terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Estreante cobiçado, Vergne herda papel de "salvação" francesa

  1. Notícia
  2. Fotos

Estreante na Fórmula 1 em 2012, Jean-Eric Vergne é uma das esperanças do automobilismo francês. Foto: Getty Images

Estreante na Fórmula 1 em 2012, Jean-Eric Vergne é uma das esperanças do automobilismo francês

O francês Jean-Eric Vergne será um dos estreantes da temporada 2012 da Fórmula 1, mas a responsabilidade do novo piloto da Toro Rosso já é grande. Responsável por conduzir a Red Bull nos testes coletivos de novembro em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, Vergne não decepcionou e liderou os três dias com o carro da equipe austríaca. E de uma vez, o jovem francês surgiu como um candidato a uma vaga na Red Bull para 2013 - em especial, para a de Mark Webber, 35 anos e cada vez mais próximo da aposentadoria.

Vergne, porém, evitar traçar planos a médio e longo prazo. "Há sempre muita pressão para corresponder e manter a vaga no automobilismo", disse o estreante, em entrevista exclusiva ao Terra. "Não dirigi nem sequer em uma corrida ainda, então acho que é meio cedo para começar a falar em 2013", completou o francês, certamente ciente das especulações que envolvem uma possível troca de pilotos na melhor equipe da Fórmula 1 da atualidade.

Ao mesmo tempo em que Jean-Eric Vergne tem arrojo nas pistas (foi vice-campeão da World Series by Renault em 2011), mostra também inteligência no discurso. Sem disputar uma temporada da GP2 antes de chegar à Fórmula 1, como costuma ser praxe no automobilismo, o jovem piloto da Toro Rosso, 21 anos, defende a escolha - não por acaso, quase sempre a mesma opção dos pilotos do programa de desenvolvimento da Red Bull. "É claro que a experiência na GP2 é útil, porém, não é essencial", explicou.

Mas se Vergne atua na defensiva quando questionado sobre a relação com a Red Bull, aceita uma outra responsabilidade sem pestanejar: a de ajudar a reconstruir o esporte a motor francês.

Apesar de viver uma fase morna desde a aposentadoria de Alain Prost, com nomes como Jean Alesi, Olivier Panis e Sebastien Bourdais brilhando pouco, a França mostra otimismo com o novo trio: Jean-Eric Vergne, Romain Grosjean (Lotus) e Charles Pic (Marussia). A meta, segundo o jovem da Toro Rosso, é ajudar a desenvolver o automobilismo de base do país e recolocar o GP da França no calendário da Fórmula 1.

Jornal britânico prepara "guia para sobreviver à Olimpíada"

Boris Johnson, prefeito de Londres, prepara bicicleta para passeio pela cidade. Foto: Getty Images

Boris Johnson, prefeito de Londres, prepara bicicleta para passeio pela cidade

À medida que o início dos Jogos Olímpicos de Londres se aproximam, o povo britânico vê aumentar não apenas a expectativa e animação, mas também os problemas. O elevado número de turistas, as restrições de segurança e eventuais problemas estruturais devem causar muita dor de cabeça para o cidadão comum. Pensando nisso, o jornal This is London preparou um "guia de sobrevivência". Confira.

Use seu smartphone

Acompanhar notícias em tempo real e se manter ligado às redes sociais será mais importante do que nunca durante a Olimpíada de Londres, já que o Transport for London, órgão que cuida do sistema de transportes da cidade, vai fazer atualizações informando quais estações de metrô estão com sobrecarga de passageiros. Também haverá sugestão de rotas alternativas>

O governo britânico já identificou alguns hot spots que devem ser evitados: estações próximas aos locais de competição e estações como Canary Wharf, Bond Street e London Bridge. A expectativa é de que no horário de pico, entre 17h e 18h30, a espera por transporte ultrapasse os 30min.

Evite o trânsito e ande mais

A preocupação com a lotação no sistema de metrô é grande em Londres, mas continua menor do que o problema que será causado pelo tráfego de veículos. A Olympic Road Network vai interditar mais de 175 km de vias por Londres e outras áreas de competição. Essas faixas serão exclusivas para atletas, patrocinadores, membros do Comitê Organizador e autoridades.

Uma das alternativas incentivadas pelo governo britânico para fugir dos problemas no metrô e no trânsito é fazer a ligação entre as linhas de trem a pé. Londres tem o metrô mais antigo do mundo, uma malha com 400 km de extensão, 11 linhas e 270 estações. O sistema de bilhete único da cidade e a proximidade entre as linhas permitira que cidadãos passassem de uma para a outra pelas ruas, caminhando.

Vá de bike

Sempre que pode, o prefeito de Londres, Boris Johnson, sobe em sua bicicleta e se deixa fotografar pedalando pela cidade para promover esse tipo de transporte. Para os Jogos Olímpicos, o governo fez melhorias no sistema de ciclovias - oito delas dão acesso ao Parque Olímpico, local onde parte dos eventos será realizado. São cerca de 75 km de faixas exclusivas para bicicletas. Além disso, foram criados novos bicicletários, aumentando em 7 mil o número de vagas.

Atrase a volta para casa - em um pub

Peter Hendy, Comissário de Transportes para os Jogos Olímpicos, sugeriu em evento na segunda-feira que os trabalhadores adiem a volta para casa por algumas horas para evitar o horário de pico e aliviar o sistema metroviário da cidade. A melhor maneira de fazer isso, segundo ele, é curtir o "happy hour" nos tradicionais pubs londrinos. "Nós não estamos dizendo não viaje. E não estamos dizendo não viaje para casa às 17h. Mas, para aqueles que puderem, vão a um pub e voltem para casa às 18h30", disse Hendy.

Trabalhe de casa

De acordo com o jornal This is London, 37% dos londrinos estudam a possibilidade de não ir ao trabalho durante os Jogos Olímpicos de Londres, seguindo a política ditada por Peter Hendy: "se você não tem que estar em algum lugar, então não vá até lá". Acredita-se que empresas de pequeno e médio porte permitam que seus funcionários cumpram suas funções do conforto do lar.

Condenado, Sutil paga multa de R$ 463 mil, mas escapa de prisão

Piloto alemão acompanha julgamento em Munique; ele foi condenado a 18 meses de suspensão condicional da pena. Foto: AP

Piloto alemão acompanha julgamento em Munique; ele foi condenado a 18 meses de suspensão condicional da pena

Com o futuro indefinido na Fórmula 1, o piloto Adrian Sutil acabou condenado após dois dias de julgamento em Munique, na Alemanha. Considerado culpado por ter agredido um dos sócios da equipe Lotus, Eric Lux, o alemão terá de pagar uma multa de 200 mil euros (R$ 463 mil), mas escapou da prisão: cumprirá 18 meses de suspensão condicional da pena.

Toda a polêmica aconteceu na noite de 17 de abril de 2011, logo após o Grande Prêmio de F1 da China, em Xangai. Na ocasião, Sutil atirou um pedaço de copo quebrado no empresário, ferindo-o gravemente no rosto e no pescoço. Lux, que é chefe-executivo do Grupo Genii, empresa dona da Lotus (ex-Lotus Renault), foi levado ao hospital e terminou com 24 pontos na área ferida.

Sutil, que pediu desculpas ao dirigente, afirmou durante o julgamento que o ocorrido foi "acidental e não intencional". Ele alegou que seu objetivo era apenas jogar champanhe no rosto de Lux, e não feri-lo com o o copo.

O veredicto veio nesta terça-feira, quando Sutil foi condenado a pagar uma multa cujo valor será revertido a uma instituição de caridade. Ao alemão, que corria risco de ser levado à prisão, foi dada uma pena de 18 meses de suspensão condicional da pena.

Esse instituto de direito penal permite que a pessoa, mesmo condenada, não fique na cadeia. Se Sutil não praticar nova infração penal e cumprir as determinações exigidas pelo juiz, sua pena será encerrada após os 18 meses do período de observação. Caso contrário, a pena que se encontrava com a execução suspensa pode ser acionada. O instituto é diferente da liberdade condicional, em que o preso é liberto - no caso de Sutil, sua pena apenas deixou de ser aplicada.

O piloto, 29 anos, terminou 2011 na nona colocação do Mundial de Pilotos da F1 - a melhor de sua carreira na categoria, que começou como titular da Spyker em 2007. Embora tenha somado 42 pontos durante o ano, contra 27 do britânico Paul di Resta, seu companheiro de equipe, Sutil acabou demitido da Force India em favor do alemão Nico Hulkenberg, ex-piloto reserva da mesma escuderia.

O futuro do filho de pai uruguaio e mãe alemã foi especulado na Williams e na própria Lotus, mas não fechou com nenhum desses times. Outro boato dá conta de que ele poderia ser terceiro piloto da Ferrari. O único assento oficialmente vago na elite do automobilismo mundial para 2012 é o da Hispania.

Jornal: bebida pode ser liberada em todos os estádios permanentemente

Ministro do Esporte, Aldo Rebelo espera aprovação da Lei Geral da Copa até março. Foto: Reinaldo Marques/Terra

Ministro do Esporte, Aldo Rebelo espera aprovação da Lei Geral da Copa até março

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o deputado federal Vicente Cândido, relator da Lei Geral da Copa, afirmou que o retorno das bebidas alcoólicas aos estádios de futebol está quase acertado, precisando ainda passar por votação no Congresso Nacional. Além disso, a mudança valeria não só para o Mundial de 2014, mas permanentemente. O parlamentar declarou que teve "grande avanço" na questão das bebidas em uma reunião com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o diretor de Seleções da CBF, Andrés Sanchez. A assessoria de Padilha, porém, disse que o ministro é contra a liberação.

A permissão de venda das bebidas alcoólicas nos estádios da Copa do Mundo é uma das exigências da Fifa e também um dos pontos que complicam a aprovação da Lei Geral da Copa - que o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, quer que seja aprovada até o final de março. Outro ponto polêmico do projeto é a venda de meia-entrada para pessoas maiores de 65 anos: o governo quer manter o benefício, enquanto a Fifa é contra.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Com dor, Emerson não comemora e irrita Tite: "faltou vibração"

O atacante Emerson apenas levantou o dedo indicador enquanto aguardava o abraço dos companheiros após marcar o gol que garantiu ao Corinthians a difícil vitória por 1 a 0 sobre o Linense, neste domingo, no Estádio do Pacaembu. O técnico Tite contou, depois da partida, que exigiu mais empolgação dos atletas no vestiário.

"Tem que vibrar, ser intenso, ter gana de vencer. Faltou essa vibração, comemorar o gol que fez. Incendiei o vestiário porque precisa do sabor de vencer, valorizar a conquista. Só se chega a grandes conquistas quando se valoriza as pequenas", esbravejou o comandante, aumentando o tom de voz e movimentando as mãos, visivelmente insatisfeito.

A falta de ação de Emerson pode ser explicada pelas dores que incomodaram o atacante desde a metade do primeiro tempo e fizeram o próprio Tite preparar a entrada de Vitor Júnior pouco antes do gol. "Eu já não estava aguentando mais de dor na perna. Falei: 'ah, vou tentar'. Deu certo", resumiu o camisa 11, sem esconder o cansaço após o jogo.

"Os times do interior estão treinando desde novembro, então o torcedor tem que ter um pouquinho de paciência com a gente. Vai demorar um pouco para retomar o ritmo e o entrosamento do ano passado, mas o Corinthians está crescendo", acrescentou o corintiano.

O treinador, que vem citando a desvantagem física da equipe desde o começo da pré-temporada, não relevou o desempenho abaixo do esperado na partida deste domingo. "Faltou a jogada terminal, o agudo, ter a faca entre os dentes. Não pode achar que vai fazer o gol a qualquer momento, tem que ir para dentro", esbravejou.

Vitória do Atlético-MG é marcada por protestos da torcida

Apesar da vitória na estreia, torcida do Atlético-MG protestou lembrando o último clássico contra o Cruzeiro. Foto: Gazeta Press

Apesar da vitória na estreia, torcida do Atlético-MG protestou lembrando o último clássico contra o Cruzeiro

O Atlético-MG entrou em campo pela primeira vez na temporada 2012 neste domingo, e mostrou bom futebol na vitória diante do Boa Esporte, na Arena do Jacaré. A cabeça dos torcedores, no entanto, ainda estava no dia 4 de dezembro do ano passado, quando a equipe acabou goleada por 6 a 1 pelo arquirrival Cruzeiro.

Alguns jogadores presentes naquela que foi a maior vitória do rival no clássico acabaram bastante hostilizados pelos presentes ao local da partida. O volante Richarlyson, que atuou improvisado na lateral esquerda, foi o alvo preferido dos aficionados.

O zagueiro Réver, que no dia seguinte ainda recebeu prêmio de um dos melhores da competição nacional, foi outro lembrado nos protestos.

Indiferente aos insultos, o meia Bernard comemorou o fato de entrar no novo ano marcando um gol e ajudando no triunfo. "Foi do jeito que eu vinha trabalhando, desde o ano passado eu trabalho forte finalização. E Graças à Deus, eu tive a oportunidade e marquei", analisou.

Sem Leandrinho, Toronto Raptors vence Nets pela NBA

Apesar da vitória, Raptors continuam com uma campanha ruim na Liga. Foto: AP

Apesar da vitória, Raptors continuam com uma campanha ruim na Liga

Mesmo sem contar com o ala-armador brasileiro Leandro Barbosa, o Toronto Raptors venceu por 94 a 73 o New Jersey Nets, na noite deste domingo. A partida foi disputada no Prudential Center, em Nova Jersey.

Com uma temporada ruim até o momento (sete vitórias e 14 derrotas), os Raptors contaram com DeMar DeRozan como principal arma ofensiva. O ala-armador marcou 27 pontos, pegou três rebotes e distribuiu duas assistências, liderando a vitória da equipe.

Com uma campanha exatamente igual, o New Jersey Nets contou mais uma vez com Deron Williams como destaque, com 24 pontos e seis assistências.

Aos 38 anos, Roberto Carlos anuncia aposentadoria para fim de 2012

Após parar, brasileiro seguirá no Anzhi como ajudante do presidente Kerimov, cuja fortuna estimada é de US$ 7,8 bilhões (R$ 13,6 bilhões). Foto: Reuters

Após parar, brasileiro seguirá no Anzhi como ajudante do presidente Kerimov, cuja fortuna estimada é de US$ 7,8 bilhões (R$ 13,6 bilhões)

Uma das carreiras mais duradouras e bem-sucedidas de um lateral esquerdo na história do futebol está prestes a se encerrar. Em entrevista publicada nesta segunda-feira pelo jornal espanhol Marca, o brasileiro Roberto Carlos, atualmente no Anzhi Makhachkala, da Rússia, anunciou que vai parar de jogar futebol ao fim de 2012.

Ao diário, Roberto Carlos lembou que já ganhou tudo no mundo do futebol e é hora de se aposentar. Ele negou a existência de qualquer lesão, mas ressaltou que seu corpo pede para parar e mostra cansaço depois de "tantos trabalhos físicos, viagens e hotéis".

O brasileiro, 38 anos, começou a atuar aos 16, pelo União São João de Araras. Defendeu também Palmeiras, Inter de Milão, Fenerbahce e Corinthians, ficando marcado por sua passagem pelo Real Madrid. Ele jogou no clube espanhol entre 1996 e 2007, tendo conquistado por três vezes a Liga dos Campeões da Europa, por duas o Mundial de Clubes e por quatro o Campeonato Espanhol.

Em sua versão online, o Marca classifica Roberto Carlos como o "maior lateral esquerdo da história do futebol". O campeão da Copa do Mundo de 2002 com a Seleção Brasileira está no Anzhi desde fevereiro de 2011, quando deixou o Corinthians em meio à eliminação frente ao Tolima na primeira fase da Copa Libertadores da América.

No clube russo, acumulou as funções de jogador e técnico interino entre setembro e dezembro do ano passado. Seu contrato como atleta do Anzhi se encerra em junho de 2013, mas ele contou ter a opção de parar no fim de 2012 - a qual fará valer.

Devido ao bom relacionamento com o dono da equipe russa Suleyman Kerimov, 118º homem mais rico do mundo segundo levantamento da revista americana Forbes, Roberto Carlos adiantou que seguirá no clube como ajudante do presidente.

Ele diz ter um contrato vitalício com Kerimov, que pediu ao ainda lateral esquerdo ajuda para "criar a estrutura do clube para os próximos dez anos". O bilionário comprou o Anzhi em janeiro de 2011 e desde então fez altos investimentos, contratando, por exemplo, o atacante camaronês Samuel Eto'o.

Por Olimpíada, Ana Marcela propõe "bancar" própria ida a Londres

Ana Marcela tem esperança de disputar a Olimpíada de Londres. Foto: Assecom Unisanta/Divulgação

Ana Marcela tem esperança de disputar a Olimpíada de Londres

Ana Marcela ainda acredita que poderá disputar a sua segunda Olimpíada. A chance de competir em Londres, condicionada à desistência de uma das classificadas, é vista como possível para a nadadora que se propõe, inclusive, a viajar pelo "próprio bolso" para poder não perder principal o evento esportivo mundial.

"Não sei como vai funcionar, a Poliana está confirmada. Preciso esperar para saber do COB (Comitê Olímpico Brasileiro) se vou viajar junto. Se tiver essa chance, com certeza vale a pena ir. Até mesmo se, infelizmente, precisar tirar do meu bolso também faria isso para tentar chegar lá e nadar", disse ao Terra.

"Na Olimpíada passada uma competidora desistiu e quem entrou no lugar foi bem, ficou entre as primeiras. É complicado, mas não posso deixar de acreditar", completou.

A nadadora está como reserva pelo 11º lugar em Xangai, em julho do último ano. Na ocasião, Poliana Okimoto confirmou a classificação ao ficar entre as dez primeiras. As demais classificadas serão definidas na prova de Setúbal, em Portugal, em junho.

"Não posso nem competir lá, só me resta resperar que alguém desista mesmo. Sou a primeira reserva, em Setúbal sairão mais 14 ou 15 classificadas", explicou.

Ana Marcela ainda cogita passar a possibilidade a Marcelo Teixeira, ex-presidente do Santos e um dos donos da Universidade Santa Cecília, pela qual compete há seis anos, e acredita que será respaldada: "coloquei o nome do Santa lá em cima, sei que posso contar com ele, também".

Campeã do circuito mundial de Maratona Aquática em 2010, a brasileira iniciou o ano com a terceira colocação em Santos. O circuito conta com oito etapas. A próxima será disputada em Viedma, na Argentina, no próximo dia 4.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Jornal: Porto vem ao Brasil para aumentar proposta por Ganso

Ganso seria desejo do clube português para 2012. Foto: Klaus Richmond/Terra

Ganso seria desejo do clube português para 2012

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o Porto terá emissários no Brasil para fazer uma oferta acima de 8 milhões de euros (R$ 18,3 milhões) por Paulo Henrique Ganso já no início desta semana. O valor anterior foi da primeira proposta, ironizada pelo presidente santista Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro como "cômica".

Segundo a publicação, Ganso tem interesse em deixar a Vila Belmiro e se juntar ao clube português. O Grupo DIS, que administra sua carreira e tem 45% de seus direitos econômicos, também seria favorável à transação. Ainda de acordo com o jornal, o Porto tem pressa em fechar a negociação.

Kobe Bryant termina como cestinha, mas Lakers perdem dos Bucks

Kobe teve boa atuação, mas não conseguiu impedir a derrota dos Lakers. Foto: AP

Kobe teve boa atuação, mas não conseguiu impedir a derrota dos Lakers

A derrota do Los Ageles Lakers diante do Milwaukee Bucks, com o astro Kobe Bryant como cestinha, foi o principal destaque da última jornada da NBA, realizada na madrugada de sábado para domingo. Outras cinco partidas foram disputadas pelo campeonato.

Em Milwaukee, os Bucks bateram os Lakers por 100 a 89. Com 42 minutos de permanência em quadra, Bryant foi o jogador que mais atuou e anotou 27 pontos, além de fazer nove assistências e apanhar oito rebotes. Pelo time da casa, Drew Gooden respondeu com 23 pontos.

Na Philadelphia, os 76ers venceram o Detroit Pistons por 95 a 74. Apesar de começar no banco de reservas, Louis Williams terminou como cestinha ao anotar 17 pontos. Andre Iguodala, por sua vez, registrou um triple-double de 10 pontos, 10 assistências e 10 rebotes. Pelos Pistons, Greg Monroe anotou 16 pontos e 10 rebotes.

Em mais dois confrontos da última jornada, o Houston Rockets recebeu o New York Knicks e venceu por 97 a 84 com 19 pontos de Chase Budinger e 14 rebotes de Samuel Dalembert. Para completar, o Utah Jazz, dentro de casa, contou com 21 pontos de Gordon Hayward para vencer o Sacramentos Kings por 96 a 93.

Na Conferência Leste, o Philadeplhia 76ers é o terceiro colocado (14 vitórias e seis derrotas) e o Milwaukee Bucks aparece em nono (oito vitórias e 11 derrotas). No Oeste, o Houston Rockets figura no quarto lugar (12 vitórias e oito derrotas), seguido pelo Utah Jazz (11 vitórias e sete derrotas).

Confira todos os resultados da rodada da NBA:
Philadelphia Sixers 95 x 74 Detroit Pistons
Washington Wizards 102 x 99 Charlotte Bobcats
Houston Rockets 97 x 84 New York Knicks
Milwaukee Bucks 100 x 89 Los Angeles Lakers
Phoenix Suns 86 x 84 Memphis Grizzlies
Utah Jazz 96 x 93 Sacramento Kings

Jornal: Mourinho deixa Real e volta à Inglaterra ao fim da temporada

image

Destino de José Mourinho seria algum clube inglês da primeira divisão

Segundo o jornal britânico The Sunday Times, o técnico português José Mourinho deixará o Real Madrid no final da atual temporada. De acordo com a edição dominical do diário, Mourinho voltaria à Inglaterra para trabalhar em algum clube da primeira divisão do Campeonato Inglês.

O português chegou ao Real Madrid no meio de 2010 e firmou contrato por quatro anos, até junho de 2014. Ultimamente, tem sido pressionado pela torcida madrilena por não conseguir ganhar do Barcelona, principal rival do Real.

Além disso, o treinador - que já comandou o inglês Chelsea - teve atritos com a imprensa espanhola e, recentemente, houve rumores de que ele teria brigado com alguns jogadores espanhóis do elenco merengue, como os influentes Iker Casillas e Sergio Ramos.

Sem espaço na F1, Barrichello já admite buscar vaga na Indy

Barrichello fará testes na Indy. Foto: Twiiter/Reprodução

Barrichello fará testes na Indy

Oficialmente, os testes de Rubens Barrichello na equipe de Tony Kanaan da Fórmula Indy são apenas para "dar sua opinião e ajudar o seu amigo". No entanto, piloto brasileiro, 39 anos, já admite a possibilidade de participar da categoria americana.

"Estou indo para esse teste com a mente aberta. Se sair do carro com aquela paixão que sempre tenho quando piloto, por que não? Amo as corridas. Posso adiantar que estou ansioso", afirmou o piloto em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. "A velocidade está no meu sangue. Se gostar da Indy, vou correr lá", completou.

Silvana, mulher de Rubens Barrichello, não gosta da ideia de ver o marido em circuitos ovais. Desta forma, o brasileiro pode disputar a temporada, mas ficar fora das quatro etapas realizadas em ovais. Se a mulher é contra, Eduardo e Fernando, os dois filhos do piloto, querem ver o pai em ação.

"A notícia de que não fiquei na Williams, eles sabem, representa apenas uma transição para outra atividade no automobilismo e não o fim de minha carreira", afirmou o piloto que, por outro lado, admite o futuro incerto: "dentro de mim não está claro o que farei".

Ainda que admita a possibilidade de migrar para a Indy, Barrichello ainda sonha com a possibilidade de retornar à Fórmula 1 e cita exemplos de veteranos que se afastaram apenas momentaneamente da categoria. "O Kimi Raikkonen e o Michael Schumacher voltaram, por qual motivo eu não poderia também?", questionou o brasileiro ao jornal paulista.

Recordista de largadas na principal categoria do automobilismo mundial, Barrichello disputou as últimas 19 temporadas da e tem dois vice-campeonatos no currrículo. Aos 39 anos, o veterano, substituído pelo compatriota Bruno Senna na Williams, garante que não guarda mágoa da Fórmula 1, da torcida e tampouco da imprensa.

"Lutei muito para permanecer na Fórmula 1. Mas uma vez que, ao menos agora, não deu, não me sinto por nada atingido. Como já disse, miro outras possibilidades profissionais, que atendam a meu amor pela velocidade. Sinto, sim, orgulho de ter disputado 19 temporadas. Nesses anos todos vi muitos e muitos pilotos entrarem e saírem. Eu fiquei", encerrou.

Rubens Barrichello testará com o Dallara-Chevrolet modelo 2012 da equipe KV no Circuito de Sebring, nos Estados Unidos, na segunda e terça-feira. O time é defendido pelo também brasileiro Tony Kanaan, quinto colocado no último Mundial da Fórmula Indy.

Sonnen diz que A. Silva finge lesões: "tentei lutar 4 vezes com ele"

Americano voltou a alfinetar e acusou brasileiro de fugir de revanche. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC/Getty Images

Americano voltou a alfinetar e acusou brasileiro de fugir de revanche

Falastrão, eloquente, verborrágico. Mais uma vez, Chael Sonnen concedeu uma entrevista coletiva cheia de provocações neste sábado após o UFC on Fox 2, no United Center, em Chicago. E como não poderia deixar de ser, o brasileiro Anderson Silva foi um de seus alvos mais frequentes.

Os dois devem se enfrentar na cidade de São Paulo em junho, pelo cinturão dos médios do Ultimate Fighting Championship (UFC). E com um discurso cheio de ironias, voltou a provocar o brasileiro, atual dono do cinturão. De quebra, acabou até arrancando aplausos dos jornalistas presentes.

"Tentei lutar quatro vezes com ele. E nas quatro vezes, ele disse 'não'. Isso eles não comentam", afirmou Sonnen, em busca de revanche da derrota que sofreu no UFC 117, em 2010. "Nunca voltei atrás, e não vou voltar atrás. Se querem a luta, vou lutar", completou, aplaudido pela primeira vez.

Novamente perguntado sobre a revanche com Anderson Silva, Sonnen voltou a provocar. Na resposta, disse mais uma vez que o brasileiro está fugindo da luta que ele tem tentado marcar.

"Ele não quer fazer isso, está fingindo lesões", disse, temendo até mesmo por uma aposentadoria do rival que deixaria o cinturão vago. "Vão ter que colocar dois caras novos e fazer uma luta pelo cinturão", declarou.

Com seu tom de voz elevado, Sonnen se mostrou ansioso para voltar a subir ao octógono depois da vitória deste fim de semana contra o inglês Michael Bisping. Para isso, até mesmo criticou a programação da modalidade.

"Odeio a arquitetura deste esporte. Lutar três finais de semana em um ano é um desperdício dos outros 49 finais de semana", ironizou. "Eu luto contra qualquer um, a qualquer momento. Dana White poderá confirmar isso", acrescentou. Mais uma vez, ouviu aplausos.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Goleiro pega pênalti, Comercial vira e vence Botafogo em clássico

image

A cidade de Ribeirão Preto esperou quase 26 anos para ver seu maior clássico de futebol acontecer novamente pela primeira divisão do Campeonato Paulista, mas valeu a pena. Em duelo extremamente parelho e disputado, Botafogo e Comercial empatavam neste sábado, no Estádio Santa Cruz, até o goleiro do time alvinegro pegar um pênalti e a equipe visitante virar o confronto e vencer por 2 a 1.

Após um hiato que perdurou mais de duas décadas e meia, os dois times fizeram um belo jogo no Estádio Santa Cruz. Com boa presença do público, Alex Barros ganhou de Rossato na área e chutou cruzado, no ângulo de Alex Santana, abrindo o placar para o Botafogo ainda aos 14min.

O Comercial reagiu na sequência e quase empatou com bola na trave de Eliomar Bombinha, que só conseguiu igualar o marcador aos 39min da primeira etapa, após levantamento de Sidny para uma boa cabeçada do camisa 9: 1 a 1 no placar, e alegria garantida às duas torcidas locais.

Entretanto, a felicidade compartilhada durou pouco. Aos 28min do segundo tempo, o Botafogo teve a chance de passar à frente, mas Alex Santana faz excepcional defesa em pênalti batido por Paulinho. Em seguida, Tiago Galhardo abriu o jogo na direita para Eliomar Bombinha, que bateu cruzado para fazer o segundo dele na partida e decretar a primeira vitória do Comercial contra o rival pela elite paulista depois de quase 26 anos.

O último clássico "Come-Fogo" - popular nome dado ao confronto entre os dois principais times de Ribeirão Preto - havia acontecido no distante dia 20 de julho de 1986, quando os arquirrivais ficaram em um empate sem gols pelo Paulista daquele ano.

Com uma má campanha na ocasião, o Comercial acabou rebaixado naquela temporada e demorou 25 anos para conseguir o acesso. Ao longo desse tempo, o clássico de Ribeirão Preto aconteceu apenas em amistosos, Copas Paulistas, duelos válidos pelas divisões inferiores estaduais e também pela Série C do Brasileiro.

Com o resultado deste sábado, o Comercial somou seus três primeiros pontos em seu retorno à Série A-1 após mais de duas décadas e meia. A equipe retoma as atividades no mesmo dia, mas atuará diante de sua torcida no Estádio Palma Travassos, em Ribeirão Preto, em duelo diante da Catanduvense.

O Botafogo, por sua vez, estacionou nos três pontos e permaneceu em uma posição intermediária na tabela de classificação, e volta a campo na próxima quarta-feira quando irá encarar o Guaratinguetá, no Estádio Dario Rodrigues Leite, em Guaratinguetá, às 17h (de Brasília), pela 4ª rodada do Campeonato Paulista.

Presente em último clássico, Raí relembra charme do "Come-Fogo"

Raí começou a carreira no Botafogo-SP e participou de diversos clássicos Come-Fogo. Foto: Ricardo Matsukawa/Terra

Raí começou a carreira no Botafogo-SP e participou de diversos clássicos Come-Fogo

Era 20 de julho de 1986. No Estádio Palma Travassos, Botafogo-SP e Comercial-SP fizeram um clássico morno que culminou com um empate sem gols pelo Campeonato Paulista. Em campo, um meia habilidoso com a camisa tricolor chamava a atenção: era Raí, ainda com 21 anos e no início da carreira. Presente no último "Come-Fogo" da elite, o ídolo são-paulino lembra com saudosismo do charmoso clássico de Ribeirão Preto, de volta ao Paulista neste sábado após mais de 25 anos.

"É tido como um dos mais charmosos do interior paulista pelo nome e tradição: 'Come-Fogo'. E também por representar o interior de São Paulo", relembra o craque, em entrevista ao Terra. "Neste jogo, os dois times estavam mal e o empate foi bom para os dois saírem do perigo do rebaixamento", definiu o ex-meia, que relembra: "eu quase fiz um gol lindo de falta".

Os 15.714 pagantes daquela tarde em Ribeirão Preto mal imaginavam, contudo, que aquele seria o último "Come-Fogo" da primeira divisão estadual por um período de 26 anos. Na ocasião, ambos os times iam mal das pernas e tropeçavam na tabela de classificação: o Comercial era o 14º colocado antes do jogo, enquanto o Botafogo era o 17º.

Rodadas depois, o time alvinegro de Ribeirão sucumbiu em diversos jogos e ficou entre os dois últimos colocados da competição ao lado do Paulista de Jundiaí, sendo rebaixado à recém-criada Divisão Intermediária. Seria o fim de um dos principais clássicos do interior paulista na elite do futebol estadual, principalmente porque o Comercial demoraria 26 anos para disputar a Série A-1 novamente.

"Os times foram mal administrados, e acompanharam a crise geral dos clubes do interior", justificou Raí, que ainda apontou ideias para que os dois rivais locais não voltem a viver tal situação novamente. "A solução seria ter grandes investidores, talvez até locais. Mas tem que ter gente com poder e credibilidade para mobilizar estes atores", definiu o ex-camisa 10, bicampeão mundial com o São Paulo e tetra com a Seleção.

Os 26 anos de espera do Come-Fogo

Depois do fatídico 1986, o Comercial viveu anos instáveis. Caiu à Série A-3 (terceira divisão), foi campeão em 1993, alternou subidas e descidas até, enfim, retornar à sonhada elite, após boa campanha na A-2 na temporada 2011. O Botafogo, por sua vez, viveu uma das maiores épocas de sua história ao ser vice-campeão brasileiro da Série C em 1996 e da B em 1998, atingindo uma histórica primeira divisão nacional. Contudo, não se manteve e foi rebaixado. Em nível estadual, chegou a ser vice-campeão em 2001, mas anos depois caiu à A-3. Conquistou a terceira divisão em 2006 e, posteriormente, retornou ao principal patamar de São Paulo.

Em 2012, finalmente os dois grandes clubes de Ribeirão Preto estão de volta à primeira divisão paulista e, neste sábado, às 19h30 (de Brasília), disputam o "Come-Fogo" após 26 anos de espera. Bom para a cidade, bom para o torcedor e também para ídolos consagrados, como Raí, um dos grandes nomes da história desse confronto.

"Me lembro de vários Come-Fogo desde o juvenil. Meu primeiro gol no Come-fogo foi no juvenil, nunca vou esquecer, foi meu primeiro gol importante. Foi um chute de fora da área, nem acreditei", afirmou o ex-camisa 10, que ainda relembrou da passagem de seu irmão - futuro ídolo corintiano - pelo clássico ribeirão-pretano.

"Como torcedor, minha maior lembrança foi acompanhando o grande time na época do Sócrates, ele fazia 'chover'", afirmou o ídolo são-paulino, que poderá rever um "Come-Fogo" na elite neste sábado, após mais de duas décadas e meia de espera. "Os times vão melhor quando há esta rivalidade", concluiu Raí.

Provocações revivem clima de rivalidade

A cidade de Ribeirão Preto já transpira seu grande clássico desde que foi confirmada a volta do Comercial à primeira divisão do Campeonato Paulista. Não apenas entre os torcedores, que fizeram fila para comprar ingressos, mas especialmente entre os próprios clubes.

O presidente do Comercial, Nelson Lacerda, por exemplo, alfinetou o arquirrival ao dizer que o clássico deste sábado será "só Come-Come". "Eu acho que vai ser só Come-Come, pois pelo que vi (sobre o revés do Botafogo por 4 a 0 contra o São Paulo) vai ser Come-Come mesmo", definiu.

O Botafogo respondeu com o técnico Lori Sandri, que cutucou o desafeto ao relembrar episódio em que o cartola havia prometido desfilar em carro aberto para comemorar o título da Copa Paulista - o time alvinegro acabou derrotado pelo Paulista. "Não sou eu que falo que vou desfilar em carro de bombeiros", cutucou.

História do maior clássico de Ribeirão Preto

O primeiro Come-Fogo oficial foi disputado no dia 19 de dezembro de 1954, no antigo estádio Luís Pereira. O empate por 1 a 1 foi um divisor de águas na história dos dois clubes, e foi justamente por ele que o apelido folclórico deste jogo foi dado pelo cronista esportivo Lúcio Mendes. Nascia aí o maior clássico do futebol de Ribeirão Preto.

Antes dessa data, que marcou o primeiro choque entre ambos na era profissional, contudo, as duas principais agremiações da cidade já disputavam alguns confrontos na era amadora. Até então haviam sido 12 vitórias do Comercial e apenas três do Botafogo, com outros quatro empates.

A história mudou de figura depois do profissionalismo, com o time tricolor se impondo perante seu arquirrival. Nessa nova etapa e até os dias de hoje foram 54 triunfos botafoguenses, com outros 29 do rival alvinegro e 51 empates. O clube botafoguense, aliás, viveu melhores dias e chegou até a disputar a primeira divisão brasileira.

Nos últimos 26 anos, as duas equipes se enfrentaram por Série A-2 paulista, Série C brasileira, Copa Paulista e amistosos. Que a partir de 2012, portanto, Botafogo e Comercial escutem as palavras de Raí e jamais deixem o Come-Fogo longe da primeira divisão paulista novamente. O futebol paulista agradece. Ribeirão Preto também.

Ficha técnica do último jogo na Série A-1:

COMERCIAL 0 X 0 BOTAFOGO

Data: 20/07/1986
Estádio: Palma Travassos, em Ribeirão Preto
Público: 15.714 pagantes
Renda: cr$ 330.740,00
Árbitro: Dulcídio Wanderlei Boschila

COMERCIAL: Moacir; Gaspar, Marlan, Nenê e Odirlei; Derval, Paulo Bem e Manguinha (Ronaldo); Lúcio, Roberto Carlos e Rômulo (Glauco)

BOTAFOGO: Gasperin; Edevaldo, Lúcio, Valdir Carioca e Ari; Miel, Marco Antônio Boiadeiro e Raí; Newton (Helinho), Peu (Nélson Bertolazzi) e Mário Sérgio

Itamar vai ao México, e negócio com Flamengo pode melar

Itamar fez amistosos, mas pode não ficar no Flamengo. Foto: Marcos Zanutto / Vipcomm/Divulgação

Itamar fez amistosos, mas pode não ficar no Flamengo

O atacante Itamar pode acabar não conseguindo se transferir para o Flamengo, pois não está com a documentação regularizada. Devido aos problemas, a diretoria do clube rubro-negro o liberou para resolver suas pendências no México, onde atuou pelo Tigres. Itamar tem contrato com o clube desde 2009 e ainda não conseguiu se desvincular.

"O problema com o Itamar é que ele nos passou uma situação e o Flamengo entendeu que não é bem assim. Chegamos à conclusão de que ele ainda está vinculado ao Tigres e, assim, não pode assinar com o Flamengo. Ele foi liberado para tentar resolver as coisas no México", afirmou o diretor de futebol Luiz Augusto Veloso, que descartou a possibilidade de má-fé do jogador.

"Não acredito que ele tenha feito de propósito. Foi um mal-entendido", disse Veloso. Curiosamente, Itamar seria uma contratação bem simples, já que dizia não ter vínculo com nenhum clube e já treinava em Londrina havia dois meses. Ele já foi, inclusive, apresentado e fez amistosos pelo Flamengo.

Com "pneu", Azarenka arrasa Sharapova, vence Grand Slam e vira nº 1

Bielorrussa, 22 anos, exibe troféu do Aberto da Austrália, o primeiro Grand Slam de sua carreira. Foto: AP

Bielorrussa, 22 anos, exibe troféu do Aberto da Austrália, o primeiro Grand Slam de sua carreira

Victoria Azarenka não se incomodou com a pressão de disputar sua primeira final de Grand Slam. Neste sábado, a bielorrussa fez uma apresentação que beirou o brilhantismo e arrasou a russa Maria Sharapova, conquistando o Aberto da Austrália de forma fácil. A vitória veio por 2 sets a 0 com parciais de 6/3 e 6/0 em pouco menos de uma hora e meia de jogo.

Azarenka, 22 anos, era quem parecia a veterana na Rod Laver Arena diante da mais experiente Sharapova, 24, campeã de três Grand Slams na carreira. De quebra, o primeiro grande título da carreira da bielorrussa ainda vem complementado com a ascensão inédita à liderança do ranking mundial: ela desbancará a dinamarquesa Caroline Wozniacki na próxima segunda-feira.

A apresentação de Azarenka só não foi perfeita porque ela entrou em quadra um pouco nervosa. Com uma dupla-falta logo no primeiro game, a tenista viu Sharapova vibrar e rapidamente abrir vantagem de 2/0.

Quando sacava em 0-30 no terceiro game, a bielorrussa iniciou a recuperação, ganhando quatro pontos seguidos para confirmar seu serviço pela primeira vez no duelo. Daí para frente o que se viu foi um show da jovem, que faturou 11 dos 12 games que ainda seriam disputados na partida.

Esta foi a quarta vitória de Azarenka sobre Sharapova. Agora são sete encontros realizados entre elas. A russa já havia perdido finais para a rival tanto em Miami, em 2011, quanto em Stanford, em 2010, e colecionou novo revés em uma ocasião importante. Com o resultado, a atleta desperdiça a oportunidade de retornar à ponta do ranking feminino e de quebrar um jejum em Slams - seu último troféu nesse nível foi conquistado na própria cidade de Melbourne, em 2008.

Números comprovam passeio

Para se tornar a primeira bielorrussa campeã de um Grand Slam em todos os tempos, Azarenka fez uma das melhores exibições da carreira. Em uma hora e 22 minutos de embate, ela conseguiu 14 winners - mesmo número de Sharapova - e apenas 12 erros não forçados, 18 a menos que a rival.

O domínio ficou ainda mais claro na comparação dos pontos ganhos: 61 a 38. Mais veloz que a adversária, Azarenka fez Sharapova se mover bastante na quadra, encaixando inclusive deixadinhas e voleios - venceu sete dos oito pontos disputados à rede.

Início ruim não impede vitória fácil com "pneu" (6/0)

O nervosismo mostrado pela ganhadora nos dois primeiros games praticamente desapareceu depois. Ela começou a dominar a partida no oitavo game, quando Sharapova sacava em 40-30, mas cometeu uma dupla-falta. Depois de desperdiçar um break point, Azarenka subiu duas vezes à rede e confirmou a quebra de saque com precisão.

Nesse momento a bielorrussa gritou para comemorar e iniciou uma sequência de sete games seguidos, o que se concluiu com um "pneu" (6/0) no segundo set. Em toda a segunda parcial, ela só foi ameaçada quando sacou para confirmar o título. Contando com a sorte em uma bola que tocou a fita da rede e passou lentamente à quadra da adversária, Sharapova chegou ao break point, salvo com um bom backhand (esquerda) da oponente. Seria o último suspiro da russa, que teve de se render à eficiência da Azarenka.

A jovem, que já havia ganhado o Aberto da Austrália como juvenil em 2005, tem o desafio agora de estabelecer um domínio no circuito profissional. Quatro tenistas diferentes são as atuais campeãs dos quatro Grand Slams, algo inédito na história do tênis feminino - enquanto Azarenka detém a coroa em Melbourne, a chinesa Na Li triunfou em Roland Garros, a checa Petra Kvitova em Wimbledon e a australiana Samantha Stosur no Aberto dos Estados Unidos.

Com Barrichello quase fora, Massa lamenta: "vai faltar um amigo"

Massa e Alonso integram time titular da Ferrari em 2012. Foto: AFP

Massa e Alonso integram time titular da Ferrari em 2012

Pela primeira vez em sua carreira, o brasileiro Felipe Massa não deve ter a companhia do compatriota Rubens Barrichello na Fórmula 1. Diante da situação do veterano, com chances ínfimas de permanecer na categoria, o piloto da Ferrari lamenta sua ausência no Mundial de 2012.

"O Rubinho, além de ser um excelente piloto, é um amigo, é um cara que eu gosto e com o qual aprendi bastante. Vai ser um ano diferente. No aspecto da amizade, vai faltar um amigo nas corridas", declarou Felipe Massa em entrevista à TV Bandeirantes.

Barrichello correu ao lado do venezuelano Pastor Maldonado na Williams na última temporada, mas não teve seu contrato renovado e acabou substituído pelo compatriota Bruno Senna. Desta forma, Massa já projeta o futuro do veterano longa da principal categoria do automobilismo.

"É um cara muito inteligente e bacana. Tenho certeza que ele ainda vai se divertir, curtir e ter um sucesso muito grande no futuro. O Rubinho está para fazer 40 anos e tem 19 campeonatos. É o final de uma carreira e o começo de outra, a gente tem duas vidas. Espero que ele tenha um segundo caminho sensacional", disse.

Há 19 temporadas na Fórmula 1, Rubens Barrichello tem dois vice-campeonatos mundiais no currículo. Ele ainda sonha com a possibilidade de permanecer na categoria, mas, a convite do amigo Tony Kanann, realizará alguns testes com a equipe KV na Indy.

Além de lamentar a saída de Barrichello, Massa desejou sorte a Bruno Senna na Williams. "Ele tem uma grande chance. Espero o melhor para ele, porque é um cara que gosto muito. Espero que tenha uma carreira longa na Fórmula 1 e com bons resultados para o Brasil.

Com Evra perseguido, Liverpool faz no fim e despacha Manchester

Dois meses e meio após incidente com Luis Suárez, Patrice Evra reencontrou os torcedores do Liverpool e teve cenário hostil no clássico de maior rivalidade do futebol em inglês. Em Anfield Road, pela Copa da Inglaterra, o time da casa marcou no fim com Dirk Kuyt, eliminou o Manchester United com vitória por 2 a 1 e se garantiu nas oitavas de final.

Patrice Evra, que acusou racismo e gerou suspensão de oito jogos para Suárez em 15 de outubro, voltou a Anfield Road e foi vaiado por torcedores do Liverpool a cada toque na bola. Com o uruguaio ainda suspenso e presente nas tribunas, Evra cochilou e permitiu espaço a Kuyt justamente no gol da vitória, aos 43min do segundo tempo.

O Liverpool, que vinha de quatro vitórias e um empate nos últimos oito confrontos com o Manchester, provou novamente sua força contra o United. Aos 20min, Agger subiu bem, testou em saída de gol desastrada do espanhol De Gea e deixou o time da casa na frente.

Com participação discreta na etapa inicial, o Manchester United só ameaçou de verdade em bola na trave do equatoriano Valencia, mas encontrou o empate em jogada brasileira. Rafael foi à linha de fundo e serviu Ji-Sung Park aos 39min para decretar a igualdade.

Em um segundo tempo truncado, o clássico inglês se encaminhava para o empate e a realização de jogo em Manchester. Aos 43min, bola esticada raspou na cabeça de Andy Carroll e encontrou Kuyt, que entrara há pouco. O holandês escapou às costas de Evra e fuzilou o espanhol De Gea.

Jornal: Montillo foi a SP "escondido" negociar com Corinthians

Montillo é desejo da diretoria do Corinthians para 2012. Foto: Fernando Borges/Terra

Montillo é desejo da diretoria do Corinthians para 2012

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o meia Montillo viajou a São Paulo na última quarta-feira sem o conhecimento de seu clube, o Cruzeiro, para dar prosseguimento a negociações com o Corinthians. O argentino teria sido acompanhado de seu empresário, Sergio Irigoitia, e escolhido um horário que não atrapalhasse seu trabalho na equipe mineira. Segundo a publicação, o Cruzeiro afirma que o jogador não saiu de Belo Horizonte.

O veículo também afirma que a nova investida do Corinthians para contratar Montillo, que teria sido feita na última sexta-feira, aumentou para entre R$ 21 milhões e R$ 23 milhões, em comparação com os R$ 18,5 milhões da proposta anterior. O montante seria grande o suficiente para sustentar o Cruzeiro por cinco meses, de acordo com a Folha. Enquanto isso, o clube mineiro diz ao atleta que já encontrou parceiros para bancar o aumento de seu salário atual.

Borussia e Bayern vencem e se mantêm no topo do Alemão

O meia japonês Shinji Kagawa marcou dois gols na vitória do Borussia Dortmund. Foto: AP

O meia japonês Shinji Kagawa marcou dois gols na vitória do Borussia Dortmund

Jogando em casa, o Borussia Dortmund venceu o Hoffenheim por 3 a 1, neste sábado, e se manteve empatado em pontos com o Bayern de Munique, líder do Campeonato Alemão no número de vitórias e que venceu o Wolfsburg por 2 a 0. As duas equipes tem 40 pontos, três a mais do que o Schalke 04, que ainda joga na rodada.

Os gols do Borussia foram marcados por Kagawa, aos 16min do primeiro tempo e aos 10 do segundo, e Grosskreutz, aos 31min da primeira etapa. Johnson descontou para os visitantes, aos 18min da etapa final. Na próxima rodada, o Borussia enfrenta o Nuremberg, fora de casa. Já o Hoffenheim duela em casa com o Augsburgo.

O Bayern também fez sua parte e venceu, em casa, o Wolfsburg por 2 a 0. Mario Gomez marcou o primeiro, aos 15min do segundo tempo, e, já nos acréscimos, Robben fechou a fatura. O time de Munique encara o Hamburgo, fora, na 20ª rodada, enquanto o Wolfsburg desafia o Borussia M'Gladbach.

A 19ª rodada do Campeonato Alemão teve início na sexta, com a vitória do Hannover 96 por 1 a 0 em cima do Nuremberg. Ainda neste sábado, Colônia e Schalke 04 se enfrentam. Mais dois jogos completam a rodada no domingo: Mainz 05 x Freiburg e Stuttgart x Borussia M'Gladbach.

Confira outros resultados da rodada deste sábado do Alemão:
Augsburgo 2 x 2 Kaiserslautern
Hertha Berlin 1 x 2 Hamburgo
Werder Bremen 1 x 1 Bayer Leverkusen

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Griffin e Paul lideram vitória dos Clippers sobre o Memphis Grizzlies

Blake Griffin foi mais uma vez o destaque pela equipe de Los Angeles. Foto: Reuters

Blake Griffin foi mais uma vez o destaque pela equipe de Los Angeles

Um dia após a derrota para o rival Los Angeles Lakers, os Clippers receberam o Memphis Grizzlies no Staples Center, na noite desta quinta-feira, e não decepcionaram a torcida local. Em uma partida disputada até os minutos finais, a franquia californiana venceu por 98 a 91 e se recuperou na NBA, com nove vitórias e seis derrotas até o momento.

Os donos da casa começaram o jogo melhor e abriram 12 pontos de vantagem. A diferença, porém, foi reduzida para apenas um ponto após a reação dos Grizzlies no segundo quarto.

O terceiro período continuou equilibrado, e os anfitriões abriram apenas mais um ponto. Como o panorama não mudou na parcial final, o jogo foi decidido ponto a ponto. No último minuto, os Clippers enfim deslancharam e sacramentaram o triunfo.

O melhor do time de Los Angeles foi o ala-pivô Blake Griffin, que se aproximou de um triple-double ao marcar 20 pontos, pegar nove rebotes e dar oito assistências. O armador Chris Paul também foi bem, contribuindo com 18 pontos, sete rebotes e sete assistências.

Pelos Grizzlies, o ala Rudy Gay anotou 24 pontos e foi o cestinha. Em noite de destaque, o pivô espanhol Marc Gasol marcou 18 pontos e pegou 11 rebotes.

Bisping diz que cinturão de Sonnen é falso e manda "enfiar"

Sonnen e Bisping se provocaram muito durante a última semana. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC/Getty Images

Sonnen e Bisping se provocaram muito durante a última semana

Apontado há pouco mais de uma semana para lutar contra o falastrão Chael Sonnen, o britânico Michael Bisping não ficou atrás do polêmico adversário durante a entrevista de promoção do evento, realizada na quinta-feira. O inglês, que viu o rival chegar com um cinturão falso de campeão da categoria dos médios, impôs seu estilo irreverente e provocou.

"Sonnen pode pegar esse cinturão falso e enfiar no c....Ele não lutará contra Anderson Silva", assegurou Bisping, interrompendo o discurso promocional de Chael Sonnen e provocando uma sessão de risos da plateia, totalmente direcionada para o americano até o momento. Quem vencer o confronto enfrentará Anderson Silva pelo título do peso médio do Ultimate Fighting Championship (UFC).

Chael Sonnen inovou ao aparecer na sessão de entrevista desta quinta-feira com uma réplica falsa do cinturão do Ultimate Fighting Championship. O americano aproveitou o espaço para novamente alfinetar o campeão Anderson Silva. "Eu acredito que sou o verdadeiro dono do cinturão, o dono verdadeiro do título de Anderson Silva. Eu tomei este cinturão como um gangster da noite", disse o ex-desafiante.

Alheio à rivalidade entre Sonnen e Anderson Silva, Michael Bisping procurou não ficar em posição desfavorável em relação ao rival durante a entrevista. O britânico, também conhecido pelo estilo provocador, ironizou a confiança exacerbada do adversário para o combate deste final de semana.

"É, realmente ele é o melhor, ele é o Muhammad Ali, e eu apenas um lutador inglês. É claro, eu não tenho chances contra ele. Vamos ser honestos, eu treino todo dia há anos. Ele é um grande wrestler, eu, por outro lado, sou um grande lutador", afirmou Bisping.

O britânico, a princípio, enfrentaria o brasileiro Demian Maia no evento deste final de semana. Entretanto, a lesão de Mark Muñoz, adversário de Chael Sonnen, deu ao vencedor da disputa de técnicos do The Ultimate Fighter Finale 14 a chance de enfrentar americano, valendo uma vaga para a disputa de cinturão contra Anderson Silva, em 16 de junho.

O vencedor do duelo entre provocadores deste sábado viajará ao Brasil, provavelmente em São Paulo, para enfrentar Anderson. Tal situação foi aproveitada por Bisping para alfinetar Sonnen pela última vez. O britânico fez um pedido aos seus fãs. "Economizem dinheiro, e logo, pois vamos ao Brasil", discursou o lutador inglês.

Schumacher não tem chances com Rosberg e para em 2012, diz Berger

Segundo Berger, Schumacher parará em 2012 após ficar cansado de ser batido por Rosberg. Foto: Getty Images

Segundo Berger, Schumacher parará em 2012 após ficar "cansado" de ser batido por Rosberg

Piloto da Fórmula 1 entre 1984 e 1997, Gerhard Berger não é o maior fã de Michael Schumacher. Segundo o austríaco, a temporada de 2012 será a última do alemão na categoria. O ex-piloto acredita que o heptacampeão mundial "não tem chances" diante de seu companheiro na Mercedes, Nico Rosberg.

Em entrevista à revista alemã Auto Motor und Sport, Berger disse não acreditar na renovação de contrato de Schumacher, que tem vínculo com a Mercedes até 2012. Em novembro passado, o diário alemão Bild chegou a divulgar que o piloto teria ampliado o acordo até 2013, mas isso não foi confirmado pelas partes.

Para Berger, Schumacher parará depois do próximo campeonato porque "em certo momento ele tem que ficar cansado e admitir que com mais de 40 anos não pode bater um jovem do nível de Rosberg".

Berger, 52 anos, deixou a F1 em 1997. Ele foi companheiro do brasileiro Ayrton Senna na McLaren entre 1990 e 1992 e terminou o Mundial na terceira colocação duas vezes, sempre pela Ferrari, em 1988 e 1994.

Schumacher, que completou 43 anos em janeiro, encerrou um período de três temporadas longe da F1 e retornou há dois anos. Em dois campeonatos a bordo da Mercedes, foi batido por Rosberg em ambos: 142 a 72 pontos em 2010 e 89 a 76 em 2011.

Lesão de Ceni leva provação a Denis; São Paulo deve buscar goleiro

Rogério Ceni, 39 anos, tem segunda lesão séria da carreira. Foto: Aloísio Mauricio/Terra

Rogério Ceni, 39 anos, tem segunda lesão séria da carreira

A ausência de Rogério Ceni por um período que pode chegar a até seis meses deve fazer Denis responder uma questão frequente no Morumbi: o São Paulo tem um substituto preparado para o posto de seu camisa 1? Com apenas os jovens Léo e Leonardo para a reserva no elenco, o clube também deve partir em busca de outro goleiro, o que é pedido público do técnico Emerson Leão.

Denis, titular nos dois primeiros jogos da temporada, teve sua primeira grande prova de fogo entre os titulares em 2009. Naquela altura, Rogério Ceni fraturou o tornozelo e ficou de fora por quatro meses. Bosco, o reserva imediato, também precisou se ausentar por questões médicas. No último ano, foi herói de empate sem gols contra o Vasco, em São Januário.

Segundo os números da temporada 2009, o São Paulo sofreu mais gols quando não teve Rogério Ceni em campo. Com o capitão, foram 36 gols sofridos em 36 partidas. A média de 1 gol por jogo foi melhor que a de Denis, que teve 1,11 de índice (em 19 jogos), e também de Bosco, que ficou com 1,28 (18 jogos).

Denis, hoje com 24 anos e mais experiente, foi colocado à prova em dois jogos contra o Cruzeiro no mata-mata da Libertadores 2009. Teve atuação destacada no primeiro, falhou no segundo e viu o São Paulo, eliminado, ainda perder o técnico Muricy Ramalho, demitido. A expectativa desta vez é que Rogério Ceni também possa abreviar seu retorno.

"Podem esperar dedicação plena dele. O Rogério gosta do que faz. É como o Careca diz, que profissional é só na carteira. 'Eu gosto é de jogar'. O Rogério adora jogar, o clube é sua casa e ele vai melhorar os prazos trabalhando", define Marco Aurélio Cunha, superintendente são-paulino em 2009 e amigo pessoal de Ceni. Na época, ele voltou em quatro meses ao fraturar o tornozelo na ocasião. A expectativa era seis meses.

Leão quer outro goleiro para lugar de Ceni

Com Denis e dois outros jovens à disposição, o São Paulo também deve ir atrás de nova opção para o gol. Richard, o mais experiente da base, está emprestado ao Paulista de Jundiaí. Dessa forma, os nomes de Gabriel, do Cruzeiro, e Felipe, do Santos, são especulados.

"Queremos jovens, um goleiro que não venha só para alguns meses, mas para dez anos, que tenham Marcos e Rogério Ceni como exemplos", disse Emerson Leão à TV Gazeta. O técnico é o principal defensor da ideia de contratar um novo nome. Wagner Ribeiro, empresário do goleiro Felipe, nega qualquer contato.

"Não existe nada, o São Paulo não procurou", afirma ele, agente do meia Lucas. No passado, Felipe chegou a conversar sobre uma transferência com o clube e deve deixar o Santos, novamente por empréstimo, após participar do rebaixamento do Avaí. "Ele precisa sair. Hoje, ele é o terceiro goleiro santista. Ele quase foi para o São Paulo há uns dois anos, mas o Santos não liberou na época".

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Judocas se afastam nos treinos para lidar com pressão por vaga

Hugo Pessanha (esq.) e Tiago Camilo disputam entre si uma vaga olímpica. Foto: Wagner Meier/Photocamera.com/Luiz Pires/Vipcomm/Divulgação

Hugo Pessanha (esq.) e Tiago Camilo disputam entre si uma vaga olímpica

A cerca de seis meses da Olimpíada de Londres, Tiago Camilo e Hugo Pessanha protagonizam a briga mais acirrada por vaga no judô. A diferença entre os dois no ranking mundial que define os 22 melhores para disputar a medalha olímpica é de meros 80 pontos. Como apenas um judoca por país se classifica, eles adotam estratégias diferentes para lidar com a pressão e a responsabilidade de pontuar nas próximas competições.

Por conta dessa situação, o contato entre os dois é mais limitado. "Hoje em dia a gente até evita treinar um com o outro, porque a gente pode acabar se encontrando em uma competição lá fora", explicou Pessanha. Foi assim na manhã de quarta-feira, durante treinamento em São Paulo: Camilo praticou com Breno Alves (-60 kg), enquanto que Pessanha trabalhou com Marcelo Contini (-73 kg).

Os dois só viraram adversários a partir deste ciclo olímpico, quando Camilo decidiu subir de categoria para o peso médio (-90 kg). Quinto colocado, com 1000 pontos, ele assume toda a responsabilidade de chegar à sua terceira olimpíada - foi prata em Atenas 2004 e bronze em Pequim 2008. "O atleta de alto rendimento está sobre pressão o tempo todo. A pressão sempre vai existir", disse, com propriedade: "você aceita isso ou você desiste. Então, não tem meio termo na minha vida".

Hugo Pessanha, por sua vez, faz o contrário: "apesar de estar muito em cima e de todo mundo falar disso, tenho que esquecer um pouco de pontos, de ranking e de Olimpíada. Se você ficar com muita coisa na cabeça não faz o principal, que é lutar bem. E se não luta bem, não pontua. E se não pontua..." Sexto colocado com 920 pontos, o judoca nunca disputou uma olimpíada. "É uma superação diária", disse, sobre ter que bater Tiago Camilo.

Rivalidade saudável

Tiago Camilo foi extremamente sucinto ao comentar a relação dos dois diante do fato de que um deles não vai poder disputar a Olimpíada. "Acredito que somos companheiros de competição. Quando você está lá dentro, dois lutam e um ganha. Isso é normal e natural para mim", explicou. Hugo Pessanha, que fez muitos elogios ao adversário, tem pensamento bem parecido.

"A gente tem que saber separar as coisas. Ele é meu adversário, mas não é meu inimigo", disse. "Quando a gente compete, nos falamos pouco porque ele está na concentração dele e eu não quero atrapalhar, ou eu estou na minha e ele também não atrapalha. Mas, acabou o campeonato, a gente conversa, come na mesma mesa, se ajuda", complementou.

O próximo compromisso de Hugo Pessanha e Tiago Camilo é o Grand Slam de Paris, de 4 a 5 de fevereiro. Depois, encaram o Grand Prix de Dusseldorf, de 18 a 19 de fevereiro. Ainda terão pela frente o Pan-Americano de Montreal, de 26 a 29 de abril. Mas como só um atleta por categoria pode ser indicado, a Confederação Brasileira de Judô não enviará nenhum dos dois caso a indefinição permaneça. A competição alemã, portanto, definirá quem se classificará.

Técnico do Náutico fica indignado com atuação de árbitro

Treinador desaprovou a atuação da arbitragem durante a partida. Foto: Divulgação

Treinador desaprovou a atuação da arbitragem durante a partida

Apesar da tranquila vitória por 2 a 0 diante do América-PE, o Náutico saiu de campo irritado com a atuação do árbitro Cláudio Mercante. Expulso pelo juiz ainda no primeiro tempo, o técnico Waldemar Lemos destacou uma série de erros que teriam prejudicada a equipe.

"Alertei desde o início da partida. Foram dois pênaltis não marcados e um gol mal anulado (marcado por Derley). O que aconteceu hoje aqui não pode mais acontecer", bradou Waldemar.

Outro lance que provocou muitas reclamações por parte da equipe da casa foi uma entrada do lateral Maneco em cima do atacante Rogério, que saiu de campo com suspeita de rompimento do ligamento do joelho direito.

"Rogério é incapaz de fazer uma maldade com qualquer pessoa. Ele foi caçado o tempo todo. É uma safadeza. Se não tiver competência para apitar, que saia", sugeriu o treinador.

Com 100% de aproveitamento e sem nenhum gol sofrido nas quatro rodadas do Campeonato Pernambucano, o Náutico é o líder isolado da competição com 12 pontos ganhos. A equipe volta atuar neste domingo, na Ilha do Retiro, quando enfrenta o rival Sport em seu primeiro clássico no ano.

Longe da F1, Barrichello inicia testes em carro de Kanaan para Indy

Rubens Barrichello testa carro de Tony Kanaan. Foto: Twitter/Reprodução

Rubens Barrichello testa carro de Tony Kanaan

Enquanto tenta resolver sua situação na Fórmula 1, Rubens Barrichello iniciou uma função diferente. O ex-piloto da Williams divulgou nesta quinta-feira em seu Twitter uma imagem sua ajustando o assento do carro da KV Racing, da Fórmula Indy, que testará neste início de temporada. O brasileiro ainda não confirmou o que fará no restante do ano.

"Aprontando meu banco no carro do Tony Kanaan", disse Barrichello em seu perfil. A presença do piloto nos testes já havia sido confirmada por Tony Kanaan, amigo do ex-ferrarista. Ele até brincou com a presença de Barrichello nos treinos.

"Olha o cara no meu escritório", falou o piloto da Indy. "Depois que você brincar com o brinquedo devolve, 'tá'? É meu", brincou.

Na última quarta-feira, Kanaan explicou que a presença do amigo será para conferir ajustes ao carro da KV Racing para a temporada. "Bom galera, já que não conseguimos guardar segredo para a surpresa, vai ser um prazer ter o Barrichello testando para nós. Muito feliz", disse. "A pedido meu, vai ser legal para ajudar no acerto do carro, só isso."

Nadal vira, vai à final com 3 a 1 e aumenta jejum de Federer

Nadal se joga no chão da Rod Laver Arena: ele está na final do Aberto da Austrália pela segunda vez na carreira. Foto: AP

Nadal se joga no chão da Rod Laver Arena: ele está na final do Aberto da Austrália pela segunda vez na carreira

A vantagem de Rafael Nadal no confronto direto com Roger Federer continua inconfundível. Nesta quinta-feira, o espanhol mostrou força de reação diversas vezes e virou sobre o arquirrival suíço por 3 sets a 1, com parciais de 6/7 (5-7), 6/2, 7/6 (7-5) e 6/4. O número dois do mundo está classificado para enfrentar na final do Aberto da Austrália o sérvio Novak Djokovic ou o britânico Andy Murray.

A vitória foi a 18ª da carreira de Nadal sobre Federer. São agora 27 confrontos no total, sendo dez em Grand Slam - nesse nível, com partidas em melhor de cinco sets, a vantagem do espanhol é ainda mais acachapante, com oito a dois.

Nadal, atualmente o número dois do mundo, tenta o bicampeonato em Melbourne. O dono de 10 Slams triunfou na cidade em 2009, quando superou na decisão exatamente o suíço, naquela oportunidade por 3 a 2: 7/5, 3/6, 7/6 (7-3), 3/6 e 6/2.

Federer, por sua vez, aumenta o seu jejum de títulos em Grand Slams. Recordista de títulos nos quatro maiores torneios do mundo com 16 troféus, ele não comemora um campeonato desse tipo desde que conquistou o tetra do Aberto da Austrália, em 2010.

Nos oito Slams disputados após aquela taça, Federer só chegou à decisão uma vez: em Roland Garros, em 2011, quando perdeu para Nadal com parciais de 7/5, 7/6 (7-3), 5/7 e 6/1. No período entre o título de Wimbledon em 2005 e o de Melbourne em 2010 o suíço havia competido em 19 Slams, só ficando fora da final em uma ocasião, tendo caído na semi do Aberto da Austrália de 2008.

Clássico de altos e baixos

Nesta quinta, a mais nova batalha entre os adversários durou três horas e 41 minutos. Nadal começou mal e teve de reagir desde o início da partida, quando saiu de 2/4 no primeiro set para forçar o tie-break - o qual perderia.

Na segunda parcial, teve o serviço quebrado já no game de abertura, mas deu a volta por cima e ganhou cinco games seguidos até fazer 1/0 no terceiro set. Nesse momento, teve 0-40 para confirmar o bom momento, porém viu Federer sair do buraco, quebrar-lhe o serviço e sacar em 4/3, muito próximo de abrir 2 sets a 1.

O espanhol reagiu, contudo, e salvou dois break points quando sacou para ir à final, no último game, sendo um deles com um lob incrível que tocou em cima da linha. No último ponto, ele vibrou depois de Federer golpear uma direita muito longa - foi o 62º erro não forçado do suíço, que cometeu 28 a mais equívocos que o vencedor.

Em winners, a disputa foi mais equilibrada: 46 a 36 para Federer, que converteu apenas três dos dez break points colecionados no encontro. Mais efetivo, Nadal aproveitou seis de 16 oportunidades e por isso pode ter uma chance de revanche contra Djokovic no próximo domingo.

O melhor tenista do planeta segundo o ranking, que enfrenta Murray nesta sexta, venceu o espanhol em todos os seis duelos disputados em 2011, incluindo na final de dois Grand Slams (Wimbledon e Aberto dos Estados Unidos).

Federer arrasa no início e vence primeiro set

Federer teve um início arrasador na partida. Após confirmar o serviço, ele encaixou uma bola vencedora de backhand para quebrar o do rival. O suíço logo chegou ao 3/0, mas vacilou quando serviu em 4/2. Ele tinha 30-15, arriscou a tática de sacar e imediatamente volear e se equivocou junto à rede. Depois, mais uma direita e uma jogada de saque e voleio erradas recolocaram Nadal no set.

Sem muitas dificuldades, os tenistas venceram seus games de saque até o tie-break, no qual Federer elevou o nível e contou com um erro não forçado de Nadal para abrir 3-1. Ele segurou a vantagem até o espanhol sacar em 3-6 e, com coragem, salvar dois set points. No terceiro, os rivais iniciaram uma troca de bolas que terminou com um erro não forçado de backhand do número dois do mundo e com um grito de comemoração do suíço.

Empolgado pela vitória parcial, o suíço repetiria o início arrasador do primeiro set. Logo no game de abertura da segunda parcial, ele encaixou um winner de esquerda na paralela e defendeu-se incrivelmente com um slice de direita, recebendo os aplausos até de Toni Nadal, tio e treinador do espanhol, que assistir ao embate dos camarotes da Rod Laver Arena.

De zero, Federer obteve apenas a sua segunda quebra no jogo, mas se desconcentrou e perdeu o seu game de serviço, em que Nadal ganhou sem ceder pontos após dar passada, contar com erros e atacar no ponto decisivo.

Nadal volta bem após pausa para queima de fogos

O game mudaria o panorama da partida. Depois de um game equilibrado, no qual se livrou de um 15-30 encaixando um bom segundo saque, Nadal fez 3/2, aplicou uma passada espetacular de muito longe de forehand na cruzada e rumou para ter 0-40 na sequência. Federer atacou bem e salvou dois break points, mas no terceiro sofreu outra passada, inapelável, desta vez de backhand na paralela.

Sacando com eficiência, o espanhol colocou três serviços seguidos na esquerda do oponente para sair de mais um 15-30 no game seguinte. Com 5/2 no placar, houve uma pausa de dez minutos para queima de fogos em comemoração ao Australian Day, celebrado anualmente em 26 de janeiro.

Ambos os atletas se dirigiram ao banheiro, e na volta foi Nadal quem se deu melhor. Desconcentrado, Federer rapidamente perdeu quatro pontos seguidos e seguiu em baixa no início do terceiro set. Depois de confirmar seu serviço, o espanhol contou com duas duplas-faltas do rival e teve mais um triplo break point para abrir 2/0.

Nesse momento o número de pontos consecutivos ganhos pelo cabeça-de-chave dois chegava a 14. Mas Federer reagiria: corajoso, atacou, saiu das dificuldades, gritou para celebrar e levantou a torcida em Melbourne. Ainda havia muito jogo pela frente.

Um pouco mais confiante, o suíço conseguiu uma quebra que poderia ter sido decisiva no sétimo game. Nadal primeiro salvou dois break points com bons saques (um deles um ace) e mais um atacando de forma firme. Na quarta oportunidade, Federer entrou na troca de bolas até encaixar uma esquerda na paralela que forçou o erro do adversário.

O número três do mundo precisava confirmar apenas mais dois serviços para ter 2 sets a 1 na partida e começou bem, matando um smash. Porém, um erro de direita, uma dupla-falta, uma passada e um bom ataque do espanhol deixaram o placar novamente empatado: 4/4.

Nadal ganha terceiro set dramático e ruma para a vitória

Os tenistas viviam o momento mais tenso da partida e mostravam isso em quadra com muitos altos e baixos. Com o marcador em 5/5, Federer chegou a ter 15-30, mas Nadal atacou bem e contou com um erro não forçado para avançar ao 40-30 e confirmar o saque. Na sequência, o suíço oscilou e cedeu um set point, mas o salvou com um winner na segunda bola, aproveitando a devolução curta do oponente.

Um ace levaria a decisão para mais um tie-break. Desta vez, a história do primeiro set não se repetiu. Federer começou bem o primeiro ponto, porém jogou um voleio de esquerda na fita. Com uma linda deixadinha, Nadal conseguiu uma mini-quebra e fez 2/0. O suíço ganhou o ponto seguinte, mas cometeu dois erros não forçados de esquerda e um de direita, tomou uma bela passada e rapidamente se viu em um buraco de 1-6 no placar.

Surpreendente, o campeão de 16 Grand Slams ainda conseguiu quatro pontos seguidos, sacando bem e disparando winners, mas não resistiu ao quinto set point do espanhol, que utilizou novamente sua tática básica: serviu no backhand do rival e atacou na direita para fazer 2 sets a 1 e vibrar.

Depois de tanta emoção, a quarta parcial demorou para esquentar. Ambos os tenistas confirmavam seus saques sem tantos problemas - à exceção do terceiro game, quando Federer saiu de um 30-40 com relativa facilidade, servindo com precisão.

O break point seguinte seria apenas no oitavo game. Nadal sacava em 3/4 e vantagem contra quando Federer fugiu da esquerda e arriscou uma direita inside-out. As câmeras mostraram neste momento o box de Nadal, onde todos soltaram um suspiro de alívio comemorando o fato de a bola ter saído por muito pouco.

Um bom saque acompanhado por um bom forehand colocaram o game na mão de Nadal, que reagiu e teve uma oportunidade de quebra na sequência após longa troca de bolas que terminou com um erro na esquerda de Federer. Este se salvaria dos problemas atacando do início ao fim nos dois pontos seguintes, mas levaria o troco na sequência sofrendo um backhand na linha. Uma grande passada de Nadal de forehand seguida de um backhand para fora do suíço deixou o jogo sob controle para o espanhol, com 5/4 e serviço a favor.

Nadal salva break point com lob incrível e confirma resultado

Atacando, Federer salvou o primeiro match point no game seguinte e teve duas chances de quebra na sequência. Na primeira, devolveu bem o saque e viu a bola do rival bater na fita e sobrar lenta próximo à rede. Com o ponto praticamente ganho, o suíço atacou com a direita na paralela, mas Nadal se esticou, defendeu-se com um lob muito alto que tocou na linha e provocou um erro de smash do oponente.

A torcida foi à loucura e tentou animar o suíço quando o astro teve um novo break point, porém ele não resistiu ao ser atacado na esquerda. No ponto final, Federer atacou desde o início, mas errou uma direita e, cabisbaixo, dirigiu-se à rede para cumprimentar o colega, lamentando o prosseguimento de seu jejum de títulos em Grand Slam e sua primeira derrota desde setembro de 2011, quando havia iniciado uma série de 24 vitórias consecutivas.

Enquanto isso, Nadal comemorava. Após um aperto de mãos, o espanhol ainda se ajoelhou na quadra, celebrando e agradecendo pela presença da torcida. A festa em Melbourne por enquanto é dele - e pode aumentar no próximo domingo.

Inter propõe aumento de quase 100% no salário para manter D'Alessandro

Clube gaúcho deve oferecer aumento salarial de 100% para meia argentino. Foto: EFE

Clube gaúcho deve oferecer aumento salarial de 100% para meia argentino

A quinta-feira pode ser decisiva para a permanência do meia D'Alessandro no Internacional. A direção colorada irá se reunir com o empresário Matias Aldao, agente do jogador, para oferecer uma proposta de quase 100% de reajuste salarial para que o argentino não aceite a oferta de dez milhões de euros (cerca de R$ 22,8 milhões) por dois anos de contrato com o time chinês do Shanghai Shenhua.

Quem também irá participar desta reunião é o empresário Delcir Sonda, presidente do grupo DIS, que detém 50% do vínculo econômico de D'Alessandro.

"Por mim, mesmo que eu perca dinheiro, eu quero que o D'Alessandro permaneça no Inter. Não serão cinco ou seis milhões de reais que irão me deixar mais feliz. Nesta quinta-feira nós vamos nos reunir com o direção do clube e o empresário do jogador. Agora tá tudo na mão do D'Alessandro", disse o empresário Delcir Sonda, em entrevista para a rádio Guaíba.

D'Alessandro, que foi a principal figura do Inter na vitória por 1 a 0 contra os colombianos do Once Caldas, pela pré-Libertadores, teve o seu nome aclamado pelos torcedores durante quase todo o jogo. Ao som de "Fica D'Alessandro, fica D'Alessandro" o jogador saiu de campo emocionado, porém não garantiu se vai permanecer ou não no Inter para o jogo da volta.

"Mexe muito comigo e com a minha família, mas é uma proposta muito importante para mim e para minha família. Sou um profissional e vamos ver o que vai acontecer, tenho contrato em vigor com o Inter", disse o argentino.

Inter e Once Caldas voltam a jogar no dia primeiro de fevereiro, com um empate ou uma derrota com um gol de diferença, desde que marque no estádio do adversário, o clube gaúcho confirma vaga na próxima fase da Libertadores da América.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Leandrinho faz 19 pontos, e Raptors encerram sequência de 8 derrotas

Brasileiro Leandrinho teve boa atuação na vitória dos Raptors sobre o Phoenix Suns. Foto: AP

Brasileiro Leandrinho teve boa atuação na vitória dos Raptors sobre o Phoenix Suns

O armador brasileiro Leandrinho foi um dos destaques do Toronto Raptors na rodada da noite desta terça-feira na NBA. O jogador marcou 19 pontos e foi o segundo maior pontuador de seu time na apertada vitória sobre o Phoenix Suns por 99 a 96, que encerrou uma sequência de oito jogos sem triunfos da franquia canadense. Leandrinho ainda pegou dois rebotes em seus 31 minutos em quadra.

Os Raptors saíram perdendo por 10 pontos no primeiro quarto, mas logo acordaram na partida e viraram nos dois períodos seguintes, iniciando a parcial final com vantagem de oito pontos. O Phoenix até tentou reagir no fim, mas não pôde devolver a diferença.

O cestinha do confronto foi o italiano Andrea Bargnani, que anotou 36 pontos e ainda pegou seis rebotes para os Raptors, que fazem campanha fraca na temporada 2011/2012.

Pelos Suns, o pivô polonês Marcin Gortat alcançou o double-double de 21 pontos e 12 rebotes. O armador Steve Nash, por sua vez, anotou 17 pontos e deu 14 assistências.

O triunfo diante dos Suns foi apenas o quinto em 18 partidas do time de Leandrinho, 12º colocado da Conferência Leste.O próximo compromissos dos Raptors na NBA é já nesta quarta-feira, quando enfrenta fora de casa o Utah Jazz.

Veja os resultados dos jogos da NBA desta terça-feira:

Charlotte Bobcats 78 x 111 New York Knicks
Indiana Pacers 83 x 102 Orland Magic
Miami Heat 92 x 85 Cleveland Cavaliers
Phoenix Suns 96 x 99 Toronto Raptors
Portland Trail Blazers 97 x 84 Memphis Grizzlies

Djokovic sofre, mas faz 3 a 0 em Ferrer e revê Murray na semi

Djokovic bateu Murray em sets diretos na decisão do Aberto da Austrália de 2011. Foto: AP

Djokovic bateu Murray em sets diretos na decisão do Aberto da Austrália de 2011

A vitória de Novak Djokovic sobre David Ferrer na manhã desta quarta-feira (horário de Brasília) foi por 3 sets a 0, mas isso não quer dizer que o sérvio encontrou vida fácil para avançar à semifinal do Aberto da Austrália. Número um do mundo, o jogador sofreu especialmente no segundo set, quando deu mostras de cansaço e precisou virar o tie-break, mas ao final conseguiu bater o espanhol em sets diretos: 6/4, 7/6 (7-4) e 6/1.

Com o resultado, Djokovic reencontrará o britânico Andy Murray, que durante a madrugada dominou o japonês Kei Nishikori por 6/3, 6/3 e 6/1. O retrospecto na ATP aponta dez confrontos já disputados entre os tenistas que se enfrentarão na semifinal, com seis vitórias para o líder do ranking. A mais importante veio justamente na final do primeiro Grand Slam de 2011, quando o sérvio obteve parciais de 6/4, 6/2 e 6/3.

O número quatro do planeta, por sua vez, levou a melhor no último duelo: vencia por 6/4 e 3/0 quando o rival desistiu na decisão do Masters 1000 de Cincinnati, em agosto passado. Em quadras duras como as do Melbourne Park, o histórico aponta empate por 4 a 4, visto que dois dos êxitos do sérvio sobre o britânico vieram no saibro.

O jogo

A duração da partida (duas horas e 44 minutos) indica o quanto de resistência Ferrer conseguiu impor em quadra. Errando pouco e forçando Djokovic a disputar pontos muito longos, o espanhol só perdeu o primeiro set após 58 minutos. Quando o sérvio sacou para fechar em 5/4, ainda precisou mostrar coragem para salvar um break point com uma esquerda paralela vencedora na segunda bola.

A segunda parcial foi ainda mais difícil para o favorito. Depois de 16 minutos de disputa, ele conseguiu abrir 2/0, mas Ferrer foi buscar a quebra de desvantagem. Após muito trabalho, Djokovic finalmente derrubou de novo o serviço do quinto melhor tenista do planeta, mas acabou surpreendido e não conseguiu confirmar o placar quando sacou em 6/5. No tie-break, o espanhol ainda teve vantagem de 3-1 e 4-2 antes de, precipitado, cometer erros não forçados e permitir a virada do adversário.

O terceiro set, enfim, foi tranquilo para o sérvio. Confiante, ele conseguiu definir os pontos mais rapidamente e já não repetia o gesto indicando cansaço de abaixar as costas e colocar as mãos nos joelhos que tanto fez nas duas primeiras parciais.

"Não me senti 'fresco', não é fácil enfrentar alguém que corre muito e sempre te obriga a bater uma bola a mais", confirmou Djokovic, em entrevista ainda na quadra à emissora local Channel 7, após o embate.

Apesar das dificuldades, o atual campeão de Wimbledon e do Aberto dos Estados Unidos segue na luta pelo terceiro Grand Slam consecutivo. Esta é a sétima semifinal seguida do atleta nos quatro maiores torneios do mundo - nesse tipo de evento, ele ostenta uma invencibilidade de 19 jogos.

Djokovic e Murray reeditarão a decisão de 2011 na próxima sexta-feira, na Rod Laver Arena, ginásio principal do Melbourne Park. No mesmo local, um dia antes, a partir das 6h30 (de Brasília), o espanhol Rafael Nadal e o suíço Roger Federer fazem a outra semifinal da competição.

Pirelli lança pneus e promete mais emoção em 2012

Fornecedora promete uma linha mais ofensiva do que na última temporada. Foto: AFP

Fornecedora promete uma linha mais ofensiva do que na última temporada

A Pirelli apresentou os pneus que serão utilizados no Mundial de Fórmula 1 de 2012, nesta quarta-feira em Abu Dhabi, e prometeu que a próxima temporada da categoria deve ter mais emoção e ultrapassagens. O campeonato de 2011 da F1 teve mais de 1.120 trocas de posição, recorde histórico.

A empresa italiana tem uma meta mais agressiva do que na temporada passada e espera diminuir a diferença de rendimento entre os pneus para pista seca: duros, médios, macios e supermacios. Os compostos para pista molhada e intermediária também foram apresentados.

"Temos um novo perfil para os pneus, para reduzir a diferença de desempenho entre eles e assim tornar a corrida mais disputada", afirmou o diretor de competições da Pirelli, Paul Hembrey. "De forma geral, eles estão todos mais macios. São os melhores pneus que já produzimos e o foco é no desempenho. Mesmo assim, a taxa de degradação melhorou", completou.

De acordo com a Pirelli, os Grandes Prêmios de Fórmula 1 de 2012 devem ter duas ou três paradas, por conta diminuição de desgaste, o que também deve favorecer a existência de estratégias diferentes durante a prova. "Vamos ter mais chances de ultrapassagem e um show melhor, já que os pneus ficaram mais macios", disse Hembrey.

Os produtos da Pirelli para F1 em 2012 apresentam uma inovação estética. Os compostos duros, médios, macios e supermacios seguem com faixas prateadas, brancas, amarelas e vermelhas, respectivamente na lateral. A novidade é a presença de marcações verdes nos pneus intermediários e azuis nos pneus para pista molhada.

Mancini rebate presidente sobre contratação de Fábio Lopes

Treinador ainda disse que não está satisfeito com o número baixo de contratações até o momento. Foto: Reinaldo Marques/Terra

Treinador ainda disse que não está satisfeito com o número baixo de contratações até o momento

O técnico Vágner Mancini esclareceu a situação envolvendo a contratação do atacante Fábio Lopes, desmentindo o presidente do clube, que afirmou que o atleta foi uma indicação do ex-treinador cruzeirense Levir Culpi. Segundo Mancini, o jogador já era conhecido e foi oferecido ao time mineiro, por isso, Levir Culpi teria sido consultado e dado o aval para vinda do atacante.

"Isso foi mal explicado. Foi um atleta oferecido ao clube, fomos em busca das informações, e as do Levir foram as melhores. Eu já conhecia o atleta do Icasa e do Coritiba, e achamos que a vinda era positiva. Não foi indicação de quem está de fora. Assim como o Levir serviu de instrumento para a gente, outros clubes me ligam para saber informações, isso acontece muito no futebol", disse.

Vágner Mancini afirmou ainda que não tem o elenco que gostaria e que ainda está atento ao mercado em busca de mais reforços. "Estamos tentando encontrar soluções no mercado. A diretoria tem se empenhado, o mais importante é estar focado nos atletas que temos hoje. O Osvaldo está em outro clube, não vou me alongar nisso", afirmou.

Sobre a formação do time, o treinador trocou o colombiano Diego Arias por Amaral no primeiro treinamento coletivo da semana e disse que essa já era uma situação que estava previamente combinada com os atletas. Dessa forma, Amaral será titular no amistoso do próximo sábado, contra o Mamoré.

Fla confirma volta de Vagner Love; atacante já exibe camisa

Ainda na sede do CSKA, atacante assinou contrato e posou com a camisa rubro-negra. Foto: Twitter/Reprodução

Ainda na sede do CSKA, atacante assinou contrato e posou com a camisa rubro-negra

No dia em que começa a jogar sua sorte na primeira fase da Libertadores, o Flamengo oficializou o retorno do atacante Vagner Love, que estava no CSKA Moscou. Após assinar o vínculo nesta quarta-feira, válido até dezembro de 2014, o reforço já posou com a camisa do clube carioca na sede do próprio clube russo.

"Nós sempre mostramos um carinho enorme pelo Vagner Love. Ele é rubro-negro e tem o perfil do jogador que queremos no Flamengo. É apaixonado pelo clube e vestirá o manto sagrado com muita propriedade. No Flamengo joga quem quer e ele sempre mostrou que queria. Estamos muito felizes com seu retorno e esperamos que a nação comemore muitos gols dele", disse a presidente do Flamengo, Patrícia Amorim.

Apesar de não ter os valores da negociação divulgados, especula-se que o time carioca deva ter desembolsado aproximadamente 8 mihões de euros (R$ 18 milhões) por Love, que defendeu o time rubro-negro em 2010 e marcou 23 gols em 29 jogos.

A apresentação do novo reforço flamenguista deve acontecer na próxima semana. A data de estreia dependerá das avaliações físicas.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Raikkonen impressiona Lotus no primeiro treino em Valência

Raikkonen deixou boa impressão em seu primeiro teste no retorno à F1. Foto: Twitter/Divulgação

Raikkonen deixou boa impressão em seu primeiro teste no retorno à F1

Kimi Raikkonen impressionou a equipe da Lotus, em especial Eric Boullier, diretor da Renault, com seu desempenho no primeiro dia de teste privado em Valência, Espanha, nesta segunda-feira.

Voltando ao esporte após uma ausência de dois anos, o piloto finlandês está realizando dois dias de testes em um um carro da temporada de 2010, o Renault R30, para se adaptar novamente aos carros de Fórmula 1. Depois do primeiro dia no circuito Ricardo Tormo, Boullier comentou que Raikkonen já apresentou um bom feedback para a equipe.

"Devo dizer que hoje foi muito positivo", disse o diretor da escuderia inglesa. "Toda a equipe está satisfeita com o feedback do Kimi, e ele parecia muito feliz por estar de volta ao volante. Ele sentiu a sensação de um carro rápido e é bom vê-lo construir uma relação forte com a Lotus".

"Obviamente o R30 é diferente do carro novo, mas ele está claramente animado para começar no primeiro teste em Jerez. Nossa equipe é composta por verdadeiros corredores, e Kimi se encaixa muito bem", completou Boullier.

Alan Permane, diretor de operações da Lotus, também avaliou o piloto finlandês em seu primeiro teste. "O dia correu como nós planejamos, o que é ótimo. Kimi estava no ritmo que esperávamos. Ele completou cerca de 300 km, passando por três conjuntos de pneus".

Os elogios não pararam. "É sempre ótimo trabalhar com um piloto de topo que não é apenas rápido, mas profissional, e Kimi tem todas essas características. Nós estamos aguardando uma boa temporada com ele", finalizou Permane.

Mourinho abusa do "não sei" e desconversa sobre possível saída

Nova derrota no clássico contra o Barcelona abalou o prestígio do técnico no Real. Foto: EFE

Nova derrota no clássico contra o Barcelona abalou o prestígio do técnico no Real

Com semblante sério e sem vontade de responder aos jornalistas, o técnico do Real Madrid, José Mourinho, foi sucinto na entrevista coletiva prévia ao clássico contra o Barcelona, pela Copa do Rei, e desconversou sobre os botos que poderia abandonar o clube no dia 30 de junho.

"Pergunta ao seu companheiro", respondeu o treinador quando foi questionado se vai deixar o Real Madrid no final da temporada, como se afirmou no programa de televisão Punto Pelota.

Mourinho utilizou o "não sei" para responder várias perguntas. Até mesmo quando questionado se sairia do Real antes de ganhar uma Liga dos Campeões ou o motivo pelo qual alguns torcedores começaram a vaiar o treinador. "Perguntem as pessoas, não a mim", disse Mourinho.

Sobre o momento que vive com o clube, o treinador desmentiu que é o pior desde que chegou há um ano e meio. "É um momento bom, muito bom", destacou.

Com a mesma brevidade o português não quis explicar sobre a formação da equipe no próximo clássico. "Não respondo. Sou treinador e a decisão é minha. Não tenho por que dizer publicamente como vamos jogar", finalizou Mourinho.

Nadal briga com juiz, vence em 4h e desafia Federer rumo à final

  1. Notícia
  2. Fotos
  3. Infográfico

Nadal comemora vitória sofrida contra Berdych em Melbourne; ele pegará Federer pela 27ª vez na carreira. Foto: Reuters

Nadal comemora vitória sofrida contra Berdych em Melbourne; ele pegará Federer pela 27ª vez na carreira

Em sua visão, Rafael Nadal teve de enfrentar dois "adversários" rumo à semifinal do Aberto da Austrália. Além do checo Tomas Berdych, o espanhol precisou brigar também contra o juiz de cadeira, o brasileiro Carlos Bernardes, com quem discutiu diversas vezes durante a partida. Apesar de perder um ponto muito polêmico no fim do primeiro set, o número dois do mundo conseguiu retomar a concentração e vencer com parciais de 6/7 (5-7), 7/6 (8-6), 6/4 e 6/3.

A vitória em quatro horas e 16 minutos valeu uma vaga para Nadal enfrentar Roger Federer na semifinal em Melbourne. Mais cedo, durante a madrugada desta terça-feira, o suíço havia batido o argentino Juan Martín del Potro por 3 a 0, com 6/4, 6/3 e 6/2, após uma hora e 59 minutos de jogo.

Federer, único tenista que ainda não perdeu set algum na Austrália, enfrentará Nadal pela 27ª vez na carreira. Por enquanto, a vantagem do espanhol é grande, com 17 vitórias, mas 12 delas vieram nos 14 confrontos disputados no saibro, piso favorito do atual número dois do mundo. Em quadras duras, semelhantes às de Melbourne, foram realizados nove jogos, com cinco êxitos para o suíço. Os outros três encontros foram na grama, com 2 a 1 a favor do terceiro colocado do ranking.

Nadal, de qualquer forma, levou a melhor no único embate organizado na Rod Laver Arena, ginásio principal do torneio australiano. Na decisão de 2009, triunfou por 3 sets a 2, parciais de 7/5, 3/6, 7/6 (7-3), 3/6 e 6/2. Curiosamente, dois dias antes daquela final ele havia superado uma batalha parecida com a encarada contra Berdych, permanecendo em quadra por cinco horas e 14 minutos até bater na semi o compatriota Fernando Verdasco em cinco sets: 6/7 (4-7), 6/4, 7/6 (7-2), 6/7 (1-7) e 6/4. O duelo com Federer está marcado para a próxima quinta-feira.

O jogo

Nadal não havia perdido nenhum set em sua campanha no Aberto da Austrália até esta terça. Diante de Berdych, sétimo colocado do ranking mundial, a primeira parcial foi tão equilibrada que, quando o checo sacava em 5/5 e 40-15, os números mostravam que cada atleta havia colecionado 13 winners e dez erros não forçados.

A partir daí, Berdych elevou o nível até ter um 0-40 no game seguinte. Na hora de fechar o set, o checo errou uma bola fácil de direita, depois tomou uma passada e um bom saque. Nadal ainda cedeu um novo set point, mas se safou e seguiu animado rumo ao tie-break, em que abriu 5/3.

Berdych, contudo, reagiu e virou o marcador em um ponto polêmico, no qual atacou com uma bola funda que aparentemente foi fora. O juiz de linha não gritou, Nadal parou momentaneamente, procurando uma resposta de seu tio e treinador, Toni, que estava nas arquibancadas, e esboçou seguir no ponto.

Depois de Berdych fazer um winner, o espanhol tentou utilizar o desafio eletrônico, mas Carlos Bernardes não permitiu, alegando que o jogador havia seguido na jogada. Após um longo bate-boca com o juiz, Nadal sofreu um ace.

Desconcentrado e ainda descontente com o brasileiro, Nadal teve de encarar um duplo break point logo no primeiro game do segundo set. Berdych errou um voleio relativamente fácil e permitiu a reação do rival, que vibrou muito ao conseguir uma passada e obter a primeira quebra de serviço do jogo, fazendo 3/1.

Ele manteve a vantagem até 5/3, quando foi surpreendentemente quebrado. No tie-break, de novo começou melhor e abriu 4/1, mas sofreu três pontos seguidos do checo. Animado, Berdych chegou ao set point e dominou todo esse ponto até subir a rede no forehand do adversário e encaixar um voleio na paralela. Nadal não se deixou surpreender com a jogada no contrapé e encaixou um contragolpe forte, porém no meio da quadra. Mesmo com um bom espaço aberto, o checo voleou de esquerda e viu a bola sair pelo lado.

Este seria um ponto decisivo na partida, visto que com um erro não forçado de direita do oponente Nadal faturou o set e empatou o placar. Ele ainda teve o serviço quebrado na primeira vez em que sacou na terceira parcial, mas deu o troco na sequência. A confiança do checo de 1,96 m não era mais a mesma, nem a constância do primeiro serviço, que lhe rendeu 17 aces em todo o embate.

Com uma nova quebra, o espanhol abriu 2 sets a 1 e converteu outro break point já no início da quarta parcial. Acuado, Berdych precisava lutar para confirmar o seu serviço praticamente em todas as ocasiões e criou apenas mais uma oportunidade para voltar à partida: foi quando Nadal sacou em 2/3 e 15-40. Dois bons ataques do número dois do mundo, no entanto, tiraram-no da situação difícil.

Depois da batalha, o campeão do Aberto da Austrália de 2009 seguiu vivo na busca por mais um título. Caso chegue à decisão, pode ter a chance de construir uma revanche contra o sérvio Novak Djokovic, que está do outro lado da chave e enfrenta nesta quarta-feira o também espanhol David Ferrer pelas quartas de final. Em 2011, Djokovic e Nadal se encontraram na final de seis torneios, sempre com vitória do atual líder do ranking, sendo duas em decisões de Grand Slams: em Wimbledon e no Aberto dos Estados Unidos.