1938 e 1945, a Áustria ficou integrada à Alemanha Nazista. Com isso, jogadores austríacos de destaque passaram a ser também aproveitados pela Seleção Alemã, enquanto a Austríaca (que utiliza tradicionalmente uniforme similar) foi extinta momentaneamente. A anexação ocorreu meses antes da Copa do Mundo de 1938, para a qual ambas as seleções estavam classificadas. Seis austríacos foram convocados para defender a Alemanha no mundial.

Após a Guerra, a Alemanha foi dividida. As áreas conquistadas no conflito voltaram aos antigos países, e o território alemão pré-guerra dividiu-se em quatro: a Áustria voltou a ser um país independente e sua Seleção foi retomada; em 1949, foram criadas as Alemanhas Ocidental, capitalista, e Oriental, comunista, que teriam seleções próprias. Por um tempo, a região do Sarre também esteve independente, possuindo também sua seleção, que chegou a disputar as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1954. No final dos anos 50, o Sarre foi integrado à Alemanha Ocidental.

As duas Alemanhas prosseguiram divididas até o ano de 1990, quando reunificaram-se. A reunificação deu-se já após a Copa do Mundo daquele ano, vencida pela Seleção Alemã-Ocidental. Os ocidentais, que continuaram a usar o uniforme da Alemanha pré-guerra, tiveram destaque amplamente maior, classificando-se durante a divisão para todas as Copas do Mundo ocorridas, tendo sido campeões em 1954 e 1974 (quando hospederam o torneio) contra seleções favoritas ao título, respectivamente Hungria e Países Baixos. Só não disputaram a Copa do Mundo de 1950, quando nenhuma seleção alemã existia. Os ocidentais também disputaram todas as Eurocopas a partir da edição de 1972, sendo logo campeões nesta. Venceriam também a de 1980.

A partida entre as duas Alemanhas na Copa do Mundo de 1974.

A Seleção Alemã-Oriental, mais fraca, classificou-se apenas para uma Copa do Mundo, justamente a de 1974, realizada na Alemanha Ocidental. Ambas se enfrentaram na primeira fase e os orientais conseguiram histórica vitória por 1 x 0. Costumavam ter bons desempenhos nas Eliminatórias, deixando de classificar-se para as Copas normalmente na última partida. Não conseguiram classificar-se para nenhuma Eurocopa. Por outro lado, ganharam ouro nos Jogos Olímpicos (nas Olimpíadas de 1976), o que as Alemanhas pré-guerra, Ocidental e reunificada não conseguiram. Continou a usar camisas e meias brancas, mas adotou o azul ao invés do preto na cor dos calções. O azul era a cor da juventude do Partido Comunista do país. Seu uniforme reserva consistia na combinação inversa ao do principal, sendo consagrado ao ser utilizado na vitória sobre a Alemanha Ocidental em 1974.

A Alemenha reunificada, que continuou usando os uniformes tradicionais da Ocidental, chamou em maior parte jogadores nascidos no antigo país, embora os melhores jogadores pós-reunificação tenham vindo do lado oriental: Matthias Sammer e Michael Ballack. O primeiro e único título desde a reunificação foi a Eurocopa 1996.

Torcida da Alemanha na Copa do Mundo de 2006.

A seleção é atualmente treinada por Joachim Löw. O antigo técnico Rudi Völler, um dos jogadores que tem mais jogos pela seleção e, que era o técnico desde Julho de 2000, se demitiu em 24 de Junho de 2004, como conseqüência da eliminação na primeira rodada da Euro 2004. O processo de reposição foi muito mais desgastante que o normal. Após quatro candidatos possíveis terem recusado o posto, Klinsmann assumiu o cargo em 26 de Julho.

Desempenho em competições

Desempenho na Copa do Mundo

 

Desempenho na Eurocopa

Ano

Fase

PG

V

E*

D

GP

GC

clip_image002[12]1960

Não se classificou

-

-

-

-

-

-

clip_image004[4]1964

Não se classificou

-

-

-

-

-

-

clip_image006[8]1968

Não se classificou

-

-

-

-

-

-

clip_image008[6]1972

Campeão

2

2

0

0

5

1

clip_image010[4]1976

Final

2

1

1

0

6

4

clip_image006[9]1980

Campeão

4

3

1

0

6

3

clip_image002[13]1984

Primeira rodada

3

1

1

1

2

2

clip_image012[10]1988

Semifinal

4

2

1

1

6

3

clip_image014[8]1992

Final

5

2

1

2

7

8

clip_image016[6]1996

Campeão

6

4

2

0

10

3

clip_image008[7]clip_image018[4]2000

Primeira fase

3

0

1

2

1

5

clip_image020[4]2004

Primeira fase

3

0

2

1

2

3

clip_image022[4]clip_image014[9]2008

Final

6

4

0

2

10

7

Total

3 Títulos

38

19

10

9

55

39

Desempenho na Copa do Mundo

Ano

Fase

Posição

PG

V

E*

D

GP

GC

clip_image024[4]1930

Não participou

-

-

-

-

-

-

-

clip_image026[4]1934

Terceiro lugar

3/16

4

3

0

1

11

8

clip_image002[14]1938

Primeira fase

10/15

2

0

1

1

3

5

clip_image028[4]1950

Banida

-

-

-

-

-

-

-

clip_image014[10]1954

Campeão

1/16

6

5

0

1

25

14

clip_image030[4]1958

Quarto lugar

4/16

6

2

2

2

12

14

clip_image032[4]1962

Quartas-de-final

7/16

4

2

1

1

4

2

clip_image016[7]1966

Final

2/16

6

4

1

1

15

6

clip_image034[8]1970

Terceiro lugar

3/16

6

5

0

1

17

10

clip_image012[11]1974

Campeão

1/16

7

6

0

1

13

4

clip_image036[4]1978

Segunda rodada

6/16

6

1

4

1

10

5

clip_image038[4]1982

Final

2/24

7

3

2

2

12

10

clip_image034[9]1986

Final

2/24

7

3

2

2

8

7

clip_image006[10]1990

Campeão

1/24

7

5

2

0

15

5

clip_image040[4]1994

Quartas-de-final

5/24

5

3

1

1

9

7

clip_image002[15]1998

Quartas-de-final

7/32

5

3

1

1

8

6

clip_image042[6]clip_image044[6]2002

Final

2/32

7

5

1

1

14

3

clip_image012[12]2006

Terceiro lugar

3/32

7

5

1

1

14

6

Total

16/18

3 Títulos

92

55

19

18

190

109

 

Desempenho na Copa das Confederações

Ano

Fase

PG

V

E*

D

GP

GC

clip_image046[8]1992

Não se classificou

-

-

-

-

-

-

clip_image046[9]1995

Não se classificou

-

-

-

-

-

-

clip_image046[10]1997

Não participou

-

-

-

-

-

-

clip_image034[10]1999

Primeira fase

3

1

0

2

2

6

clip_image042[7]clip_image044[7]2001

Não se classificou

-

-

-

-

-

-

clip_image002[16]2003

Não participou

-

-

-

-

-

-

clip_image012[13]2005

Terceiro lugar

5

3

1

1

15

11

clip_image048[4]2009

Não se classificou

-

-

-

-

-

-

Total

2/8

8

4

1

3

17

17

*Indica empates incluindo jogos eliminatórios decididos nos pênaltis.
**Fundo dourado indicada que o torneio foi vencido. Borda vermelha indica que o torneio foi sediado na Alemanha.

Jogadores

Jogadores famosos

   

Jornal destaca duelo de "almas gêmeas" na Liga dos Campeões

Guardiola treina o Barcelona, que enfrenta o Valencia no domingo e o Stuttgart no dia 17, pela Liga dos Campeões Foto: AFP

Guardiola quer o Barcelona intenso e solidário

O duelo entre Barcelona e Arsenal pelas quartas de final da Liga dos Campeões, nesta quarta-feira, é mais do que uma simples partida de futebol. É o encontro entre os estilos mais ofensivos e bonitos do planeta. Do futebol que, segundo o El País, evoluiu do toque de bola, da técnica, do estilo ofensivo e do 4-3-3. O Arsenal é o primo do Barcelona.

O jornal espanhol compara, também, Lionel Messi e Cesc Fabregas. Ambos têm 22 anos e são as maiores esperança de gol de seus clubes. Enquanto o primeiro já é o melhor jogador do mundo, o segundo ainda é dúvida para a partida por conta de uma lesão.

A experiência joga a favor do Barcelona, atual campeão europeu, espanhol e mundial, assim como o retrospecto: foram quatro vitórias e um empate contra o rival inglês. Já o time de Arsene Wenger, técnico do Arsenal, é o que mais finaliza nesta Liga dos Campeões: foram 18 gols e 67 arremates.

O desfalque catalão é do meia Iniesta que, ao lado de Xavi, que também não sabe se joga, rege e cadencia o meio campo catalão.

Wenger diz que deseja fazer uma grande partida, que ama sua equipe e sente uma grande emoção diante deste confronto. Afirma, ainda, que o desejo de vencer do clube inglês vai fazer a diferença.

Já Guardiola diz que o Barcelona precisa atacar de maneira ordenada, defener agressivamente e manter a posse de bola mais do que nunca. Ele quer que seu time seja intenso.

Enquanto o Barcelona vem de um ano histórico, quando venceu todos os seis campeonatos disputados na última temporada, o Arsenal só perdeu uma partida no torneio europeu em seu estádio, o Emirates Stadium, palco do jogo desta tarde, para o Manchester United, na semifinal de 2009.

A partida entre Barcelona e Arsenal repete a final da Liga dos Campeões de 2006, jogada em Paris. Naquele ano, o time do técnico Frank Rijkaard, que tinha Ronaldinho, Deco, Beletti e Eto'o, venceu por 2 a 1.

Jornal espanhol comemora "empate" de Alonso com Senna

Espanhol também acerta o desafeto Michael Schumacher Foto: Reuters

Na Austrália, ferrarista Alonso atingiu 614 pontos na carreira, mesmo número de Senna

Os 12 pontos ganhos por Fernando Alonso com a quarta colocação no Grande Prêmio da Austrália colocaram-no em uma galeria de mitos da Fórmula 1. Pelo menos segundo o diário de Madri As, que lembra que o piloto espanhol soma agora 614 pontos na carreira, exatamente o mesmo número de Ayrton Senna e inferior na história apenas aos colecionados por Michael Schumacher e Alain Prost.

Em reportagem publicada nesta quarta-feira em seu site oficial, o AS aponta que, analisando-se as estatísticas "friamente", Alonso já faz parte de um capítulo importante da Fórmula 1. Assim, lembra que ele, em 141 grandes prêmios disputados, ostenta 614 pontos, o mesmo somatório que Senna obteve em 162.

Esse número de provas a mais do brasileiro é apontado como pressuposto pelo jornal para "ignorar" as mudanças de sistema de pontuação ocorridas ao longo da categoria. De 1984 a 1990, o tricampeão mundial competiu em corridas cujo vencedor ganhava apenas nove pontos. A partir de 1991, os primeiros colocados passaram a ganhar um ponto a mais.

Durante toda a carreira de Senna, apenas os seis primeiros tinham direito a receber pontos, regra que se alterou em 2002, com a inserção dos sétimo e oitavo colocados. Desde o início desta temporada, o ganhador de cada etapa leva 25 pontos e até o décimo marca um, o que aumenta ainda mais a distorção da comparação realizada pelo As.

De qualquer forma, o jornal insiste em elogiar Alonso, dono também da quinta melhor média de pontos por corrida disputada em todos os tempos: são 4,35 pontos, só inferior às de Schumacher (5,49), Juan Manuel Fangio (5,44), Lewis Hamilton (5,17) e Alberto Ascari (4,38).

Nova revista do Corinthians tem Roberto Carlos na capa

Com o lateral Roberto Carlos na capa da primeira edição, chega ao mercado a revista Corinthians Mag - A Revista de uma Paixão, que terá periodicidade trimestral, tiragem de 20 mil exemplares e distribuição gratuita para um mailing exclusivo da diretoria do time.

Em suas 72 páginas, é possível ler um perfil do ídolo Sócrates e uma entrevista com o ex-jogador Neto, que relembra seus momentos inesquecíveis em campo. Além disso, a revista conta episódios dos bastidores da Copa Libertadores e ainda tem outras seções, como gastronomia, viagens e curiosidades.

A publicação, desenvolvida pela agência J3P, tem como coordenador editorial o jornalista Daniel Piza, editor-executivo e colunista cultural e esportivo do jornal O Estado de S.Paulo.


  Foto: Divulgação

Roberto Carlos (c) aparece na capa da Corinthians Mag com Elias, Dentinho, Defederico e Iarley

Andrade não se mete na renovação de Petkovic

Mesmo com a derrota para o Flamengo, América ainda luta por uma vaga na semifinal - soma 11 pontos no Grupo 2 Foto: Agência Lance

Renovação de contrato de Petkovic com Flamengo ainda está indefinida

Um dia após Petkovic ouvir dos dirigentes do Flamengo proposta para a renovação de contrato que não o deixou satisfeito - o compromisso atual termina em junho -, Andrade disse que não vai se intrometer para que o jogador fique no clube. Em entrevista ontem, na Gávea, o técnico afirmou se tratar de assunto muito pessoal, que prefere deixar com o vice de futebol Marcos Braz.

Para Andrade, o melhor é não se desgastar com o assunto. "Renovação é algo pessoal, não tenho motivos para me meter", comentou. Ele lembrou a própria renovação: "Comigo, foi muito desgastante, passei por essa experiência no início do ano. Realmente é um assunto particular, e eu gostaria de não me envolver. Vamos deixar com a diretoria".

O desfecho deve acontecer nos próximos dias. Andrade torce por solução que seja boa para todas as partes: "Quero que eles cheguem a acordo, que o bom senso prevaleça. O Pet é um grande jogador e, se ficar, seria muito interessante para o grupo".

Na reunião de segunda-feira, que durou 40 minutos, o sérvio ouviu oferta salarial abaixo de suas pretensões. O tempo de contrato é outro problema. O jogador quer renovar até o fim de 2011 para encerrar a carreira na Gávea. Mas os dirigentes sugerem a permanência só até o fim desta temporada. As declarações de Pet, criticando os cartolas rubro-negros e afirmando que não conversa mais com Andrade, também pesam. Segundo dirigentes, não há mais clima para continuar a jogar no Flamengo.

Empresário de Pet, Josias Cardoso vai conversar melhor com o jogador para formalizar uma contraproposta. "O Flamengo não aumentou a proposta que foi feita. O oferecido ficou abaixo daquilo que ele deseja. Mas todo quadro pode ser revertido", afirmou. Pelo que foi oferecido, Josias acha difícil a permanência: "O caminho é a gente fazer contraproposta".

Marcos Braz avisou que o clube não vai extrapolar o orçamento para manter o atleta. O dirigente comentou que o tratamento dado a Pet é o mesmo que o Rubro-Negro dispensa a todos os seus jogadores.

terça-feira, 30 de março de 2010

Dono da Fiorentina anuncia saída do clube

Gilardino marca na vitória da Fiorentina sobre Udinese Foto: Getty Images

Time de Gilardino está "sem dono"

O proprietário e presidente honorário da Fiorentina, Diego della Vale, anunciou nesta terça-feira que deixa o clube por causa da "sutil instrumentalização" que, segundo ele, se tentou fazer nas últimas semanas da situação da equipe com o objetivo de confrontar dirigentes e torcedores.

Em carta à torcida, Della Valle, que não dá detalhes concretos dos termos de sua saída, confirma a notícia antecipada mais cedo pelo jornal esportivo Corriere dello Sport, que fala de uma saída do clube em termos de venda.

"Escrevo a todos os que gostam da Fiorentina para comunicar que, desde hoje, não serei mais o dono do clube. A sutil instrumentalização que neste período se tentou fazer com o clube, confrontando-o com sua torcida, superou todo nível de tolerância e qualquer mudança de comportamento no futuro não modificaria sua gravidade", afirma Della Valle no texto.

"Ver o clube posto por muitos no banco dos réus sem ter feito nada além de defender com força os valores e a dignidade da camisa não é aceitável para mim e, principalmente, não é justo", acrescenta.

O agora ex-dono da Fiorentina recomenda aos "torcedores verdadeiros" para que mantenham os olhos abertos para não se deixar usar por "quem quer desestabilizar" o clube.

"Fiquem próximos desta direção que deu e dará o máximo possível para tentar fazê-los sonhar ainda mais, e façam-no de modo que meu irmão Andrea (que renunciou à Presidência do clube em setembro passado) continue perto do clube com toda a paixão que tem e que sempre demonstrou", afirma Della Valle.

"Poucos como ele sabem pôr o coração e a capacidade de gestão necessários para comandar um clube de futebol importante como a Fiorentina. Vocês, torcedores verdadeiros, continuem apoiando estes garotos que entram em campo porque são um grupo fantástico e generoso", conclui.

A Fiorentina ocupa a oitava posição do Campeonato Italiano e foi eliminada nas oitavas-de-final da Liga dos Campeões pelo Bayern de Munique.

Recentemente, em entrevista ao jornal La Gazzetta dello Sport, Diego Della Valle pedia ao treinador do clube, Cesare Prandelli, para que assinasse por escrito que permaneceria à frente da equipe na próxima temporada diante dos rumores sobre uma possível ida para a Juventus.

Segundo a imprensa italiana, a torcida do Fiorentina está dividida em relação à atual gestão do clube.