sábado, 31 de janeiro de 2015

Clubes para ficar de olho nos estaduais 2015

A maioria dos campeonatos estaduais tem início nesse sábado (31) e domingo (01) e muitos times que não disputam (até o momento) o Brasileiro, tem a chance de mostrar seu elenco, organização e “procurar um lugar ao sol”. O Blog do Esporte destaca (em base do que o time conquistou para chegar em 2015 com força total e também pela nossa opinião) clubes para ficarmos de olho. Confira:

Socorrense















Equipe de Sergipe, o time da cidade de Socorro já tem bom histórico em seus poucos anos de existência (foi fundado em 2005), sendo vice-campeão estadual em 2014 e assim, garantiu o direito de participação na Copa do Nordeste de 2015. 


Botafogo-SP















A equipe de Ribeirão Preto tem boas campanhas no estado de São Paulo, e a equipe sub-20 foi vice-campeã da Copa São Paulo de 2015. Já revelou craques como Sócrates, Raí e o goleiro Doni e chegou a ser da elite do futebol brasileiro.


Penapolense
















O time chamou a atenção no Campeonato Paulista de 2013 e 2014, chegando a participar – bem discretamente – da série D do Brasileiro. Seu início vai ser duro, contra o São Paulo. 


Brasília
















A equipe é a atual Campeã da Copa Verde, e garantiu vaga para a fase preliminar da Sul-Americana. O campeonato local já começou e o time soma uma vitória em um jogo disputado. 


Red Bull Brasil














A equipe da empresa austríaca já passou por um desconforto em 2015, quando teve seu nome e logo alterado por uma emissora de televisão, pelo fato do clube ser time-empresa. Com bom investimento, a equipe de Campinas almeja a elite do futebol nacional em poucos anos. 


Brasil de Pelotas












A equipe gaúcha tem bons históricos na estadual, mas faz campanha mediana no Brasileiro e não chega a conseguir nenhum acesso. No entanto, a equipe espera incomodar Internacional e Grêmio, favoritos ao título do Gauchão. 

Itaquerão e Allianz Parque são os estádios que mais dão trabalho à polícia

Os dois palcos do futebol mais modernos e recentemente construídos na cidade de São Paulo são os dois que mais exigem da Polícia Militar em seu trabalho de policiamento e contenção de distúrbios em praças esportivas.

A avaliação é do capitão Marçal Ricardo Razuk, comandante do 2º Batalhão de Choque da PM de São Paulo, responsável pela segurança nos jogos e estádios de futebol no Estado. Segundo ele, as arenas da capital com os maiores dificultadores para as operações de segurança são o Allianz Parque, do Palmeiras, e o estádio do Corinthians, construído no bairro de Itaquera, na zona leste da cidade.

Os motivos que tornam as partidas em cada uma das arenas um desafio para a PM são, porém, diferentes. De acordo com o oficial, que trabalha no batalhão especializado da polícia desde sua formatura, há 16 anos, os dirigentes corintianos e outros responsáveis pela obra do estádios, reuniram-se com a PM algumas vezes durante a construção da arena.

O objetivo era ouvir a corporação quanto a questões de segurança e controle de distúrbios, a fim de planejar a obra como um todo levando em conta também essas questões.

"Já os dirigentes do Palmeiras e os executivos da W Torre (construtora que ergueu a arena alviverde) não nos participaram no processo. Daí, construíram o portão de entrada das delegações dos times na rua Turiassu, que é estreita, recebe grande concentração de torcedores palmeirenses e tem em seus quarterões uma série de bares frequentados por torcedores antes e depois dos jogos, além da sede da torcida Mancha (Alvi) Verde", explica o oficial do Choque.

Por causa disso, na partida de inauguração da nova arena, no dia 20 de novembro do ano passado, entre palmeiras e Sport do Recife, as coisas não aconteceram conforme o planejamento inicial, como conta o capitão Razuk: 

"Faltavam duas horas para o jogo e a Turiassu já estava tomada pelos torcedores. Os dirigentes do Palmeiras insistiram para que encontrássemos uma maneira de viabilizar a entrada das delegações no estádio pela entrada principal. Mas, em nome da segurança pública e da ordem social, não pudermos permitir, eles entraram por um portão secundário".

Para o capitão, a entrada das delegações no Allianz Parque deveria ter sido feita pelo lado do estádio que dá para as áreas sociais do clube. "Mas isso não foi feito, não quiseram mexer na parte social do clube, e não levaram em conta as questões de segurança. Agora, temos um estádio com suas principais entradas localizadas na rua das imediações que maiores complexidades apresenta para as operações policiais", opina o capitão do Choque.

Já no estádio corintiano, são as dimensões da arena que trazem dificuldades extras à polícia. "O Itaquerão é enorme. Em um jogo com grande público, não é possível garantir a segurança sem menos do que 120 homens do Choque. No Morumbi (estádio do São Paulo), que também é grande, 110 policiais conseguem garantir a segurança. No Pacaembu e no Allianz Parque, 80 soldados podem dar conta da situação", afirma Razuk.  

O 2º batalhão de Choque da PM de São Paulo é formado por cerca de 800 policiais. Além de garantir a segurança nas praças esportivas, o batalhão tem entre as suas atribuições o controle de distúrbios civis, o que envolve o policiamento e as ações da PM em manifestações públicas, como as que v~em se repetindo nas últimas semanas na capital paulista contra o aumento na tarifa dos transportes públicos.

UOL Esporte

Indy resolve agir por conta própria e vistoria autódromo de Goiânia para tentar salvar etapa no Brasil




















O cancelamento da primeira corrida da Indy em Brasília a 38 dias de sua realização gerou um rebuliço para a organização da categoria a ponto de fazê-la agir por conta própria – isto é, sem a Bandeirantes, promotora da prova. Um dia depois do anúncio capital, representantes da cúpula da Indy visitaram o autódromo de Goiânia para averiguar a possibilidade de manter a operação em solo brasileiro, apurou o GRANDE PRÊMIO.

A comitiva continha dois diretores do campeonato com base em Indianápolis e esteve na tarde desta sexta-feira na pista da capital de Goiás, a única no Brasil que tem condições de receber uma etapa do porte da Indy. Recém-reformada, tornou-se centro das atenções e referência do sofredor automobilismo nacional. É lá, por exemplo, que a Stock Car passou a realizar sua Corrida do Milhão. Outro ponto favorável é a distância para Brasília, pouco mais de 200 km, o que minimizaria o problema com toda a logística da operação.

Se verificar que Goiânia é viável, a IndyCar vai andar mais rápido que os carros no Speedway para chegar a um acordo com o governo do estado, da mesma que os políticos locais e outros tantos interessados no repentino acordo. Caso o paliativo não dê certo, a direção do campeonato estuda transformar a etapa de São Petersburgo, no fim de março, em uma rodada dupla, segundo o jornalista Américo Teixeira Jr., parceiro do GP.

 A ação da Indy não envolve a Bandeirantes e denota um distanciamento daquela que tem sido sua parceira. Em outras palavras, os americanos não confiam mais nos executivos da TV, que pela segunda vez não honram o acordo para fazer a corrida acontecer. No ano passado, a emissora não fez a etapa no Anhembi por problemas financeiros e chegou a ser processada pela categoria na Corte de Indiana no fim de 2013. A Band dobrou os caras lá fora se comprometendo com a prova deste ano no DF.

Quem participa ativamente nos bastidores da corrida brasileira é Vitor Meira. O ex-piloto da Indy esteve em Indianápolis no começo desta semana depois que o Ministério Público expôs os erros no contrato da corrida e o caos consequente. 

Tanto a Band quanto Meira ainda nutrem esperanças de realizar a corrida em Brasília. Mas o Governo do DF e o MP vão bater o pé até o fim nem que para isso se utilizem de todas as esferas judiciais. De lá, não sai nenhum centavo, e a investigação quer entender como os acordos da Bandeirantes com a Terracap e o ex-governador Agnelo Queiroz puderam ter sido tão mal ajambrados, com erros primitivos em assinatura e timbre, cláusulas de contrato inválidas, descrições de serviços duplicados, sobrepreço de quase R$ 35 milhões, além de uma sequência de erros no processo de licitação que mais do que triplicaram o preço das obras.

É por isso que Agnelo vai ter de se explicar à Justiça, inclusive, já que o MP, depois de investigar a fraude nos contratos, está entrando com uma ação civil pública e de improbidade administrativa. O político deixou no geral um rombo de R$ 6,5 bilhões nos cofres do GDF e pode ter seus direitos políticos cassados se não explicar detalhadamente toda a obscura operação. O governo de Agnelo chegou a pagar à Bandeirantes R$ 17,5 milhões pela prova que não vai ocorrer em Brasília.

Um detalhe que passa ao largo da situação é que a Faugo – a Federação Goiana de Automobilismo – também está sob investigação do MP por suspeita de desvio de dinheiro dos recursos do autódromo desde setembro. A entidade não tem permissão desde então para intermediar qualquer evento esportivo. A promotoria de Goiás deve expedir em breve um mandado de busca e apreensão para recolher documentos e computadores da sede da Faugo.

Procurada, a Indy disse ao GRANDE PRÊMIO que, por ora, não vai se manifestar sobre o assunto. Meira não foi encontrado.

UOL Esporte

Time que estava na várzea há quatro anos planeja jogar o Paulistão em 2016














Em seu quarto ano de profissionalismo, o Água Santa, de Diadema, tem planos para disputar a elite do futebol paulista em 2016. O clube, que até 2011 disputava a Liga de Futebol Amador de Diadema, estreia na Série A-2 do Paulistão neste domingo, contra o Santo André.

O clube de Diadema foi fundado em 1981, quando a cidade era considerada uma das mais violentas do país. No início, migrantes das regiões Norte, Nordeste e mineiros que moravam em Diadema foram foram os pioneiros. O estádio fica próximo às margens da via Anchieta, que liga a capital paulista ao litoral.

Com o estádio Distrital do Inamar em obras e interditado pela FPF (Federação Paulista de Futebol), a partida será disputada em Barueri. O nome do clube vem da proximidade do time com a represa Billings e o mascote da equipe é Netuno, Deus romano do Mar.

A FPF justificou a interdição "em razão das condições desfavoráveis do campo de jogo, visando preservar a integridade física dos atletas". Até o ano passado, o campo era coberto por grama sintética, que foi trocada por grama natural para a disputa da A-2.

Passaram pela base do Água Santa, jogadores como Denílson, que conquistou o pentacampeonato com a seleção brasileira em 2002, Lucas e David Luiz, atualmente no Paris Sain-Germain, além do zagueiro Fábio Ferreira, entre outros.

O ex-volante Capitão, que atuou por 10 anos na Portuguesa, desempenhou o papel de diretor de futebol e participou da campanha do acesso para a Série A-3 do Campeonato Paulista.

Para o técnico da equipe, que levou o time da Segunda Divisão para a Série A-3 e posteriormente para a A-2, o trabalho de longo prazo é um dos responsáveis pelo sucesso do clube. O Água Santa foi vice-campeão da Segunda Divisão e terceiro colocado na Série A-3 do ano passado.

"Começamos o trabalho bem cedo, há 60 dias. Fizemos 14 contratações, de um elenco de 27 atletas, e o nosso objetivo principal é um novo acesso", diz. 

Entre os contratados estão o  atacante Makanaki, campeão da Copa do Brasil de 2004 pelo Santo André e o zagueiro Carlos, que já defendeu o Atlético-PR.

No ano passado, o clube recebeu de forma oficial a concessão do estádio do Inamar por 25 anos, por parte da prefeitura de Diadema.

UOL Esporte

Sem dinheiro, RJ volta a suspender projeto social de legado da Rio-2016



Rafael Francklin Júnior tem 18 anos e sonha em ser jogador de futebol. Mora em Fragoso, bairro pobre de Magé, cidade da Baixada Fluminense, e tenta dar início a sua carreia num time vinculado a uma ação social mantida pelo governo do Rio de Janeiro, o projeto Esporte RJ.

Neste sábado, entretanto, completam-se 18 dias que Rafael não treina nem joga futebol. Isso porque, no último dia 14, as atividades de seu time foram suspensas.

"Entrei no Facebook e li por acaso uma mensagem dizendo tudo estava parado", contou ele, ao UOL Esporte. "Eu estou de férias da escola [Rafael ainda não concluiu o Ensino Médio]. Estou afim de treinar e jogar. Mas descobri que o projeto parou. Não tem mais treino."

Assim como Rafael, outras 300 mil pessoas –crianças, jovens e idosos-- do Estado do Rio não tem como praticar sua atividade esportiva. Todos eram beneficiados pelo projeto Esporte RJ, o qual foi criado para promover o maior legado social da Olimpíada de 2016.

Acontece que, por falta de recursos, o governo do Rio suspendeu o Esporte RJ.  Oficialmente, a SEELJE (Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude) parou o projeto para reavalia-lo e otimizá-lo. Quem trabalha na ação, contudo, sabe que a falta de dinheiro é que causou a interrupção.

"O novo secretário [Marco Antônio Cabral, filho do ex-governador Sergio Cabral] nos chamou para uma reunião. Disse que houve uma readequação orçamentária", relatou Fabio Sodré, diretor do Zico 10, uma das entidades contratadas pelo governo por causa do Esporte RJ. "A parada é ruim. Espero só que ela seja curta."

A parada, aliás, não é a primeira promovida pelo governo do Rio. Em setembro de 2013, o Esporte RJ também foi paralisado. Naquela época, porém, a iniciativa tinha outro nome: Projeto Rio 2016.

Na época, a SEELJE informou que o projeto havia sido suspenso para ser reformulado e virasse o Esporte RJ.

Foi exatamente o que aconteceu. Porém, até que o projeto fosse reiniciado, milhares de pessoas ficaram sem praticar esporte. E mais: muitos professores do projeto ficaram sem receber seus salários.

Hoje, segundo a SEELJE e Fabio Sodré, da Zico 10, não há problemas de pagamento. Sodré deu férias coletivas para todos seus funcionários. Ele, inclusive, disse que confia no secretário Cabral e na retomada do Esporte RJ. No entanto, já não com o mesmo tamanho.

"Nos avisaram duma redução de 70% no orçamento", disse Sodré. "Com certeza o projeto vai diminuir. Não tem como atender à mesma quantidade de pessoas com 30% da verba que tínhamos antes."

Rafael espera que a futura redução do projeto não o afete, nem aos seus amigos. Em Fragoso, disse ele, o futebol tem papel importante para afastar jovens do crime. Neste caso, portanto, qualquer corte ou parada pode ter consequências radicais.

"Está todo mundo aí na rua, sem fazer nada. Sabe como é?", disse ele. "É bom os treinos voltarem logo, senão já viu…"

UOL Esporte

Fla estreia no Carioca contra Macaé. Mas o futebol está em 2º plano














O Flamengo estreia no Campeonato Carioca neste sábado, às 19h30, quando enfrentará o Macaé, no Moacyrzão. A partida, no entanto, está em segundo plano por conta da briga entre clubes, Consórcio Maracanã e Ferj (Federação de Futebol do Rio de Janeiro) por conta do preço dos ingressos. O Rubro-negro emitiu uma nota oficial na última sexta-feira dizendo que disputará o Estadual, mas sob protestos.

A situação ficou ainda mais feia após uma reunião envolvendo os representantes de todos os clubes na Ferj. No encontro, os presidentes de federação e do Flamengo se desentenderão. Eduardo Bandeira de Mello teve sua mãe ofendida e deixou o local mais cedo.

Os rivais, entre eles Botafogo e Vasco, rebateram as acusações de ditadura. Foram os próprios clubes em dezembro que votaram e decidiram por preços populares no Carioca. Exatamente por isso a decisão de Flamengo, Fluminense e Consórcio Maracanã tem sido tão criticada pelos opositores. Ainda mais com a vontade de criar a Liga dos Clubes Cariocas, uma alternativa à Ferj.

Em meio à polêmica, os jogadores do Flamengo farão sua parte dentro de campo, mas também têm encontrado seus problemas. Em Macaé desde sexta-feira, o time foi surpreendido e não pôde treinar no Moacyrzão – assim como o time local – para não danificar o gramado. A solução foi se exercitar na praia de Cavaleiros, atividade longe do ideal.

O último treino do Flamengo com bola ocorreu na quinta-feira e deixou boa impressão. Em coletivo disputado, os titulares foram bem e venceram os reservas por 1 a 0. Apesar do placar magro, o time principal não sofreu sustos e controlou a atividade com certa facilidade. O gol foi marcado por Arthur Maia, um dos destaques da pré-temporada.

Mas não é só o Flamengo que chega animado para a estreia do Carioca. O Macaé mostrou evolução nos jogos-treinos. Após estrear com derrota para a seleção brasileira sub-20, o time ganhou Atlético de Itapemirim e Portuguesa-RJ, além de empatar com Boavista. Além dos resultados, o clube entra motivado pela estreia do novo uniforme, apresentado na última semana.

UOL Esporte

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Sauber apresenta carro 'brasileiro' para temporada 2015 da Fórmula 1














A Sauber divulgou nesta sexta-feira as imagens de seu carro para a temporada 2015 da Fórmula 1. O modelo C34, como esperado, é majoritariamente azul, com detalhes em amarelo – decorrência do patrocínio do Banco do Brasil, levado por Felipe Nasr para o time suíço.

O brasileiro será um dos titulares da escuderia na temporada, ao lado do sueco Marcus Ericsson. O italiano Raffaele Marciello será o piloto de testes do time, que colocará o carro na pista neste final de semana, nos testes coletivos de Jerez de la Frontera (Espanha).

A chefe de equipe da Sauber, Monisha Kaltenborn, afirmou que a principal missão do modelo C34 é deixar para trás a fraca campanha de 2014. A última temporada foi a primeira da história da escuderia sem pontos. No entanto, o time já admitiu que começa 2015 utilizando componentes do modelo C33, que serão substituídos no decorrer do ano.

"Foi um ano muito decepcionante. No entanto, isso é passado, e temos que nos concentrar no que vem pela frente. Aprendemos nossas lições e estamos confiantes com a nova temporada", disse Monisha. "Temos que melhorar e lutar por pontos", completou.

A dirigente ainda elogiou a nova dupla da equipe, que substitui Adrian Sutil (Alemanha) e Esteban Gutierrez (México). Para ela, Nasr e Ericsson levam "ar fresco" para o time. "Estou confiante com nossos pilotos", afirmou.

"Os dois são jovens, talentosos e estão muito motivados. No caminho de ambos para a Fórmula 1, ambos conquistaram vitórias na Fórmula BMW e na Fórmula 3. Ambos terminaram a progressão na GP2. Enquanto Marcus teve uma temporada na Fórmula 1, Felipe terá seu ano de estreia, para a qual ele está preparado por seu papel como piloto de testes da Williams no último ano", avaliou a chefe de equipe.

Embora o desempenho de 2014 tenha decepcionado a Sauber, os pilotos da equipe também demonstram otimismo com a escuderia. Para Felipe Nasr, a meta é conquistar pontos.

"Em minha temporada de estreia, há muito para se aprender, especialmente porque eu não pilotei ainda em alguns circuitos. Em geral, estou pronto para o desafio. Em meu papel de piloto de testes da Williams no ano passado, eu estava envolvido em todas as corridas. Além disso, tive a chance de pilotar o carro algumas vezes, então tenho alguma compreensão sobre um Fórmula 1. Agora, estou dando o próximo passo ao me tornar um piloto de corridas, e estou ansioso para trazer minha experiência de 2014 para ajudar a Sauber a voltar a conquistar pontos", afirmou.

O sueco Marcus Ericsson, que competiu pela Caterham em 2014, também comemora a chance na Sauber. "Depois de uma temporada dura, queremos ir adiante e lutar pelo meio do pelotão, como a equipe fez anteriormente. Como piloto, quero continuar a aprender e me estabelecer como piloto de Fórmula 1."

UOL Esporte

Brecha no contrato permitiu cancelamento da Indy sem pagar multa














O cancelamento da etapa da Fórmula Indy em Brasília, anunciado na quinta-feira, 29, ocorreu depois que o Governo do Distrito Federal (GDF) descobriu uma brecha no acordo para sediar o evento, que seria realizado em 8 de março. A administração da capital não tem obrigação contratual de arcar com a multa pela quebra do acordo com a promotora da corrida, o Grupo Bandeirantes.

"Antes, pensava-se que o governo teria de arcar, por quebra de contrato, com multa no valor de R$ 70 milhões, mas o montante só vale em caso de rompimento entre a Fórmula Indy e a emissora de televisão", informou a assessoria do Palácio do Buriti, sede do governo local, ao UOL Esporte.

O GDF segue uma recomendação do próprio MPDFT. Há uma semana, o Ministério Público expediu uma recomendação para que os presidentes da Terracap e Novacap, empresas do governo local responsáveis pelas obras no Autódromo Internacional Nelson Piquet, para não "licitar, realizar, autorizar, empenhar, liquidar, reconhecer ou pagar quaisquer despesas" relacionadas com a reforma do autódromo.

"Atendendo à orientação dos promotores, o presidente da Terracap optou por anular todos os contratos firmados. No documento, o MPDFT também esclarece não haver penalidade prevista na decisão da Terracap de romper o contrato unilateralmente", informou o Buriti, em nota.

Metade dos ingressos já havia sido comercializado. A Band informou que divulgará em breve como se dará a restituição dos ingressos. A expectativa era de que 70 mil pessoas passassem pelo autódromo nos três dias de evento.

A ida da Fórmula Indy para Brasília foi fechada durante a gestão do governador Agnelo Queiroz (PT), encerrada em 31 de dezembro. Em janeiro, já com Rodrigo Rollemberg no cargo (PSB), o executivo brasiliense decidiu cancelar a licitação, lançada em 2014, para as obras no Autódromo Internacional Nelson Piquet por indícios de sobrepreço de R$ 35 milhões. O valor das reformas estava em R$ 251 milhões.

Uma nova licitação foi lançada já em janeiro, ao custo de R$ 42 milhões. Os boxes e boa parte do asfalto do traçado do circuito já estão demolidos. Mas a situação financeira do Distrito Federal forçou o cancelamento da etapa.

Agnelo Queiroz (PT) deixou uma dívida superior a R$ 3 bilhões no orçamento do DF ao governador Rodrigo Rollemberg (PSB), segundo informações da Casa Civil do novo gestor.Por este motivo, o ano letivo das escolas públicas teve seu início adiado, diversos servidores terceirizados e de carreira reclamam do não pagamento do 13º salário e férias, faltam itens básicos de primeira necessidade nos hospitais, o desfile das escolas de samba do carnaval de Brasília foi cancelado, e o GDF decretou estado de emergência na gestão da saúde pública.

UOL Esporte

Inter de Milão não libera jogadores e promete nova proposta por Rhodolfo














Laxalt e Botta não serão liberados pela Inter de Milão. O primeiro trocará o Empoli pelo Genoa, o segundo seguirá no Chievo Verona. E sem envolvê-los na negociação por Rhodolfo, o clube italiano promete nesta sexta-feira (30) uma nova investida financeira para contar com o zagueiro de 28 anos. Os valores cresceram, mas os moldes seguem os mesmos. E assim a oferta deve ser rejeitada pelo Grêmio. 

O empresário de Laxalt, Vicenzo D'Ippolito chegou a cogitar a negociação com o Grêmio. A Inter pediu o retorno dele do empréstimo ao Empoli. Mas o destino do jogador não deve ser o clube gaúcho. Os italianos consideraram caro envolvê-lo na troca por Rhodolfo. Por isso, o destino do uruguaio de 21 anos deve ser o Genoa. 

Enquanto isso, o Chievo Verona rejeitou solicitação feita pela Inter de liberação de Ruben Botta, de 24 anos. Ou seja, o jogador segue preso à equipe cujo contrato vence apenas no fim de junho. 

Sem ceder qualquer atleta ao Grêmio, a promessa da Inter é oferecer 400 mil euros por empréstimo de Rhodolfo até junho deste ano. Com cláusula de compra de 4,5 milhões de euros ao fim deste período. Com a redução no período de contrato, a os italianos acreditam que é possível persuadir o Grêmio a aceitar. 

No entanto, o clube gaúcho já deixou claro que não pretende ceder o defensor por empréstimo. A tendência é que a nova investida tenha a mesma resposta da primeira: não. 

Rhodolfo já foi alvo da Juventus, da Roma, do Galatassaray, mas jamais defendeu um clube fora do Brasil. No Grêmio desde 2013, disputou 73 partidas e marcou dois gols. É titular absoluto do time comandado por Luiz Felipe Scolari e tem contrato até o fim de 2017. 

Entretanto, uma saída não chegaria a trazer problemas ao Grêmio. A chegada de Erazo e a recuperação de Pedro Geromel prevista para março deixariam o clube em condições de 'segurar' até o fim do empréstimo. Gabriel Silva, Marcelo Oliveira e Rafael Thyere também são opções para o centro da defesa. 

Laxalt e Botta agradam a direção gremista, mas não serão liberados. Portanto, ao que tudo indica a maior chance é de Rhodolfo permanecer no Brasil. A Inter, percebendo tal dificuldade, já traça um plano alternativo e cogita investir no croata Domagoj Vida, do Dínamo de Kiev. 

UOL Esporte

Última esperança brasileira, Soares cai na semi das duplas mistas

Acabou o sonho brasileiro de buscar um título no Aberto da Austrália. Último representante do país a resistir em Melbourne, Bruno Soares acabou eliminado na semifinal da chave de duplas mistas ao lado da indiana Sania Mirza, derrotados pela francesa Kristina Mladenovic e pelo canadense Daniel Nestor, atuais campeões do torneio, por 2 sets a 1, com parciais de 3-6, 6-2 e 10-8.

A queda de Soares ocorre um dia após as duas eliminações de Marcelo Melo, derrotado na última quinta-feira na semifinal masculina de duplas ao lado de Ivan Dodig e nas duplas mistas com a eslovena Katarina Srebotnik. Os dois eram apontados como as grandes esperanças do Brasil no torneio australiano.

Soares e Mirza começaram bem a disputa por uma vaga na decisão. Mesmo cometendo cinco duplas faltas e tendo cedido uma quebra, superaram o saque dos adversários em duas oportunidades e fecharam o primeiro set por 6-3.

Os erros, porém, custaram caro na parcial seguinte. Com mais duas duplas faltas e oito erros não forçados, viram Mladenovic e Nestor conquistarem três quebras no segundo set. De nada adiantou superar o serviço adversário uma vez: 6-2 para os rivais, que levaram a partida para o desempate.

O terceiro set foi extremamente equilibrado. Soares e Mirza melhoraram seu desempenho no saque, mas Mladenovic e Nestor foram mais eficientes nos momentos decisivos e saíram com a vitória.

UOL Esporte

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Serena despacha adolescente, vai à sua sexta final e enfrenta Sharapova

A decisão feminina do Aberto da Austrália terá o esperado confronto entre as duas melhores tenistas do circuito no momento. Número 1 do mundo, Serena Williams não deu chance para a 'zebra' adolescente Madison Keys ao vencer por 2 sets a 0, com parciais de 7-6 (7-5) e 6-2, e fará a final contra a russa Maria Sharapova, segunda colocada no ranking.

Esta é a sexta vez que Serena chega à decisão do Aberto da Austrália. Nas cinco vezes anteriores saiu com o troféu. O retrospecto contra Sharapova também anima a norte-americana, que ganhou 16 dos 18 confrontos contra a russa. A número 1 do mundo venceu os últimos 15 confrontos, tendo sido derrotada pela adversária pela última vez em 2004.

Com 19 anos, Madison Keys esperava surpreender a número 1 do mundo e chegar a sua primeira final de Grand Slam. E no primeiro set pareceu que a 'zebra' poderia aparecer. Logo no game inicial a adolescente superou o saque de Serena e chegou a abrir 3-1. Serena, porém, devolveu a quebra no sexto game e o equilíbrio levou a partida para o tie-break.

No desempate prevaleceu a experiência de Serena. A número 1 do mundo conseguiu o mini-break logo no começo e administrou sua vantagem para fazer 7-5.

A partir daí Serena se impôs e não deu mais chances a Keys. Quebrou o serviço da adversária no primeiro e no quinto game, abriu larga vantagem e confirmou sua classificação para mais uma decisão ao fazer 6-2.

Sharapova avança sem sustos

Maria Sharapova também não teve grandes dificuldades para chegar a mais uma decisão. No duelo entre russas, bateu a compatriota Ekaterina Makarova por 2 sets a 0, com parciais de 6-3 e 6-2.

Além do tabu contra Serena, Sharapova espera quebrar seu jejum na Austrália. A russa fará sua quarta final em Melbourne, mas conquistou o título apenas em 2008.

UOL Esporte

Olimpíada do Rio nem começou e já tem seu 1º 'elefante branco














Faltam 554 dias para o início da Olimpíada do Rio de Janeiro, mas o evento já tem seu primeiro "elefante branco". O tal "elefante" é, na verdade, um pavilhão construído por causa dos Jogos num terreno público exatamente ao lado da Prefeitura e do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio-2016. Oficialmente pronto, o espaço não tem qualquer serventia hoje. Tampouco alguém sabe para que ele servirá durante a Olimpíada.

O pavilhão, batizado de Pavilhão Cidade Olímpica, foi construído por iniciativa da ACRJ (Associação Comercial do Rio de Janeiro), com recursos captados com um dos patrocinadores da Olimpíada de 2016, a Bradesco Seguros. Recebeu também o apoio administração municipal, que cedeu gratuitamente um terreno para a construção.

O espaço foi idealizado para servir como um centro de divulgação de projetos olímpicos do Rio. Hoje, entretanto, não passa de um prédio fechado cercado de tapumes.

Se estivesse funcionando, o pavilhão deveria abrigar pelo menos quatro exposições a relacionadas à Olimpíada do Rio de Janeiro (veja o vídeo do projeto original). Serviria também como o local de exposição da chamada Bandeira Olímpica, flâmula que viaja por cidades-sede dos Jogos Olímpicos e que está no Rio desde 2012.

Foi justamente em 2012 que começou a construção do tal pavilhão. Inicialmente, foi divulgado que ele seria aberto ao público em 2013. Por causa de problemas na execução da obra, a inauguração foi adiada para 2014.

O ano de 2014 acabou e o pavilhão não abriu. Segundo a prefeitura, a inauguração do espaço foi novamente adiada, agora para o fim do primeiro semestre de 2015. Quando ele abrir, entretanto, em nada ele terá o que ver com a Olimpíada.

A prefeitura informou que o espaço abrigará a exposição "Rio 450 Inimaginável - Civilização e Paisagem", que integrará a programação especial de eventos para celebração o aniversário de 450 anos da capital fluminense. Essa exposição ocupará o pavilhão até fevereiro de 2016.

Aí então, faltando cinco meses para o início dos Jogos, o espaço deve ser utilizado no evento. A prefeitura não informou, porém, qual será a função do pavilhão. Declarou que isso será divulgado "em breve".

A ACRJ foi procurada na segunda-feira para comentar a situação do Pavilhão Cidade Olímpica e sua utilização. Não respondeu.

Confira comunicado da prefeitura sobre o Pavilhão Cidade Olímpica:

A obra do Pavilhão Olímpico já está concluída. O espaço foi incluído em nossas comemorações dos 450 Anos da Cidade e receberá a exposição Rio 450 Inimaginável - Civilização e Paisagem. O projeto museográfico é fruto de uma parceria do Comitê Rio 450 (Prefeitura do Rio) com Firjan, Associação Comercial e apoio da Estácio de Sá. A exposição deve ser aberta até o início do segundo semestre e ficará em cartaz até o final do calendário comemorativo, em fevereiro de 2016. A partir dessa data, ele será utilizado para os Jogos Olímpicos. O formato de sua utilização será anunciado em breve.

UOL Esporte

Sem LeBron, Cavs vencem 8ª seguida com 55 pontos de Irving














O armador Kyrie Irving anotou nesta quarta-feira 55 pontos, a melhor marca de sua carreira, e quebrou o recorde de pontuação individual na Quicken Loans Arena de Cleveland, levando os Cavs à oitava vitória seguida, pelo placar de 99 a 94, sobre o Portland Trail Blazers.

Irving esteve em quadra por 39 minutos, acertou 17 de 36 arremessos de quadra, entre eles 11 bolas de três, e esteve perfeito nos lances livres, com dez acertos em dez tentativas.

O jovem armador bateu o recorde de pontuação individual no campo de jogo dos Cavaliers, que era de Allen Iverson, e alcançou a melhor pontuação da liga na atual temporada, superando os 52 pontos de Klay Thompsom, do Golden State Warriors, e de Mo Williams, do Minnesota Timberwolves .

Com a ausência do astro da equipe, LeBron James, que sentiu o punho direito na partida da última terça-feira, coube a Irving conduzir os Cavaliers à oitava vitória consecutiva, que mantém a equipe na quinta colocação do Leste, com a marca de 27-20.

O pivô russo Timofey Mozgov também se destacou com um double-double de 12 pontos e dez rebotes, enquanto o ala-armador J.R. Smith chegou aos 11 pontos. Kevin Love também anotou dois dígitos em dois fundamentos, com dez pontos e 12 rebotes.

Já os Blazers somam seis derrotas nas últimas dez partidas e ocupam a terceira posição do Oeste, com a marca de 32-14. LaMarcus Aldridge foi o destaque da equipe com um double-double de 38 pontos e 11 rebotes, enquanto o armador Damian Lillard anotou 14 pontos, e o ala-armador Wesley Matthews chegou aos 11 pontos.

O Cleveland terá novo compromisso na sexta-feira, mais uma vez na Quicken Loans Arena, contra o Sacramento Kings, enquanto os Blazers vão até Atlanta encarar os imbatíveis Hawks, que somaram hoje sua 17ª vitória consecutiva.

Em outra partida da rodada, os atuais campeões do San Antonio Spurs receberam hoje o Charlotte Hornets e venceram, por 95 a 86, com destaque para Tony Parker, cestinha da equipe com 17 pontos, seguido por Danny Green, com 16 pontos, e Tim Duncan, com um double-double de 12 pontos e 14 rebotes. O brasileiro Tiago Splitter não participou do jogo.

Outro brasileiro que ficou de fora de sua equipe foi Nenê, que não esteve em quadra na derrota do Washington Wizards, fora de casa, para o Phoenix Suns, por 106 a 98. Nenê foi poupado por conta de uma lesão no pé direito. Goran Dragic, com 20 pontos, foi o nome da partida, ajudando os Suns a conquistar a 27ª vitória da temporada.

O San Antonio Spurs ocupa a sexta posição do Oeste, com a marca de 30 vitórias e 17 derrotas, e enfrenta o Los Angeles Clippers, em casa, no próximo sábado, enquanto o Washington Wizards caiu para a terceira posição do Leste, com a marca de 31-46, e recebe o Toronto Raptors, também no sábado.

Confira os resultados desta quarta-feira na NBA:.

Cleveland Cavaliers 99 x 94 Portland Trail Blazers
Philadelphia 76ers 89 x 69 Detroit Pistons
Toronto Raptors 119 x 102 Sacramento Kings
Atlanta Hawks 113 x 102 Brooklyn Nets
New Orleans Pelicans 85 x 93 Denver Nuggets
Houston Rockets 99 x 94 Dallas Mavericks
Minnesotta Timberwolves 110 x 98 Boston Celtics
New York Knicks 100 x 92 Oklahoma City Thunder
SAN ANTONIO SPURS 95 x 86 Charlotte Hornets
Utah Jazz 89 x 94 Los Angeles Clippers
Phoenix Suns 106 x 98 Washington Wizards

UOL Esporte

Espanhol faz gol milagroso e coloca time na semi do Mundial de handebol

Atual campeã mundial de handebol, a Espanha conseguiu uma classificação milagrosa à semifinal da edição deste ano, disputada no Qatar. A partida contra a Dinamarca estava empatada em 24 a 24 e se encaminhava para a prorrogação, quando Joan Cañellas conseguiu superar a marcação rival e arremessar a bola para o gol no estouro do cronômetro.

O arremesso não deu chances ao goleiro Jannick Green, que ainda tentou fazer uma reposição rápida, mas já não restava mais tempo e o placar apontava triunfo espanhol por 25 a 24.

A vitória desta quarta-feira foi a sétima da Espanha em sete partidas disputadas neste Mundial. Na semifinal, que será realizada na sexta-feira, os ibéricos enfrentarão a França. A outra semi terá o embate entre Qatar e Polônia.

Em 2013, Espanha e Dinamarca haviam decidido o título Mundial e os espanhóis haviam vencido por 35 a 19.

Confira todos resultados das quartas de final:
Croácia 21 x 23 Polônia
Qatar 26 x 24 Alemanha
Eslovênia 23 x 32 França
Dinamarca 24 x 25 Espanha

UOL Esporte

Renault pode comprar Force India para voltar a ter equipe própria na F1














Não é de hoje que a Force India encara problemas financeiros que ameaçam sua permanência na Fórmula 1. Desta vez, porém, a crise pode selar o adeus da escuderia ao grid.

De acordo com o blog F1 Insider, do jornalista alemão Ralf Bach, a Force India corre riscos até mesmo de se ausentar das duas primeiras corridas da temporada 2015, na Austrália e na Malásia. O risco é pequeno, no entanto, uma vez que o time conta com o aporte de patrocinadores trazidos pelo mexicano Sergio Perez.

Bach, porém, garante que a equipe está "à venda". E especula até que a Renault seria a principal interessada, de olho em um possível retorno à categoria como equipe independente.

"A Renault tem interesse (na compra da Force India), uma vez que quer romper os laços com a Red Bull e voltar a ter uma presença grande na Fórmula 1", assegura.

A Renault deixou a F1 como equipe no fim de 2011, quando sua então equipe passou a se chamar Lotus. Já a Force India está na categoria desde 2008, quando assumiu a vaga da equipe holandesa Spyker.

UOL Esporte

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Liverpool x Everton: o dérbi poderoso da Inglaterra





Mesmo com as potências como Arsenal, Chelsea e os "Manchesters", o que chama a atenção no futebol inglês é o clássico da cidade dos Beatles: Liverpool e Everton. Vamos saber um pouco mais desse clássico.

O clássico leva o nome de Merseyside Derby (ou Dérbi de Merseyside) pelo fato da cidade de Liverpool ser banhada pelo Rio Mersey (a região do rio é conhecida por Merseyside). O primeiro confronto das duas equipes foi vencido pelo Everton por 3 a 1, no Estádio Goodison Park.

As duas equipes são as que mais pontuaram em toda a história do Campeonato Inglês. Ao final da temporada de 2013/2014, o Liverpool era o primeiro colocado com 4.640 pontos e o Everton era o segundo com 4619. Em números de títulos, o Liverpool é o segundo maior ganhador, com 18 conquistas e o Everton é o quarto, com 9 títulos. Na Copa da Inglaterra, que é disputado desde 1872, o Liverpool tem 7 títulos e 6 vices e o Everton tem 5 conquistas e 7 vices.

Indiretamente, o Liverpool foi responsável pelo Everton não tem brilhado na Liga do Campeões. Na década de 1980, os Toffees tinham a melhor equipe de sua história, tendo sido campeão inglês em 1985 e 1987, campeão da Copa da Inglaterra em 1984 e da Recopa Europeia em 1985. No entanto, devido aos incidentes provocados pela torcida do Liverpool na final da Liga em 1985, que matou 96 torcedores no Estádio de Heysel, em Bruxelas, as equipes inglesas foram suspensas das competições europeias por 5 anos.

Mesmo com o possível "boicote", a torcida do Everton foi solidária as vítimas. Enquanto o jornal The Sun difundia que a culpa era totalmente dos torcedores do Liverpool, os Toffees realizavam diversas homenagens aos mortos. A mais evidente foi em 2012, quando o Relatório Taylor foi revisto e retirou a responsabilidade dos torcedores pelo incidente. Duas crianças entraram em campo com as camisas 9 e 6, enquanto as arquibancadas cantavam a música “He ain’t heavy, he’s my brother” – “Ele não é bruto, ele é meu irmão”, em tradução livre.

Em maio de 2013, durante o clássico, veio a resposta do Liverpool: a torcida formou um belíssimo mosaico nas arquibancadas. Abaixo do escudo dos dois clubes (que representação a Chama da Eternidade e a Torre do Príncipe Rupert), a palavra "obrigado" Veja o vídeo abaixo: 




Curiosidade: O Everton, entre os anos de 1882 e 1892, mandava os seus jogos no Estádio Anfield que, curiosamente, viria a ser do Liverpool em 1892, ano de sua fundação. O motivo da troca foi um desacordo com aluguel do estádio, outro motivo para a fundação de outro time para a cidade, surgindo os Reds. Logo, surgiu o Estádio Goodison Park.

Foto: Nigel Wilson


Estatísticas

Número de jogos: 223
Vitórias do Liverpool: 89
Vitórias do Everton: 66
Empates: 68
Gols do Liverpool: 313
Gols do Everton: 256


Maiores públicos por década

PeríodoEvertonLiverpool
2010–39,59344,677
2000–0940,02044,360
1990–9939,10741,823
1980–8949,52945,240
1970–7955,50254,168
1962–6964,60653,805
1946–5163,52950,697
1931–3949,44445,423
1919–3051,59050,694
1905–1541,60037,600
1894–190439,88828,444

 


Maiores públicos

#DataEstádioPlacarPúblico
18 de setembro de 1948Goodison Park1–178,599
22 de september de 1962Goodison Park2–273,000
16 de setembro de 1950Goodison Park3–1 Liverpool71,150
27 de agosto de 1949Goodison Park0–070,812
27 de setembro de 1947Goodison Park3–0 Liverpool66,776
8 de fevereiro de 1964Goodison Park3–1 Everton66,515
15 de outubro de 1927Goodison Park1–165,729
12 de abril de 1965Goodison Park2-1 Everton65,402
1 de outubro de 1938Goodison Park2–1 Everton64,977
10º3 de fevereiro de 1968Goodison Park1–0 Everton64,482