terça-feira, 31 de julho de 2012

Sul-coreana se revolta com juiz e é retirada de arena aos prantos

Shin não concordou com a marcação da arbitragem e se recusou a sair do local da competição. Foto: Getty Images

Shin não concordou com a marcação da arbitragem e se recusou a sair do local da competição

A sul-coreana Shin Lan foi responsável por uma das primeiras polêmicas dos Jogos Olímpicos de Londres. Na semifinal da modalidade espada, da esgrima, disputada nesta segunda-feira, na Arena Excel, a asiática foi derrotada pela alemã Britta Heidemann, por 6 a 5, com um ponto computado no último segundo da prorrogação da luta.

O combate contra a campeã olímpica em Pequim 2008 estava empatado por 5 a 5 no tempo extra, o que dava a vantagem a sul-coreana, sendo definido no último segundo após uma pontuação controversa para a germâmica.

Lam Sin tinha a vantagem no último e decisivo período do duelo, quando, faltando apenas um segundo para o fim, a arbitragem decidiu voltar o relógio em 1 segundo. No primeiro reinício houve um toque duplo, quando as duas tocam a espada ao mesmo tempo na adversária e pontuam juntas. Este toque duplo aconteceu mais duas vezes e o relógio continuou parado, faltando um segundo para o término da luta.

Depois de muita reclamação da sul-coreana com o relógio, a arbitragem reiniciou a luta e a alemã conseguiu marcar o ponto, desta vez sozinha, para desespero de A Lam Shin, que chorando bastante, sentou na pista e lá ficou por muito tempo, não aceitando a derrota.

Shim Jaesung, treinador de Shin, foi à mesa da arbitragem para contestar a decisão e teve de aguardar junto à atleta por quase 30 minutos antes da decisão final.

Com a vitória da europeia, Shin se revoltou, chorou e não queria se retirar do local da competição, como forma de protesto ao resultado.

Após algumas insistências por parte representantes da modalidade, Shin, aos prantos, decidiu deixar o local e saiu da pista aplaudida de pé pelos torcedores.

Minutos depois, Shin voltou à pista para disputar a medalha de bronze contra a chinesa Sun Yujie e, apesar de ter liderado os dois primeiros tempos, foi derrotada por 15 a 11 e terminou em quarto lugar.

Na disputa pela medalha de ouro, a algoz de Shin, Britta Heidemann, fez um duelo disputado com a ucraniana Yana Shemyakina e levou o a decisão para a prorrogação. Apesar de ser a atual campeã olímpica, a alemã não resistiu e foi derrotada por 9 a 8, conquistando a medalha de prata.

Terra

Brasileiras precisam de 11 match points para vencer no vôlei de praia

Maria Elisa e Talita vencem mais uma no vôlei de praia. Foto: Getty Images

Maria Elisa e Talita vencem mais uma no vôlei de praia

Em partida válida pelo Grupo E do vôlei de praia dos Jogos Olímpicos de Londres, a dupla brasileira formada por Maria Elisa e Talita conquistou sua segunda vitória após 11 match points. Na manhã desta terça-feira, na Horse Guards Parade, elas tiveram grandes dificuldades para derrotar as alemãs Sara Goller e Laura Ludwig, assumindo a liderança isolada do grupo.

As brasileiras chegaram a perder o segundo set, vencendo a partida por 2 a 1, com parciais de 21/19, 29/31 e 15/13. Contra as alemãs, Maria Elisa e Talita tiveram mais dificuldades em comparação ao jogo de estreia.

Após um primeiro set difícil, mas controlado, as brasileiras perderam nove match points na segunda etapa e acabaram perdendo o set. No tie-break, a força da dupla brasileira voltou a funcionar, mesmo perdendo mais dois match points.

Na primeira partida, contra as holandesas Madelein Meppelink e Sophie van Gestel, elas venceram com facilidade por 21/10 e 21/19. Juliana e Larissa, Alison e Emanuel, e Ricardo e Pedro Cunha também venceram todos os duelos em Londres, mantendo o Brasil invicto no vôlei de praia.

Na próxima rodada, a última da fase de grupos, Maria Elisa e Talita enfrentarão as australianas Louise Bawden e Becchara Palmer, na quinta-feira, às 13h40 (de Brasília).

Terra

Neta da rainha leva a prata na equitação de Londres 2012

Zara Phillips segue os pais e conquista medalha em Londres. Foto: Getty Images

Zara Phillips segue os pais e conquista medalha em Londres

A Alemanha conquistou o bicampeonato no Concurso Completo de Equitação (CCE) dos Jogos Olímpicos, nesta terça-feira. Porém, apesar de não subir ao lugar mais alto do pódio, a neta da Rainha Elizabeth II, Zara Phillips, ficou com medalha de prata com o conjunto britânico.

O bronze acabou ficando com a equipe neozelandesa. Os brasileiros Serguei Fofanoff, Marcio Jorge Carvalho, Marcelo Tosi e Ruy Fonseca, terminaram na nona colocação entre 13 equipes.

O ouro alemão ficou com a equipe formada por Peter Thomsen, Dirk Schrade, Sandra Auffarth, MIchael Jung e Ingrid Klimke, que conseguiu a pontuação de 133,70, obtendo assim o bicampeonato olímpico na prova.

Os britânicos recuperaram o segundo lugar que perderam no pódio nos Jogos de Pequim para a equipe das Austrália. A integrante da família real, Zara Phillips, competiu com "High Kingdom". A neta da Rainha cometeu uma falta e recebeu três pontos de punição por tempo, que acabaram colaborando para que os britânicos não vencessem a equipe alemã. "Estou muito triste pela equipe", admitiu Phillips.

Filha da princesa Ana e 13ª na linha de sucessão ao trono inglês, a amazona foi campeã do mundo em 2006 e participa dos Jogos Olímpicos pela primeira vez, depois de ficar fora dos Jogos de Atenas por lesão e de Pequim por lesão de seu antigo cavalo ''Toytown''.

Phillips igualou assim sua mãe, que competiu nos Jogos de Montreal em 1976, e seu pai, o cavaleiro Mark Phillips, medalha de ouro em Munique 1972 e de prata em Seul 1988.

Outro destaque entre os medalhistas do CCE foi o cavaleiro neozelandês Mark Todd, que conquistou sua sexta medalha na prova, igualando o americano John Michael Plumb.

Além disso, Todd obteve sua primeira medalha em Los Angeles 1984, igualando o esgrimista húngaro Aladar Gerevich e o velejador sueco Tore Holm, ao ganhar uma medalha 28 anos depois da primeira.

Terra

Após corte olímpico e "folga", Rafael inicia tratamento de lesão

Previsão de retorno aos gramados de é de duas a três semanas. Foto: Vinicius Vieira/Santos FC/Divulgação

Previsão de retorno aos gramados de é de duas a três semanas

Rafael iniciou nesta segunda-feira os trabalhos fisioterápicos no Santos para tratamento de um edema ósseo no cotovelo direito. A lesão sofrida no último dia 22 gerou o corte do goleiro da Seleção Brasileira que disputa dos Jogos Olímpicos de Londres. A previsão inicial de retorno divulgada por médicos da Seleção é de duas a três semanas.

"Já iniciei o tratamento para voltar com tudo e ajudar o Santos nesta recuperação no Brasileiro", disse o goleiro.

O jogador chegou ao Brasil na quarta-feira, mas seguiu direto para Sorocaba, cidade onde nasceu e mantém residência. A apresentação ao Santos para início do tratamento estava agendada para esta segunda.

Rafael foi oficialmente cortado um dia depois após sofrer lesão em atividade no CT do Arsenal, em St. Albans. O goleiro sofreu uma pancada no cotovelo direito em treino atípico com relação aos trabalhos que realiza no Santos, ao se chocar com uma barreira fixa.

O anúncio do corte foi feito na manhã do dia 22. Antes, o jogador passou por tratamento com o fisioterapeuta Odir de Souza. Para o seu lugar foi chamado o goleiro Gabriel, do Milan. Neto, da Fiorentina, é o atual titular.

Enquanto não volta, Aranha será mantido como titular. O reserva tem sido elogiado por atuações sólidas nas ausências de Rafael.

Terra

Juiz criticado relata invasão e pode complicar Fluminense

O gol anulado acirrou os ânimos no Engenhão. Foto: Mauro Pimentel/Terra

O gol anulado acirrou os ânimos no Engenhão

As ações relatadas pelo árbitro Rodrigo Braghetto podem complicar o Fluminense. O responsável pelo jogo do último domingo, contra o Atlético-MG, colocou na súmula que houve uma invasão de campo, por parte do roupeiro do time tricolor após o fim da partida. Além disso, o árbitro paulista contou que um copo com água foi arremessado em direção ao trio de arbitragem - o objeto teria vindo das arquibancadas do Engenhão.

Braghetto ainda escreveu que foi xingado pelo roupeiro e que nenhum membro do clube quis identificá-lo, por ordem da diretoria tricolor. O copo lançado no árbitro e no bandeirinha não atingiu ninguém e o torcedor autor da agressão não foi identificado.

Após a partida, o vice-presidente de futebol do Fluminense, Sandro Lima, disse que só não invadiu o gramado porque foi contido. Ele declarou ainda que o clube entrará com uma representação junto à CBF e à Comissão de Arbitragem contra o trio do último jogo. Porém, essa medida ainda não ocorreu.

A polêmica toda aconteceu após o bandeirinha Vicente Romano Neto anular erradamente um gol de Fred, que garantiria a vitória sobre o atual líder do Brasileiro. O confronto terminou empatado por 0 a0.

Terra

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Resumo da Rodada

Jogos de ontem (18:30)

6

Próxima Rodada – Sábado

4

Domingo

5

Após tirar o que "estava guardado", Pato recomeça batalha por sequência

Alexandre Pato não era titular da Seleção Brasileira desde amistoso contra Alemanha, em agosto de 2011. Foto: Ricardo Matsukawa/Terra

Alexandre Pato não era titular da Seleção Brasileira desde amistoso contra Alemanha, em agosto de 2011

Alexandre Pato, em suas palavras, tirou o que estava guardado ao comemorar com entusiasmo o primeiro gol da vitória brasileira por 3 a 1 sobre a Bielorrússia, no domingo, em Manchester. O jogador não se estendeu sobre o seu sentimento, mas o que ele colocou para fora ao sair correndo, fechar os punhos e soltar um grito está claro: a angústia de não conseguir uma sequência de jogos por causa de lesões e de ser alvo de desconfiança.

Pato não era titular da Seleção desde agosto de 2011, quando perdeu muitos gols e foi cobrado por Mano Menezes na derrota para a Alemanha. Desde então, sofreu com lesões, ficou fora de convocações por opção técnica e teve de esperar por uma chance enquanto Leandro Damião era o dono da camisa nove. Finalmente foi aproveitado desde o início ontem.

"Eu acho que ali eu tirei aquilo que estava guardado. Eu precisava jogar, joguei desde o começo e ainda consegui fazer um gol", disse, satisfeito por ter mostrado trabalho e voltado a almejar o posto de camisa nove da Seleção. "Podem ter certeza que ainda posso dar mais pelo Brasil".

Pato ainda não tem a vaga garantida para enfrentar a Nova Zelândia, na próxima quarta-feira. Mas nem hesita em colocar-se à disposição de Mano para um jogo três dias depois. Ele admite que ainda não está 100% fisicamente depois da recuperação de sua última lesão, mas não está em condições de vacilar. Pato precisa jogar.

"Posso dizer que ainda vou chegar aos 100%, mas estou muito bem. Eu acho que (a última sequência boa) foi no período de dérbi (Milan x Inter de Milão em 2011), lá teve uma sequencia. É isso que eu quero. Jogar desde o início e trabalhar forte", afirmou.

Mano concorda com Pato e acredita que tudo que ele precisa é jogar com frequência. Indicação de que uma nova partida como titular deve ocorrer contra a Nova Zelândia. "Ele passou por um reequilíbrio muscular e está se empenhado para melhorar. Se o jogador quer, já é meio caminho andado. Melhorando, ele vai ter segurança para retomar o caminho natural de fazer jogos sucessivos", disse.

Apesar de toda instabilidade, Pato só perde para Neymar na artilharia da era Mano Menezes. São sete gols contra 12 do santista. Leandro Damião tem apenas dois em 11 jogos. Pato depende de seu futebol e da saúde de seu corpo para retomar de vez seu espaço como titular da Seleção.

Terra

Após "tirar nhaca", Seleção de vôlei se prepara para pedreiras

Bernardinho se prepara para pedreiras na Olimpíada de Londres. Foto: Marcelo Pereira/Terra

Bernardinho se prepara para pedreiras na Olimpíada de Londres

A estreia contra o adversário mais fácil do grupo nos Jogos Olímpicos de Londres não fez o técnico Bernardinho se entusiasmar tanto com o que virá pela frente. Para o treinador, apesar da tranquilidade de ter vencido por 3 a 0, o importante é ressaltar que a Tunísia é o time mais fraco do grupo e a partira da próxima terça-feira é que o torneio começa com mais força para a Seleção Brasileira masculina de vôlei.

"Agora é só pedreira. São os verdadeiros quatro obstáculos que nos separam da fase de quartas-de-final. Nós temos quatro jogos a partir de agora. Todos eles são obstáculos duríssimos. A Rússia é um time com mais tradição, muita força. Os Estados Unidos tradicional também e demonstrou sua força hoje. Eles fizeram uma grande partida. É isso aí. Daqui para frente vamos focar na Rússia, que é uma pedreira grande suficiente para que a gente não pense mais além dela".

Para o treinador, a vitória contra um adversário mais fraco tem lados positivo e negativo. "Por um lado, você tira um pouco da coisa da estreia, do nervosismo. Mas por outro, você chega um pouco menos testado que os demais. Para a Rússia e os Estados Unidos acabou sendo melhor. Porque eles tiveram adversários mais fortes e ganharam por 3 a 0 (os russos venceram a Alemanha e os americanos passaram pela Sérvia). Passaram sem perder pontos nessa primeira etapa".

O ponteiro Murilo afirmou que o resultado foi importante para tirar aquela dificuldade tradicional que uma partida de estreia sempre traz para todos jogadores. "Estreia é sempre nervosa, a gente jogar contra um time que não tem tanta tradição, que mesmo errando um pouquinho a gente pode ganhar, é bom para tirar aquela 'nhaca'. É bom ganhar. Agora a gente pode pensar nos outros adversários que são muito mais difíceis que esse e dar continuidade no trabalho para crescer a cada jogo".

Para o líbero Serginho, a partida serviu principalmente para os mais inexperientes entrarem de vez no espírito olímpico. "O importante é estrear bem, a gente sabe que o campeonato é difícil. A gente conseguiu fazer um bom resultado, conseguimos sentir a competição. Alguns jogadores nunca tinham jogado e foi fundamental para isso aí".

Terra

Desentrosado, Guerrero ganha confiança do Corinthians como pivô

Guerrero já fez dois jogos pelo Corinthians, mas ambos vindo do banco de reservas. Foto: Léo Pinheiro/Terra

Guerrero já fez dois jogos pelo Corinthians, mas ambos vindo do banco de reservas

O peruano Paolo Guerrero foi o nome escolhido pelo Corinthians para substituir Liedson, que não foi bem no último semestre de contrato. Sem uma referência de área desde o ano passado, o time agora aposta no jogador vindo da Alemanha.

No empate de domingo com o Bahia, Guerrero fez seu segundo jogo vestindo a camisa 9 alvinegra. Ele entrou no início da segunda etapa e, mesmo sem entrosamento, foi bastante acionado pelos companheiros de equipe.

"A equipe procurava o Paolo, só que ele também passa por processo de entrosamento, de saber por exemplo onde o Fábio Santos gosta de jogar. Uma hora a bola entrou no pivô e ele devolveu na ultrapassagem por fora, mas o Fábio gosta de fazer a tabela em diagonal, pelo meio", apontou Tite.

"Primeiramente ele quebrou o gelo (entrando nos minutos finais da vitória sobre o Cruzeiro, na semana passada), e agora já adquiriu confiança dos atletas. Dá para ver que eles o procuram para jogar. Essa é a linguagem da bola, não é o técnico que fala. É da relação de confiança", acrescentou o técnico.

Com a semana livre até domingo, quando a equipe visitará o Vasco, a tendência é que o atacante peruano seja testado nos treinos. Há expectativa também de que o meia-atacante argentino Juan Manuel Martínez, recém-chegado do Vélez Sarsfield, possa virar opção no Rio de Janeiro.

"Fico contente pelo time, está todo mundo forte. O Wallace entrou em um jogo importante e manteve o nível de atuação depois de ter ficado fora. Como técnico, fico muito feliz. Ele conseguiu marcar o Júnior, o que é muito difícil. Saía do contato físico e antecipava", concluiu Tite, usando o substituto de Chicão como exemplo para o grupo, que se reapresenta aos trabalhos na terça-feira.

Terra

Deco estranha atitude do juiz e reclama de gol anulado: "injustiça"

Fred teve gol anulado que daria vitória ao Flu nos instantes finais. Foto: Mauro Pimentel/Terra

Fred teve gol anulado que daria vitória ao Flu nos instantes finais

O Fluminense poderia ter encurtado a distância para o Atlético-MG para apenas três pontos, mas um erro do assistente Vicente Romano Neto (SP), já no fim da segunda etapa, custou o gol que garantiria a vitória sobre o líder do Brasileiro. O episódio foi muito lamentado pelos jogadores do Flu na noite de domingo no Engenhão.

"Foi uma injustiça. Não concretizamos o que queríamos. O árbitro anulou um gol que estava legal. É uma pena", declarou Deco, após a partida.

Uma das principais críticas feitas pelo Fluminense ao bandeirinha foi o fato de ele ter demorado muito para assinalar o impedimento de Fred, que na verdade estava em condições legais para finalizar.

"O problema foi que ele (o assistente) deu o gol num primeiro instante e esperou para levantar. Não entendi", comentou o meia Deco.

Autor do passe que deixou Fred cara a cara com Victor para marcar o que teria sido o gol do triunfo, o meia-atacante Wellington Nem não percebeu na hora que seu camisa 9 estava em condições legais. Ao deixar o campo, foi mais um dos jogadores do Flu a lamentar o erro ocorrido.

"O Fred falou que alguém tinha contado que ele não estava impedido no lance. É uma pena, esse empate foi muito triste. Muito ruim que o bandeirinha tenha errado", afirmou Wellington Nem.

Terra

Bruno se preocupa com rebaixamento; Frizzo crê em recuperação

atm - gal - Palmeiras x Bahia - Bruno pula pênalti. Foto: Léo Pinheiro/Terra

Palmeiras x Bahia - Bruno pula pênalti

O Palmeiras inicia a semana ocupando a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, mas a situação divide opiniões no clube. Depois da derrota por 2 a 1 para o Cruzeiro, apesar da insatisfação com a arbitragem, o goleiro Bruno reconheceu a preocupação com a posição na tabela do Nacional.

"É algo para nos preocuparmos, porque estamos fazendo muito pouco para o Palmeiras e não podemos ficar lá atrás, é muito sofrimento", avaliou o jogador, depois do tropeço da noite de domingo, no estádio Independência, em Belo Horizonte.

O atual campeão da Copa do Brasil aparece na 18ª posição do Nacional, com apenas dez pontos. Apesar de ocupar a área da degola depois da 13ª rodada do campeonato, o vice-presidente de futebol, Roberto Frizzo, diverge do goleiro e reitera suas críticas à arbitragem de Fabrício Neves Corrêa.

"Isso nós recuperamos, não há razão nenhuma de preocupação, até porque jogamos bem contra Bahia e Cruzeiro. Mas sofremos mais de 30 faltas e fizemos dez (contra a equipe mineira). Mesmo assim, levamos mais cartões amarelos do que eles", contestou.

O Palmeiras busca sua recuperação neste Brasileirão na noite de sábado, contra o Internacional, na Arena Barueri. Antes, na quarta-feira, o Verdão encara o Botafogo, pela estreia da Copa Sul-americana.

Terra

Fora da final, Kaio Márcio alega cansaço e diz: fiz alguma bobeira

Kaio Márcio não consegue avançar à semifinal em Londres. Foto: Marcelo Pereira/Terra

Kaio Márcio não consegue avançar à semifinal em Londres

Fora da final dos 200 m borboleta, o brasileiro Kaio Márcio alegou cansaço na parte final da prova e admitiu que possa ter cometido algum erro. "Não sei o que aconteceu. Estava nadando bem a prova, com tempo para classificar, mas cansei um pouco no final. Acho que fiz alguma bobeira que não deu certo", declarou o nadador, que terminou as eliminatórias no 17º lugar com 1min56s99.

Apesar da desclassificação, Márcio disse estar tranquilo e agora volta sua atenções para a sequência da temporada. "Estou tranquilo. Fiz tudo que poderia ser feito, agora é levantar a cabeça e pensar no resto do ano", declarou.

Leonardo de Deus, outro brasileiro na disputa, terminou na 21ª posição com o tempo de 1min58s03 e não falou com a imprensa após as eliminatórias. O nadador, que aparentava abatimento, disse que precisava soltar a musculatura.

O americano Michael Phelps, atual campeão olímpico que cravou o quinto melhor tempo nas eliminatórias com 1min55s53, também não atendeu os jornalistas.

O austríaco Dinko Jukic foi o melhor nadador das eliminatórias dos 200 m borboleta, com o tempo de 1min54s79, seguido do americano Tyler Clary e do sérvio Velimir Stjepanovic.

Terra

domingo, 29 de julho de 2012

Curiosidades de Londres

Delegação Participante: Nauru

125px-Flag_of_Nauru.svg

População:
9322

Área:
21 km²

Localização:
Oceania

capital:
Yaren

Cidades principais:
Yaren

Línguas:
Nauruano, Inglês

Moeda:
Dólar Australiano

Estreia olímpica:
1996

Nauru (em nauruano: Naoero), oficialmente República de Nauru (em nauruano: Ripublik Naoero) e antes conhecido por Pleasant Island (em português: Ilha Aprazível), é um país insular do hemisfério sul, localizado na Oceania, que compreende uma área de 21 quilômetros quadrados, o que faz dele o menor país insular do mundo. A ilha mais próxima ao país é a Ilha Banaba, no Kiribati, 300 quilômetros a leste.

Nauru é uma ilha rica em rocha fosfática, e sua atividade econômica primária desde 1907 foi a exportação de fosfato da ilha. Com o esgotamento das reservas de fosfato, seu ambiente severamente degradado pela mineração, e a confiança estabelecida para administrar a riqueza da ilha significativamente reduzida em valor, o governo de Nauru ordenou medidas excepcionais para obter o rendimento. Desde 2001, aceitou o apoio do governo australiano, em troca do qual a ilha acolhe um centro de detenção para pessoas que procuram asilo na Austrália, que é parte da sua "Solução Pacífica".

220px-Nauru_map_english.svg

Campeonato Brasileiro Série A–13ª rodada

Sábado

2

Domingo

3

*Os jogos das 18:30 serão postados amanhã no resumo da rodada.

Hamilton segura Raikkonen e vence GP da Hungria de ponta a ponta

Em fim de semana impecável, Hamilton venceu na Hungria. Foto: Reuters

Em fim de semana impecável, Hamilton venceu na Hungria

Absoluto em todo o fim de semana no circuito de Hungaroring, Lewis Hamilton confirmou seu favoritismo com uma prova irretocável e venceu o GP da Hungria neste domingo. Pole position, o inglês da McLaren precisou resistir ao assédio de Kimi Raikkonen, que havia largado em quinto, fez grande prova e pressionou nas voltas finais. O finlandês da Lotus acabou mesmo em segundo, logo à frente de Romain Grosjean, também da Lotus.

Em dia de outra boa prova de Bruno Senna, que terminou em sétimo, o GP da Hungria teve ainda Sebastian Vettel em quarto com a Red Bull e Fernando Alonso, o líder do Mundial, em quinto. O espanhol da Ferrari, no dia de seu 31º aniversário, ainda ampliou a vantagem sobre o vice-líder Mark Webber, o oitavo.

Com o resultado, Alonso pula para 164 pontos na liderança do Mundial de Pilotos, e ainda abre vantagem de mais seis pontos na classificação. A diferença para o segundo colocado, Mark Webber, agora é de 40 pontos. O atual campeão Vettel é o terceiro com 122. Felipe Massa tem a 14ª colocação, com 25, e Bruno Senna é 15ª, com 24.

O grande salto do fim de semana, ainda assim, foi evidentemente de Lewis Hamilton. O vencedor da Hungria foi a 117 pontos e ultrapassou o próprio Kimi Raikkonen na classificação. Agora em quarto, ele pode sonhar novamente com o bicampeonato mundial.

A prova em Hungaroring

Fundamental para encaminhar as posições dos pilotos em uma prova de poucas ultrapassagens, a largada na Hungria foi adiada na hora H por um motivo não divulgado. Pouco antes de a luz verde acender, o amarelo apareceu para indicar algum problema. Com isso, os carros tiveram de dar mais uma volta de apresentação e aí sim largar para 69 voltas - e não mais 70.

Michael Schumacher, aliás, deu mais uma mostra de que não consegue ser competitivo e brilhante como em outros tempos. Assim que a luz amarela se acendeu, ele desligou o motor. Com a 17ª posição no grid, acumulou punição por exceder o limite de velocidade nos boxes e deixou a prova nos minutos finais por problemas no carro.

O grande nome da largada, por outro lado, foi Mark Webber. O vice-líder do Mundial levou sua Red Bull da 11ª para a sétima posição e deu início ao que seria uma grande corrida de recuperação em Hungaroring. Ele chegou a ocupar a quinta posição e pressionar Fernando Alonso. No fim, terminou em oitavo sem conseguir passar Bruno Senna.

Felipe Massa teve mais um fim de semana sem conseguir chegar ao pódio, onde não sobe desde 2010. Sétimo lugar na largada, foi ultrapassado por Webber e fez praticamente toda a prova na nona colocação. Bem diferente foi o domingo de Bruno Senna, que se mostrou superior ao piloto da Ferrari.

Após realizar seu melhor treino da temporada e largar na nona colocação, Bruno fez uma prova consistente com a Williams e chegou perto de repetir seu melhor desempenho também em provas - foi sexto na Malásia. Na última parte, ele deixou Mark Webber para trás, resistiu ao assédio do australiano e acabou em sétimo.

Entre as equipes, nenhuma possivelmente foi tão brilhante quanto a Lotus. Romain Grosjean, que largou na primeira fila, se manteve entre os primeiros durante a prova e ficou em terceiro. Raikkonen, por sua vez, mostrou viver ótima fase e colocou mais um macacão preto da escuderia tradicional no pódio. O finlandês pressionou Hamilton pela vitória, mas terminou em segundo.

A F1 agora terá uma longa pausa. A próxima corrida acontece no dia 2 de setembro, no circuito de Spa-Francorchamps, na Bélgica.

Terra

Emanuel e Alison sofrem, mas evitam zebra contra austríacos na estreia

Dupla brasileira desperdiçou três match points, mas conseguiu vencer a primeira partida na Olimpíada. Foto: AP

Dupla brasileira desperdiçou três match points, mas conseguiu vencer a primeira partida na Olimpíada

Emanuel e Alison estrearam com vitória de virada contra os austríacos Clemens Doppler e Alexander Horst. A dupla brasileira venceu por 2 sets a 1, parciais de 19/21, 21/17 e 16/14, em confronto realizado neste domingo, na Horse Guards Parade.

A partida foi válida pelo grupo A. Os brasileiros voltam a quadra na terça-feira, às 6h, quando enfrentam Jefferson Bellaguarda e Patrick Heuscher, da Suíça. Por fim, a dupla duela contra os italianos Daniele Lupo e Paolo Nicolai. Os dois melhores da chave se classificam para as oitavas de final, além dos dois melhores terceiros colocados.

"Eles jogaram muito bem, tivemos que usar da experiência para virar a partida", disse Emanuel. "Passamos por momentos difíceis, mas conseguimos vencer, o que é fundamental num jogo de estreia", completou Alison.

Com uma medalha de bronze e uma de ouro, Emanuel busca sua terceira medalha olímpica, enquanto Alison participa dos Jogos pela primeira vez.

O jogo

O confronto começou equilibrado, tanto que a primeira mudança de lado aconteceu quando a partida estava empatada em 7 a 7. Logo depois, os austríacos abriram uma diferença de três pontos e não foram mais alcançados, fechado o set em 21 a 19, em 21 minutos.

A recuperação de Alison e Emanuel aconteceu logo no início do segundo set, quando a dupla abriu quatro pontos de diferença. No fim, os adversários encostaram em 18 a 16, mas não foi suficiente para impedir a vitória brasileira por 21 a 17, em 21 minutos.

O tie-break começou em igualdade e os jogadores trocaram de quadra com o confronto empatado em 5 a 5. No retorno os brasileiros emplacaram três pontos seguidos graças a dois bloqueios de Alison, fundamento em que o time brasileiro foi muito superior, com oito pontos contra dois dos adversários.

A vantagem foi mantida até o fim. Porém, apesar de estar vencendo por 14 a 11, a dupla do Brasil perdeu três match points e deixou o jogo empatado. Apesar disso, eles se recuperaram no fim e, com um ataque de Alison e uma tentaiva equivocada dos austríacos, os brasileiros venceram o set por 16 a 14, em 16 minutos, e o fecharam o jogo em 2 sets a 1.

Neste sábado, a outra dupla brasileira, formada por Ricardo e Pedro Cunha, derrotou os noruegueses Tarjei Viken Skarlund e Martin Spinnangr por 2 sets a 0 . No feminino, Juliana e Larissa venceram Natacha Rigobert e Nioun Chin Elodie Li Yuk Lo, das Ilhas Maurício, pelo mesmo placar. Ainda neste domingo, Talita e Maria Elisa jogam contra as alemãs Sara Goller e Laura Ludwig.

Terra

Após 1ª vitória no Botafogo, Seedorf destaca dedicação do time

O holandês jogou praticamente a partida toda contra o Figueirense. Foto: Mauro Pimentel/Terra

O holandês jogou praticamente a partida toda contra o Figueirense

A estreia de Seedorf, na semana passada, não havia sido muito boa, com derrota em pleno Engenhão para o Grêmio, por 1 a 0. Porém, na noite deste sábado, o astro holandês trouxe sorte para o Botafogo e a equipe carioca conseguiu derrotar o Figueirense por 1 a 0, no mesmo palco da partida diante dos gaúchos.

Apesar da atuação ainda pouco brilhante do ex-jogador do Milan, da Itália, Andrezinho conseguiu sair como o salvador da noite e fez o único gol do confronto. E a vitória deixou Seedorf muito contente e aliviado.

"Estou muito feliz, a gente merece. O time trabalha muito, tem muita dedicação", disse o meio-campista. "Foi um jogo importante de vencer, agora temos que olhar para a frente e procurar outra vitória. Sou simplesmente o que sou, faço o que sempre fiz", destacou Seedorf.

O meia ainda previu um crescimento da equipe alvinegra durante a competição. "A gente vai crescer mais, suar mais, e estamos conseguindo uma reação importante para o time e para a torcida. Isso dá moral. Nesta noite, merecemos ganhar", finalizou o jogador, a maior contratação do Botafogo para essa temporada.

Agora, no próximo sábado, o Botafogo tenta mais uma vitória no Campeonato Brasileiro contra o Atlético-GO, vice-lanterna da competição. A partida será disputada no estádio Serra Dourada, em Goiânia, às 18h30.

Terra

Sem Cielo, revezamento do Brasil no 4x100 m livre é eliminado

Sem Cesar Cielo, principal estrela do Brasil na natação, a equipe verde e amarela do revezamento 4x100 m livre não conseguiu se classificar para a final da modalidade, cravando apenas o nono melhor tempo. A liderança da prova ficou com o time da Austrália.

No último sábado, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) anunciou a ausência de Cielo do revezamento com a justificativa de poupar o atleta para as provas de 50 m livre e 100 m livre. Com isso, o Brasil caiu na piscina com Nicolas Oliveira, Bruno Fratus, Nicolas Santos e Marcelo Chierighini.

Nas três primeiras posições a disputa foi bastante acirrada, entre australianos, americanos e franceses. Porém o primeiro lugar ficou com a Austrália, que terminou o revezamento com 3min12s29, seguido pelos Estados Unidos, com 3min12s59, e pela França, com 3min12s77.

Apesar da ausência de Cielo, o australiano James Magnussen, rival do brasileiro nos Jogos, competiu normalmente e ajudou seu país a avançar.

O oitavo e último tempo entre os classificados foi da Itália, que encerrou a prova com 3min15s78. O Brasil, que ficou em nono, terminou a competição em 3min16s14, despedindo-se da Olimpíada.

A final da prova será realizada ainda neste domingo, às 17h (de Brasília), no Centro Aquático da capital britânica.

Terra

Em estreia nervosa após 16 anos, Brasil derrota Austrália no sufoco

Huertas acabou sendo o grande destaque brasileiro no jogo. Foto: Marcelo Pereira/Terra

Huertas acabou sendo o grande destaque brasileiro no jogo

A Seleção Brasileira masculina de basquete venceu no retorno após 16 anos de ausência dos Jogos Olímpicos. Em uma partida nervosa, na qual a equipe chegou a irritar o técnico Ruben Magnano pelo acúmulo de erros, a equipe nacional venceu a Austrália por 75 a 71 e começou bem a caminhada em busca de uma vaga à próxima fase do Grupo B. O armador Marcelinho Huertas, atleta mais elogiado do País pelos adversários, terminou como o grande destaque com 15 pontos e 10 assistências.

Embalado pela vitória na estreia olímpica, a Seleção comandada pelo técnico argentino retorna à quadra na próxima terça-feira, quando terá pela frente a equipe da Grã-Bretanha, justamente a dona da casa. Já a Austrália buscará se reabilitar no torneio olímpico diante Espanha, atual vice-campeã olímpica e séria candidata ao ouro.

Apontado pelos adversários como um dos favoritos a brigar pela medalha de ouro - como declarou o espanhol Pau Gasol -, o Brasil assustou no início de confronto diante da Austrália. A equipe comandada pelo argentino Ruben Magnano encontrou uma defesa forte e não apresentou a mesma consistência ofensiva dos últimos amistosos. Com Marcelinho Huertas muito marcado e Leandrinho precipitado ofensivamente, o time sofreu e viu o rival comandar o primeiro quarto de jogo.

Praticamente anulado por Patrick Mills durante o primeiro quarto, Huertas se soltou aos poucos no confronto. A melhora do armador resultou no crescimento do Brasil no jogo. Com Nenê saindo do banco e controlando bem o garrafão (tanto ofensivamente quanto defensivamente), a equipe reagiu e conseguiu terminar a primeira etapa de jogo em vantagem: 36 a 35.

A atuação instável da primeira etapa ficou nos vestiários, pelo menos nos primeiros minutos do terceiro quarto. A irritação demonstrada por Ruben Magnano nos erros bobos cometidos (muitos deles por conta da correria e falta de paciência ofensiva) refletiu em um Brasil maduro. A defesa forte e o jogo coletivo voltaram, e o time abriu 16 a 4 rapidamente.

Contudo, antes do final do terceiro quarto, a Austrália cresceu novamente na partida. Ajudada pelo acúmulo de erros ofensivos do Brasil no setor ofensivo, a equipe oceânica assinalou oito pontos consecutivos e voltou a incomodar, transformando o desenho de uma tranquila vitória brasileira para um jogo equilibrado até o fim.

No último quarto, o Brasil, que chegou a liderar por dez pontos de diferença no período final, por pouco não deixou a vitória escapar. A marcação forte desapareceu, e a Austrália passou a converter seguidas cestas de três pontos. No final, quando a vantagem do time de Magnano era de apenas dois pontos, Marcelinho Huertas converteu dois lances livres e garantiu a vitória por 75 a 71. Bom retorno do País à modalidade depois de 16 anos fora.

Terra

sábado, 28 de julho de 2012

Curiosidades de Londres

Delegação Participante: Micronésia

População:
102624

Área:
702 km²

Localização:
Oceania

capital:
Palikir

Cidades principais:
Weno

Línguas:
Inglês

Moeda:
Dólar Americano

Estreia olímpica:
2000

Estados Federados da Micronésia (pronúncia inglesa: /ˌmaɪkroʊˈniːʒə/; originalmente Federated States of Micronesia; também chamada de Micronésia) (abrev.EFM) é uma nação insular, composta de cerca de 607 ilhas que se estendem por 2 900 km pelo arquipélago das Ilhas Carolinas no Oceano Pacífico a leste dasFilipinas e a norte da Papua Nova Guiné. O país é um Estado soberano em livre associação com os Estados Unidos, país que tem total responsabilidade pela a defesa dos EFM. Os Estados Federados da Micronésia faziam parte do Protectorado das Ilhas do Pacífico das Nações Unidas, das Nações Unidas sob administração estadunidense. Em 1979 o país adotou uma constituição, e em 1986 a independência foi alcançada sob um Tratado de Livre Associação com os Estados Unidos.

O país é composto de quatro principais grupos de ilhas: Chuuk, Kosrae, Yap e Pohnpei, onde localiza-se a capital Palikir. Separada dos quatro principais estados, há as ilhas de Nukuoro e Kapingamarangi, que geograficamente e politicamente são parte da Micronésia, porém linguisticamente e culturalmente, seriam da Polinésia: os idiomas falados nestas duas ilhas são da família samoana das línguas polinésias. A maior cidade dos EFM é Kolonia, capital de Pohnpei.

Os Estados Federados da Micronésia são governados por um Congresso unicamaral com 14 membros eleitos pelo voto popular. Quatro senadores - um de cada estado - têm mandatos de 4 anos; os restantes 10 senadores representam os distritos de acordo com a respectiva população e têm mandatos de dois anos. O Presidente e o Vice-Presidente são eleitos pelo Congresso de entre os quatro representantes dos estados, para mandatos de 4 anos. As suas posições no Congresso são depois preenchidas por eleições especiais. Não existem partidos políticos organizados.

Chinesa conquista primeiro ouro da Olimpíada de Londres

Chinesa se emocionou após conquista inédita. Foto: Reuters

Chinesa se emocionou após conquista inédita

A chinesa Siling Yi conquistou o primeiro ouro na Olimpíada de Londres. A competidora somou 502.9 pontos na modalidade de carabina de ar 10 m e garantiu seu posto no lugar mais alto do pódio.

A prata ficou com a polonesa Sylwia Bogacka (502.2) e o bronze com a também chinesa Dan Yu (501.5). Campeã olímpica em Pequim 2008, a checa Katerina Emmons terminou na quarta posição. Katerina também tem um bronze, conquistado em Atenas 2004.

A final foi realizada na manhã deste sábado, no Royal Artillery Barracks. Número 1 do ranking mundial, Siling Yi, 23 anos, foi campeã mundial em 2010 e já conquistou também quatro etapas da Copa do Mundo da modalidade. A chinesa começou a praticar o tiro com arco em 2007. Antes havia tentado atletismo e dança.

Confira a classificação final do tiro com arco na modalidade carabina de ar de 10 m

1º Siling Yi (CHN) - 502.9 pontos
2º Sylwia Bogacka (POL) - 502.2 pontos
3º Dan Yu (CHN) - 501.5 pontos
4º Katerina Emmons (CZE) - 500.3 pontos
5º Jamie Lynn Gray (USA) - 499.7 pontos
6º Elaheh Ahmadi (IRI) - 499.1 pontos
7º Sarah Scherer (USA) - 499.0 pontos
8º Daria Vdovina (RUS) - 498.5 pontos

Terra

Brasileiras massacram e avançam à 1ª fase do tênis de mesa

A brasileira Ligia Silva venceu seu primeiro jogo com tranquilidade. Foto: EFE

A brasileira Ligia Silva venceu seu primeiro jogo com tranquilidade

O tênis de mesa do Brasil estreou muito bem nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. A experiente Lígia Silva e a novata Caroline Kumahara venceram seus duelos na fase preliminar da competição disputada na Excel North Arena, na manhã deste sábado. As duas atletas se classificaram para a primeira fase do torneio de tênis de mesa com muita facilidade e não foram ameaçadas pelas adversárias em nenhum momento dos duelos.

A primeira a entrar na arena foi Lígia Silva, que precisou de apenas 16 minutos para despachar Anolyn Lulu, de Vanuatu, por 4 sets a 0, com parciais de 11/5, 11/9, 11/2 e 11/3. Na próxima rodada Lígia enfrentará a australiana Jian Fang Lay, 39 anos. A partida será realizada ainda na manhã deste sábado, às 10h30 (de Brasília).

Lígia é a atual 228º do mundo e enfrentou a atleta número 931 do planeta nesta manhã. É a terceira Olimpíada da brasileira, que já participou dos Jogos de Sidney 2000 e Atenas 2004, porém ficou fora de Pequim 2008.

Mais tarde foi a vez de Caroline Kumahara, de apenas 17 anos, estrear. Ela não teve problemas para eliminar Yasmin Hassan Farah, de Djibouti. Número 192 do ranking, Caroline derrotou sua adversária por 4 sets a 0, com parciais de 11/0, 11/2, 11/2 e 11/4, em surpreendentes 11 minutos de partida.

Terra

Triste, Daynara lamenta eliminação: "não sei o que aconteceu"

Brasileira vai mal nos 100m borboleta e se despede de Londres. Atleta disse não acreditar em resultado. Foto: Bruno Santos/Terra

Brasileira vai mal nos 100m borboleta e se despede de Londres. Atleta disse não acreditar em resultado

A primeira nadadora brasileira eliminada foi Daynara de Paula. Na manhã deste sábado, a atleta admitiu a decepção com a queda na primeira eliminatória dos 100 m borboleta, antes mesmo da semifinal, no Centro Aquático da capital britânica.

A brasileira nadou na última série e ficou na última posição, com 1min14seg, terminando em 33ª no geral. Apenas as 16 melhores seguiam vivas na prova, avançando à semifinal. Resultado inferior do que suas adversárias e, segundo ela, ao rendimento que vinha obtendo nos treinamentos.

"Não acreditei quando vi o placar. Eu sou capaz de fazer 58 s, nadei 59 s na semana passada. Não sei o que aconteceu, nadei meio patinando. Saio um pouco triste porque sei que podia ir melhor. Não fiz nada de diferente hoje", declarou.

Natural de Manaus, Daynara havia conquistado a medalha de prata nos 100 m borboleta nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em 2011; na mesma prova, foi a 21ª colocada no Mundial de Xangai, em 2011. A atleta, que completou 23 anos no último dia 25 de julho, voltará a competir em Londres na próxima quarta-feira, pelas eliminatórias dos 100 m livre.

Terra

Damião cita Argentina e vê Brasil pronto para "jogo duro" da Bielorrússia

Damião marcou na estreia do Brasil contra o Egito. Foto: Ricardo Matsukawa/Terra

Damião marcou na estreia do Brasil contra o Egito

Formada por jogadores altos e conhecida por um estilo duro, com algumas entradas mais fortes, a Bielorrússia deve exigir fisicamente muito do Brasil neste domingo, quando as seleções se enfrentam pelos Jogos Olímpicos de Londres. Mas a situação não preocupa os brasileiros.

Segundo Leandro Damião, o Brasil já está acostumado a enfrentar adversários com esse perfil e citou a Argentina como exemplo. Os rivais se enfrentaram em junho deste ano em amistoso disputado em Nova Jersey, nos Estados Unidos, com vitória argentina por 4 a 3.

"O brasileiro já está acostumado a jogar contra adversários assim. Contra a Argentina também foi duro. Hoje no futebol todos ligados como cada um joga", disse Leandro Damião, um dos jogadores mais fortes do grupo brasileiro.

A Bielorrússia também tem o time mais alto do torneio. O lateral Rafael acredita que este não será um problema. "Também temos jogadores altos aqui no Brasil. Temos o Leandro Damião, o Hulk...", disse.

O confronto entre Bielorrússia e Brasil marcará o encontro entre os dois líderes do Grupo C. Enquanto os brasileiros derrotaram o Egito, os europeus passaram pela Nova Zelândia.

Terra

Com Kaká e "chuva de gols" no início, Real é goleado pelo Benfica

Kaká foi titular na derrota para o Benfica por 5 a 2. Foto: Reuters

Kaká foi titular na derrota para o Benfica por 5 a 2

O Real Madrid foi goleado pelo Benfica por 5 a 2 nesta sexta-feira. O meia Kaká entrou como titular e jogou 61 minutos do amistoso de pré-temporada. O outro destaque do confronto, realizado no Estádio da Luz (em Lisboa), foi o início eletrizante. Em 20 minutos de partida, o placar estava 2 a 2.

Apesar do futuro incerto no clube espanhol, Kaká foi relacionado para o duelo e atuou até o início da segunda etapa, quando deu lugar ao francês Benzema. O técnico português José Mourinho optou por escalar vários reservas e poucos titulares, como os atacantes Higuaín e Di María.

O Benfica, por outro lado, foi a campo com os principais nomes. E, desta forma, abriu o placar aos 4min com Javi Garcia. O Real, contudo, também mostrou poder de fogo e virou o marcador. Callejón balançou as redes aos 18 e aos 20min.

Mas a alegria merengue durou apenas dois minutos. Witsel, de cabeça, igualou novamente. E na segunda etapa o domínio foi totalmente dos lusos. Com gols de Enzo Pérez (duas vezes) e Carlos Martins, a equipe "encarnada" transformou o amistoso (válido pela Eusébio Cup) em goleada.

Mesmo com a escalação, Kaká continua sem saber seu destino. Nesta sexta, o meia não chutou nenhuma a vez a gol, deu uma assistência e perdeu quatro bolas

Terra

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Agenda do Brasil em Londres–28 de julho

- 16:00 - Basquete Feminino - Grupo B Jogo 5

BrasilBrasil x FrançaFrança

- 06:00 – Ciclismo - Prova de Estrada Masculino (valendo medalha)

- 10:30 - Futebol Feminino - Grupo E Partida 8

Nova ZelândiaNova Zelândia x BrasilBrasil

- 07:00 – Ginástica Artística

- 10:30 - Handebol Feminino - Grupo A Partida 3

CroáciaCroácia x BrasilBrasil

- 05:30 – Judô

- 06:00 - Natação

- 18:00- Vôlei Feminino - Grupo B Partida 6

BrasilBrasil x TurquiaTurquia

- 13:30 e 16:00 - Volêi de Praia

- 05:00 – Tênis de Mesa

- 07:30 – Tênis

FRATSONGA JW x BRABELLUCCI T

Delegações Participantes das Olimpíadas de Londres