domingo, 30 de novembro de 2014

Barrichello conquista título da Stock Car e é campeão após 23 anos















Rubens Barrichello terminou a corrida de Curitiba da Stock Car na terceira posição, neste domingo (30), e se consagrou campeão da temporada 2014 da principal categoria de carros de turismo do Brasil. A prova foi vencida por Daniel Serra.

Barrichello terminou o campeonato com 234 pontos, contra 223,5 de Átila Abreu, vice-campeão.

O último título conquistado por Rubinho havia sido em 1991, quando superou David Coulthard e Gil de Ferran para ser campeão da Fórmula 3 Inglesa, um dos principais campeonatos de base do automobilismo.

Rubinho começou a corrida competindo com outros sete concorrentes ao título - Átila Abreu, Thiago Camilo, Júlio Campos, Antonio Pizzonia, Sérgio Jimenez, Cacá Bueno e Allam Khodair -, precisando apenas de um quarto lugar para levar o título.

Saindo da pole, Barrichello defendeu a posição na largada, ameaçada por Daniel Serra, mas acabou saindo da pista nas primeiras voltas em uma curva que também vitimou outros pilotos - entre eles Thiago Camilo, um dos postulantes ao título, que precisou abandonar a prova. Nessa altura, Sérgio Jimenez e Júlio Campos, outros que estavam na briga, também tiveram problemas e ficaram em situação difícil.

Em quarto lugar na prova, Barrichello passou a focar em Átila Abreu, que estava em segundo e era o mais próximo adversário do piloto pela taça. Serra liderava e Khodair, com chances remotas de título, estava em terceiro.

Faltando cerca de 16 minutos (de 40 previstos) para o fim da prova, Barrichello foi para o boxe trocar os pneus, e Átila seguiu na pista. Algumas voltas depois, ele também seguiu para o boxe e voltou brigando pela ponta com Serra, com Rubinho em terceiro.

Serra confirmou a vitória, com Átila em segundo e Rubinho garantindo o título com o terceiro lugar.

Festa
Logo depois da corrida, Barrichello foi saudado nos boxes com os gritos "Rubinho, Rubinho" e agradeceu a sua equipe, a Full Time. "Me deram um carro sensacional para lutar pelos pontos. Eles conseguiram melhorar um carro que não começou bem o ano. Só tenho a agradecer. Estou lisonjeado, com a minha família ao lado", disse o piloto ao Sportv.

Ele também falou sobre a saída de pista que quase complicou sua missão. "Foi um susto, tinha uma casca de banana ali", brincou. "Eu quase rodei, mas graças a Deus deu para segurar."

Depois do pódio, ele foi levantado por integrantes da equipe, agradeceu à torcida e até fez a 'sambadinha', comemoração que marcou seus pódios na época de Fórmula 1.

Trajetória
Depois de ganhar a F3 Inglesa em 1991, Rubinho seguiu para a Fórmula 3000 no ano seguinte, terminando em terceiro no campeonato que teve o italiano Luca Badoer como campeão.

Em 1993, Rubinho começou sua longa trajetória na Fórmula 1, que durou 19 temporadas. Ele correu por Jordan, Stewart, Ferrari, Honda, Brawn e Williams, onde encerrou a carreira no fim de 2011, com 11 vitórias e dois vice-campeonatos - em 2002 e 2004, pela Ferrari - como melhor resultado.

Sua primeira vitória na categoria demorou para acontecer - apenas em 2000, na sua oitava temporada - e ocorreu de forma dramática. Com problemas, ele largou em 18º no GP da Alemanha, mas se aproveitou da chuva e da corrida repleta de contratempos para vencer pela primeira vez, com a Ferrari.

Depois de deixar a F1, ele seguiu em 2012 para a Fórmula Indy, onde não obteve sucesso. Rubinho chegou à Stock Car no ano passado, quando terminou o campeonato na oitava posição, com um pódio e uma pole position como destaques.

No campeonato de 2014, Barrichello deslanchou a partir da quinta corrida; depois disso, deixou de pontuar em apenas uma prova. Sua primeira vitória ocorreu na Corrida do Milhão, em Goiânia, que lhe rendeu o prêmio de R$ 1 milhão. Ele também venceu a prova seguinte, a nona do ano, em Cascavel, e se aproximou da liderança do campeonato, até então ocupada por Átila Abreu.

Regular, Rubinho seguiu pontuando entre os primeiros e assumiu a ponta depois da primeira corrida em Tarumã, a 17ª do ano (de 21), no início de novembro.

UOL Esporte

Jaqueline estreia pelo Minas e time vence a primeira na Superliga

















A chegada de Jaqueline ao time do Minas fez bem a equipe que ganhou do São José dos Campos por 3 sets a 1 fora de casa neste sábado à tarde e deixou a lanterna da competição. As parciais foram 25x10, 25 x13, 25x27 e 25x13. Antes da partida, a jogadora admitiu que estava nervosa com o retorno e temia não render o que pode por causa do período longe das quadras. Ela entrou em quadro no final do terceiro set e marcou seis pontos na partida, todos no ataque.

A carreira da atleta se complicou porque ela não tinha clube para jogar e isto colocava em risco a participação nas Olimpíadas do Rio. A situação levou Jaqueline a chorar. O problema existiu porque a Superliga proíbe um time de ter duas jogadoras com pontuação sete, fechando a porta para as principais equipes da competição que têm a cota preenchida.

Como não queria sair do país e ficar longe do filho e do marido, Murilo que joga na seleção masculina, restavam poucas opções. A chegada dela ao Minas ocorreu depois de um mês parada e foi em boa hora para equipe. O time perdeu os cinco primeiros jogos que fez e tinha apenas um ponto.

Na partida deste sábado, o Minas foi soberano nos dois primeiros sets e venceu com larga vantagem. A terceira parcial foi equilibrada e o São José dos Campos levou. O cenários dos dois primeiros sets voltou e os visitantes venceram fácil. Walewska anotou 10 pontos e foi eleita a melhor jogadora da partida.

UOL Esporte

Fifa paga R$ 1,5 milhão ao Maracanã por danos na Copa-2014

A Fifa e o COL (Comitê Organizador Local) começaram a pagar os danos provocados nos estádios da Copa-2014 nesta semana após uma longa conferência de dados entre as partes. A administradora do Maracanã já recebeu R$ 1,5 milhão pelos prejuízos causados pela entidade e seus parceiros comerciais durante o evento.

Outro pagamento já foi feito para a Arena da Baixada, embora o valor não seja conhecido. Os dez estádios restantes já têm acordos assinados em relação ao montante devido pela federação internacional por avarias. Isso deve ser quitados nos próximos dias. O blog não conseguiu apurar o número final do Itaquerão, que sofreu quebras de cadeiras e no seu mármore no Mundial.

Cada arena fez um documento detalhado com todos o inventário e fotos do que estava sendo entregue para o COL e a Fifa. Encerrada a Copa-2014, antes de o estádio ser devolvido, foi feita nova análise e levantamento com fotos dos locais. Depois disso, há uma discussão sobre a responsabilidade de cada um. Por isso, o processo levou alguns meses.

No Maracanã, foram encontrados danos em portões ou paredes quebradas por empresas que forneciam serviços de alimentação. Mas foram poucos assentos danificados com um média entre 20 e 30 por partida.

Além da cobertura dos prejuízos, os administradores de estádios já receberam da Fifa e do COL pelas despesas de operação como luz e água. Não há pagamento de aluguel pois as arenas são cedidas gratuitamente para o Mundial.

UOL Esporte

Richarlyson critica árbitro e diz que encerrará carreira no próximo domingo














Chateado com Elmo Alves Resende, Richarlyson deixou o campo revoltado e afirmou após a derrota do Vitória por 4 a 0 para o Flamengo neste sábado, na Arena Amazônia, que encerrará sua carreira no próximo final de semana.

O meio-campo demonstrou descontentamento com as marcações do árbitro porque em sua visão ele não foi coerente. O jogador reclamou do primeiro gol do Flamengo e de um pênalti que teria sido sofrido por Dinei na segunda etapa.

"Eu vou encerrar minha carreira no próximo jogo do Vitória. O árbitro deu condição legal no primeiro gol do Flamengo e não teve convicção em dar um pênalti para nós. Não viemos aqui para passear. Não podemos generalizar com todos os árbitros, mas estamos jogando a partida das nossas vidas", desafabou.

"O Vitória seguirá seus passos e nós temos hombridade. Não posso deixar uma cara desse fazer a gente passar essa vergonha. Vou encerrar minha carreira no Barradão", acrescentou.

O time baiano se manteve na temida zona de rebaixamento com 38 pontos. A equipe encerra sua participação no Campeonato Brasileiro no domingo, às 17h, contra o Santos, no Barradão.

Richarlyson tem 31 anos e acumula passagens por Santo André, Fortaleza, Salzburg-AUS, São Paulo e Atlético-MG. O meio-campo acumulou diversos títulos na sua carreira. Os mais significativos foram o tricampeonato brasileiro (2006/07/08), a Copa Libertadores (2013) e o Mundial de Clubes (2005).

UOL Esporte

Rodada de domingo pode definir vaga na Libertadores e dois rebaixados

A rodada deste domingo não é a última do Brasileirão, mas pode definir muita coisa, tanto na parte de cima como na de baixo da tabela: quando o apito final da última partida soar, haverá a definição de pelo menos ou mais um rebaixado, ou do último classificado para a Libertadores de 2015. Uma combinação bastante possível de resultados pode acabar selando tudo de uma vez: a vaga na competição Sul-Americana, e a queda de duas equipes tradicionais.

Em cima, os holofotes estarão voltados para o Corinthians, quarto colocado, com 66 pontos. Com um empate diante do Fluminense, no Maracanã, o alvinegro vai a 67 e garante sua vaga na Libertadores: o Grêmio, com 60, mesmo vencendo,chegaria à última rodada sem chance de alcançar os paulistas. O Fluminense, com 58, já não mais chances de chegar no G4.

Entre Corinthians e Grêmio está o Atlético-MG, que tem 61 pontos. A equipe mineira, porém, já conquistou sua vaga pela Copa do Brasil, e caso termine na quarta posição, deixará o lugar na competição continental para o quinto colocado.

Assim, para os gaúchos, o único resultado que interessa neste domingo é uma vitória sobre o Bahia na Fonte Nova. Qualquer coisa diferente de derrota corintiana e vitória gremista (único cenário que leva a definição para a última rodada) selará a presença do Corinthians na Libertadores do ano que vem.

Um empate em Salvador seria desastroso para as duas equipes: acabaria com as esperanças de classificação dos gaúchos, dando a vaga ao alvinegro paulista, e ao mesmo tempo garantiria os donos da casa na Série B em 2015. O Bahia tem 34 pontos - se não vencer, está rebaixado: precisa de duas vitórias nas duas últimas rodadas se quiser ter chances de ultrapassar Vitória (38) e Palmeiras (39), que estão logo acima na tabela.

Na luta contra o rebaixamento, a rodada pode selar também a queda do Botafogo. Os cariocas estão na penúltima colocação, com 33 pontos, em situação dramática: se não vencerem o Santos em plena Vila Belmiro estão automaticamente rebaixados . Mesmo se conseguirem os três pontos, chegam na última rodada precisando vencer novamente, e contar com uma combinação de resultados para alcançar os 39 pontos do Palmeiras, primeiro fora da zona da degola.

Bahia e Botafogo, aliás, só amanhecem com esperanças graças aos tropeços de Palmeiras (derrota para o Internacional) e Vitória (derrota para o Flamengo). Sem esses resultados, já estariam fora da elite do futebol nacional.

Atualmente, o Brasileirão já tem definidas três vagas para a Libertadores: Cruzeiro, São Paulo e Internacional (o Atlético-MG está classificado através da Copa do Brasil. O Criciúma, lanterna, já está rebaixado.

UOL Esporte

sábado, 29 de novembro de 2014

Hamilton revela ter conversado com Rosberg após "momentos difíceis" na F1





















O britânico Lewis Hamilton afirmou neste sábado (29) ter conversado com Nico Rosberg depois da decisão da temporada da Fórmula 1, no domingo passado, em Abu Dhabi. Amigos desde os tempos que pilotavam no kart, os dois viram a relação estremecer por causa do duelo interno da Mercedes na busca pelo título de 2014.

Os dois estiveram neste sábado em um evento promocional da Mercedes em Stuttgart, na Alemanha, nos arredores do museu da fabricante, onde concederam entrevista.

 "Tivemos momentos difíceis, mas sempre mostramos respeito", disse Hamilton, segundo o jornal alemão "Stuttgarter-Zeitung". Ele afirmou ter conversado com Rosberg "sobre coisas normais, como garotos fazem" depois da decisão na semana passada e chamou o rival de rápido e competitivo. Sobre o título, resumiu: "Estou muito satisfeito pela forma que as coisas aconteceram. Estou feliz."

Já o vice-campeão disse não ter se arrependido de nada na temporada, mas afirmou que faria algumas coisas de forma diferente. Agora, se concentra apenas em 2015. "Tentarei vencê-lo no ano que vem. Estou confiante. Somos um time forte, mas não sabemos o quão competitiva será a próxima temporada", declarou Rosberg.

Durante o ano, os dois entraram em conflito nos GPs de Mônaco, Hungria e Bélgica. Nesse último, Rosberg tocou no carro de Hamilton, que precisou abandonar a prova e depois acusou o rival, então líder do campeonato, de ter batido de propósito.

UOL Esporte

Atlético programa volta olímpica e despedida de Kalil em jogo com Coritiba



O jogo contra o Coritiba, neste domingo, às 19h30, pela penúltima rodada do Campeonato Brasileiro, será festivo para os jogadores do Atlético-MG. O clube promoverá o primeiro grande encontro oficial do time campeão da Copa do Brasil com a sua torcida, no Independência, com a presença da taça do torneio.

A diretoria atleticana levará a taça da Copa do Brasil para o estádio e os atletas terão a oportunidade de dar a volta olímpica em campo, com a presença dos seus torcedores. Além disso, essa partida marcará a despedida de Alexandre Kalil da Presidência do alvinegro mineiro. No dia 3 de dezembro, será realizada a eleição, com chapa única, encabeçada pelo atual vice-presidente Daniel Nepomuceno.

O técnico Levir Culpi ressalta a importância do grupo poder comemorar o título inédito ao lado do seu torcedor. "Vamos jogar domingo contra o Coritiba e o interessante é que vamos encher o estádio, vamos dar volta olímpica com essa taça. Da maneira que foi conquistada, vai ficar na memória de muita gente", observou o treinador.

A comemoração no Independência deverá ser a única feita pelo clube alvinegro para o seu torcedor. Apesar de alguns jogadores pedirem festa com trio-elétrico, o clube não planeja repetir a comemoração realizada em 2013, após a conquista da Libertadores.

"Seria importante compartilhar a nossa felicidade com o torcedor que compareceu em menor número, compartilhar a alegria com milhões de torcedores, isso é importante, acho que está sendo pensado, se acontecer, será muito bom para a gente unir ainda mais o Atlético e o torcedor", comentou Leonardo Silva.

Para ajudar a encher o Independência, que já conta com pouco mais de sete mil ingressos vendidos, a diretoria atleticana anunciou que fará uma promoção para os torcedores do programa de sócio torcedor Galo na Veia Black. Cada associado poderá levar um convidado de graça.

O título atleticano foi conquistado no Mineirão, que contou com apenas 1.813 torcedores alvinegros presentes, já que o time era o visitante e o Cruzeiro não liberou a carga de 10% das entradas. A festa realizada no Independência, horas depois do fim da partida, não contou com a presença da torcida, que acompanhou dali a conquista no Gigante da Pampulha.

Por falta de efetivo policial, os torcedores presentes ao Independência, quando assistiram ao duelo final por três telões, foram retirados do estádio antes da chegada dos atletas, que tiveram uma festa particular para familiares e convidados.

UOL Esporte

Robben faz golaço, Bayern vence e abre 10 pontos ponta do Campeonato Alemão

A vida do Bayern de Munique está cada dia mais fácil e, pelo menos no Campeonato Alemão, ninguém parece ter forças para segurar os bávaros. Com um golaço de Robben, o time comandado por Pep Guardiola venceu o Hertha Berlim por 1 a 0, fora de casa, e segue tranquilo na liderança da competição.

A vitória deste sábado deixou o Bayern com 10 pontos de vantagem em relação ao Wolfsburg, segundo colocado na tabela de classificação. São 33 pontos contra apenas 23 do perseguidor mais próximo.

O único gol do jogo foi daqueles de ficar um belo tempo admirado. Thomas Müller recebeu na intermediária e só rolou de calcanhar para o meio. Arjen Robben já arrumou para a perna esquerda e bateu colocado com curva. A bola foi saindo do alcance do goleiro e morreu nas redes.

Fases do jogo: O Hertha até tentou pressionar e fazer valer o mando de campo, mas a zaga do Bayern mostrou estar mais do que preparada para suportar pressão nos minutos iniciais de uma partida. A partir do momento em que não se faz um gol rápido no time de Guardiola, o adversário está em péssima situação.

Com o passar do tempo, o time bávaro conseguiu controlar o jogo e trocar passes. Mesmo sem agredir muito, o Bayern fez o gol que garantiu a vitória aos 27 minutos, quando Müller pisou para Robben bateu colocado e vencer o goleiro adversário.

O melhor – Robben – O holandês mais uma vez mostrou que tem todas as credenciais para ser considerado um dos melhores do mundo. Com um chute de muita classe, ele foi decisivo para o resultado.

O pior – ataque do Hertha – Inofensivo, todo o setor de ataque do Hertha foi facilmente vencido pela defesa do Bayern.

Toque dos técnicos: Não tem muito segredo a forma como Guardiola trabalha seu time. O treinador mais uma vez demonstrou que tem o grupo na mão e todos seguem bem o sistema do técnico: toque de bola constante até aparecer uma brecha na defesa adversária. 

UOL Esporte

Garantir Libertadores ou fugir da degola. Inter e Palmeiras jogam o ano














Falta pouco para o Internacional confirmar vaga na próxima Libertadores. Basta uma vitória. Neste sábado, o time gaúcho terá a primeira oportunidade de carimbar o passaporte para a competição mais importante do continente. Mas não será nada fácil. Do outro lado do campo, um Palmeiras desesperado para evitar o rebaixamento. O duelo da penúltima rodada do Brasileirão será tenso e terá casa cheia no Beira-Rio, neste sábado (29), às 19h30 (horário de Brasília). 

O Inter comercializou de forma antecipada todas entradas com valores mais acessíveis para o duelo. Restaram apenas bilhetes VIP e Skybox, com preços elevados. Isso significa grande chance do recorde de público do Beira-Rio após a Copa do Mundo ser batido. A marca ocorreu no último jogo, contra o Atlético-MG, quando 38.006 pessoas estiveram presentes. 

Abel Braga tem uma dúvida na equipe. Jorge Henrique, que deixou o treinamento de terça-feira com um desconforto e não foi reintegrado ao grupo, pode dar vaga a Valdívia. Nilmar está vetado pelo departamento médico, mas Fabrício, por outro lado, foi liberado. E na lateral direita, Gilberto deve ser mantido. 

A certeza do comandante vermelho é que a equipe não pode entrar em campo nervosa ou mesmo pressionada para conseguir o resultado. Mesmo que apenas uma vitória separe o Colorado da vaga na próxima Libertadores. Com 63 pontos na classificação, atingir 66 significa ser inatingível e confirmar o objetivo que restou na temporada. 

"Vai ser um jogo legal. Eu digo para os jogadores que a torcida do Inter tem um 'feeling' legal para saber a hora de abraçar a equipe. É um momento importante que pode coroar um trabalho do ano inteiro. Seria um título sem troféu. Vocês [imprensa] viram como foi no ano passado, uma situação totalmente diferente [o Inter brigou para não cair]. Sinceramente, será emocionante", disse Abel. 

Já o Palmeiras está no desespero para sair da situação de risco no Campeonato Brasileiro. Apenas a um ponto à frente do Vitória, o primeiro time da zona do rebaixamento, a equipe precisará superar os desfalques de Valdivia e de Fernando Tobio.

Ambos com problemas musculares, a dupla nem viajou a Porto Alegre. Como Dorival Júnior escondeu os quatro treinos que fez antes do encontro, não há a certeza de como ele armará o time. 

O treinador não escondeu que o favoritismo é do Internacional, mas disse que tem fé que a equipe se livre da má fase no Beira-Rio, onde historicamente não vai bem. Atualmente, o Palmeiras vem de quatro derrotas de 2 a 0 consecutivas.

"Não podemos fugir ao favoritismo. É a realidade, não é transferir responsabilidade. Temos uma campanha regular, equilibrado na tabela, e nos últimos quatro jogos não pontuamos. Tem de conviver com isso, mas acreditar que podemos novamente nos recuperar. A maior preocupação é pelo momento: faltam dois jogos, ambos são fundamentais. O erro passa a não ter chance de recomeço. Precisamos de uma atuação muito responsável, buscar superação. Enfrentaremos um dos grandes times da competição. A confiança é grande, mas esperamos retomar nível de atuação no momento de confiança", afirmou

UOL Esporte

Corinthians cogita acordo como de Ronaldo com Guerrero. E pede mais à Caixa















Com base em estudos sobre a exposição da marca, o Corinthians quer que a Caixa Econômica Federal suba o atual contrato de patrocínio de uniforme para renovar em 2015. Hoje, o banco paga cerca de R$ 30 milhões para ter o melhor espaço da camisa corintiana. Uma das possibilidades a partir disso seria repassar uma porcentagem a Paolo Guerrero. 

De acordo com o gerente de marketing Alexandre Ferreira, essa alternativa foi apresentada ao departamento de futebol para ser colocada na negociação com o centroavante peruano. Na sexta-feira, a direção do Corinthians se reuniu com o estafe de Guerrero para tentar a renovação de seu vínculo por três temporadas, mas ainda não houve acordo. O jogador também seria garoto propaganda no programa de sócio-torcedor do clube. 

Se for adiante, o acordo, de certa forma, seria semelhante ao que permitiu a contratação de Ronaldo para defender o Corinthians em 2009. Além de um salário e luvas que devem superar R$ 10 milhões, Paolo Guerrero teria direito a porcentagem sobre o contrato de patrocínio com a Caixa.

Quanto ao banco, segundo apurado pelo UOL Esporte, o Corinthians estaria disposto a fechar a renovação por valores semelhantes aos que foram pagos neste ano. Apesar da pedida por mais recursos, a avaliação da diretoria é de que o mercado de patrocínios vive momento de crise. Assim, manter R$ 30 milhões já seria uma vitória para o próximo orçamento. 

De acordo com Alexandre Ferreira, todas as empresas que ocupam o uniforme do Corinthians estão dispostas a manter seus vínculos para 2015. 

UOL Esporte

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Nasr nega 'compra de vaga' e diz que conversava com a Sauber desde junho














O piloto brasileiro Felipe Nasr, contratado pela Sauber para ser titular da equipe em 2015, assegurou que o orçamento à disposição não pesou na escolha da equipe. Nasr será titular da escuderia ao lado do sueco Marcus Ericsson.

A equipe suíça passa por dificuldades financeiras – ao lado de Force India e Lotus, a Sauber fechou a temporada questionando a divisão de verbas da Fórmula 1 dividida entre as escuderias. No entanto, Nasr afirmou que o quadro não definiu os pilotos do time para 2015.

"Não acho que isso faça sentido", disse ao site GP Update. "Eles não estão vendendo vagas. Eles são uma equipe profissional, estão procurando por bons pilotos", emendou.

A Sauber optou por não continuar com os dois pilotos que competiram pela equipe em 2014, dispensando o alemão Adrian Sutil e o mexicano Esteban Gutierrez ao fim da temporada. O time não somou pontos na temporada, no pior ano de sua história na F1.

Embora os novos pilotos do time tenham sido anunciados em novembro, Felipe Nasr diz que a negociação vinha se desenrolando desde o meio do ano.

"Não foi de ontem. Era desde junho ou julho", afirmou o brasileiro. "Não conversamos apenas com a Sauber, mas com todas as equipes. O acordo ficou mais próximo antes do Grande Prêmio do Brasil, e então conseguimos acertar tudo", completou, dizendo-se "muito feliz" com a oportunidade no time suíço.

UOL Esporte

Empresário de Damião vai à Justiça e cobra R$ 2,3 milhões do Santos

A relação de Damião e seu estafe com o Santos não é das melhores: por um lado o atacante ainda não justificou em campo o enorme investimento de R$ 42 milhões na sua contratação, por outro, seu empresário, Vinicius Prates, está processando o clube. Prates alega que não recebeu R$ 2,3 milhões de comissão à qual tinha direito pela transferência. Há também atrasos em direito de imagem.

O agente acionou a Justiça há cerca de um mês, no dia 29 de outubro. À sua petição, anexou o contrato de comissão por intermediação do negócio. Lá estava previsto o pagamento de R$ 3 milhões, em seis parcelas de R$ 500 mil. Destas, alega Prates, apenas duas foram pagas, resultando nos R$ 2,3 milhões, já contabilizados com os juros.

O processo também contém diversos e-mails enviados pela empresa do agente ao departamento financeiro do Santos, cobrando os pagamentos. Eles começam em junho e se arrastam até o final de setembro, quando o advogado da empresa afirma que, diante da "imensa dificuldade nos contatos", irá recorrer à Justiça.

Nas mesmas trocas de e-mails o estafe do atacante também cobra, várias vezes, atrasos nos direitos de imagem de Leandro Damião. No dia 19 de setembro, segundo as conversas, eles chegaram a três meses, totalizando cerca de R$ 1 milhão.

Em decisão, o juiz responsável pelo caso, Dario Gayoso Júnior, notificou o Santos para que pague a dívida em três dias. O clube pode recorrer e contestar a cobrança – a Justiça, porém, procederá à avaliação de bens para penhora.

O UOL Esporte procurou a assessoria de imprensa do Santos por e-mail e por telefone, mas não teve resposta até a publicação dessa reportagem.

Com a camisa alvinegra, Damião marcou nove gols em 42 partidas em 2014 – média de 0,21 gol/jogo. Nas últimas sete vezes em que esteve no gramado, foi titular apenas duas, e não balançou as redes. No Brasileirão, marcou quatro gols.

UOL Esporte

Organizada fará protesto anti-Nobre dentro do clube na eleição do Palmeiras















Insatisfeitos com o desempenho do time no Campeonato Brasileiro, a Mancha Alviverde, principal torcida organizada do Palmeiras, convocou um protesto contra Paulo Nobre para este sábado (29), no dia da eleição para presidente do clube.

O protesto foi marcado para acontecer dentro da sede social, onde cerca de 10 mil sócios terão o direito de escolher entre reeleger o atual presidente ou o da oposição, Wlademir Pescarmona. A eleição começa às 10h e termina às 19h. A reunião da organizada começa às 9h.

"No atual momento da Sociedade Esportiva Palmeiras e dos dois últimos anos da gestão do atual presidente Paulo Nobre, a Torcida Mancha alvi Verde entende que o clube e nosso futebol necessita de mudanças! FORA PAULO NOBRE!", iniciou o comunicado.

"Apadrinhado por Mustaphá Contursi, que foi o responsável político pelas duas últimas quedas e se for o caso a de 2014, queremos e exigimos mudanças na direção do Palmeiras", completou.

Wlademir Pescarmona já declarou que voltará a ter relações com as organizadas. Ele prometeu não dar ajuda financeira, mas afirmou que acha normal que eles tenham privilégio na hora de comprar ingressos para os jogos fora de casa.

Em setembro, torcedores postaram nas redes sociais um vídeo de Pescarmona declarando estar bêbado e prometendo ajuda à organizada Porks.

Já Paulo Nobre rompeu totalmente as relações com os organizados em março, especialmente após a depredação da sede do Avanti e também de ataque a torcedores comuns. 

O Palmeiras tem 39 pontos e está na 16ª colocação, um ponto à frente do Vitória, que abre a zona de rebaixamento. Os baianos enfrentam o Flamengo às 21h deste sábado. No mesmo dia, os palmeirenses enfrentam o Internacional, no Beira-Rio, às 19h30.

UOL Esporte

Sem brasileiros, Fifa divulga a lista dos melhores meias do ano















A Fifa divulgou nesta sexta-feira a lista com os meio-campistas candidatos a integrar a seleção do ano. Nenhum brasileiro está nessa relação. Alemanha e Espanha são os países com o maior número de jogadores indicados.

Durante esta semana, a Fifa divulgou os indicados aos prêmios de melhor defensor e goleiro de 2014. Se também não há brasileiros na disputa entre os arqueiros, a disputa entre os defensores é dominada por nossos jogadores.

Daniel Alves (Barcelona), David Luiz e Thiago Silva (PSG), Filipe Luis (Chelsea) e Marcelo (Real Madrid) são os representantes do país. Destes, apenas Filipe Luis não participou da última Copa do Mundo. Os brasileiros concorrem com mais 15 candidatos.

O prêmio será entregue durante a festa de gala da Fifa no dia 12 de janeiro.

Veja a lista dos indicados ao prêmio de melhor meia:

Xabi Alonso (ESP/ Bayern de Munique)
Angel Di Maria (ARG/ Manchester United)
Cesc Fabregas (ESP/Chelsea)
Eden Hazard (BEL/ Chelsea)
Xavi Hernandez (ESP/Barcelona)
Andres Iniesta (ESP/Barcelona)
Toni Kroos (ALE/ Real Madrid)
Luka Modric (CRO/ Real Madrid)
Mesut Oezil (ALE/ Arsenal)
Andrea Pirlo (ITA/Juventus)
Paul Pogba (FRA/Juventus)
James Rodriguez (COL/ Real Madrid)
Bastian Schweinsteiger (ALE/Bayern de Munique)
Yaya Toure (CMA/ Manchester City)
Arturo Vidal (CHI/ Juventus)

UOL Esporte

Rogério Ceni desiste de aposentadoria e renova com São Paulo até agosto

Fim do mistério: Rogério Ceni vai continuar jogando. O goleiro decidiu na tarde desta sexta-feira que não vai se aposentar no fim da temporada, o que estava previsto no início do ano. Durante o lançamento da polêmica camisa lançada pela Penalty, que deveria ser a última da carreira do capitão tricolor, o presidente Carlos Miguel Aidar confirmou a permanência do ídolo. 

"Foi muito rápido. Nós queríamos, ele queria, foi uma conversa de 3 segundos", disse o presidente são-paulino. 

O novo vínculo de Rogério Ceni com o São Paulo vai até 5 de agosto de 2015. O contrato pode ser ainda maior caso o clube conquiste a Libertadores. Assim, ele jogaria um eventual Mundial. 

UOL Esporte

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Com a Copa do Brasil, Atlético-MG põe fim a provocações do arquirrival















Na duas últimas temporadas, o Atlético-MG conquistou duas competições, a Libertadores e a Copa do Brasil, que faltavam em sua galeria de troféus, e pôs fim às eternas provocações dos torcedores do arquirrival Cruzeiro.

Ao longo dos anos, os atleticanos sofreram com as brincadeiras dos rivais por causa da desvantagem em relação ao Cruzeiro. Enquanto o clube celeste havia conquistado duas Libertadores e quatro vezes a Copa do Brasil, o Atlético ainda estava na fila das duas competições.

Em menos de dois anos, o Atlético conseguiu dar uma reviravolta e igualar ao rival em relação às principais competições. Agora, o clube alvinegro passou a ter os mesmos títulos de expressão que o Cruzeiro, embora em quantidade ainda esteja atrás.

Além de ser bicampeão da Libertadores e tetra na Copa do Brasil, o Cruzeiro conquistou quatro títulos brasileiros, com a Taça Brasil de 1966 e o Brasileirão nos anos de 2003, 2013 e 2014. O Atlético venceu uma vez as três competições. Este ano ainda levou a Recopa Sul-Americana, que também não tinha em sua galeria.

O título da Libertadores ocorreu em julho do ano passado. A Copa do Brasil veio na noite dessa quarta-feira em grande estilo, já que foi conquistada justamente em cima do Cruzeiro, com duas vitórias, por 2 a 0 no Independência e 1 a 0 no Mineirão.

"É uma emoção muito grande saber que fomos campeões em cima do maior rival, um título importante que nunca tínhamos conquistado. Agora é comemorar bastante, como queríamos, como um título de expressão, com um título em cima do nosso rival e na casa deles", afirmou o zagueiro Réver.

Para Vitor, o Atlético subiu de patamar no futebol brasileiro. "Esse grupo vem fazendo história, um grupo que veio para quebrar paradigmas e histórias negativas. O Atlético entrou no rol das grandes equipes brasileiras", observou o goleiro.

UOL Esporte

Atlético supera Cruzeiro e conquista título nacional após 43 anos















Após duas viradas históricas sobre Corinthians e Flamengo, o Atlético-MG jogou a decisão da Copa do Brasil com vantagem sobre o Cruzeiro, por ter vencido o jogo de ida, no Independência, por 2 a 0, e soube usar o antídoto ao veneno que utilizou contra paulistas e cariocas.

O alvinegro mineiro, mesmo enfrentando uma torcida quase inteiramente adversária, manteve o controle emocional, movimentou-se bastante e venceu o seu principal rival por 1 a 0, com gol de Diego Tardelli, aos 47 min da etapa inicial.

O título, o primeiro da história do Atlético, ainda acaba com um jejum de 43 anos sem ganhar um título nacional. O último foi o Campeonato Brasileiro de 1971.

Foi o clássico mais importante da história entre Cruzeiro e Atlético, porque depois de 22 decisões, pela primeira vez, fizeram uma final de competição nacional.

Ao final, a festa dentro do Mineirão foi de pouco mais de 1.800 torcedores atleticanos, que, em alguns momentos calaram os mais de 40 mil cruzeirenses e fizeram alguns deles saírem mais cedo do Mineirão.

O triunfo atleticano 'abafou' a festa celeste pelo título brasileiro, conquistado três dias antes, na vitória sobre o Goiás, por 2 a 1, no mesmo Mineirão. Além disso, confirmou a superioridade do Atlético, nesta temporada sobre o Cruzeiro, com quatro vitórias diante do arquirrival e três empates.

Fases do jogo: Depois de dominar a maior parte do primeiro tempo, quando desperdiçou ótimas chances para abrir o placar, o Atlético-MG marcou o seu gol, aos 47 min. Dátolo cruzou da esquerda e Diego Tardelli apareceu livre para fazer o gol, que ampliava a vantagem atleticana.

Mesmo jogando como 'visitante', o Atlético-MG tomou a iniciativa em toda a etapa inicial, buscando o ataque com maior apetite do que o rival. O resultado disso foram oportunidades desperdiçadas por Tardelli (duas vezes) e Dátolo. O Cruzeiro teve apenas uma boa chance, no primeiro tempo.

No segundo tempo, o Atlético-MG continuou firme e marcando bem, e sendo perigoso. Já o cruzeiro time não mostrava muito ânimo e viu a festa do rival.

O melhor: Diego Tardelli – Apesar de ter errado muitos passes e desperdiçado duas grandes chances, Diego Tardelli foi o herói atleticano ao fazer o gol da vitória e da confirmação do título.

O pior: Ricardo Goulart – Um dos heróis do título antecipado do Brasileirão, Ricardo Goulart teve atuação apagada e ainda deu condições de jogo a Diego Tardelli no lance do gol atleticano.

A chave do jogo: Jogo ofensivo atleticano – Mesmo com a vantagem conquistada na primeira partida da final, o Atlético-MG entrou em campo com uma filosofia ofensiva de jogo na etapa inicial, visando marcar um gol, que poderia tornar mais fácil o seu caminho rumo ao título. E a equipe atleticana marcou forte e se movimentou bem no ataque. Conseguiu um gol no final do primeiro tempo, que afastou a possibilidade de decisão por pênaltis e o tranquilizou para a etapa final.

Toque dos técnicos:Levir Culpi manteve a mesma postura ofensiva do Atlético, escalando Rafael Carioca, um jogador que sabe sair para o jogo, como segundo volante. Dessa forma, o time atleticano não entrou em campo para segurar vantagem. Já Marcelo Oliveira, não conseguiu dar força ofensiva à sua equipe e quando perdeu o volante Henrique, por contusão, não ousou e optou pela substituição óbvia com a entrada de outro jogador da posição. Só na última alteração, após os 30 min, que ele tirou Ceará para a entrada de Júlio Baptista, deslocando Willian Farias para a lateral.

Para lembrar:

Relaciona, mas não joga. Marcelo Oliveira e Levir Culpi relacionaram titulares em recuperação de lesões, mas ambos deixaram esses atletas até mesmo fora do banco. Pelo lado celeste, o lateral direito Mayke, com edema muscular, desfalcou o time, enquanto no alvinegro mineiro, o meia-atacante Guilherme não confirmou a expectativa e também ficou fora.

Chuva deu trégua. A previsão de que haveria chuva forte durante o jogo final não se concretizou. Depois de cair muita água pela manhã e à tarde, o tempo melhorou, o que ajudou a deixar o gramado em condições melhores em relação ao jogo em que o time celeste confirmou o título brasileiro, domingo passado, na vitória sobre o Goiás, por 2 a 1. Levir Culpi, no entanto, não gostou do piso: "A chuva deu tempo, mas o gramado não está bom".

Cruzeiro de branco e Atlético com uniforme tradicional. O Cruzeiro deixou de lado seu uniforme principal, a camisa azul, para jogar com o uniforme todo branco, o mesmo usado na goleada por 6 a 1 sobre o rival, em 2011, que o livrou do rebaixamento. Já o Atlético-MG entrou em campo com o seu uniforme tradicional, camisa preta e branca, além de calções negros.

Mineirão não lotou.A exemplo do que aconteceu no Independência, há 15 dias, quando o Atlético foi mandante, o jogo desta quarta-feira, que teve ingressos a preços salgados, não lotou o Mineirão. Durante os dias que antecederam o grande clássico, houve muita polêmica entre as duas diretorias sobre número de ingressos para os atleticanos e também os valores cobrados.

Torcedor celeste deu trabalho à PM. Aos 38 min do primeiro tempo, um torcedor cruzeirense se envolveu em confusão com policiais militares e foi preso. Outros celestes tentaram impedir a prisão, que acabou efetiva, depois da mobilização de vários soldados.

UOL Esporte

Pós-Copa, europeus ignoram "padrão Fifa" com fogos, brigas e invasões















Quem está acompanhando o futebol europeu neste segundo semestre já deve ter notado que pouca gente no Velho Continente está seguindo o "padrão Fifa". Seja em jogos de Liga dos Campeões ou nas Eliminatórias para a Eurocopa, nem todos que vão aos estádios respeitam regras, seguem padrões de comportamento e se comportam como plateia. Pelo contrário. Sobram fogos, sinalizadores, brigas e invasões de campo.

O último episódio "transgressor" aconteceu no jogo entre Basel e Real Madrid, na última quarta, pela quinta rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões. Na comportada Suíça, pelo menos três torcedores invadiram o gramado a dois minutos do tempo regulamentar, dando trabalho para os seguranças presentes.

O incidente está longe de ser isolado. Desde a Copa, invasões marcaram vários jogos europeus, especialmente aqueles envolvendo grandes times como Barcelona e Real Madrid. Em geral os invasores são adolescentes ávidos por uma foto, um autógrafo ou um simples afago em um ídolo. Às vezes, porém, os torcedores são mais preocupantes que isso.

Na mesma Liga dos Campeões, o Galatasaray tem sofrido com a própria torcida. Em dois jogos, contra Arsenal e Borussia Dortmund, a torcida turca atirou sinalizadores no campo e paralisaram a partida. Contra os alemães, o temor por uma punição fez com que os jogadores pedissem calma ao público.

Nas Eliminatórias, as tensões envolvendo países foram ainda mais longe. No jogo entre Croácia e Itália, por exemplo, os torcedores dos Bálcãs criaram confusão na arquibancada e entraram em conflito com a polícia em Milão. O jogo teve de ser paralisado e a Croácia está arriscada a perder mandos de campo por causa da confusão.

A Itália, aliás, sofreu com os visitantes. Dias depois do confronto com os croatas, albaneses que foram a Genoa invadiram o gramado e atiraram sinalizadores, forçando a paralisação da partida. O pior episódio, porém, foi em Belgrado, na Sérvia.

Em outubro, a seleção da casa encarou a Albânia, em um jogo carregado de significado político. No meio do confronto, um drone entrou em campo carregando a bandeira albanesa. Um jogador sérvio recolheu o objeto e os jogadores iniciaram uma batalha campal, com direito a cadeiradas. O jogo foi suspenso e a Uefa teve de intervir, punindo as duas seleções com dois jogos com portões fechados. 

UOL Esporte

Acidente de Bianchi promove italiano 'improvisado' para testes na Ferrari

O acidente sofrido por Jules Bianchi no Grande Prêmio do Japão obrigou a Ferrari a mudar seus planos para os testes de pós-temporada em Abu Dhabi, nos dias 25 e 26 de novembro.

O francês, titular da Marussia em 2013 e 2014, seria o escalado pela equipe italiana para as atividades no Circuito de Yas Marina. Sem ele, hospitalizado agora na cidade de Nice (França), a escuderia se viu obrigada a utilizar o italiano Raffaele Marciello.

Campeão da Fórmula 3 europeia em 2013, Marciello é piloto da academia de revelação de talentos da Ferrari. Em 2014, o italiano pilotou pela GP2, conquistando a oitava colocação na temporada.

"Estou aqui porque Jules não está, na verdade. Mas ele sempre fez o melhor e sempre se esforçou", disse Marciello nesta quarta-feira. "Eu quero me esforçar por ele. Acho que, se alguém se esforçaria e não pode estar aqui, então você tem que fazer o mesmo", completou.

Bianchi é o mais antigo integrante da Academia de Pilotos da Ferrari, da qual faz parte desde 2009. O programa de revelação conta ainda com quatro pilotos: o italiano Raffaele Marciello, o canadense Lance Stroll (ambos desde 2010), o italiano Antonio Fuoco (desde 2013) e o chinês Guanyu Zhou (desde 2014). Dentre os pilotos que já passaram pela academia da Ferrari, o mais conhecido é o mexicano Sergio Perez (entre 2010 e 2012).

Apesar da situação peculiar, Marciello gostou de sua experiência com a Ferrari em Abu Dhabi. "Foi emocionante durante a manhã. Para um italiano, pilotar uma Ferrari é como um sonho que se realiza. Então, fiquei muito feliz", disse, indo além.

"Foi um dia divertido para mim. Eu gostei muito de pilotar um carro de Fórmula 1. Fiz muitos quilômetros também, então estou muito feliz. Quando você está lá fora (na pista), quer fazer muito. Fiz de tudo, como simulações de corrida, então estou muito feliz por ter feito tudo que eu podia", completou.

UOL Esporte

São Paulo vence, mas é eliminado nos pênaltis pelo Atlético Nacional



Em uma noite de muita chuva, com queda de energia elétrica e uma pressão incrível emanada da arquibancada lotada do Morumbi, o São Paulo venceu o jogo, mas perdeu nos pênaltis e foi eliminado pelo Atlético Nacional na Copa Sul-Americana. A vitória por 1 a 0 (gol de Paulo Henrique Ganso, cobrando falta) no tempo normal levou a decisão às penalidades porque havia sido o mesmo placar do jogo da ida, mas a favor dos colombianos.

No duelo da volta, os colombianos se defenderam bem e conseguiram conter a pressão são-paulina no tempo normal para levar aos pênaltis. No momento decisivo, o São Paulo falhou. Erraram suas cobranças Alan Kardec (que escorregou no gramado molhado do Morumbi) e Rafael Toloi. Rogério Ceni fez o seu, assim como todos os colombianos, que acabaram vencendo por 4 a 1.

O Nacional espera agora quem passar do duelo entre Boca Juniors e River Plate, que se enfrentam na quinta. O jogo da ida terminou em empate sem gols.

Fases do jogo. Como se esperava, o São Paulo começou todo no ataque, mas, embora tenha dominado a posse de bola durante quase todo o primeiro tempo, chegava pouco ao ataque. Uma chute de Luis Fabiano parou nas mãos do goleiro Armani, e Michel Bastos teve a chance de abrir o placar, mas bobeou na grande área e permitiu o corte do zagueiro. Os colombianos, fechados na defesa, levavam perigo em contra-ataques. Não fizeram o primeiro gol para calar o Morumbi, apenas graças a um milagre de Rogério Ceni no final da etapa inicial.

Com um meio-campo congestionado, o São Paulo contava com a inspiração de Paulo Henrique Ganso para furar a defesa com seus passes precisos. No início do segundo tempo, ele deixou Michel Bastos na cara do goleiro, mas o são-paulino chutou fraco e perdeu o gol. Logo depois, o mesmo Ganso levantou na área e a bola passou por todo mundo, inclusive pelo goleiro colombiano e morreu apenas na rede. Como o gol levava a decisão para os pênaltis, o São Paulo continuou pressionado e, empurrado pela torcida teve duas chances incrivelmente desperdiçadas.

Primeiro, Kaká ajeitou a bola dentro da área e, sem goleiro embaixo da trave, não conseguiu fazer o gol, acertando a trave. No ataque seguinte, Michel Bastos, sozinho na área, chutou pelo alto. A torcida se desesperou. O time também. Com menos técnica e mais coração, os jogadores foram para cima, mas não conseguiram fazer o segundo, que evitaria as penalidades máximas.

O melhor. Ganso. Com Kaká e Michel Bastos em uma noite abaixo da média, coube ao paraense reger o setor criativo tricolor. Ele deixou alguns de seus companheiros na cara do goleiro e foi premiado ao levantar uma bola na área que deu em gol. Vibrou como poucas vezes se viu.

O pior. Kaká. O meia começou bem, correndo bastante, mas depois parece ter sofrido com o gramado pesado e com a sequência de jogos. Passou a se movimentar pouco e errar passes que matavam os ataques do São Paulo. Perdeu um gol incrível na grande área. Foi o primeiro são-paulino substituído.

Chave do jogo. A defesa de Rogério no final do primeiro tempo. Cara a cara com o atacante rival, ele conseguiu evitar o gol que, se entrasse, teria tornado a missão são-paulina quase impossível no Morumbi.

Toque dos técnicos. Muricy Ramalho surpreendeu ao não escalar Alan Kardec no time titular. O atacante se machucou no jogo de ida, na Colômbia, mas já tinha condições de jogo, de acordo com os médicos do clube. Seu substituto, Luis Fabiano

Para lembrar:

Seu pedido... Antes do jogo começar, grande parte da torcida começou um coro que dizia: "Não para, Rogério!", pedindo para o goleiro desistir da aposentadoria anunciada para o fim da temporada.

... é uma ordem? O camisa 1, porém, mantém o mistério sobre sua decisão. Ninguém sabe se ele vai pendurar as chuteiras no fim deste ano ou só em 2015.

Apagão. Vinte minutos antes do início do jogo, os refletores do Morumbi se apagaram. Foi a segunda vez que isso aconteceu na noite, talvez por causa da chuva que caiu sobre a cidade. A torcida não pareceu se incomodar, ligou as luzes de seus celulares e começou a cantar forte. Dez minutos depois, os refletores voltaram.

Secos e molhados. A chuva havia levantado preocupações com relação ao estado do gramado na hora do jogo. No fim da tarde, poças imensas foram vistas no campo. Mas a drenagem funcionou e, quando a bola rolou, o gramado já tinha boas condições.

UOL Esporte

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

No maior Cruzeiro x Atlético, Minas desfila sua opulência
















Nunca antes na história deste país um clássico entre Cruzeiro e Atlético-MG definiu um torneio de nível nacional. Nesta quarta-feira, às 22h (horário de Brasília), contudo, os arquirrivais disputam a segunda partida da final da Copa do Brasil, com transmissão ao vivo dos canais ESPN, no Mineirão - o time alvinegro tem vantagem de 2 a 0 conquistada no Independência, e pode até perder por um gol de diferença.

Mais do que um jogo entre as duas grande equipes de Belo Horizonte, o duelo é um verdadeiro desfile do poder de Minas Gerais no futebol brasileiro atual. O Estado possui altas cifras quando o assunto é futebol, desde o valor dos times até os preços "salgados dos ingressos".

"Minas Gerais está muito honrada e orgulhosa de receber essa grande final, que eu considero o jogo do ano no Brasil. As duas equipes chegam muito bem, o Cruzeiro de uma conquista de Brasileirão e o Atlético de um roteiro de cinema, com vitórias espetaculares sobre Corinthians, Flamengo e o próprio Cruzeiro", opinou o ex-atacante Reinaldo, ídolo atleticano, ao ESPN.com.br.

"Os dois clubes estão de parabéns, e a gente tem que ressaltar isso. Temos visto na imprensa vocês elogiando o futebol mineiro, pois já faz um tempo que esses clubes vêm crescendo. Que amanhã o Cruzeiro possa ganhar o título e a gente possa se unir com essa família e valorizar o futebol mineiro. Bem como o Atlético-MG também vem apresentando um bom futebol, e está na final da Copa do Brasil. O ano passado ganhou a Libertadores, o Cruzeiro ganhou o Brasileiro. Está de parabéns", discursou o atacante Willian, do Cruzeiro.

Veja a ostentação dos mineiros:

TIMES CAROS

Os elencos de Cruzeiro e Atlético-MG estão entre os melhores, e também mais caros, do Brasil. Segundo o site Transfermarkt, especializado em valores do futebol, tanto celestes quando alvinegros aparecem na lista dos mais valorosos do país.

O plantel cruzeirense é o mais caro dos rivais: vale 49,75 milhões de euros, ou R$ 157 milhões - perde apenas para São Paulo e Santos neste quesito.

O atleta mais caro, na avaliação do site, é o zagueiro Dedé, que custa 7,5 milhões de euros, ou R$ 23,6 milhões.

Já o elenco atleticano é avaliado em 38,05 milhões de euros, ou R$ 120,1 milhões, ficando à frente de times como Internacional, Flamengo e Palmeiras.

O jogador mais valorizado pelo Transfermarkt é o defensor Réver, ao custo de 5 milhões de euros (R$ 15,8 milhões).


GASTANÇA

Para montar os elencos poderosos e recheados, Cruzeiro e Atlético-MG não economizaram nas contratações. Só pelo atacante Diego Tardelli, por exemplo, o "Galo" desembolsou 5,5 milhões de euros (R$ 17,3 milhões) em 2013.

Tardelli custou 5,5 milhões de euros

Tardelli, porém, foi um negócio certeiro, já que se tornou artilheiro do time, conquistou títulos e foi convocado para a seleção brasileira. No entanto, nem sempre o presidente Alexandre Kalil acerta em suas contratações.

Foi o caso, por exemplo, do atacante André, que custou incríveis 8 milhões de euros (cerca de R$ 24,2 milhões) pagos ao Dínamo de Kiev, da Ucrânia. Sem nunca se firmar nem fazer gols, ele foi recentemente afastado do elenco por indisciplina.

O Cruzeiro também gastou bem nas últimas temporadas. Não foram valores exorbitantes como os do rival Atlético, mas também foram investimentos consideráveis por parcelas de alguns atletas.

Destaque da equipe celeste, Ricardo Goulart custou R$ 2 milhões. Já Éverton Ribeiro, outro dos principais atletas cruzeirenses, teve 60% de seus direitos adquiridos pela equipe presidida por Gilvan de Pinho Tavares por R$ 4 milhões.


TÍTULOS PARA DAR E VENDER

Os elencos caros e competitivos acabaram resultando em muitos títulos nos últimos anos para a dupla de Belo Horizonte, que, não à toa, está decidindo a Copa do Brasil.

Os dois últimos Campeonatos Brasileiros, por exemplo, foram conquistados pelo Cruzeiro, que tem aquele que é considerado o elenco mais completo do país.

Já o Atlético-MG tirou sua barriga da miséria com duas taças internacionais nas últimas temporadas: a da Copa Libertadores, em 2013, e a da Recopa Sul-Americana, em 2014.

Além disso, os rivais decidiram o Campeonato Mineiro por três vezes nos últimos quatro anos (em 2012 o América foi o intruso no lugar do Cruzeiro), com duas conquistas do time celeste e uma do Atlético.

Em 2014, aliás, a "Raposa" busca pela segunda vez em sua história uma Tríplice Coroa. Em 2003, a equipe faturou o Mineiro, o Brasileiro e a Copa do Brasil. Agora, já tem na bagagem o Estadual e o Brasileirão, mas terá que suar a camisa para vencer também o torneio mata-mata em cima do maior rival.


INGRESSO MAIS CARO DO PAÍS

O sucesso em campo acabou resultado também em ingressos caros. Isso chegou ao ápice na final da Libertadores de 2013, quando o Atlético conseguiu a maior renda da história do futebol brasileiro: R$ 14.176.146,00. Tudo isso graças aos ingressos que variaram de R$ 100 a R$ 500 no Mineirão.

Torcida atleticana encarou ingressos caros

Na decisão da Copa do Brasil, os valores seguiram altos. No jogo de ida, no Independência, os torcedores atleticanos pagaram valores entre R$ 200 e R$ 700 pelos bilhetes - o adversário abriu mão de sua cota e não teve torcedores presentes.

Já na volta, os cruzeirenses pagaram o mesmo valor pelas entradas no Mineirão. O número que mais espantou, contudo, foi o que o clube celeste queria cobrar dos visitantes: R$ 1 mil pelo ingresso.

No entanto, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais agiu e ordenou que a "Raposa" baixasse o valor para R$ 500, disponibilizando ainda uma cota de 40% de bilhetes a R$ 250 (meia-entrada). O Cruzeiro entrou com recurso, mas a Justiça não aceitou e fixou os valores propostos pelo MP.

Os altos valores, no entanto, não afastaram os torcedores de ambas as equipes. Enquanto os cruzeirenses já compraram quase 40 mil entradas, os atleticanos só têm mais 417 da carga de 1.813 ingressos cedida pelo mandante da partida.


Arte: Nicholas Araujo/Blog do Esporte


CRUZEIRO: Fábio; Willian Farias (Mayke), Léo, Bruno Rodrigo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart; Willian e Marcelo Moreno Técnico: Marcelo Oliveira

ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Leandro Donizete, Rafael Carioca, Dátolo e Luan; Diego Tardelli e Carlos Técnico: Levir Culpi

ESPN

Palmeiras traz 37 atletas em dois anos. Mas só três são titulares absolutos














A chegada de Jaílson fechou um ciclo de 37 contratações na atual gestão do Palmeiras. O problema é que apenas três deles têm sido titulares absolutos: Henrique, Marcelo Oliveira e Fernando Tobio. O remédio para a equipe foi apostar nas categorias de base e usar atletas contratados em outra gestão.

Jaílson, aliás, é símbolo do problema enfrentado pelos palmeirenses. Ele chegou no início de outubro, dias antes de Fernando Prass, titular absoluto voltar a atuar após ficar parado desde maio. Durante esse período, o Palmeiras sofreu com Bruno, Fábio e Deola com atuações abaixo do nível. Jaílson ainda não atuou e nem relacionado com frequência é.

Entre os contratados, ainda há os casos de Diogo, Lúcio, Mouche e Cristaldo que atuam com mais frequência, com o primeiro tendo sua titularidade interrompida por uma lesão muscular e, recentemente, revezando com Mazinho entre os 11 que iniciam a partida.


Tirando Diogo e Mazinho, a equipe que normalmente inicia o jogo tem Fernando Prass, Juninho e Wesley, contratados por Arnaldo Tirone, Valdivia, que retornou na gestão de Luiz Gonzaga Belluzzo, e João Pedro, Nathan e Victor Luis, provenientes das categorias de base.

Na lista das contratações, Victorino, Paulo Henrique, Thiago Martins, Bruninho, Weldinho e Rodolfo quase não atuaram. França teve problemas extracampo e Bruno César não conseguiu adquirir a forma física ideal. Felipe Menezes oscilou bastante no nível técnico, e Eguren chegou até a vestir a faixa de capitão, mas foi para o ostracismo com as seguidas lesões.

A lista da gestão de Paulo Nobre ainda tem outros nomes que tiveram resultados satisfatórios, mas deixaram o clube por diferentes motivos, como o caso de Marquinhos Gabriel e Alan Kardec.

Por fim, há outros que atuaram com certa frequência, mas não convenceram e deixaram o clube: Ananias, Vilson, William Matheus, Josimar, Tiago Alves, Ronny, Charles, Rondinelly, Léo Gago, Kléber, André Luis e Serginho.  

UOL Esporte

Jiu-jitsu e outras lutas não são bem-vindas no judô. Atletas não gostaram














O judô e o jiu-jitsu são irmãos, originados do mesmo ramo das artes marciais japonesas. O problema é que o primeiro quer ver seus atletas bem longe do segundo. Ou melhor: quer ver seus praticantes bem longe de todos os outros esportes de combate.

Desde o dia 17, a autoridade máxima do judô abriu guerra aberta a outros tipos de luta. Em uma carta enviada para atletas e dirigentes de todo o mundo, a Federação Internacional proibiu que atletas que aparecem em seus rankings disputem torneios de outras modalidades.

"Qualquer judoca classificado no ranking da FIJ não está autorizado a participar em competições internacionais de qualquer esporte de combate diferente do judô, a não ser que seja autorizado pela FIJ", dizia o texto.

A notícia não agradou aos envolvidos com o judô. Jimmy Pedro, duas vezes medalhista de bronze em Olimpíadas, campeão mundial em 1999 e treinador da campeã olímpica norte-americana Kayla Harrison, reclamou da decisão. "Eu acabei de saber do veto. A questão é que os atletas não são empregados pela FIJ. Então, a entidade não tem nenhuma autoridade sobre eles", disse o treinador.

Pelo Twitter, Ronda Rousey, medalhista olímpica em Pequim-2008, foi muito mais contundente em suas críticas – além de não ter papas na língua, a campeã do UFC deixou o judô em 2010. "É esse tipo de baboseira política que está destruindo o judô. Eu fico muito feliz por não ter de lidar mais com esses bastardos".

Também pelas redes sociais, o agora lutador de MMA Leonardo Leite, que, enquanto era membro da seleção brasileira, nunca deixou de competir em eventos de jiu-jitsu, disse que "se fosse verdade, isso seria um retrocesso para o esporte". O UOL Esporte tentou falar com alguns atletas ainda em atividade no judô, que poderiam ser afetados pelo veto. Nenhum deles retornou o contato.

Essa não é a primeira vez que o judô caminha em direção ao isolamento de lutas irmãs. Desde que o romeno Marius Vizer chegou ao poder na Federação Internacional, as regras da modalidade vem mudando, claramente para afastar a influência de outras modalidades. Em 2008, veio o veto às pegadas de perna, que eram usadas por atletas com ligação ao wrestling.

Neste ano, as novas regras pareciam ir em caminho cntrário: quando os juízes passaram a aceitar maior movimentação da luta no solo, muitos perceberam como o chão do judô tem elementos similares ao jiu-jitsu. O veto, porém, acaba com esse movimento.

A decisão também vai contra a estratégia que outras modalidades, principalmente o jiu-jitsu, usaram para ganhar popularidade. A arte aperfeiçoada pela família Gracie apostou em torneios de combate abertos para provar sua eficiência. No Brasil, foram promovidos duelos que ficaram famosos contra atletas do judô e do wrestling.

O UFC, aliás, é um fruto disso: criado em 1993 por Rorion Gracie, ele era uma competição entre diferentes estilos de luta, com o objetivo de estabelecer qual era a mais eficiente. As primeiras vitórias de Royce Gracie no torneio mostraram a força do jiu-jitsu brasileiro, que virou essencial no treinamento de atletas de MMA.

UOL Esporte

Penalty já vendeu mais de 20 mil camisas de Rogério Ceni



Em meio à polêmica entre São Paulo, Rogério Ceni e Penalty sobre o lançamento de um uniforme para o goleiro usar em seu último jogo pelo clube, surgiu um novo problema. Os torcedores não param de comprar o modelo, mesmo que ele ainda não tenha sido oficialmente apresentado.

Segundo a Máquina do Esporte apurou, a camisa de “despedida” de Ceni, que foi colocada em pré-venda e ofertada a lojistas, já teve 20 mil peças vendidas. O número não é confirmado pela Penalty, que não vai comentar o assunto após a polêmica em torno da camisa.

O sucesso das vendas é mais um ingrediente no complicado enredo que se formou depois que a Penalty convocou uma entrevista coletiva à imprensa para apresentar o uniforme.

O evento, que aconteceria na última terça-feira, foi cancelado depois de clube e jogador iniciarem uma “batalha” contra a marca por causa da divulgação do evento sem ter sido consultados. A repercussão na mídia, de que o evento seria a confirmação de que Ceni se aposenta no fim do ano, gerou revolta no São Paulo e no atleta, que ainda não está totalmente decidido sobre o final da carreira.

Como o uniforme está tendo bastante procura, São Paulo e Rogério também perdem dinheiro com um eventual cancelamento de seu lançamento. A estimativa é de que a camisa possa gerar R$ 4 milhões em vendas.

Atualmente, as três partes têm discutido o que podem fazer para superar a crise e manter o planejamento inicial. Uma alternativa estudada no momento é fazer com que a camisa seja usada apenas no último jogo de Rogério, mesmo se ele não vier a acontecer neste ano.

UOL Esporte - Máquina do Esporte

Jornais de Madri 'ignoram' Messi e até pedem a CR7 para recuperar recorde

Lionel Messi fez três gols e se tornou o maior goleador da história da Liga dos Campeões. O feito, porém, parece não ter chamado tanto a atenção dos jornais esportivos de Madri. O Marca e o As preferiram destacar Cristiano Ronaldo e o Real Madrid em suas edições desta quarta-feira (26). O recode do argentino mereceu apenas um pequeno destaque no canto da primeira página de cada um dos diários.

Na terça (25), o Barcelona goleou o APOEL Nicósia por 4 a 0 no Chipre, pela quinta rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões. Com os três gols marcados, Messi chegou aos 74 gols na competição e se isolou na liderança dos maiores goleadores da Liga. Antes, ele estava empatado com Raúl, ídolo do Real Madrid.

O As destaca o duelo entre Basel e Real Madrid, nesta quarta, às 17h45 (horário de Brasília) em sua capa. Além de ser a matéria principal da edição, o jornal estampa quase um pedido para Cristiano Ronaldo: "Precisa marcar quatro gols para recuperar um recorde madridista". Vale lembrar que o atacante português tem 70 gols na Liga dos Campeões.

O astro português também estampa o principal destaque da capa do Marca. A publicação fala que o Real Madrid "sai com toda a artilharia na Basileia pela 15ª vitória consecutiva". Sobre Messi, disse que o argentino do Barcelona "pulverizou o recorde de Raúl na Liga dos Campeões."

Já os jornais de Barcelona exaltaram Messi. O Sport chamou o argentino de 'extraterrestre': "Dois recordes e seis gols em três dias". O Mundo Deportivo destaca "De recorde em recorde, de hat trick em hat trick". E a publicação presenteará seus leitores na edição de quinta (27) com um DVD para comemorar o recorde.

UOL Esporte

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Brasil reencontra Colômbia na Copa América; veja grupos



















Peru, do corintiano Paolo Guerrero, e Venezuela completam adversários do Brasil no Grupo C do torneio


Foram sorteados na noite desta segunda-feira, em Viña Del Mar, no Chile, os grupos da Copa América de 2015. Com direito à presença da presidente do país Michelle Bachelet, que disse esperar que o troféu fique "em casa", a Seleção Brasileira, cabeça de chave do Grupo C, foi sorteada com Colômbia, Peru e Venezuela. 

A equipe de Dunga, portanto, reencontrará a Colômbia, adversária do País nas quartas de final da Copa do Mundo de 2014. No duelo, a Seleção nacional comandada por Felipão conseguiu vitória por 2 a 1 sobre o time de James Rodríguez e companhia, classificando-se para a semifinal, quando seria humilhada por 7 a 1 pela Alemanha. A partida contra os sul-americanos ficou marcada pela lesão de Neymar, após dura entrada do colombiano Zuñiga. 

Além da Colômbia, que provavelmente terá também o atacante Falcao Garcia desta vez, o Brasil terá trabalho com outros dois adversários da chave. O Peru tem como destaque o corintiano Paolo Guerrero, enquanto a Venezuela tem um futebol crescente e chegou a disputar com afinco uma vaga na Copa do Mundo de 2014. 

O sorteio da Copa América de 2015 ainda colocou dois rivais históricos no Grupo B: Argentina e Uruguai serão adversários em chave completada por Paraguai e Jamaica. Já os chilenos terão México, Equador e Bolívia na primeira fase. 

Os responsáveis por sortear os papéis foram ex-jogadores históricos do continente: o chileno Elias Figueroa, o argentino Leonardo Rodriguez, o também chileno Ivan Zamorano e o paraguaio Carlos Gamarra. O nome da bola também foi anunciado no evento: Cachaña. 

Confira as chaves: 

GRUPO A GRUPO B GRUPO C
Chile            Argentina             Brasil
México           Uruguai          Colômbia
Equador        Paraguai              Peru
Bolivia          Jamaica          Venezuela

Terra