domingo, 25 de setembro de 2011

Governador do DF exalta andamento das obras do estádio da Copa

Agnelo exaltou o andamento das obras do Mané Garrincha. Foto: Reuters

Agnelo exaltou o andamento das obras do Mané Garrincha

O governador do Distrito Federal e presidente do Comitê Organizador Brasília 2014, Agnelo Queiroz, não conseguia esconder a confiança nesta sexta-feira. Ao acompanhar a visita de integrantes da Federação Internacional de Futebol (Fifa) e do Comitê Organizador Local (COL), ele destacou a evolução das obras do Estádio Nacional de Brasília, palco das futuras partidas da Copa do Mundo.

A informação oficial é que a construção alcançou o patamar de 38% da conclusão. Agnelo Queiroz ressalta, porém, que a avaliação desta sexta-feira sobre o estádio foi rigorosa.

"Nessa visita, os representantes da FIFA puderam conversar com nossos técnicos e tirar dúvidas. Eles checam rigorosamente todos os aspectos, como segurança, entradas e saídas. A partir daí, elaboram um relatório, que será conhecido numa próxima etapa", explicou Agnelo Queiroz.

O otimismo sobre o estádio Nacional de Brasília também alcança outras autoridades locais. "Aqui não tem efeito especial, 3D nem computação gráfica. O que nós todos estamos vendo aqui é real, é uma obra em estado avançado", enfatizou o secretário-executivo do Comitê Organizador Brasília 2014, Cláudio Monteiro.

Anteriormente, os representantes da Fifa e do COL já haviam passado pelas obras do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte. As próximas sedes avaliadas serão Salvador, Recife e Fortaleza.

T. Neves marca, Fla vira sobre América-MG e vence após 10 jogos

Um gol de Thiago Neves aos 43min do segundo tempo livrou o Flamengo, sem Ronaldinho, de mais um fiasco no Campeonato Brasileiro. Neste sábado, diante do lanterna América-MG no Engenhão, o Fla saiu atrás do marcador, reagiu após o intervalo e conseguiu vencer por 2 a 1, o que dá refresco à crise que o atormentava na Série A.

A vitória sobre o América-MG é a primeira do Flamengo após 10 jogos de jejum, com cinco empates e cinco derrotas. Com 41 pontos, a equipe do pressionado Vanderlei Luxemburgo fica ao lado do Fluminense e, na quinta posição, volta a flertar com a zona de classificação à Libertadores. O time mineiro, com 19 pontos, não sai da lanterna.

Em um primeiro tempo muito superior, o América-MG dominou o Flamengo, fez seu gol e ainda perdeu três chances boas de ir ao vestiário com uma vantagem ainda mais confortável. Com três trocas, Vanderlei Luxemburgo melhorou um time muito travado e o Fla foi à frente. Deivid e Thiago Neves marcaram os gols que aliviam a crise rubro-negra.

Flamengo consegue a virada no fim

Sem Alex Silva, Ronaldinho e Willians, o Flamengo teve um primeiro tempo desastroso no Engenhão e o América-MG, incisivo no ataque, sobrou em campo. Travado pelo meio-campo pouco criativo que montou Vanderlei Luxemburgo, com Aírton e Maldonado, o time da casa foi dominado e saiu para o intervalo com a sensação de que o estrago poderia ser ainda maior.

Isto porque já aos 17min, em boa jogada, Kempes finalizou do bico da grande área e fez Felipe trabalhar. Aos 21min, com o Flamengo desestabilizado, o mesmo Kempes recebeu em velocidade, driblou o goleiro flamenguista e, com o gol aberto, desperdiçou uma oportunidade inacreditável, acertando a rede pelo lado de fora.

De tanto insistir, o gol do América-MG ia amadurecendo e ocorreu aos 30min. Dentro da área, Gílson foi atropelado por Bottinelli, que chegou atrasado na marcação e cometeu um pênalti bisonho. Kempes cobrou bem, se redimiu do erro anterior e aumentou a pressão sobre o Fla. Aos 44min, em cobrança de falta preciosa de Amaral, Felipe foi buscar no ângulo e conservou a desvantagem mínima.

Com uma equipe tão perdida em campo, Luxemburgo tentou consertar os próprios erros e fez trocas por atacado. Os jovens Diego Maurício e Thomas, além de Deivid, entraram para buscar a primeira vitória após 10 jogos no Brasileiro. O Flamengo melhorou de forma sensível e passou a criar oportunidades.

Com os garotos abertos pelas pontas, o Fla teve a primeira oportunidade depois de bom cruzamento de Léo Moura que Thomas falhou ao deixar passar. Junior Cesar também ameaçou em conclusão de fora que Neneca segurou. Aos 17min, enfim o time da casa igualou: Léo Moura fez nova jogada pela direita e, com perfeição, serviu Deivid para completar ao gol de cabeça.

O gol de empate fez a partida ficar toda para o Flamengo, que passou a pressionar pela virada. Thiago Neves teve a chance em chute da entrada da área e, aos 33min, Diego Maurício levou pela ponta esquerda e acertou bela conclusão. Neneca, sempre seguro, colocou para escanteio.

E aos 43min, depois de tanto pressionar, o Flamengo conseguiu a virada com gol de Thiago Neves. Depois de jogada pela esquerda, Deivid bobeou, Thiago chutou e, no rebote, colocou de cabeça para o fundo das redes de Neneca.

Figueirense derruba série do Santos, vence na Vila e é 10º

Em partida movimentada, Santos e Figueirense disputaram um belo jogo na tarde deste sábado, na Vila Belmiro. Melhor para a equipe visitante, que venceu por 3 a 2, em partida válida pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado não foi bom para o time paulista, que perdeu chance de encostar nos líderes e ainda viu uma série de oito jogos de invencibilidade ser quebrada.

Sem a presença do atacante Neymar, que recebeu o terceiro cartão amarelo na partida contra o América-MG, o Santos penou para conseguir furar a retranca defensiva do Figueirense nos minutos iniciais. Por isso, foram os catarinenses que saíram na frente, após falta gerada em jogada de contra-ataque aos 8min.

Em cobrança da entrada da área, Júlio César chamou a responsabilidade e chutou forte, no meio da barreira. Os santistas não conseguiram desviar, esbarraram na bola e enganaram o goleiro Rafael, que nada pode fazer para evitar o primeiro tento catarinense no confronto.

O Santos não sentiu o gol, foi para cima do Figueirense e chegou ao empate 16 minutos depois, após um lindo lance do artilheiro Borges. O camisa 9 ajeitou na entrada da área e bateu com classe, forte, no cantinho, indefensável para o goleiro adversário. Foi o 19º gol do santista no Brasileiro - ele é o goleador absoluto da competição.

Entretanto, a euforia paulista durou pouco. Aos 26min, Wellington Nem recebeu enfiada de bola ainda do meio de campo pelo lado esquerdo, avançou sozinho e tocou na saída de Rafael, deixando o clube visitante novamente na frente.

Como aconteceu anteriormente, o time paulista não sentiu o tento e, no minuto seguinte, Borges desperdiçou chance incrível de colocar a igualdade novamente no placar. Ele recebeu completamente sozinho na área do Figueirense, mas chutou em cima do goleiro. A tarefa de empatar coube ao lateral esquerdo Léo - ele aproveitou jogada de Felipe Anderson e bateu de primeira, cruzado, aos 46min.

No segundo tempo, os dois times penavam para penetrar as fortes marcações rivais. Ademais, chances de gol foram poucas, e a bola penava no estilo de jogo truncado de ambos os lados. Melhor para o visitante, que arrumou um pênalti aos 38min da etapa complementar. Em contragolpe, Júlio César lançou Wellington Nem, que entrou na área e foi derrubado por Léo. Coube ao próprio Júlio César a tarefa de efetuar a cobrança, balançar as redes e interromper uma série de cinco partidas sem vitórias do Figueirense.

Com o resultado deste sábado, o Santos ficou com 35 pontos e apenas na 11ª colocação do Campeonato Brasileiro, mas possui dois jogos a menos que os demais rivais. Seu próximo adversário é o Fluminense, no sábado que vem, no Engenhão. O Figueirense, por sua vez, encara o Coritiba no domingo, no Orlando Scarpelli. O time catarinense tem 36 pontos e ocupa a 10ª posição na tabela de classificação.

Ficha técnica

SANTOS 2 x 3 FIGUEIRENSE

Gols
SANTOS:
Borges, aos 23min, e Léo, aos 46min do 1º tempo
FIGUEIRENSE:
Júlio César, aos 8min, Wellington Nem, aos 26min do 1º tempo, e Júlio César, aos 38min do 2º tempo

SANTOS: Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Henrique, Ibson (Tiago Alves) e Felipe Anderson (Pará); Alan Kardec (Diogo) e Borges
Treinador: Muricy Ramalho

FIGUEIRENSE: Ricardo; Bruno, Roger Carvalho, Edson Silva e Juninho (Helder); Coutinho, Ygor, Jean Deretti (Rhayner) e Wilson Pittoni; Wellington Nem e Júlio César
Treinador: Jorginho

Cartões amarelos
SANTOS: Léo
FIGUEIRENSE: Édson Silva e Deretti

Árbitro
Héber Roberto Lopes (PR)

Local
Vila Belmiro, em Santos(SP)

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Líder, Adilson ouve gritos de "burro" e vê ruir reinado em clássicos

É "engraçada" a vida do técnico Adilson Batista. No Corinthians, em 2010, foi demitido quando ainda era o terceiro colocado do Campeonato Brasileiro. Assumiu o Santos meses depois, e acabou desempregado após apenas uma derrota em 11 jogos. Agora, no São Paulo, recolocou a equipe na liderança do Nacional nesta quinta-feira, após empate por 0 a 0 com o time corintiano, e mesmo assim ouviu gritos de "burro" das arquibancadas.

"Estou tranquilo", limitou-se a dizer, com cara de poucos amigos, quando questionado sobre as ofensas vindas da torcida são-paulina. Com o resultado sem gols desta quarta, ele atingiu o quinto empate em 16 jogos no comando tricolor - são sete vitórias e quatro derrotas. Curiosamente, entretanto, Adilson ainda não venceu nenhum clássico pelo time do Morumbi. Logo ele, que era considerado "rei dos clássicos" quando treinava o Cruzeiro.

Na equipe celeste, foi ídolo e virou "rei" pelo retrospecto imponente contra o arquirrival cruzeirense, o Atlético-MG: foram nove vitórias, dois empates e apenas uma derrota em 12 duelos disputados. Depois, ele manteve o moral em clássicos e cultivou a fama no Corinthians, ao deixar o clube invicto no quesito: foram três jogos, com dois triunfos e um empate, e no Santos, com uma vitória e uma derrota.

Desde que chegou ao São Paulo, contudo, Adilson ainda não emplacou. Primeiro, empatou por 1 a 1 com o Palmeiras, no Morumbi. Depois, viu o Santos arrancar o empate na Vila Belmiro, após estar vencendo por 1 a 0 com um golaço de Lucas. Já nesta quarta, voltou a amargurar outro empate, de novo em casa, desta vez contra o Corinthians: 0 a 0, que apesar de ruim deixou o time tricolor dormir líder. Dos males, o menor.

"Pelo primeiro tempo, pelas oportunidades, pela proposta de jogo, merecíamos um melhor resultado contra o Corinthians. É um clássico, lamentamos as oportunidades do primeiro tempo", desconversou o treinador sobre o empate desta quarta. "Não dá para a gente se abrir e ser goleado, o 1 a 0 também vale três pontos da mesma maneira, o jogo foi truncado, é difícil ver um jogo solto", acrescentou.

Primeiro colocado provisório do Campeonato Brasileiro, o São Paulo deve secar o Vasco nesta quinta, já que o time carioca enfrenta o Atlético-GO, em São Januário, e precisa apenas de um empate para recuperar o topo da tabela de classificação. Entretanto, nem a derrota vascaína deve dar a paz desejada para o técnico tricolor trabalhar. Líder ou não, o "tranquilo" Adilson continua com os dias conturbados à frente de grandes clubes.

sábado, 10 de setembro de 2011

Murer retorna ao Brasil após três meses e cobra churrasco do pai

Fabiana Murer saltou do avião para o solo brasileiro na manhã desta segunda-feira depois de três meses no exterior. Campeã do mundo no salto com vara em Daegu, ela foi recebida em Guarulhos por familiares e não deixou de cobrar o que ouviu no dia em que ultrapassou o sarrafo a 4,85m (igualando seu recorde sul-americano) e se tornou a primeira medalhista de ouro do Brasil em campeonatos mundiais.

"Assim que ela ganhou a prova (em 30 de agosto), ligou dizendo que queria churrasco, e eu disse que ia fazer", conta o orgulhoso pai, Vanderlei, ao lado da mulher, Neusa, e da filha mais nova, Flávia. "Minha esposa foi levar as carnes na chácara (em Jaguariúna) ontem - a carne de que a Fabiana mais gosta é frango, mas vai ter fraldinha também. Só que hoje, quando fui pegar o carro para vir para cá, o pneu estava murcho. Trocar pneu às 3h30 da manhã? Não dá. Peguei o carro mais velhinho e vim", brinca.

Antes do desejo culinário, Murer, porém, pôde matar um pouco da saudade de seus parentes logo no saguão do aeroporto. Mas foi pouco mesmo, já que havia tempo que eles não se viam.

"Agora vou descansar uma semana, curtir minha família, comer esse churrasco, que estou com vontade (risos), e depois voltar aos treinos. É bom estar de volta, porque foi um período bem longo e cansativo de competições, mas é muito bom também voltar com a medalha de ouro do Mundial", diz Murer, ainda zonza pelas mudanças de fuso horário - depois de competir na Coreia do Sul, ela viajou a Zurique e ficou com o terceiro lugar na etapa local da Diamond League.

O período sem treinos não significará verdadeiro descanso. A partir de segunda-feira, a agenda da atleta está cheia. Entre os compromissos, uma homenagem do clube (BM&F Bovespa), na terça, e um provável encontro com a presidente da República, Dilma Roussef, em Brasília.

Assim que passar o momento de euforia pelo inédito ouro mundial, Murer se voltará para a disputa dos Jogos Pan-americanos de Guadalajara. Ela segue trabalhando no Brasil e viaja para o México dias antes da prova, provavelmente em 21 de outubro. Como se trata de sua última competição na temporada, a ideia do técnico Elson Miranda é não forçar a barra nos treinos.

"Ela está muito cansada, o ano foi muito desgastante, está fora do Brasil há três meses. Vamos fazer uma preparação de manutenção até o Pan. É longe, então não dá para manter a mesma condição física com a qual ela vinha anteriormente", conclui seu treinador e também marido.

Brasil encara dominicanos como "dream team" pela vaga histórica

Marcelinho Machado acredita que Brasil deve encarar República Dominica como Dream Team. Foto: AP

Marcelinho Machado acredita que Brasil deve encarar República Dominica como Dream Team

Quando se luta por algo durante muito tempo, perde-se um pouco a noção da realidade e tudo que está em torno desse algo ganha outras proporções. Com a vaga para os Jogos Olímpicos é assim, tanto que até a República Dominicana é capaz de virar um dream teampara o Brasil. Marcelinho Machado, um dos atletas da Seleção Brasileira que há mais tempo quer essa vaga, sabe que os dominicanos não são o time dos sonhos, mas sabe também que para lograr o seu objetivo, tem que pensar assim. "A República Dominicana está na mesma situação que nós: é ganhar um jogo e classificar para as Olimpíadas, por isso temos que entrar em quadra como se eles fossem um dream team, o melhor do mundo, e fazer o nosso jogo", disse ele.

Ao saber da declaração, o técnico argentino Rubén Magnano fez questão de salientar que tal declaração saiu da boca de um jogador, e não da sua. "Olha aí", disse ele sorrindo, "eles já estão tomando cada equipe que enfrentam como um verdadeiro dream team. Não importa o nome da equipe, foi esse respeito que temos pelo rival que nos permitiu jogar por essa vaga para Londres", ressaltou Magnano. Neste sábado, às 19h (de Brasília), o Brasil volta ao Estádio Poliesportivo Islas Malvinas para encontrar seu único algoz desse Pré-Olímpico de Basquete Masculino: a República Dominicana.

Rival dos dominicanos pela quarta vez em poucos meses - as outras duas foram durante a preparação, e o Brasil ganhou as duas - Marcelinho Machado acredita que o Brasil tem tudo para não errar dessa vez, justamente a única em que não pode falhar. A defesa, como sempre, será peça chave da atuação brasileira.

Independente do porquê do Brasil ter perdido na primeira fase, o que o Brasil não quer é perder duas vezes no mesmo campeonato para a mesma equipe. Para Vitor Benite, a República Dominicana é um time bastante individualista, e por isso é preciso impedir que seus jogadores mais importantes cresçam em quadra e sintam-se confiantes. "Temos que tirar eles das posições e forçá-los a jogar de uma forma que eles não estão acostumando", explica o jovem.

De acordo, o técnico argentino acredita que o mais importante é parar o "tridente" dominicano da NBA: Al Horford, Jack Martínez, Luis Flores e Charlie Villanueva. "Há sempre três desses quatro jogadores em campo, o que faz da República Dominicana uma equipe muito temida", assinalou. Treinada por John Calipari, a equipe dominicana luta por sua primeira chance na história de se classificar para as Olimpíadas.

Mesmo diante da força da ausência de Edgar Sosa, armador dos dominicanos que fraturou a tíbia e a fíbula, Marcelinho Huertas quer deixar o passado para trás e pensar no futuro. "Às vezes, quando um time perde um jogador como o Sosa, que era importante para eles, a equipe sente no rendimento, é claro, mas ainda assim é difícil falar. Talvez eles tenham jogado pior esses dois últimos jogos, mas tenho certeza que no jogo contra o Brasil isso será esquecido por eles", sinaliza o atleta. "A gente tem que entrar com a força máxima, não podemos ficar pensando se eles estão jogando pior do que eles estavam no começo da competição ou não", reforça Huertas.

"Temos que reduzir os espaços. A gente sabe que eles gostam de jogar na correria, no contra-ataque, por isso temos que evitar de tomar cestas fáceis, e depois de fazer os arremessos voltar do ataque e fazer um bom balanço defensivo, não deixar eles fazerem cesta em transição e obrigar eles a jogarem no cinco contra cinco", afirma Huertas. "A gente sabe que no cinco contra cinco que a gente é realmente forte", conclui o armador que teve uma atuação bastante atípica contra a República Dominicana na primeira fase e que, como ele mesmo disse, não irá se repetir.

Belfort retorna em novembro para enfrentar ator de filme de Van Damme

Ator Cung Le será o próximo adversário de Belfort. Foto: Getty Images

Ator Cung Le será o próximo adversário de Belfort

Depois de uma inquestionável exibição no UFC 133, em agosto deste ano, o brasileiro Vitor Belfort anunciou neste sábado, em seu site oficial, o próximo adversário pelo Ultimate Fighting Championship. O carioca, que sonhava com a oportunidade de encarar novamente Anderson Silva pelo título da categoria dos médios, terá pela frente o vietnamita Cung Le, atleta que divide o tempo entre o Strikeforce e a carreira de ator nos Estados Unidos - o rival do atleta nacional protagonizará o filme Dragon Eye, com estreia prevista para 2012, ao lado de Jean-Claude Van Damme.

O atleta nascido na cidade de Saigon, uma das principais assoladas pelos americanos durante a Guerra do Vietnã, possui um cartel respeitável no MMA (Artes Marciais Mistas, em inglês) profissional. Em oito lutas, Cung Le soma sete vitórias, sendo uma delas sobre a lenda Frank Shamrock, que assegurou ao asiático o título da categoria dos médios do Strikeforce, evento recentemente adquirido pela marca dos irmãos Fertitta.

Com 39 anos de idade, Cung Le estreará no UFC 139, que será disputado na cidade de San Jose, na Califórnia, contra o lutador brasileiro. Especialista em Sanshou, arte marcial difundida pelos militares chineses e com técnicas de kickboxing (modalidade na qual possui um recorde de 17 vitórias em 17 combates), o vietnamita não escondeu a empolgação pela oportunidade de estrear no maior evento de artes marciais mistas do planeta.

"Sim, é um fato que lutarei de novo, e que será no UFC. Eu nunca estive no UFC, mas eu adoraria lutar no UFC. Mas agora, por causa do meu contrato com o Strikeforce, coisas boas podem acontecer. Eu irei amar lutar no UFC em San Jose", disse o lutador, em declarações reproduzidas pelo site oficial do lutador brasileiro.

Dono de um recorde respeitável, especialmente no kickboxing, Cung Le também já demonstrou as suas técnicas de lutas em outros filmes, como Tekken (2010), longa-metragem baseado no jogo de vídeo game e no qual o próximo adversário de Belfort representou o personagem Marshall Law. O vietinamita também soma uma participação, em 2001, no seriado Walker: Texas Ranger, protagonizado pela estrela Chuck Norris.

O combate entre os dois strikers será um dos principais eventos do UFC 139, ainda mais depois de que Dana White confirmou que o combate válido pelos títulos dos pesos pesados entre Cain Velasquez e Junior Cigano dos Santos, previsto para ocorrer em San Jose, será realizado no primeiro evento da marca transmitido para a televisão aberta nos Estados Unidos pela FOX.

Diante do badalado adversário, Vitor Belfort terá a oportunidade de se aproximar do desejo de desafiar Anderson Silva novamente pelo cinturão da categoria dos médios. Em evolução no UFC depois do nocaute sobre Akiyama, o brasileiro se tornará um ótimo candidato à disputa do título caso tenha uma exibição convincente sobre o ator.

Com pista quente, Vettel garante a pole em Monza; B. Senna é 10º

Vettel fez a décima pole no ano e se aproxima ainda mais do título da temporada. Foto: Getty Images

Vettel fez a décima pole no ano e se aproxima ainda mais do título da temporada

O asfalto do circuito italiano marcava mais de 40ºC quando Sebastian Vettel cravou 1min22s275 e conseguiu o melhor tempo da classificação para o GP de Monza de Fórmula 1. É a décima pole position do atual campeão e líder do campeonato na temporada. A segunda colocação do grid de largada na Itália ficou nas mãos do britânico Lewis Hamilton, da McLaren, com o tempo de 1min22s725.

É a 12º pole consecutiva da Red bull na temporada. E para facilitar ainda mais a busca do título por Vettel, o seu principal rival, o australiano Mark Webber, larga apenas na 5ª posição. Vettel já tem 92 pontos de vantagem para o segundo colocado no Mundial de pilotos

Na segunda fila largam Jenson Button em terceiro e Fernando Alonso em quarto. Poupando pneus, Bruno Senna não foi à pista no Q3 e larga em décimo. Felipe Massa fez o sexto melhor tempo e Rubens Barrichello o 13º.

A largada para o GP de Monza acontece neste domingo, às 9h (de Brasília), com acompanhamento do Terra em tempo real.

O treino

No Q1, Lewis Hamilton fez a melhor volta, marcando 1min23s976, à 4 minutos do fim. A disputa pela permanência na classificação foi grande, com a dupla da Toro Rosso, Barrichello e Kobayashi ameaçados de serem tirados.

No fim, o espanhol Jaime Alguersuari acompanhou os carros de Virgin, Hispania e Team Lotus no primeiro corte do treino. Felipe Massa fez o sétimo tempo, Bruno Senna foi o 13º e Barrichello o décimo quarto.

Pastor Maldonado, companheiro de Rubens Barrichello na Williams, escapou ainda no Q1, bateu no muro e perdeu a asa traseira. Contudo, a equipe fez um trabalho rápido e o venezuelano conseguiu voltar a pista para buscar uma melhor volta.

Na segunda parte da sessão classificatória, além das equipes grandes, Mercedes e Renault se destacaram nas longas retas de Monza. Sebastian Vettel foi o mais rápido do Q2 com 1min22s914, seguido de Jenson Button da McLaren.

Com a Renault, Bruno Senna conseguiu a classificação para a última parte do treino já com o cronômetro zerado, fazendo 1min24s157, seis milésimos a frente de paul di Resta, que larga em 11º.

Além do escocês da Force India, foram limados no Q2: Sutil, Barrichello, Maldonado, Pérez, Buemi e Kobayashi. O brasileiro da Williams larga na 13ª posição, uma boa volta sabendo das más condições da Williams.

Na parte final da classificação, o brasileiro Bruno Senna resolveu poupar pneus para a prova e nem foi à pista, ficando assim com a décima posição no grid de largada. Seu companheiro de equipe, Vitaly Petrov, larga em sétimo.

A disputa pela pole position teve pouca emoção já que Vettel conseguiu cravar uma boa volta logo no início do Q3. Desta parte em diante a disputa ficou apenas para quem acompanharia o alemão na primeira fila do grid. Quem venceu essa briga foi Lewis Hamilton, demonstrando que a McLaren é a principal ameaça da Red Bull de Sebatian Vettel no circuito italiano.

Confira o resultado do treino classificatório para o Grande Prêmio da Itália:

1 Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - 1mnin22s275
2 Lewis Hamilton (ING/McLaren) - 1min22s725
3 Jenson Button (ING/McLaren) - 1min22s777
4 Fernando Alonso (ESP/Ferrari) - 1min22s841
5 Mark Webber (AUS/Red Bull) - 1min22s972
6 Felipe Massa (BRA/Ferrari) - 1min23s188
7 Vitaly Petrov (RUS/Lotus Renault) - 1min23s530
8 Michael Schumacher (ALE/Mercedes) - 1min23s777
9 Nico Rosberg (ALE/Mercedes) - 1min24s477
10 Bruno Senna (BRA/Lotus Renault) - Sem tempo
11 Paul Di Resta (ESC/Force India) - 1min24s163
12 Adrian Sutil (ALE/Force India) - 1min24s209
13 Rubens Barrichello (BRA/Williams) - 1min24s648
14 Pastor Maldonado (VEN/Williams) - 1min24s726
15 Sergio Perez (MEX/Sauber) - 1min24s845
16 Sebastien Buemi (FRA/Toro Rosso) -1 min24s932
17 Kamui Kobayashi (JAP/Sauber) - 1min25s065
18 Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso) - 1min25s334
19 Jarno Trulli (ITA/Lotus) - 1min26s647
20 Heikki Kovalainen (FIN/Lotus) - 1min27s184
21 Timo Glock (ALE/Virgin) - 1min27s591
22 Jerome D''Ambrosio (BEL/Virgin) -1min27s609
23 Daniel Ricciardo (AUS/Hispania) - 1min28s054
24 Vitantonio Liuzzi (ITA/Hispania) - 1min28s231

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Nova Zelândia atropela Tonga na abertura da Copa do Mundo de rúgbi

Jogadores da Nova Zelândia fazem o haka, antes do confronto contra Tonga. Foto: AP

Jogadores da Nova Zelândia fazem o "haka", antes do confronto contra Tonga

A Copa do Mundo de rúgbi não poderia começar de melhor forma para os anfitriões. Nesta sexta-feira, na partida de abertura do torneio, no Eden Park, em Auckland, a Nova Zelândia, país sede do Mundial, venceu Tonga por 41 a 10 e começou sua caminhada para a conquista do segundo título da competição.

No jogo de abertura do torneio, válido pelo Grupo A, os All Blacks, como é conhecido o time neo-zelandês, não deram chances para uma possível zebra e impuseram seu jogo consistente no primeiro período para vencer sem dificuldades depois.

O fullback Israel Dagg e o wing Richard Kahui, com dois try cada um, foram os principais destaques do triunfo. O terceira linha Jerome Kaino e o centro Ma'a Nonu completaram o placar elástico.

Apesar de ser líder do ranking mundial da modalidade, a Nova Zelândia tenta apenas o seu segundo título da Copa do Mundo, já que venceu apenas a edição de estreia, disputada em 1987, na própria Nova Zelândia e na Austrália. Os maiores vencedores são a Austrália e a África do Sul, com duas conquistas cada.

Após a abertura, os próximos compromissos do Mundial serão disputados no sábado e reúnem França x Japão, pelo Grupo A, Escócia x Romênia e Argentina x Inglaterra - primeiro grande confronto do torneio -, pelo Grupo B.

A Nova Zelândia volta a campo no próximo dia 16, contra o Japão. Já Tonga tenta se recuperar da derrota acachapante na estreia diante do Canadá, no dia 14.

A Copa do Mundo de rúgbi, que teve início nesta sexta, em Auckland, termina no próximo dia 23 de outubro, com a final, que será disputada na mesma cidade e estádio da partida de abertura entre Nova Zelândia e Tonga.

Vélez faz quatro no Argentinos Juniors e avança às oitavas

O Vélez Sarsfield goleou nesta quinta-feira o Argentinos Juniors 4 a 0 no Estádio José Amalfitani, em Buenos Aires, e está classificado para as oitavas de final da Copa Sul-Americana. Na primeira partida, as duas equipes haviam empatado em 0 a 0.

Os gols do Vélez foram marcados por Guillermo Franco, aos 23min do primeiro tempo, Augusto Fernández, aos 10min do segundo, Juan Martínez aos 19min, e Canteros, aos 39min.

A goleada serviu para aplacar o início de crise do atual campeão argentino, que está em sétimo no Torneio Apertura e sentiu a saída do atacante Santiago Silva para a Fiorentina.

Nas oitavas de final da Copa Sul-Americana, o Vélez Sarsfield enfrentará o vencedor do confronto chileno entre Deportes Iquique e Universidad Católica.

Liedson supera Felipe, Corinthians vira contra Fla e lidera isolado

O Corinthians conseguiu uma vitória fundamental na briga pelo título do Campeonato Brasileiro. Na noite desta quinta-feira, o clube do Parque São Jorge venceu o Flamengo pelo placar de 2 a 1, de virada, no Estádio do Pacaembu, e reassumiu a liderança isolada na competição nacional. E o grande responsável pelo resultado positivo acabou sendo o centroavante Liedson, que triunfou em um duelo particular com o goleiro Felipe para assinalar os dois tentos que resultaram no reencontro do time alvinegro com os três pontos.

Recuperado depois de uma péssima sequência de três derrotas em quatro jogos, o Corinthians chegou aos 43 pontos, dois a mais do que arquirrival e vice-líder São Paulo, que alcançou tal posto por vencer o Atlético-MG na última quarta-feira por 2 a 1. Em contrapartida, o Flamengo se complicou na disputa pelo título nacional. O time rubro-negro segue estacionado com 36.

Postulantes diretos ao título do Campeonato Brasileiro, Corinthians e Flamengo voltam à atividade no próximo final de semana. O clube do Parque São Jorge enfrentará, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), o Fluminense, no Rio de Janeiro. Por outro lado, o time rubro-negro encara, na mesma data, mas às 18h, o Atlético-PR, também na capital fluminense. Ambos os duelos serão válidos pela 23ª rodada da competição nacional.

O jogo

Com ambas as equipes pressionadas, o Corinthians, apoiado por um Pacaembu lotado, iniciou a partida melhor do que o Flamengo. Diante do clube rubro-negro, Tite tirou Danilo, que caiu de rendimento nas últimas rodadas, e optou por um mais veloz Alex. Mais rápido, o time do Parque São Jorge ameaçou a meta de Felipe. Depois de cruzamento pela esquerda, Emerson, do outro lado da área, arrematou de primeira e por pouco não abriu o marcador no Pacaembu.

Em busca da conhecida pressão que exerce sobre os adversários quando atua em casa, o Corinthians insistiu nos arremates de fora da área e nas bolas aéreas. Por intermédio da primeira jogada, o time alvinegro novamente assustou o torcedor flamenguista. Paulinho chutou de longe e obrigou Felipe a espalmar para longe, protagonizando a primeira defesa plástica do camisa 1 carioca no confronto.

A pressão inicial corintiana transformou o Estádio do Pacaembu em um "caldeirão". Com o controle do setor de meio-campo, o time alvinegro manteve a pressão e acuou o Flamengo no campo de defesa. A equipe de Vanderlei Luxemburgo, acostumada a controlar a posse de bola e atacar, se limitou a apenas segurar o veloz ataque rival, formado por Emerson, Liedson e Jorge Henrique.

No entanto, como não abriu o marcador, o Corinthians sofreu no setor defensivo. Na primeira oportunidade, o Flamengo abriu o marcador. Aos 28min, Ronaldinho cobrou escanteio fechado na direção da primeira trave. Bem posicionado, Renato Abreu conseguiu apenas desviar e deixar a bola limpa para Deivid, sem marcação, completar na segunda trave para as redes e frustrar a festa pela pressão paulista.

Em desvantagem depois de dominar o início do duelo, o Corinthians sentiu a abertura do placar por parte do Flamengo. Abatida, a equipe de Parque São Jorge seguiu pressionando, mas sem eficiência. Assim, os visitantes terminaram a primeira etapa comemorando a vantagem parcial no marcador diante do líder.

A pausa do intervalo fez bem para o Corinthians recuperar a empolgação do começo da partida. O clube comandado por Tite manteve o ritmo avassalador da etapa inicial, e quase empatou aos 9min, quando Ramon soltou a bomba da intermediária e obrigou Felipe a fazer uma ótima defesa para evitar o tento da ex-equipe.

O ritmo intenso apresentado pelo Corinthians acuou o Flamengo novamente. Muito recuado, o time carioca apenas segurava a pressão adversária no campo defensivo. Aos 14min, Chicão cobrou falta com categoria e foi parado apenas pelo travessão. Mal colocado, Felipe apenas observou a bola tocar na barra e se afastar da meta flamenguista.

Depois de tamanha pressão, o Corinthians, enfim, conseguiu superar o goleiro rival. Aos 17min, Alessandro cobrou lateral para a área e viu Willians desviar para o meio da área. Posicionado justamente onde a bola caiu, Liedson arrematou firme, de pé direito, para igualar o marcador, e aumentar ainda mais a intensidade do time alvinegro.

Embalado pelo empate, o Corinthians quase virou o marcador aos 21min. Alessandro, desta vez com os pés, cruzou na medida para Emerson, que subiu mais alto que a defesa rival e conseguiu tocar para o gol. Para azar do atacante do clube paulista, Felipe se esticou todo e conseguiu espalmar o perigo.

O Flamengo, por outro lado, recuou. O time rubro-negro abdicou do ataque e procurou apenas segurar o marcador. Assim, o Corinthians cresceu e pressionou o rival. Em jogada bem trabalhada, Willian, que entrou na segunda etapa, recebeu ótima bola e chutou firme na direção do gol. Mais uma vez, Felipe fez uma defesa plástica e evitou a virada para o clube do Parque São Jorge.

De tanto pressionar, o Corinthians acabou presenteado no final do jogo. Em um final emocionante, o time comandado por Tite conseguiu impor o domínio. Aos 43min, Willian recebeu passe pela direita e cruzou na medida para Paulinho desviar de cabeça na direção de Liedson. Oportunista, o camisa 9 chutou firme e decretou a vitória para o clube paulista no confronto desta quinta-feira.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Ceni vê casa cheia como batismo de jovens e inspiração por Libertadores

Com gols de Lucas e Dagoberto, Rogério Ceni comemorou a vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG em seu jogo de número 1000 pelo time tricolor. Foto: Wagner Carmo/Vipcomm/Divulgação

Rogério Ceni destacou a presença da torcida na partida desta quarta-feira

De todos os titulares do São Paulo no jogo mil de Rogério Ceni, diante do Atlético-MG, nesta quarta-feira, apenas Dagoberto já havia atuado com o Morumbi tão lotado por mais de 60 mil torcedores. Para a jovem equipe que iniciou a partida com cinco pratas da casa, acredita o próprio Ceni, o triunfo também serve como espécie de batismo. E, inclusive, motivação para querer ver a casa cheia caso o time obtenha vaga na Copa Libertadores da América da temporada de 2012.

"Chegamos ao estádio e vi a multidão, todos atentos e olhando. Público parecido a gente não tinha, acho, desde o jogo contra o Inter no ano passado, que foram mais ou menos 57 mil pessoas. Eles mesmos comentaram disso e dá para ter noção da grandeza do clube, do prazer que é jogar para casa cheia e o estádio lindo como ficou hoje", definiu Ceni após o jogo.

Adílson Batista chegou a dizer que Ceni serve de exemplo aos demais e admitiu que vê, dentro do próprio elenco, jogadores às vezes desinteressados.

"No grupo, tem atleta de tudo quanto é estilo, personalidade e cabe a nós mudar, isso é interno. Trabalhamos e conversamos para que todos cresçam. O importante é ter personalidade, comprometimento e a maneira de pensar que o Rogério tem. Quase aos 40 anos, ele ainda quer ganhar e é importante. A gente identifica (quem destoa no grupo) e vai cobrando para que eles tenham isso também".

Muito próximo de Ceni, o treinador são-paulino, mesmo em pouco tempo de casa, já enche o capitão de elogios. "Está sendo fantástica a convivência com ele. Pelo profissionalismo, seriedade, conhecimento do futebol, ideias que achamos importantes, cobrança, exigência que todos temos com os mais jovens para crescer e que melhorem. Ele só ajuda ao treinador e para mim é uma satisfação trabalhar com ele", acrescentou.

Com o clima de euforia que foi formado em torno de seu milésimo jogo, crê Rogério Ceni, o time tem tudo para ascender no Campeonato Brasileiro. "Pode representar uma arrancada, uma mudança no comportamento e no espírito do grupo, de alma, de o grupo conseguir ser difícil de ser batido", afirmou, mas sem pensar em favoritismo. "Não vejo assim. Tínhamos 1% em 2008, éramos zebra. Em 2009, lideramos até a última rodada e perdemos. o favoritismo não muda o jeito de ser. Precisamos melhorar e temos consciência".

Desafiante de St. Pierre falta a entrevista e é substituído

GSP conquistou o cinturão dos meio-médios pela primeira vez em 2006, ao vencer a lenda Matt Hughes. Foto: AFP

St. Pierre terá um novo desafiante pelo cinturão da categoria dos meio-médios

Campeão da categoria dos meio-médios do Strikeforce, Nick Diaz falhou no primeiro compromisso como lutador do UFC (Ultimate Fighting Championship), e acabou severamente punido. Nesta quarta-feira, o americano faltou à conferência de imprensa de promoção da luta contra Georges St. Pierre, detentor do cinturão da mesma categoria da organização dos irmãos Fertitta, válida pelo UFC 137. Tal atitude revoltou Dana White, que tirou Diaz do card e promoveu Carlos Condit para desafiar o canadense.

"Nick Diaz saberá pela imprensa que não lutará pelo título. Não estamos pedindo ao Nick para ele fazer nada que não pedimos ao St. Pierre. Ele simplesmente não consegue suportar a pressão de uma luta dessa magnitude", criticou o principal dirigente do UFC nesta quarta-feira, antes de promover Condit, que realizaria o co-main-event do próprio UFC 137, marcado para o dia 29 de outubro, contra o ex-campeão dos leves B.J. Penn.

A atitude irresponsável de Diaz irritou até mesmo St. Pierre. Poucas vezes o campeão da categoria dos meio-médios ficou irritado no evento. Dono de uma postura exemplar, que conquistou a organização do evento, o canadense não escondeu a desaprovação com a postura do ex-rival ao título do UFC.

"Foi uma falta de profissionalismo. Eu apareci para cumprir os compromissos e ele não", disse o canadense, antes de disparar. "Para mim, o Condit será um adversário mais perigoso. Se ele enfrentasse o Diaz, apostaria meu dinheiro nele", atacou o canadense, que agora terá pouco mais de um mês de preparação para um novo desafiante ao cinturão dos meio-médios.

Diante da situação surpreendente, Dana White admitiu que ainda não sabe quem escalará para enfrentar Penn na segunda principal luta da noite. "Teremos um havaiano (Penn) bem irritado. Aqueles que já compraram ingresso e não quiserem ver GSP vs Condit terão o dinheiro reembolsado", assegurou.

Absoluto na categoria dos meio-médios do UFC, Georges St. Pierre defenderá pela sétima vez consecutiva o cinturão. Condit, por sua vez, chega credenciado como ex-campeão do WEC no mesmo peso. O americano soma duas premiações de nocaute da noite em virtude das vitórias sobre Dan Hardy, no UFC 120, em 16 de outubro de 2010; e Dong Hyun Kim, no UFC 132, no dia 2 de julho deste ano.

Felipão critica erros absurdos e dispara: "não consigo corrigir a equipe"

Guerrón comemora seu gol diante do Palmeiras; o equatoriano empatou o jogo no primeiro tempo. Foto: Heuler Andrey/Agif/Gazeta Press

Técnico critica "erros mais absurdos do futebol mundial" e voltou a cobrar atenção na bola parada

O técnico Luiz Felipe Scolari perdeu a paciência com o Palmeiras. Mesmo com um jogador a mais desde o primeiro tempo, o time esteve à frente no placar duas vezes contra o Atlético-PR, nesta quarta-feira, pelo Campeonato Brasileiro. Ainda assim, cedeu o empate por 2 a 2 e desperdiçou mais uma chance de tentar chegar perto dos líderes.

Após a partida na Arena da Baixada, o treinador chegou a demonstrar um certo cansaço com a repetição de erros alviverdes, e admitiu que não tem encontrado maneiras de corrigi-los, pela primeira vez na carreira.

"Estou perdendo a paciência. Tenho trabalhado exaustivamente há um ano. Pela primeira vez na minha carreira, não consigo corrigir a equipe. Tem de continuar trabalhando e eles também. Precisa ter atenção. Depois do jogo sempre tem a situação 'eu errei'. Pode errar antes ou depois. Durante o jogo, não", desabafou.

No jogo desta quarta, mais uma vez, o time sofreu o primeiro gol em jogada iniciada em bola parada. Segundo Felipão, mesmo quando o Palmeiras parece organizado em campo, sofre alguns gols que poderiam ser evitados.

"Nossos erros são os mais absurdos do futebol mundial. De uns 20 gols, tomamos uns 15 de bola parada. Quanto mais se organiza e mais se imagina que não vamos levar gol, levamos. Levamos um gol absurdo. Fizemos um pênalti ridículo. Estamos desperdiçando. Assim, não chega ao lugar que almeja", declarou o técnico.

Em ascensão, Flu bate Cruzeiro fora e encosta no G-4

A exemplo do que fez em outras oportunidades, Fred não comemorou gol contra o Cruzeiro, seu ex-clube. Foto: Douglas Magno/ Photocamera/Divulgação

Fred não comemorou gol contra o Cruzeiro

Jogando em Uberlândia, o Fluminense conseguiu a terceira vitória seguida no Campeonato Brasileiro e já pode começar a sonhar com uma vaga na Copa Libertadores da América do próximo ano. Nesta quarta-feira, o time tricolor venceu o Cruzeiro por 2 a 1, alcançou a sexta colocação, com 34 pontos, e ficou próximo do Flamengo, que ainda joga no complemento da rodada e no momento conseguiria se classificar para o torneio continental.

Os cruzeirenses, tidos como um dos melhores elencos do País, seguem decepcionando na competição e terminam a noite na 12ª colocação, com 28 pontos, mais próximos da metade de baixo da tabela do que do G-4.

Ex-jogador do Cruzeiro, Fred voltou a marcar contra o clube e não quis comemorar. Marquinho ampliou para os cariocas, enquanto Montillo descontou para a equipe da casa. Em outro lance de destaque, o goleiro Fábio se chocou com o lateral Carlinhos e deixou o campo sentindo tontura, mas caminhando normalmente.

Na próxima rodada, os dois times terão paulistas pelo caminho: enquanto o Fluminense recebe o Corinthians, no Rio de Janeiro, o Cruzeiro mede forças com o Santos, fora de casa.

No meio da semana, Abel Braga recusou uma proposta milionária dos Emirados Árabes Unidos, reforçando o carinho que sente pelo Fluminense e a confiança no trabalho, que, após sofrer críticas, voltou a ser elogiado.

Já o Cruzeiro vinha de um importante empate fora de casa com o Palmeiras, no primeiro jogo sob o comando de Emerson Ávilla, substituto do demitido Joel Santana. Para o duelo diante do clube tricolor carioca, os mineiros contaram com o retorno de Fábio, a serviço da Seleção no amistoso contra Gana, e do volante Fabrício, voltando de suspensão automática.

Sofrendo com contusões de importantes jogadores, o Fluminense segue sem poder contar com os volantes Valência e Diguinho, o meio-campista Deco e o atacante Araújo - no departamento médico. Edinho, que recebeu o terceiro amarelo contra o Atlético-GO, foi outro desfalque.

O jogo
A partida começou truncada, com muita marcação no meio-campo e poucos lances de efeito. Aos 12min, o argentino Lanzini levantou a bola na área e Leandro Euzébio, sozinho, cabeceou à esquerda do gol, perdendo ótima chance de marcar para os visitantes.

O Cruzeiro respondeu aos 26min: Charles foi acionado na esquerda, fintou o marcador e finalizou forte. A bola desviou em Gum e saiu à direita do alvo.

As equipes enfrentavam dificuldades para armar jogadas em um primeiro tempo pífio. Em um pênalti polêmico, saiu o único gol da etapa inicial: Léo teria puxado Fred na área, derrubando o atacante. Na cobrança, o próprio camisa 9 abriu o placar e, a exemplo do que fez em outras oportunidades, não comemorou por respeito ao Cruzeiro, um dos seus ex-clubes.

Já aos 39min, o mesmo Fred fez belo passe para Ciro, que não teve espaço para dominar na área graças a uma rápida intervenção de Fábio. O Cruzeiro não atravessava um momento inspirado, o que ficou claro em uma falta cobrada de forma bisonha por Montillo pouco antes do intervalo.

Para o segundo tempo, Emerson Ávilla promoveu duas alterações com o intuito de acabar com a apatia mineira. Entraram Élber e Roger nas vagas de Gabriel e Anselmo Ramon, respectivamente.

Apesar de voltar mais ofensivo, o Cruzeiro errava no último passe e o Fluminense seguia cricando as melhores chances. Aos 11min, Ciro foi acionado na ponta esquerda e cruzou rasteiro. Fábio chegou antes para afastar o perigo, mas se chocou com Carlinhos. O goleiro cruzeirense ficou tonto depois do lance e teve que ser substituído por Rafael, dez minutos depois.

Ainda com Fábio em campo, o Fluminense ampliou: aos 17min, Mariano cruzou da direita, Marquinho apareceu por trás da zaga e desviou no canto esquerdo. A bola bateu na trave antes de entrar.

Perdido em campo, o Cruzeiro não dava mostras de reação. Apenas um jogador diferenciado poderia mudar o panorama, e foi aí que Montillo apareceu: aos 27min, o argentino dominou na entrada da área, se livrou do marcador e chutou no canto direito, diminuindo para a equipe celeste.

O gol deu ânimo aos cruzeirenses, que se lançaram ao ataque e criaram boas chances para empatar até o final. Coube ao Flu recuar e segurar a vitória.

domingo, 4 de setembro de 2011

Flamengo dá início à série indigesta rumo à liderança do Brasileiro

Vanderlei Luxemburgo. Foto: Agência Lance

Série indigesta no primeiro turno levantou dúvidas sobre o trabalho do técnico Vanderlei Luxemburgo

O Flamengo inicia, neste domingo, às 16h (de Brasília), contra o Bahia, no Engenhão, uma sequência indigesta. A série de quatro jogos que começa nesta tarde desceu amarga para o clube rubro-negro, que empatou todas no primeiro turno, e o trabalho de Vanderlei Luxemburgo foi questionado na época. Agora, há cinco rodadas sem vencer, o time enfrentará Bahia, Corinthians e Atlético-PR, antes do clássico contra o arquirrival Botafogo, para tentar voltar ao topo da tabela.

Os pontos perdidos para o Bahia não foram digeridos até hoje por Vanderlei e pelos jogadores do Flamengo. Fora de casa, em Pituaçu, os cariocas venciam por 3 a 2 e administravam o resultado, mas cederam o empate no fim, depois de falha de Fernando, que caiu em desgraça e, desde então, sequer participa de coletivo.

"Nós temos que fazer o resultado pela nossa proposta de Libertadores e título. Se continuarmos com o percentual das últimas cinco rodadas (20%), não vamos chegar. Vamos cobrar de todo mundo. Faremos os pontos agora, que está tudo muito igual", disse Vanderlei.

Na semana que antecedeu o jogo contra o Corinthians, a comissão técnica e a diretoria do Flamengo foram criticadas por terem programado a despedida de Petkovic em um jogo tão importante. O empate por 1 a 1, no Engenhão, foi encarado como tropeço.

O 1 a 1 com o Atlético-PR, na rodada seguinte, na Arena da Baixada, foi um show de horrores. Embora o jogo fosse fora de casa, o time considerou o resultado como mais dois pontos perdidos, pois o adversário, até então, não havia sequer feito gol no Brasileiro.

O primeiro 0 a 0 da competição aconteceu no clássico entre Flamengo e Botafogo. A partir dali, o clube rubro-negro passou a ser rotulado como time que só empata. Apenas a goleada por 4 a 1 sobre o Atlético-MG, em seguida, foi capaz de baixar a poeira. Apesar das péssimas lembranças, Vanderlei afirma que confia no grupo de jogadores.

"Não me preocupo com o momento, sei que a equipe tem caixa para crescer. Ao mesmo tempo que esse time é experiente ele está se descobrindo. Achamos um modelo e tivemos que mudar. Desestruturou", analisou o treinador.

Jornal: Dualib diz que deveria ter saído após título mundial

O ex-presidente do Corinthians Alberto Dualib afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que deveria ter deixado o comando do clube paulista muito antes de renunciar ao cargo. Ao falar sobre o período mais turbulento da história da equipe paulista - parceria com a MSI e o rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro -, Dualib foi enfático ao dizer que se arrepende de ter se mantido na presidência por tanto tempo (foi eleito em 1993 e deixou o cargo em 2007) e que deveria ter saído após a conquista do título mundial, em 2000.

Alberto Dualib, 91 anos, disparou também contra o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, ao afirmar que o atual mandatário participou do grupo que "tramou" sua saída do clube. Dualib disse que Sanchez só alcançou cargo de realce no Corinthians com sua intervenção, e que ele é dominado por um grupo raivoso, que nunca fez nada pelo clube. Sobre um possível retorno a equipe alvinegra, o ex-presidente - que foi excluído do quadro de sócios - afirmou que não saberia como as pessoas reagiriam e que tem receio de tentar reatar laços com o Corinthians.

Nicolas Lapentti se despede do tênis em partida contra Pete Sampras

 . Foto: EFE

Equatoriano Nicolás Lapentti cumprimenta o americano Pete Sampras em sua despedida

Tênis de grande nível, brincadeiras e lembranças se conjugaram neste sábado no adeus do tênis profissional do equatoriano Nicolas Lapentti com triunfo por 2 sets a 0, parciais de 7-6 e 7-6 sobre o americano Pete Sampras.

No jogo que se desenvolvia com altos níveis de profissionalismo, o americano quebrou o protocolo ao convidar um passador de bolas para trocar algumas jogadas com Lapentti. Posteriormente, o tenista equatoriano respondeu convidando à quadra um sobrinho de sete anos que acabou ganhando um ponto de Sampras.

As inovadoras mudanças ocasionaram o delírio dos 9.000 torcedores presentes no coliseu Voltaire Paladines Polo, da cidade portuária de Guayaquil. Praticamente foram duas horas de um tênis que deixou a imagem de dois tenistas que ainda dão espetáculo, pela qualidade e força no saque de Sampras, e pela técnica, localização, reflexos e perseverança até levar o rival a cometer erros, jogo característico de Lapentti.

A vitória de Lapentti foi em grande estilo e perante uma grande assistência de torcedores para ver o nível do tenista local, que se despediu com lágrimas perante o público que torceu por ele por 21 anos de profissionalismo.

Sua estreia no tênis profissional foi em uma partida de duplas pela Copa Davis com seu tio Andrés Gómez, vencedor de Roland Garros, em 1990. Participou de 95 partidas, das quais ganhou 61 e perdeu 34 pela Copa Davis. Liderou o Equador na ascensão ao Grupo Mundial da Copa Davis no ano de 2000, após vencer a Inglaterra, em Wimbledon, e no ano de 2009 também conduziu o Equador à vitória sobre o Brasil, em Porto Alegre.

Entre os tenistas profissionais aos quais Lapentti derrotou figuram Rafael Nadal, Lleyton Hewitt, Juan Carlos Ferrero, David Ferrer, Gustavo "Guga" Kuerten, Magnus Norman, Marcelo Ríos, entre outros. A força para resistir por longas horas de jogo levou Lapentti a impor o recorde de partidas vencidas em simples da Copa Davis em cinco sets, pois ganhou 13, superando Henri Cochet, da França, e Nicola Pietrangeli, da Itália com 12 partidas cada um.

Com tombo dos EUA e recorde, Jamaica vence 4x100 m masculino

Com direito a novo recorde mundial (37s04), a Jamaica venceu o revezamento 4x100 no Mundial de Daegu (Coreia do Sul), neste domingo . Foto: AFP

Atletas da Jamaica exibem o novo recorde mundial do 4x100 m

Com mais um show de Usain Bolt, a Jamaica conquistou o bicampeonato mundial do revezamento 4x100 m masculino neste domingo. Com direito a novo recorde mundial (37s04) da prova, os jamaicanos superaram França e São Cristovão e Neves, que completaram o pódio no Mundial de Atletismo de Daegu. Os Estados Unidos, que disputavam o ouro, ficaram na última colocação devido a uma queda de Darvis Patton na última passagem do bastão.

O feito da equipe jamaicana - formada por Nesta Carter, Michael Frater, Yohan Blake e Usain Bolt - ganha ainda mais destaque por ter sido o único recorde mundial batido em Daegu. A marca anterior (37s10) já pertencia à Jamaica, que a conquistou na Olimpíada de Pequim, em 2008.

Na disputa deste domingo, as equipes dos Estados Unidos e de Trinidad e Tobago lideravam, mas uma queda de Darvis Patton na última passagem de bastão tirou os americanos da disputa. Usain Bolt, que já havia faturado o ouro nos 200 m em Daegu, foi o último a entrar na pista pela Jamaica, deixando todos os adversários para trás com uma enorme vantagem.

A França (com Teddy Tinmar, Christophe Lemaitre, Yannick Lesourd e Jimmy Vicaut) conseguiu a prata com 38s20, enquanto São Cristóvão e Neves (formado por Jason Rogers, Kim Collins, Antoine Adams e Brijesh Lawrence) angariou o bronze com 38s49).

Esperança de medalha, a equipe brasileira, formada por Diego Cavalcanti, Nílson André, Sandro Viana e Bruno Barros, parou na semifinal do 4x100 m depois de se envolver em um incidente com Portugal.

A equipe do Brasil fazia uma boa prova em sua semifinal até que, na última passagem de bastão, Nílson André chocou seu braço com o português Yazald Nascimento.

Considerado culpado pela organização, Portugal foi eliminado. Já o Brasil, que prejudicado pelo acidente fez 38s48 e, de qualquer forma, não chegaria à final, foi desqualificado por ter realizado a última passagem do bastão fora da área permitida.

Motociclismo: francês vacila e perde na linha de chegada

Johann Zarco entrou na reta dos boxes na liderança, mas ao invés de acelerar rumo à primeira vitória, olhou para trás e gesticulou contra Nicolas .... Foto: AP

Johann Zarco estava à frente de Nicolás Terol, mas foi ultrapassado nos últimos metros do GP de San Marino

O espanhol Nicolas Terol (Aprilia) venceu o duelo com o francês Johann Zarco (Derbi) em um final surpreendente e depois de uma vacilada do rival na chegada do Grande Prêmio de San Marino da modalidade 125 c.c, em corrida disputada neste domingo.

O piloto francês entrou na reta final pronto para conquistar a primeira vitória da carreira. Mas ao invés de acelerar rumo à linha de chegada, Zarco olhou para trás e começou a gesticular contra o rival, que seguia pressionando. Terol acelerou no momento certo e passou Zarco nos últimos metros da prova, vencendo o GP de San Marino.

Após perder o primeiro lugar, Johann Zarco ficou inconformado com o resultado final e descontou a raiva dando socos em sua moto. "Estou muito desapontado. Saí muito lento na curva", disse, muito abatido. Outro espanhol, Efrén Vázquez (Derbi), da equipe de Zarco, acabou em terceiro lugar.

sábado, 3 de setembro de 2011

Náutico mantém série invicta, bate Goiás e cola na liderança

Kieza marca o primeiro gol do Náutico, que venceu o Goiás por 2 a 1. Foto: Carlos Costa/Futura Press

Kieza marca o primeiro gol do Náutico na vitória sobre o Goiás

O Náutico deu prosseguimento à boa fase nesta sexta-feira e superou o Goiás por 2 a 1 no Estádio Serra Dourada, na abertura da 21ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Sem perder agora há seis jogos, o time pernambucano seguiu no terceiro lugar e reduziu, provisoriamente, a diferença em relação à líder Portuguesa.

A equipe visitante em Goiânia sofreu um susto aos 23min de jogo quando Everton sofreu um corte no rosto após dividida pelo alto com Lenon. Sem condições de jogo, o atleta alvirrubro foi substituído e examinado posteriormente e passa bem.

O primeiro gol da partida saiu aos 13min do segundo tempo, com o atacante Kieza. Vice-artilheiro da Série B, o centroavante marcou seu 12º gol no torneio após receber cruzamento rasteiro na área de Peter. O Náutico ampliou nove minutos depois, aos 22min, com o meio-campista Eduardo Ramos após jogada de contra-ataque. O veterano Iarley descontou para o Goiás.

Com três vitórias e três empates nas últimas partidas seis partidas, o Náutico chegou nesta sexta aos 38 pontos e encostou em Portuguesa e Ponte Preta, que aparecem no topo da tabela com 39 - a equipe rubro-verde do Canindé possui um jogo a menos, pois neste sábado encara o Paraná, em casa. Já o Goiás se afastou da zona dos quatro melhores da tabela: seguiu com 28.

Na próxima rodada, o Náutico receberá o o Criciúma no dia 10 de setembro, às 16h20. Um dia antes, o Goiás vai à cidade de Arapiraca para pegar o ASA, às 20h30.

Não a europeus faz Seleção ter ataque "100% brasileiro" em jogo

Provável centroavante titular no jogo contra Gana, Leandro Damião alonga em treino da Seleção Brasileira. Foto: Mowa Press/Divulgação

Damião prefere Internacional a jogar no futebol inglês

Leandro Damião, Paulo Henrique Ganso e Neymar sofreram assédio de grandes clubes da Europa na última janela de transferência e tiveram chances reais de deixarem o futebol brasileiro. Porém, optaram pela permanência no Brasil e permitiram à Seleção uma situação incomum nos últimos anos: com Ronaldinho também confirmado, Mano escalará um ataque todo "nacional" para o amistoso contra Gana, segunda-feira, em Londres.

Quando assumiu o cargo em agosto do último ano, o técnico colocou como uma das prioridades de seu trabalho prestigiar mais os jogadores que atuam no próprio País. A nova política chegou ao auge para este amistoso, com 10 jogadores entre 24 convocados atuando por times brasileiros. Para a Copa do Mundo de 2010, Dunga levou apenas três.

Porém, o aumento do número também é reflexo da força econômica do País e do planejamento de clubes brasileiros para se defender do assédio europeu. Contratos com multas rescisórias altas, assinados graças à possibilidade de se oferecer um maior rendimento, acabaram com a facilidade de europeus em conseguir "pechinchas" de jovens jogadores.

Durante a última janela de transferência, o Tottenham ofereceu, sem sucesso, cerca de 20 milhões de euros ao Internacional por Leandro Damião. A multa rescisória do atacante é de 50 milhões de euros. Valor próximo dos 45 milhões de euros que terão de ser pagos por um clube que queira tirar Neymar do Santos. Em época de moeda nacional forte, os rendimentos do santista superam R$ 500 mil mensais.

"Com certeza os clubes estão conseguindo segurar jogadores e o nosso futebol está valorizado. O Neymar, o Ganso e o próprio Dedé acabaram ficando. Está crescendo muito o futebol do Brasil", afirmou Damião.

A valorização do futebol brasileiro tem dado segurança para que os jogadores não forcem uma saída do País logo na primeira grande proposta que apareça. Nas entrevistas de sexta, curiosamente Leandro Damião, Neymar e Lucas apresentaram o mesmo discurso: têm vontade de jogar na Europa, mas vão esperar o momento e o clube certo para a transferência.

"Claro que eu um dia tenho vontade de jogar em um grande clube da Europa, mas por enquanto estou feliz no São Paulo", disse o meio-campista reserva da Seleção, que deu o aval para o São Paulo recusar uma proposta de 27 milhões de euros da Inter de Milão por seu futebol. A multa rescisória do jogador é a maior do futebol brasileiro e beira os 90 milhões de euros.

Paulo Henrique Ganso também sofreu assédio europeu, recusou propostas e ficou no Santos para jogar o Mundial de Clubes. Porém, o jogador tem colocado empecilhos em renovação de contrato e deve antecipar o início da vida na Europa. Alexandre Pato e Hulk, já estabilizados no futebol europeu, são as outras opções de Mano para o setor.

Na contramão

O caso de Ronaldinho mostra outro aspecto do futebol brasileiro atual: a volta de jogadores consagrados ao País. O flamenguista ainda tinha mercado na Europa e em países árabes conhecidos por pagarem salários irreais, mas preferiu voltar para Brasil. A vontade de voltar para a casa só foi possível graças a possibilidade de uma remuneração menos desigual em relação ao exterior.

O ataque utilizado contra Gana deve ser o mesmo de Brasil x Argentina, que duelarão nos dias 14 e 28 de setembro apenas com jogadores que atuam dentro do país. A convocação para o primeiro jogo, marcado para Córdoba, ocorrerá logo depois do amistoso contra Gana.

Jornal: time inglês fará proposta "astronômica" por Beckham

 . Foto: Getty Images

Contrato de Beckham com o Los Angeles Galaxy termina em novembro

O Queens Park Rangers estaria disposto a fazer uma proposta "astronômica" para contratar o meia David Beckham, que atualmente joga no Los Angeles Galaxy (EUA). De acordo com o jornal The Sun, Tony Fernandes, novo dono do time inglês, não medirá esforços para repatriar o jogador.

O contrato de Beckham com o Los Angeles Galaxy termina no próximo mês de novembro. O clube americano chegou a fazer uma proposta para renovar o vínculo com o meia, mas teria recebido um não como resposta.

Além disso, conta a favor do Queens Park Rangers o fato de Beckham querer disputar os Jogos Olímpicos de Londres 2012. Atuando na Inglaterra, o jogador teria mais chances de ser convocado para a Olimpíada.

O Queens Park Rangers, 12º colocado no Campeonato Inglês, aposta no impacto que a contratação de Beckham teria em termos de marketing para o clube, que, por isso, pretende investir uma grande quantia para repatriar o meia inglês.

Australiana quebra recorde de 24 anos e vence os 100 m com barreira

 . Foto: AP

A australiana Sally Pearson vibrou muito com sua vitória nos 100 m com barreiras

A australiana Sally Pearson era favorita para vencer os 100 m com barreira no Mundial de Daegu, mas a medalha de ouro da prova neste sábado veio de modo surpreendente até mesmo para ela. A barreirista venceu a prova com o tempo de 12s28, quebrando o recorde da competição que já durava 24 anos.

As americanas Danielle Carruthers e Dawn Harper completaram a prova com 19s47, mas os juízes utilizaram o recurso fotográfico na linha de chegada para dar a prata a Carruthers.

Ao cruzar a linha de chegada, Pearson não conteve o entusiasmo, nem o choro. Aos gritos, correu pelo estádio de Daegu segurando a bandeira da Austrália, abraçou torcedores na arquibancada e até o mascote oficial do Mundial.

A marca anterior do campeonato pertencia à búlgara Ginka Zakorcheva, que marcou 12s34, no Mundial de Roma em 1987. O recorde mundial dos 100 m com barreiras é da também búlgara Yordanka Donkova, que completou a prova em 12s21, em 1988.

Depois do Maracanã, operários da Fonte Nova ameaçam greve

Fonte Nova  - Após tragédia de 2007 (que teve sete mortos) e implosão que foi finalizada em agosto do ano passado, nova arena baiana é reerguida para .... Foto: LOC/Divulgação

Trabalhadores exigem aumento do valor da cesta básica

Depois da greve no Maracanã, outra sede da Copa do Mundo de 2014 pode ficar paralisada. Os operários da Arena Fonte Nova, na Bahia, ameaçam desligar as máquinas caso o valor da cesta básica não aumente. Segundo o presidente da Sintepav (Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada da Bahia), Adalberto Galvão, foi feito um pedido de aumento do valor do benefício de R$ 130 para R$ 160, baseado na inflação dos alimentos.

"Estamos em um processo de negociação. Na última quinta, os trabalhadores decidiram pela paralisação. O sindicato apresentou ao Consórcio da Fonte Nova a decisão dos trabalhadores e vamos esperar até segunda-feira. A inflação aumentou o preço dos produtos da cesta básica. Esse aumento é vital para garantir um padrão alimentar", disse Adalberto Galvão.

De acordo com o presidente do sindicato, a Arena Fonte Nova se posicionou favorável a uma análise mais cuidadosa das reivindicações e, até terça-feira, uma nova reunião pode ser marcada. "Há de se considerar as reivindicações até porque os trabalhadores estão se empenhando. Já estamos com 30% do processo feito", exaltou.

Adalberto também criticou o Secretário do Projeto da Copa de 2014, Ney Campello, que não se mostrou contente com a manifestação dos trabalhadores.

"Ele disse que tem que tomar cuidado para não ficar refém dos trabalhadores. Essa expressão usada revela um preconceito de alguém que não entende a dimensão estabelecida pela democracia. Refém é preso ao sequestrador. Estamos discutindo às claras para a melhoria das condições de trabalho dos trabalhadores", afirmou.

Bolt sobra e conquista bi mundial nos 200 m; brasileiro é sexto

 . Foto: AFP

Usain Bolt conquistou o ouro nos 200 m e amenizou a frustração pela eliminação nos 100 m

Uma semana depois de ter frustrado o mundo ao queimar a largada dos 100 m, o jamaicano Usain Bolt mostrou que segue em forma ao conquistar o título dos 200 m no 13º Mundial de Atletismo, em Daegu, na Coreia do Sul. Para levar o bicampeonato mundial da prova, Bolt cravou o tempo de 19s40, 21 centésimos acima de seu recorde mundial de 19s19, conquistado há dois anos em Berlim. Na mesma prova deste sábado, o brasileiro Bruno de Barros terminou em sexto lugar, ao cravar 20s31.

Além de levar o ouro, Bolt cravou a melhor marca do ano na prova. A prata dos 200 m ficou com o americano Walter Dix, com 19s70, seguido pelo francês Christophe Lemaitre, com 19s80.

Depois de ficar inconformado com a eliminação nos 100 m por ter queimado a largada, Bolt manteve a irreverência característica nas eliminatórias e na semifinal dos 200 m. Já neste sábado, antes da final, o jamaicano apontou para as câmeras e tentou mostrar bom humor, mas parecia apresentar um semblante um pouco mais tenso do que o de costume.

Contudo, foi só a prova começar para Bolt relaxar e mostrar que está muito acima dos outros competidores, correndo para o ouro sem dificuldades. Com o primeiro lugar garantido, o jamaicano bateu no peito e fez sua comemoração característica, inclinando o corpo e apontando com os dois braços para o alto. Em seguida, levou a torcida ao delírio ao correr de um lado para o outro dos fotógrafos que tentavam registrar mais um momento de glória do atleta.

Bolt tem no currículo os recordes mundiais dos 100 m e 200 m, conquistados há dois anos em Berlim. Na chegada a Daegu, porém, ele já afirmava que não tinha a intenção de fazer um novo recorde mundial, querendo apenas garantir medalhas de ouro.

"Ele (Bolt) é muito acima da média", disse Bruno de Barros, que levou o Brasil a disputar uma final dos 200 m após se passarem 12 anos da conquista da medalha de prata de Claudinei Quirino em 1999. Dois anos antes Quirino havia levado outra prata em Atenas. Em Daegu, na semifinal, o Brasil ainda teve a desclassificação de Sandro Viana, que queimou a largada.

Balanço positivo e esperança no 4x100

Bruno de Barros afirmou que poderia ter apresentado um desempenho melhor na prova deste sábado, mas, mesmo assim, está satisfeito com sua participação em Daegu até o momento.

"Larguei mal, mas não tem desculpa. Quem achou que seria uma prova fácil se enganou, pois quatro atletas correram abaixo dos 20s", argumentou Bruno, feliz por levar o Brasil a uma final da prova depois de 12 anos. O atleta acredita ainda que o País pode lutar por uma medalha no revezamento 4x100 m.

"Agora, precisamos nos concentrar para a final do revezamento 4x100, já que nessa prova temos chances reais de medalha", disse Bruno, que irá fechar o revezamento - Diego Cavalcante, Sandro Viana e Nílson André completam a equipe verde e amarela.