terça-feira, 31 de março de 2015

Mesmo andando no fundo do pelotão, dupla da McLaren está animada. Entenda

(Foto: Clive Mason/Getty Images)




















Eles continuam se classificando lá atrás, o carro segue sendo frágil e tem dificuldade em andar no mesmo ritmo das equipes médias, sendo melhor somente que a Manor, equipe que corre com carro adaptado e motor de 2014, mas Fernando Alonso e Jenson Button estão esbanjando otimismo com a McLaren.

"Nós estamos progredindo bastante. Se conseguirmos melhorar 1,5 s a cada duas semanas, em pouco tempo estaremos na pole position", disse o espanhol após ficar em 18º na classificação.

Estaria o bicampeão ficando louco?

Exageros à parte, a verdade é que a McLaren demonstrou uma grande evolução no GP da Malásia. Ainda andando sem toda a potência do ainda frágil motor Honda, o carro demonstrou ser forte do ponto de vista aerodinâmico, deixando claro que, quando andar tudo o que pode, vai permitir que Alonso e Button disputem mais à frente.

Evolução em números
No GP da Austrália, a melhor McLaren, que caiu ainda na primeira parte do treino, foi 4s9 mais lenta que o pole position Lewis Hamilton. Duas semanas depois, na Malásia, a desvantagem caiu para 2s3 – avaliando apenas os tempos do Q1, uma vez que choveu em Sepang.

Na corrida, antes de abandonar o GP da Malásia na 42ª volta de um total de 56, Button estava a mais de 98s do líder Vettel. Porém, andava em um bolo que tinha Red Bull, Force India e Lotus, inclusive à frente de Perez e Maldonado, demonstrando que o ritmo de corrida do MP4-30 também melhorou em relação à primeira etapa, quando recebeu a bandeirada 38s atrás do rival mais próximo e a duas voltas do líder.

Tanto, que o chefe da Honda na F-1, Yasuhisa Arai, disse que o "duro uso da unidade de potência em condições competitivas" causou ambas as quebras, e não o calor, grande preocupação da equipe devido à traseira compacta de seu carro. Fernando Alonso teve um problema no ERS e Jenson Button, no turbo.

Mesmo com os abandonos, os dois se mostraram animados – e até surpresos – após a prova. "Conseguir ver uma Red Bull depois de tanto tempo de corrida foi uma surpresa", admitiu Button. Eles obviamente estavam sendo seguros por outros carros, mas conseguimos entrar um pouco mais na corrida hoje,  o que foi um bom passo adiante. Estávamos disputando de verdade com os demais. E assim pudemos ver nossos pontos fortes e fracos."

Alonso também celebrou estar no meio do pelotão. "Eu tinha uma Red Bull e uma Toro Rosso na minha frente e estava diminuindo a diferença, então foi uma surpresa conseguir competir com os outros carros."

UOL Esporte

Seleção de basquete conhece tabela do Pré-Olímpico. Uruguai será 1º rival

No último encontro, na Copa América de 2013, Uruguai venceu o Brasil (Foto: Samuel Vélez / Fibamericas) 














A seleção masculina de basquete enfrentará o Uruguai em sua estreia no Pré-Olímpico de Monterrey (MEX), que será realizado entre os dias 25 de agosto e 6 de setembro. O horário do jogo ainda não foi definido pela Fiba Américas.

No último confronto com os uruguaios, na Copa América de Caracas (VEN), em 2013, a equipe nacional acabou derrotada por 79 a 73.

Depois do Uruguai, o Brasil ainda terá pela frente na primeira fase no Grupo A a República Dominicana, o México e o Canadá. Os quatro melhores times das chave avançam para a segunda fase, quando enfrentarão as equipes vindas do Grupo B (Argentina, Canadá, Cuba, Porto Rico e Venezuela). Os quatro primeiros avançam para as semifinais, com os seguintes cruzamentos: 1º x 4º e 2º x 3º.

Os dois finalistas terão vaga garantida nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Os outros dois semifinalistas garantem vaga no Pré-Olímpico Mundial, em 2016.

Apesar de ser o país sede dos Jogos Olímpicos, o Brasil ainda não tem vaga garantida de forma automática. Uma decisão sobre isso será anunciada no dia 30 de junho. Uma dívida da CBB (Confederação Brasileira de Basquete) com a Federação Internacional (Fiba) pode atrapalhar a tentativa.

Confira a tabela completa da primeira fase:

1ª Rodada – Dia 25 de agosto
Brasil x Uruguai, República Dominicana x México, Cuba x Venezuela e Argentina x Porto Rico: Folgam: Panamá e Canadá.

2ª Rodada – Dia 26 de agosto
Panamá x Uruguai, Brasil x República Dominicana, Canadá x Argentina e Porto Rico x Cuba. Folgam: México e Venezuela.

3ª Rodada – Dia 27 de agosto
México x Brasil, República Dominicana x Panamá, Venezuela x Porto Rico e Cuba x Canadá. Folgam: Uruguai e Argentina.

4ª Rodada – Dia 28 de agosto
Uruguai x República Dominicana, Panamá x México, Argentina x Cuba e Canadá x Venezuela. Folgam: Brasil e Porto Rico.

5ª Rodada – Dia 29 de agosto
México x Uruguai, Brasil x Panamá, Porto Rico x Canadá e Venezuela x Argentina. Folgam: República Dominicana e Cuba.

UOL Esporte

‘Precisamos alimentar o elefante’, diz secretário sobre Mané Garrincha

Estádio mais caro da Copa-2014, o Mané Garrincha vive a dura realidade de não ter nenhum jogo realizado em 2015, e ter cancelada a única partida marcada entre Cruzeiro e Corinthians. Com déficit na sua operação, o governo do Distrito Federal aposta em eventos pontuais como a Olimpíada-2016, utilizações alternativas e uma concessão da arena à iniciativa privada.

São esses os planos traçados pelo secretário de turismo do DF, Jaime Recena, um crítico da construção do estádio em Brasília com 60 mil de capacidade. Para ele, deveria ter sido levantada uma arena de no máximo 35 mil, ou 40 mil pessoas.

“Não posso ser hipócrita de mudar o que disse antes de chegar ao governo. Antes, defendia que Brasília deveria ter um estádio de no máximo 35 mil ou 40 mil lugares'', contou Recena. “Mas o elefante está ai na sala. Agora, a gente tem que alimentar.''

Essa é a justificativa para a cidade ter confirmado sua presença na Olimpíada-2016 apesar de ser mais um custo para um Estado sem dinheiro, e com um rombo estimado de R$ 4 bilhões. Ele entende que os benefícios serão maiores do que a Copa porque as seleções ficarão na capital do país, e não em outras cidades como no Mundial.

“Pelo que nos foi apresentado, não tem nenhum gasto fora do espectro. Se tiver uma surpresa, podemos rever. Mas não pensamos nisso agora. Abrimos mão de realizar o live site que tinha um custo de R$ 7 milhões'', contou Recena. Segundo ele, o Mané Garrincha já está quase pronto, sendo necessárias poucas obras.

Mas, no dia a dia, o truque foi utilizar o espaço para secretarias, o que vai gerar economia de R$ 10 milhões. O custo estimado de operação é de R$ 600 mil, superior às receitas obtidas no ano passado. A longo prazo, foi montado um grupo no governo para buscar soluções para o estádio.

“Estamos discutindo o modelo. Poderia ser feita uma cessão juntamente com o autódromo e poderia ser feito um complexo esportivo para aumentar o interesse. É uma área nobre de Brasília'', finalizou Recena. O governo de Agnelo Queiroz, que torrou R$ 1,5 bilhão no Mané Garrincha, dizia que teria certeza de que cederia o estádio à iniciativa privada com facilidade. Nunca aconteceu.

UOL Esporte

Ex-xodó foi barrado por Neymar e está de saída do Barcelona

(Foto: Ander Gillenea/AFP Photo)














Pedro Rodríguez está de saída do Barcelona. O jovem atacante revelado na base do clube está sem espaço no ataque desde a chegada de Neymar, situação que piorou com a contratação de Suárez para ser titular absoluto. Por isso, o Barcelona aceita se desfazer do seu camisa 7 para quem pagar 20 milhões de euros (por volta de R$ 70 milhões).

Segundo o jornal catalão, Sport, porém, o clube não deve pressionar pela saída do jogador de 27 anos, que tem contrato até junho de 2016 com o clube e, assim como acontece com Xavi, não deve ser renovado.

Nesta temporada, ele participou de apenas 18 jogos como titular e marcou dez gols até agora. Assim, mesmo pouco aproveitado no clube, ele segue sendo convocado pelo técnico Vicente Del Bosque para a seleção da Espanha (ele participou das últimas duas Copas do Mundo pela Fúria).

Até o momento, a imprensa europeia coloca o futebol inglês como provável destino de Pedro: o Arsenal surge como o principal interessado no jogador, enquanto Chelsea e Manchester United apenas monitoram a situação do atacante.

UOL Esporte

De volta ao Palmeiras, Valdivia tem semana decisiva para estrear em 2015

(Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)














A seleção chilena respeitou os pedidos do Palmeiras e deixou Valdivia de fora dos amistosos contra Irã e Brasil. O meia, que foi convocado sem ter estreado ainda em 2015, retorna ao alviverde nesta terça-feira, e terá uma semana decisiva para entrar em campo pela primeira vez na temporada.

O UOL Esporte apurou que tudo correu bem no tratamento da lesão na coxa esquerda durante a estadia com a seleção de eu país. O quadro do meia evoluiu bem e, embora não tenha jogado, Valdivia se comportou bem nos treinamentos.

Apesar da boa evolução, entretanto, a volta aos gramados ainda não está definida, e vai depender de uma avaliação de seu desempenho nos treinamentos.  Na seleção, o meia chegou a treinar normalmente em dois turnos em alguns dias; em outros, ficou de fora das atividades, trabalhando com o fisioterapeuta cubano José Amador.

A lesão de Valdivia aconteceu no final de 2014 – o meia chegou a jogar no sacrifício na reta final do Brasileirão. O esforço teve consequências neste ano, deixando o chileno de fora durante os três primeiros meses da temporada.

Durante a ausência do camisa 10, o Palmeiras encontrou em Robinho um pilar importante neste começo de temporada. O meia, vindo do Coritiba, vem conquistando a torcida com boas atuações, e marcou um golaço quase do meio de campo no clássico com o São Paulo na última quarta-feira.

As três opções ofensivas no meio, aliás, podem criar dificuldades para o retorno de Valdivia. Principal contratação da temporada, Dudu é o titular na esquerda – também teve boa atuação contra o São Paulo, e vem formando uma boa dupla com Zé Roberto naquela faixa do campo. Na direita, Rafael Marques, que conta com a confiança de Oswaldo de Oliveira e marcou dois gols no clássico.

A derrota para o Red Bull no final de semana torna o momento decisivo para que o chileno busque um espaço entre os titulares do alviverde. Em Campinas, o time não teve boa atuação: Robinho foi substituído, e Zé Roberto sofreu um edema na coxa – todos fatores que podem levar Oswaldo a alterar a formação.

O Palmeiras tem a semana inteira para trabalhar, e só volta a campo no sábado, quando recebe o Mogi Mirim, no Allianz Parque.

UOL Esporte

segunda-feira, 30 de março de 2015

Rafael Nadal é eliminado por Verdasco e segue 'sina' do Masters de Miami

Rafael Nadal, nº 3 do mundo, perdeu para o compatriota Fernando Verdasco, nº 34 do ranking, e foi eliminado nesse domingo do Masters de Miami.

Maior vencedor de Masters 1000 da história do tênis, com 27 títulos, o espanhol nunca conseguiu ser campeão na edição de Miami.

Nesse domingo, apenas na terceira rodada do torneio, Nadal não conseguiu fazer seu melhor jogo e saiu de quadra derrotado por 2 sets a 1: parciais de 6/4, 2/6 e 6/3.

Contra Verdasco, Nadal voltou a mostrar que não é o mesmo desde que voltou do período de seis meses afastado por lesão. Teve muitos erros não forçados e não conseguiu encaixar os spins que caracterizam seu jogo. Além disso, a cada erro, parecia irritado consigo mesmo.

Assim, bastou a Verdasco jogar de forma consistente e agressiva para bater o ex-melhor do mundo. Agora, nas oitavas de final do Masters de Miami, ele pega o vencedor do jogo entre Juan Monaco e Guillermo Garcia-Lopez.

UOL Esporte

Judoca brasileiro fica com prata na Turquia, mas retoma ponta do ranking

(Foto: Divulgação/IJF)














Rafael Silva, o Baby, não conseguiu ganhar a medalha de ouro no Grand Prix de Samsun (TUR), mas a prata lhe valeu a retomada da liderança do ranking mundial dos pesos pesados (+100kg), superando o francês Teddy Rinner.

Na final, ele acabou derrotado pelo tunisiano Faicel Jaballah em uma luta bastante acirrada. Entretanto, o brasileiro acabou levando três punições, contra duas do adversário, o que decretou o seu revés.

Até chegar a decisão, Baby passou por Matjaz Ceraj (SLO) nas punições (2-1). Com um ippon, o brasileiro despachou o russo Andrey Volkov e seguiu às quartas-de-final, fase na qual bateu Iurii Krakovetskii, do Quirguistão, para chegar à semifinal. A vaga na decisão chegou graças à um ippon sobre Iakiv Khammo (UKR) com apenas 1min45s de luta.

A medalha de prata de Rafael Silva foi a segunda deste metal do Brasil na competição, o que deixou o país na 11ª colocação do quadro de medalhas. A outra prata havia sido ganha por Nathália Brígida na categoria até 48 quilos, na última sexta-feira.

Neste último dia de disputas, outros quatro judocas estiveram do país, mas nem chegaram perto das medalhas. Tiago Camilo (90kg) foi eliminado em sua segunda luta por ippon por Tural Safguliyev (AZE). Na mesma categoria, Gustavo Assis também não passou da segunda luta. Seu algoz foi Aleksander Kukolj (SRB). Gabriel Souza (100kg) não foi páreo para Toma Nikiforov em sua estreia e David Moura (+100kg) chegou às oitavas, mas perdeu para o russo Soslan Bostanov. 

UOL Esporte

Dois jogos mostram como Muricy vai escalar o SP na Argentina. Ganso sai

Os últimos cinco dias foram turbulentos para o São Paulo: derrota pesada para o Palmeiras por 3 a 0, Muricy Ramalho cogita deixar o comando do clube, diretoria promete cobrança dura nos jogadores e, neste domingo, vitória sobre o Linense, no Morumbi, com gol de Rogério Ceni. Tudo pouco antes do importante jogo contra o San Lorenzo, na Argentina, pela Copa Libertadores, no qual uma derrota pode complicar o São Paulo na competição. As decisões técnicas para o confronto que vale a tranquilidade no clube, no entanto, já foram tomadas. Os dois últimos jogos mostraram tudo. 

Na quarta-feira, o São Paulo entrou em campo com Alexandre Pato como segundo atacante e Alan Kardec como centroavante. O sistema tático durou 15 minutos, até que Muricy Ramalho sacrificasse o primeiro para recompor a zaga devido à expulsão de Rafael Toloi. Mas mostrou parte do que o treinador pensa como o time ideal. No dia seguinte à derrota, as primeiras informações sobre as mudanças drásticas que o técnico pretende apontam: Muricy quer um time mais leve, e isso necessariamente passa pela saída de Paulo Henrique Ganso. 

No domingo, contra o Linense, o São Paulo começa com o time mais leve: Alexandre Pato, pela primeira vez no São Paulo, joga como último homem do ataque. Já estava combinado, porém, que ele seria substituído por Alan Kardec no intervalo. O centroavante entrou e fez funcionar tudo aquilo que fracassou no primeiro tempo: cavou uma falta para Rogério Ceni fazer o gol, e ainda marcou outros dois. Participou dos três do São Paulo. Se havia alguma expectativa pela volta do lesionado Luis Fabiano, isso não se faz mais necessário. Joga Alan Kardec na Argentina, assim como não joga Ganso. 

Muricy foi claro sobre Ganso, ainda no Morumbi, após a vitória sobre o Linense: "Ainda estou estudando qual a melhor maneira de atuar e todos têm oportunidade. Nosso pensamento é de mudança, o time não está dando resultado e precisa vir algo", falou, quando questionado sobre Ganso. 

E também escalou o ataque, ao ser questionado sobre Pato e Alan Kardec: "Possível. Os dois combinam. Um é segundo atacante. Uma possibilidade seria usar apenas um atacante. Mas deixar só o Pato faria o time ficar sem profundidade. O Kardec é artilheiro, peço para ele sempre entrar na área. Se a gente for lá só para se defender, não aguenta pressão. Uma vitória vai nos deixar perto da classificação, vamos arriscar lá". 

O São Paulo mais rápido, leve, vai se confirmar sem Ganso caso o técnico não tenha nenhum imprevisto nos próximos dois dias de treino. A dúvida fica por conta do resto da formação no meio de campo. Michel Bastos é titular absoluto e ocupará uma das pontas. A tendência é que do outro lado o argentino Ricardo Centurión complete o time. 

UOL Esporte

França e Chile mudam panorama da seleção. Veja o sobe e desce dos jogadores






















Douglas Costa arrisca chute durante amistoso contra o Chile no Emirates Stadium (Foto: Bruno Domingos/Mowa Press)


Os amistosos contra França e Chile na Europa mudaram o status de alguns jogadores da seleção brasileira. São seis atletas que tiveram as condições alteradas com a participação demonstrada nas partidas.

O UOL Esporte traz uma análise das condições de cada um dos seis jogadores. Três deles estão em momento de alta, e outros três deixaram a desejar, passando a correr risco de ausência na Copa América.

Contra a França e Chile, Dunga realizou testes para a equipe visando o torneio no Chile. A competição será disputada entre 11 de junho e 4 de julho.

Veja quem subiu

Jefferson
O Brasil chegou para os amistosos tendo uma disputa da camisa 1. Não há mais. Jefferson foi o grande destaque do duelo contra a França fazendo incríveis defesas e também mostrou segurança no confronto contra o Chile. Diego Alves como reserva agora é algo definido.

Danilo
O lateral direito caminha sem concorrentes no posto. Danilo jogou os 180 minutos nos dois jogos e foi elogiado por Dunga: "O Danilo melhorou e agora já está tendo maior segurança para fazer as jogadas ofensivas", destacou. O lateral foi o autor da assistência para o gol de Roberto Firmino contra o Chile.

Roberto Firmino
Foi titular contra a França, e deu a assistência para o gol de Oscar. Já contra o Chile atuou por cerca de 30 minutos e marcou o gol da vitória por 1 a 0. A convocação de Firmino para a Copa América agora está assegurada.

Veja quem desceu

Phillipe Coutinho
Sempre destacou que briga para ser titular da seleção brasileira, mas não foi bem quando teve a única chance, no amistoso contra o Chile. Esteve discreto e acabou substituído por William. Nem mesmo a convocação para a Copa América está garantida, já que a concorrência de Lucas e Douglas Costa são fortes.

Souza
O volante também foi titular contra o Chile e deixou muito a desejar. Esteve sumido quando o Brasil partia com a bola do campo do campo defensivo e também não assegurou uma vaga para a Copa América. Terá que mostrar melhor rendimento no São Paulo.

Luiz Adriano
O único centroavante de Dunga está perdendo moral. Jogou como titular contra o Chile, mas foi quando Firmino, com maior mobilidade entrou, que o time melhorou ofensivamente.  O atacante do Shakhtar Donestk-UCR sofre concorrência de Robinho pela vaga na Copa América.

UOL Esporte

Uma Fórmula 1 só para mulheres? É o que defende o chefão da categoria

(Foto: Reprodução/Instagram)
















Não é novidade que o chefão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, planeja lucrar com o marketing de ter mulheres correndo na categoria. Porém, enquanto não aparece nenhuma candidata que empolgue as equipes a ponto de se tornar titular, o dirigente encontrou uma saída: quer criar uma versão feminina da categoria, com corridas nos mesmos finais de semana de GP.

"Acho que seria uma boa ideia dar a elas essa oportunidade. Por algum motivo, elas não estão chegando [na F-1] – e não porque não as queremos", disse Ecclestone. "Claro que queremos, porque isso atrairia muita atenção e publicidade e, provavelmente, muitos patrocinadores", acredita Ecclestone.

"Temos de começar por algum lugar então eu sugeri que as equipes tenham um campeonato em separado e talvez dessa maneira nós poderemos conseguir trazer alguém para a F-1. Elas poderiam correr antes do evento principal, ou talvez na classificação de sábado, mas criar um interesse em separado. É só uma ideia no momento, mas acho que seria muito bom para a F-1 e para o final de semana de corrida", defendeu.

A única mulher que deve andar com um Fórmula 1 até o final do ano é Susie Wolff, piloto de desenvolvimento da Williams. A escocesa está confirmada em duas sessões de treinos livres.

Porém, a equipe já demonstrou que não pretende colocá-la em seus carros como titular: quando a participação de Valtteri Bottas no GP da Malásia foi colocada em dúvida devido à lesão nas costas sofrida pelo finlandês, o time logo afirmou que Wolff não fazia parte dos planos.

Além de Wolff, recentemente a Lotus contratou a espanhola Carmen Jorda também como piloto de desenvolvimento. Simona de Silvestro chegou a ser contratada pela Sauber ano passado, mas não conseguiu se manter por falta de patrocínio.

Mulheres na F-1
A última mulher que esteve em uma corrida da categoria foi a italiana Lella Lombardi, que esteve em 12 etapas, entre 1974 e 1976, tendo se classificado para oito provas. Seu melhor resultado foi um sexto lugar. Antes dela, outra italiana, Maria Teresa de Filippis largou em três GPs entre 1958 e 1959 e teve como melhor resultado um 10º lugar.

Outras mulheres participaram apenas da classificação, em épocas nas quais, para chegar ao grid, era necessário passar pela pré-classificação. Foram elas Divina Galica (1976-78), Desiré Wilson (1980) e Giovanna Amati (1992).

Ano passado, Susie Wolff se tornou a primeira mulher em 22 anos a participar de uma sessão oficial de treinos, depois de andar na Williams em Silverstone e Hockenheim. A escocesa participou, inclusive, dos testes de pré-temporada, neste ano.

UOL Esporte

domingo, 29 de março de 2015

Vettel desbanca a Mercedes no GP da Malásia, vence e encosta em Senna















Nem precisou chover. Depois de dominar de forma impressionante da abertura da temporada da Fórmula 1, na Austrália, a Mercedes caiu na Malásia: melhor na estratégia e com menos desgaste de pneus, Sebastian Vettel e a Ferrari bateram Lewis Hamilton e Nico Rosberg. Foi o primeiro triunfo do time italiano nas últimas 35 provas, desde o GP da Espanha de 2013.

O atual campeão, irritado com as decisões da Mercedes durante a corrida, teve de se contentar com o segundo posto, com Rosberg em terceiro e Raikkonen, em grande recuperação, em quarto. Felipe Massa fez ótima largada e terminou em sexto, enquanto Nasr não teve uma boa prova. O brasiliense teve de trocar a asa no início do GP e conviveu com um nível alto de desgaste de pneus. Seu resultado final foi o 12º lugar.

Alheio aos problemas dos rivais, Vettel, logo em sua segunda corrida na Scuderia, encerrou um jejum que durava desde o GP do Brasil de 2013. Agora, está a uma vitória de igualar o número de Ayrton Senna. A média do alemão, contudo, é melhor: o tetracampeão tem 148 GPs, contra 161 do brasileiro.

Não foi desta vez que o grid começou completo: depois de perder a classificação por problemas relacionados ao combustível e receber permissão especial para correr, Will Stevens não conseguiu alinhar pelo segundo GP seguido. Faltaram peças de reposição em sua Manor. Assim, 19 carros largaram na Malásia – uma evolução após apenas 15 iniciarem a corrida de abertura da temporada, na Austrália.

A corrida começou com a previsão de muitas paradas: com a temperatura de pista acima dos 60ºC, 20ºC a mais do que ano passado, quando a largada aconteceu uma hora mais tarde, a expectativa era se alguém conseguiria economizar pneus e fazer uma parada a menos.

Na largada, Hamilton manteve a liderança e Rosberg chegou a ameaçar Vettel, que permaneceu com o segundo posto. Ricciardo era o quarto e Massa fez boa largada, pulando de sétimo para quinto. Felipe Nasr também saiu bem, indo de 16º para 13º, mas acabou tocando em Kimi Raikkonen e teve de trocar sua asa dianteira, complicando sua prova. O finlandês, por sua vez, sofreu um furo no pneu e perdeu muito tempo.

Safety Car movimenta a prova
Na quinta volta, Marcus Ericsson errou, rodou e provocou a entrada de um Safety Car. Vettel optou por não parar, enquanto a maioria dos pilotos, incluindo a dupla da Mercedes, foi para o box. Como Rosberg teve de esperar a parada de Hamilton, perdeu tempo e várias posições.

A prova foi reiniciada com Vettel na ponta, seguido por Hulkenberg, Grosjean, Sainz, Perez, Hamilton, Ricciardo, Massa, Rosberg e Verstappen. Perez logo perdeu rendimento, sendo ultrapassado por todos. Rosberg demorou quatro voltas para superar Massa, enquanto Hamilton já era segundo na 11ª volta. O prejuízo em relação ao líder Vettel era de 10s.

Mais atrás, ao tentar passar Sainz, Ricciardo errou e permitiu a ultrapassagem de Rosberg, que subiu para sexto na 12ª volta. No giro seguinte, foi Grosjean quem errou e o alemão novamente se aproveitou. Pouco tempo depois, Nico superou também Hulkenberg e pulou para terceiro.

Com 15 voltas disputadas, Vettel – com os pneus médios e ainda sem ter parado – andava em ritmo semelhante a Hamilton, que usava os duros, e mantinha 8s de diferença. Rosberg vinha 10s atrás do companheiro. Felipe Massa abriu caminho entre os pilotos que não tinham parado e pulou para quarto, seguido pela outra Williams de Bottas. Felipe Nasr era o 12º.

Vettel voa
Na 19ª volta, Vettel fez sua primeira parada e colocou novamente os pneus médios. Hamilton, assim, retomou a ponta. No retorno à pista, a Ferrari voava: ultrapassou Rosberg na 22ª volta e foi à caça de Hamilton.

O alemão da Ferrari superou Hamilton na volta 24, pouco antes que o inglês fez sua segunda parada e colocou os pneus médios. Massa também fez sua segunda troca e retornou em sexto. No giro seguinte, foi a vez de Rosberg parar. Mas os pilotos da Mercedes adotaram estratégias diferentes: Lewis foi de médios e Nico, de duros.

Preocupado, Hamilton perguntou via rádio, com 25 voltas para o final, qual era seu objetivo para a prova. E ouviu: "Estamos indo para a vitória, mas você vai ter que passar Vettel na pista." O cenário era similar ao de Massa com a outra Ferrari, de Raikkonen: o brasileiro estava 13s atrás, mas com pneus mais novos, na luta pelo quarto posto.

Voltas finais têm briga de xadrez
Na 38ª volta, Vettel fez sua última parada para trocar os pneus médios pelos pneus duros e voltou na frente de Rosberg. No giro seguinte, Hamilton parou e, surpreendentemente, também colocou o composto mais lento e resistente. O inglês voltou à pista 10s atrás da Ferrari, em segundo. E reclamou da estratégia: "Esse é o pneu errado. O que é para eu fazer?", questionou.

Nas voltas finais, Hamilton chegou a tentar encostar em Vettel, mas o alemão controlou o ritmo para vencer, com o inglês em segundo e Rosberg em terceiro. Raikkonen conseguiu se manter em quarto, enquanto Massa chegou a tocar em uma disputa doméstica da Williams, mas foi ultrapassado por Bottas na volta final e chegou em sexto. 

O sétimo colocado foi Max Verstappen, que, aos 17 anos, se tornou o piloto mais jovem da história a pontuar na Fórmula 1, em recorde que dificilmente será batido, uma vez que novas regras, que entram em vigor ano que vem, impõem um limite mínimo de 18 anos para estreantes. Carlos Sainz chegou em oitavo, colocando ambas as Toro Rosso à frente das Red Bull de  Daniil Kvyat e Daniel Ricciardo. Para completar a festa de Vettel, o alemão chegou a dar uma volta em ambos os carros de sua ex-equipe.

Foi mais uma corrida difícil para a McLaren. Fernando Alonso e Jenson Button até chegaram a disputar com as Force India e Lotus, mas ambos abandonaram com problemas no carro.

A próxima etapa da Fórmula 1 será em duas semanas, no GP da China.

Classificação final

1. Sebastian Vettel (ALE) Ferrari 1hr 41min05.793s 
2. Lewis Hamilton (ING) Mercedes +8.5s 
3. Nico Rosberg (ALE) Mercedes +12.3s 
4. Kimi Raikkonen (FIN) Ferrari +53.8s 
5. Valtteri Bottas (FIN) Williams +1min10.4s 
6. Felipe Massa (BRA) Williams +1min13.5s 
7. Max Verstappen (HOL) Toro Rosso +1min 39.0s 
8. Carlos Sainz Jr (ESP) Toro Rosso +1 volta
9. Daniil Kvyat (RUS) Red Bull +1 volta 
10. Daniel Ricciardo (AUS) Red Bull +1 volta
11. Romain Grosjean (FRA) Lotus +1 volta
12. Felipe Nasr (BRA) Sauber +1 volta
13. Sergio Perez (MEX) Force India +1 volta 
14. Nico Hulkenberg (GER) Force India +1 volta
15. Roberto Merhi (ESP) Manor +3 voltas

Não terminaram a prova

Pastor Maldonado (VEN) Lotus
Jenson Button (ING) McLaren

Fernando Alonso (ESP) McLaren

Marcus Ericsson (SUE) Sauber 

Não iniciou a prova

Will Stevens (ING) Manor

Classificação geral da Fórmula 1

1. Lewis Hamilton - 43 pontos
2. Sebastian Vettel - 40 pontos
3. Nico Rosberg - 33 pontos
4. Felipe Massa - 20 pontos
5. Kimi Raikkonen - 12 pontos
6. Felipe Nasr - 10 pontos
7. Valtteri Bottas - 10 pontos
8. Daniel Ricciardo - 9 pontos
9. Nico Hulkenberg - 6 pontos
10. Max Verstappen - 6 pontos
11. Carlos Sainz - 6 pontos
12. Marcus Ericsson - 4 pontos
13. Daniil Kvyat - 2 pontos
14. Sergio Perez - 1 ponto

Ainda não pontuaram
Jenson Button
Romain Grosjean
Roberto Merhi
Fernando Alonso

UOL Esporte

Felipe Massa fica na bronca após sexto lugar na Malásia: "Não achei bom"

(Foto: Ahmad Yusni/Xinhua)




















Antes da largada do GP da Malásia, Felipe Massa falava em chegar entre os 5 primeiros, depois de largar em sétimo lugar. O brasileiro manteve sua previsão até a volta final, quando foi superado pelo companheiro Valtteri Bottas, cruzando na sexta colocação.

Mesmo seguindo com seu segundo melhor início de temporada da carreira – o piloto da Williams tem um quarto e um sexto lugares, performance pior apenas do que as duas primeiras provas de 2010 quando, na Ferrari, fez um segundo e um terceiro – o piloto não gostou do resultado.

"Não achei bom", admitiu o Massa em entrevista à Rede Globo. "Achei ruim e a Ferrari é um problema para a gente. Mas vamos continuar lutando."

O brasileiro se refere ao salto demonstrado pelo time italiano, que venceu com Sebastian Vettel e foi quarto com Kimi Raikkonen, que fez uma excelente prova de recuperação depois de ter um pneu furado logo no início. Enquanto na etapa inicial do campeonato, a Scuderia mostrava um ritmo semelhante ao da Williams, a performance da Malásia se mostrou muito superior.

"Minha equipe chegou na melhor posição que a gente poderia ter chegado", admitiu Massa, que só lamentou o problema que teve em seu último pit stop e que, segundo ele, foi fundamental para que perdesse a posição com Bottas. "Foram mais de 2s. Esse tempo seria suficiente para administrar a vantagem e não perder a posição na última volta." Bottas cruzou 3s1 à frente do brasileiro.

UOL Esporte

Que fase! Red Bull é superada pela equipe B e leva uma volta de Vettel

(Foto: Getty Images)




















A má fase da Red Bull atingiu um novo ponto negativo após o GP da Malásia. Se a equipe já estava ameaçando sair da Fórmula 1 depois de começar o ano com um sexto lugar no GP da Austrália, ser superada por seu próprio time B deve gerar ainda mais descontentamento aos tetracampeões do mundo entre 2010 e 2013.

O chefe Christian Horner e companhia assistiram à dupla de estreantes da Toro Rosso, a mais jovem da história da categoria, chegar na frente de Daniel Ricciardo e Daniil Kvyat em Sepang. Com o resultado, a Toro Rosso está na frente da Red Bull no Mundial de Construtores.

De quebra, o vencedor da prova e ex-piloto da Red Bull, Sebastian Vettel, deu uma volta nos dois carros da equipe. "Não acho que nenhum dos nossos pilotos poderia ter feito mais hoje", admitiu Horner. "Sebastian fez uma corrida incrível, então meus parabéns a ele. Tomara que possamos dificultar a vida dele logo."

Porém, antes disso, a Red Bull terá de andar mais do que sua equipe B. Em duas corridas, a Toro Rosso somou 12 pontos, contra 11 do time cujo orçamento é mais de cinco vezes maior. Não é a primeira vez que o time menor, ex-Minardi, supera seus donos: em 2008, quando ainda tinha Vettel, a Toro Rosso terminou o campeonato na frente da Red Bull.

UOL Esporte

Sem goleiros selecionáveis, Vasco e Botafogo duelam pela ponta no Carioca














Sem os selecionáveis Jefferson e Martin Silva, Botafogo e Vasco se enfrentam às 16h deste domingo pela liderança do Campeonato Carioca, no Maracanã, pela 13ª rodada. As duas equipes entram em campo com a possibilidade de alcançar a primeira posição do Estadual, embora com necessidades diferentes para chegar ao feito.

As duas equipes precisam ultrapassar o Flamengo na tabela, uma vez que o Rubro-negro bateu o Bonsucesso por 2 a 0 no sábado e assumiu a liderança provisória do Carioca com 32 pontos.Vasco e Botafogo se igualam ao rival na pontuação com um triunfo no clássico, mas o saldo de gols deixa as equipes em quadros um pouco diferentes.

O Botafogo terá que superar mais uma vez a ausência do goleiro titular da seleção brasileira, mas precisa de uma vitória por dois gols de vantagem para voltar à liderança do Carioca, posição que era sua antes do começo da rodada. No lugar de Jefferson, o Alvinegro aposta em Renan, que teve boas atuações contra Cabofriense e Barra Mansa, jogos em que o camisa 1 também foi desfalque pelo mesmo motivo. O desempenho do substituto rendeu elogios do treinador René Simões.

"Não vi nada que me surpreendesse", disse René após a vitória sobre a Cabofriense. "Em todos os jogos e treinos ele foi muito bem, com comando firme. O Renan tem um professor muito bom, e  o professor dele deve estar muito feliz recebendo essas notícias. Os preparadores também estão fazendo um trabalho excepcional", destacou o técnico.

A situação do Vasco na tabela é um pouco mais difícil. O Cruzmaltino precisa de um triunfo por quatro gols de diferença para terminar a rodada a frente de Botafogo e Flamengo. No lugar do goleiro da seleção uruguaia Martin Silva, o time de São Januário joga suas fichas em Jordi, também titular na vitória por 2 a 1 sobre o Boavista, na última quinta.

Além da ausência já esperada de Martin, o Vasco terá que lidar com outros dois jogadores que ficarão de última hora por decisão da comissão técnica. O zagueiro Luan iria retornar ao time após se recuperar de dores na coxa esquerda, mas será poupado, até pela boa fase do reserva Anderson Salles, autor de dois gols contra o Boavista. Outro titular antes confirmado, Bernardo foi cortado após se atrasar no treino de sábado e será trocado por Yago.

O Cruzmaltino, no entanto, pode comemorar o retorno de outros quatro jogadores, são eles: Madson, Christiano, Serginho, Guiñazu e Gilberto. O Botafogo, por outro lado, tem como dúvidas Gilberto, Diego Jardel e Rodrigo Pimpão. Os dois primeiros se recuperam de uma torção no tornozelo e uma pancada na coxa, respectivamente, e podem ser trocados por Luis Ricardo e Gegê.  Já o último também tem problemas físicos, mas ficará no banco, caso relacionado.

UOL Esporte

Obras contra enchente no Maracanã eram para Copa, mas ficam para Olimpíada

A região onde fica o Maracanã convive há décadas com enchentes similares a do domingo do clássico Flamengo e Vasco, em que houve alagamentos em volta e até dentro do estádio. Há obras da prefeitura do Rio de Janeiro para resolver o problema que deveriam ter sido entregues para a Copa-2014, mas ficarão para o ano da Olimpíada-2016 por conta de atrasos.

A partir de 2010, o município do Rio iniciou uma série de piscinões e desvios de cursos de rios na região do estádio para conter os alagamentos. A motivação eram os dois mega-eventos esportivos.

São quatro intervenções diferentes e a primeira deveria ser entregue em 2012. Apenas esta ficou pronta no ano do Mundial. Todas as outras não foram concluídas ainda apesar das promessas do prefeito Eduardo Paes de terminá-las em 2014.

“A Prefeitura lembra que o controle das enchentes na Grande Tijuca só estará garantido após a conclusão das obras dos outros reservatórios (Praças Niterói e Varnhagen e Rua Heitor Beltrão) e desvio do Rio Joana direto para a Baía de Guanabara por meio de um túnel de drenagem. As obras serão concluídas em 2016″, informou a assessoria da Rio Aguas, órgão municipal encarregado das obras.

O que está pronto até agora é o piscinão da Praça da Bandeira, que, segundo a prefeitura, funcionou muito bem no último domingo.

Questionada pelo motivo dos atrasos, a Rio-Aguas informou que houve modificações no projeto e dificuldades em sua execução. O reservatório previsto para o Extra-Boulevard, por exemplo, foi substituído por dois nas praças para minimizar impactos de desapropriação e porque foi encontrada uma rocha a poucos metros de profundidade.

Segundo o órgão, se fosse executado o projeto inicial, seria necessário mais tempo para a conclusão. “A alteração na posição dos reservatórios demandou readequação de projeto e alteração no formato inicial dos mesmos, a fim de garantir maior estabilidade à estrutura'', informou a Rio-Aguas.

Por sorte da prefeitura e da Fifa, a Copa do Mundo foi realizada em junho e julhos, meses secos onde é praticamente impossível ocorrer chuvas fortes. O mesmo acontecerá com a Olimpíada, marcada para agosto.

No domingo passado, com as chuvas de março, o Maracanã não teve alagamento só no gramado durante o Flamengo e Vasco, que foi paralisado e depois retomado graças à drenagem. Os túneis do estádio foram invadidos por água vinda da rua pela falta de escoamento na redondeza. A chuva foi, de fato, forte com níveis entre 48mm e 52mm na região.

A se cumprir a nova promessa da prefeitura, o maior estádio da cidade e a população em volta ainda terão de enfrentar mais um período de chuva sujeitos a alagamentos.

UOL Esporte

sábado, 28 de março de 2015

São José afasta "zica" com goleada sobre São Caetano na Liga Paulista

Técnico Ivan Gomes orienta os jogadores do São José Futsal (Foto: Quarttus Marketing)





















Após quatro jogos sem vitória, o São José chegou ao seu primeiro triunfo na Liga Paulista de Futsal com goleada por 4 a 1 sobre o São Caetano na noite desta sexta-feira (27). Aproveitando o apoio da torcida no ginásio do Tênis Clube, o time do Vale do Paraíba chegou ao triunfo com gols de Betinho, Augusto, Victor Mello e Allan.

A primeira vitória leva o São José a sétima colocação na Liga Paulista, com quatro pontos conquistados. O São Caetano mantém a 13ª posição, sem ainda ter pontuado. São três em derrotas em três jogos para o time do ABC.

São Caetano volta a jogar na segunda-feira, quando recebe o São Caetano, às 20h. São José volta a atuar apenas na quarta-feira, 1º de abril, quando visita o Indaiatuba, às 20h30.

Classificação da Liga Paulista

                      Posição
Equipe
      1º
Corinthians
                          2º
Orlândia/Intelli
                          3º
Brasil Kirin Futsal
                         4º
A.D.C. Ford/Taubaté
                         5º
Pulo do Gato/SANASA
                         6º
São Paulo F.C./São Bernardo
                         7º
Grêmio Mogiano/ASSIBRAF/SIMEL
                         8º
São José Futsal
                         9º
AABB/MAPFRE
                        10º
A. A. FIB Bauru
                        11º
Yoka/ACR/Grupo Martins Lara
                        12º
Itapeva/II Exército Osasco
                        13º
São Caetano Futsal
                        14º
A.D. Indaiatuba
                        15º
Jacareí Futsal

Globo Esporte

Hamilton foge de polêmica com Rosberg e é celebrado pela Mercedes após pole

Lewis Hamilton pode ser o atual campeão do mundo, líder do campeonato e ter em mãos o melhor carro do atual grid. Mas mesmo assim sua performance nos momentos decisivos da classificação para o GP da Malásia surpreendeu.

Quem garante é o diretor técnico da Mercedes, Paddy Lowe. "Esperávamos que a pista fosse melhorando ao longo da sessão, o que seria algo natural devido à drenagem da pista, mas na verdade Lewis fez a pole com sua primeira volta, que deveria ter sido só para testar a condição da pista. Foi uma excelente volta."

De fato, o giro em que Hamilton fez o melhor tempo do Q3 foi o primeiro em que ele andou com a pista molhada. Nenhum dos treinos livres ou as duas primeiras fases da classificação, tinham sido disputados sob chuva. E, com a vantagem obtida nessa volta, o inglês obteve sua 40ª pole da carreira.

A má notícia para seus rivais é que o inglês converteu suas últimas sete poles em vitórias.  "Acho que a volta foi boa, é sempre difícil andar em condições como esta em que ninguém andou no molhado ainda. Você não sabe o quanto arriscar", reconheceu o bicampeão.

Com a pole garantida, Hamilton minimizou o fato de ter sido atrapalhado pelo próprio companheiro Nico Rosberg em sua última tentativa, dizendo não se lembrar do ocorrido.

Ao seu lado na coletiva de imprensa, o alemão, terceiro colocado no grid, atrás também de Sebastian Vettel, da Ferrari, disse que se vê em uma boa posição para, ao menos, chegar em segundo.

"O terceiro lugar não é bom, mas acontece. As condições estavam interessantes e senti muita aderência mesmo no molhado. Pelo menos estou do lado limpo do grid, então isso deve me ajudar a ter uma boa largada e passar Vettel."

UOL Esporte

Santos quer 'assumir' Pacaembu em 2015, mas sem gastar R$ 1

Foto: Junior Lago/UOL














O Santos já costurou um acordo com uma das empresas concorrentes na licitação para gerenciar o estádio do Pacaembu. O edital da licitação que passará a administração à iniciativa privada ainda não foi divulgado, mas o clube paulista já prometeu mandar 30% de seus jogos no local.

A diretoria santista alega que não gastará R$ 1 para fechar o acordo de jogos no Pacaembu. No entanto, o clube dividirá as rendas com a empresa, que deve ficar com a maior parte – 60% da receita liquida.

"Existem conversações. O Santos é o grande cliente do Pacaembu, qualquer empresa que assumir vai precisar do Santos como o seu parceiro, e o Santos está disposto desde que tenha condições vantajosas para isso. No sábado conversei com o secretário de esportes sobre jogos no Pacaembu e dizia para ele que as taxas estavam altas, que precisávamos fazer alguns acordos", afirmou o presidente Modesto Roma. 

"Com o Pacaembu indo para a iniciativa privada, isso fica mais fácil de negociar e termos situações vantajosas para o clube. O que procuramos sempre é isso, situações vantajosas", completou.

O Santos obteve renda negativa nos dois jogos que atuou como mandante no Pacaembu neste ano. As partidas ocorreram contra o Linense, no dia 1º de março, e Audax, no último sábado, válidas pela fase de grupos do Campeonato Paulista.

Na goleada por 4 a 2 contra o Linense, o público foi de 13.118 e a renda liquida de - R$ 19.113,05. Já contra o Audax o prejuízo foi menor, mas a renda também foi negativa. Com 11.007 pagantes, a renda liquida foi de – R$ 5.878,65. Os prejuízos ocorreram, principalmente, por causa das despesas.

O Santos vendeu três mandos de jogos a uma empresa – dois deles são os duelos de renda negativa no Pacaembu.

O curioso é que o único jogo que o Santos teve renda positiva atuando no Pacaembu, o mandante era o adversário – a Portuguesa. No duelo contra a Lusa, vencido por 3 a 1, com show de Robinho, a renda liquida foi de R$ 154.914,15. O público pagante chegou a 14.361 pessoas.

UOL Esporte

Goleiro atingido por sinalizador deixa hospital e agradece apoio dos fãs














O goleiro russo Igor Akinfeev, atingido por um sinalizador na sexata-feira em jogo fora de casa contra Montenegro pelas Eliminatórias da Eurocopa, já deixou o hospital e voltou com o restante da delegação para Moscou, onde seguirá com seu tratamento.

De acordo com Edward Bezuglov, médico da Federação Russa de Futebol (RFU), Akinfeev foi diagnosticado com uma concussão e queimaduras em seu pescoço.

O jogador emitiu um comunicado no site da RFU agradecendo o apoio que recebeu de todos os fãs e lamentando o incidente.

"Quero agradecer a todos que me apoiaram. Eu me sinto bem agora. Infelizmente estas coisas podem acontecer algumas vezes no futebol. Mas espero que uma coisa como essa jamais aconteça em Montenegro ou em qualquer outro país do mundo", disse Akinfeev.

O incidente aconteceu no primeiro minuto do jogo entre Montenegro e Rússia, o que obrigou a paralisação por cerca de meia hora. No segundo tempo, aos 22 minutos, uma confusão na arquibancada e a inúmera quantidade de objetos atirados no campo após o russo Roman Shirokov perder um pênalti fizeram o árbitro alemão Deniz Aytekin.

O presidente da RFU, Nikolay Tolstoy, informou que um protesto formal foi feito para a Uefa sobre os incidentes.

A entidade que regula o futebol na Europa informou que aguardará os relatórios dos árbitros para depois tomar uma medida e abrir procedimentos disciplinares.

UOL Esporte

Usar apelido para falar de arenas pode ser proibido por lei. Saiba como

Você fica irritado quando alguém chama a arena de seu time pelo apelido, ignorando o nome usado pelo clube? Seu problema pode acabar. Isso porque uma das 181 emendas apresentadas para a Medida Provisória que refinancia as dívidas fiscais dos clubes toca nesse ponto. Ela  prevê que meios de comunicação sejam obrigados a usar o nome escolhido pelas equipes para as arenas.

Mas se o que tira você do sério é o excesso de jogos de Corinthians e Flamengo na TV aberta, também há esperança. Uma das ideias sugeridas é de que as detentoras dos direitos de transmissão para a TV aberta não possam gastar mais do que 10% das transmissões ao vivo de um campeonato com a mesma equipe. Essa emenda também muda os critérios de divisão das cotas de TV para diminuir a vantagem financeira de Corinthians e Flamengos sobre os rivais.

Há ainda proposta que derruba a limitação de dois mandatos de quatro anos para os presidentes dos clubes que aderirem ao refinanciamento e a obrigatoriedade de que eles só disputem competições de entidades que adotem a mesma rotatividade no poder.

As emendas serão debatidas na Câmara e no Senado. As que forem aprovadas vão ser incorporadas pela Medida Provisória assinada por Dilma Rousseff, que tem 120 dias a partir de sua publicação para ser transformada em lei pelo Congresso Nacional e passar pelo crivo da presidente. Caso não haja aprovação no Congresso, a MP perde a validade.

Conheça 12 emendas apresentadas.

Nome das arenas – O deputado Laércio Oliveira (SD-SE) sugere que as empresas autorizadas a captar, transmitir ou reproduzir imagens dos jogos fiquem obrigadas a respeitar os nomes oficiais de times, campeonatos e praças esportivas (no caso do futebol, os estádios). “O nome da praça esportiva será aquele informado pelo responsável pela administração”, determina o texto. Ele deixa claro que a denominação pode ser o nome de um patrocinador, mas não esclarece a punição para quem não cumprir a regra. Essa emenda deve soar como música para o deputado federal Andrés Sanchez (PT-SP), que perde a linha quando ouve alguém chamar o estádio do Corinthians de Itaquerão.

Cotas de TV – O deputado Mendonça Filho (DEM-PE) pede que a venda dos direitos de transmissão dos campeonatos seja feita de forma coletiva e unificada por meio de uma entidade que represente todos os participantes. Ele vai além e diz como deve ser a divisão do dinheiro pago pela TV aberta: 50% do total será repartido igualmente, 25% de acordo com a classificação na temporada anterior e os 25% restantes conforme a média de audiência no último campeonato disputado. Ele quer ainda que as emissoras de TV aberta sejam proibidas de dedicar mais de 10% do total de transmissão ao vivo num campeonato para a mesma equipe. A emenda ainda prevê que os contratos com as emissoras sejam publicados nos sites das entidades que administram as competições. Em sua justificativa, o deputado cita que alguns clubes recebem da Globo apenas 20,5% do que ganham Corinthians e Flamengo.

Rebaixamento – O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) apresentou emenda que retira da MP o trecho sobre os clubes que aderirem ao refinanciamento só poderem participar de competições que estabeleçam rebaixamento para quem descumprir contrapartidas como pagar salários em dia. Entre outros motivos, ele afirma que rebaixar o time seria punir a torcida, não o dirigente.

Limitação de reeleição – O texto da MP assinada por Dilma diz que os clubes que refinanciarem suas dívidas precisarão impor o limite de dois mandatos de quatro anos cada a seus presidentes. E determina eles que só poderão disputar competições de federações ou da confederação que seguir essa regra. Mas o deputado André Moura (PSC-SE) apresentou emenda que retira essa limitação. Sua sugestão é para que as entidades sejam obrigadas apenas a estabelecer no seu estatuto o período de mandato de seus presidentes, o que já é feito normalmente. Ele justifica a proposta dizendo ser razoável que as entidades determinem o tempo de mandato de seus dirigentes.

Diplomados – O ex-árbitro e deputado federal Evandro Rogério Roman (PSD-PR) apresentou emenda que obriga os clubes participantes do refinanciamento a terem todos os seus atletas com diploma de curso superior ou estudando em qualquer nível.

Cachê – Outra emenda de Roman prevê que 5% do dinheiro pago pelas emissoras de TV para transmitir os jogos sejam repassados aos árbitros.

Fiscalização – Emenda do deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) estabelece que o TCU (Tribunal de Contas da União) fiscalize todos os clubes que aderirem ao refinanciamento.

Mais barato – O deputado federal e ex-ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior (PC do B-SP), pede que 10% dos ingressos disponíveis para partidas ou provas sejam vendidos a preços populares. A emenda, porém, não diz como será a definição do valor dessas entradas.

Atletas – A MP estipula a participação de atletas nos colegiados de direção das entidades esportivas e nos colégios eleitorais delas. Mas não foi definida em que quantidade. Emenda do ex-goleiro e deputado federal Danrlei (PSD-RS) prevê que eles terão direito a 10% das vagas. O Bom Senso FC quer o dobro de participação.

De volta ao passado – O deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ) sugere em uma de suas emendas que a MP seja integralmente substituída pela lei que ele relatou e não emplacou no Congresso.

Punição – Se ficar comprovado em processo administrativo ou criminal que houve gestão irregular ou temerária, o dirigente será proibido de ocupar cargos ou desempenhar funções em entidades esportivas por 30 anos. É o que prevê emenda do deputado Heráclito Fortes (PSB-PI).

Cadeia – Em outra emenda, Fortes institui pena de reclusão de 4 a 12 anos para os dirigentes que forem condenados criminalmente por gestão temerária ou irregular. A pena aumenta em dois terços se, por causa dos atos do cartola, o clube tiver sido rebaixado ou eliminado de competição.

UOL Esporte

sexta-feira, 27 de março de 2015

Seleção olímpica estreia em 2015 com a missão de salvar Gallo da fritura

Pressionado, Gallo precisa de bons resultados com a seleção olímpica para ter paz (Foto: Jorge Adorno/Reuters)














A seleção olímpica fará, nesta sexta, sua estreia em 2015 contra o Paraguai sub-23 em um amistoso em Cariacica, no Espírito Santo. Embora reúna jogadores de grandes clubes europeus e promessas do futebol brasileiro, a equipe terá no banco o seu maior destaque. Pressionado, o técnico Gallo precisa fazer o time jogar para não correr o risco de perder o comando até as Olimpíadas do ano que vem.

A atenção no treinador, diga-se, não se dá por conta do desempenho da seleção olímpica. Desde que o projeto foi montado, após a Copa de 2014, o time amealhou bons resultados em quase todos os amistosos que fez, ainda que não tenha encarado grandes potências futebolísticas. Hoje, reúne Lucas Silva (Real Madrid), Rafinha (Barcelona), Felipe Anderson (Lazio), Wallace (Monaco) e Wendell (Leverkusen), todos em destaque na Europa.

Só que em todo o resto, Gallo vacilou. Sob seu comando, a sub-17 ficou no modesto terceiro lugar no Sul-Americano da categoria em 2013 e caiu nas quartas no Mundial no mesmo ano. Já a sub-20 fez feio no Sul-Americano deste ano, amargando a quarta colocação.

Os maus resultados derrubaram Gallo da sub-20. Em atrito com Dunga e Gilmar Rinaldi, técnico e coordenador da seleção principal, respectivamente, o técnico teve de se contentar com o comando do time olímpico e ainda viu as comissões técnicas do sub-20 e do sub-15 serem limadas.

No lugar de antigos parceiros de Gallo, entraram amigos de Rinaldi como André Luis Ferreira, novo auxiliar do time olímpico. O treinador também foi forçado a rever alguns conceitos. Se em categorias menores apostou na força física de centroavante grandalhões, agora ele reviu seus conceitos e ensaia um time com Vitinho no ataque para encarar o Paraguai.

Tudo pela reação que pode lhe garantir o emprego. Nos últimos meses, quando o emprego de Gallo esteve em risco, Marin não foi firme ao falar sobre o cargo. Em entrevista ao Sportv, chegou a se recusar a garantir o emprego do treinador até a Olimpíada. De olho na vaga, Dunga tem se mantido distante e nega ligação com o time sub-23.

Os amistosos contra Paraguai e México, este último a ser realizado no domingo, às 17h, no Maranhão, não devem colocar o cargo de Gallo em risco por si só. Podem servir, no entanto, para agravar uma situação que terá seu desfecho no Mundial sub-20, em maio, quando ele terá sua prova final. Se voltar a vacilar no torneio mais importante da categoria, dificilmente resistirá até a Olimpíada de 2016. 

UOL Esporte