domingo, 31 de maio de 2015

Soares vence argentinos e fará duelo brasileiro contra Melo nas duplas

(Foto: AGIF)


















A chuva que caiu ao longo desse domingo em Roland Garros não desestabilizou o brasileiro Bruno Soares que, ao lado do austríaco Alexander Peya, conseguiu uma vitória firme para avançar às quartas de final da competição. Contra os argentinos Carlos Berlocq e Leonardo Mayer, eles anotaram 2 sets a 0, parciais de 6/4 e 7/6(6), após 1h38, e agora terão Marcelo Melo e Ivan Dodig pela frente. 

- Enfrentar um grande amigo é sempre uma situação difícil, mas faz parte. Estou feliz que vai ter pelo menos um brasileiro na semi. A torcida que está sempre apoiando a gente vai ficar um pouco dividida, mas pelo menos depois eles vão saber que ainda vão ter alguém para torcer. As duas duplas estão jogando bem e que vença o melhor.

O encontro entre Bruno Soares e Marcelo Melo será o sexto com suas atuais duplas - Alex Peya e Ivan Dodig, respectivamente. Soares leva vantagem, com cinco vitórias, inclusive nas oitavas do Roland Garros de 2013. No entanto, o último confronto entre eles teve vitória de Melo, nas quartas de final do Masters 1000 de Monte Carlo deste ano.

O jogo

Apesar da chuva fina e do vento na quadra 6 de Roland Garros, os duplistas conseguiram fazer valer o serviço e travaram um duelo equilibrado. Apesar da dificuldade no saque, Bruno Soares e Peya não deram uma chance sequer de quebra para os argentinos, apesar das quatro duplas faltas cometidas. Enquanto isso, Berlocq e Mayer tinham um aproveitamento melhor no serviço, mas viram o brasileiro e o austríaco terem os break points. No oitavo game, salvaram um. No décimo, viram Peya e Soares conseguirem a quebra para fecharem o primeiro set em 6/4.

O equilíbrio se manteve no segundo set, mas desta vez as chances de quebra surgiram apenas para os argentinos. Bruno Soares e Alexander Peya precisaram salvar cinco break points no início do período e, confirmando seus saques, levaram a decisão para o tie-break. Com um mini break de vantagem, Berlocq e Mayer fizeram 6-4 e tinham o saque com um duplo set point. O brasileiro e o austríaco, no entanto, salvaram as duas oportunidades e fizeram quatro pontos em sequência para fechar o jogo em 8-6 no game desempate.

ORLANDINHO VENCE NA ESTREIA DO JUVENIL

Cabeça de chave número 1 no juvenil de Roland Garros, Orlandinho Luz confirmou seu status e venceu, com dificuldade, na estreia da competição. O triunfo veio de virada sobre o canadense Alejandro Tabilo por 2 sets a 1, parciais de 5/7, 6/4 e 6/1. O brasileiro demorou a encontrar seu melhor saque devido ao vento e a chuva em Paris. Quando conseguiu se acertar, ele não deu chance para seu rival, que pecou no saque durante todo o jogo, computando 18 duplas faltas.
Na próxima fase, Orlandinho vai enfrentar o italiano Gian Marco Moroni, que passou pelo francês Geoffrey Blancaneaux na estreia por 2 sets a 0, parciais de 6/3 e 6/4.

Globo Esporte

Larissa/Talita vence dupla holandesa e conquista o Grand Slam de Moscou

(Foto: Divulgação/FIVB)



















Pela quinta vez seguida, o título de uma etapa do Circuito Mundial de Vôlei de Praia feminino ficou com as brasileiras Larissa e Talita. As vítimas da vez foram holandesas Madelein Meppelink e Marleen Van Iersel, derrotadas neste domingo na final do Grand Slam de Moscou por 2 sets a 0 (21/17 e 21/14). Com a medalha de ouro, as brasileiras somam 800 pontos no ranking do Circuito Mundial e na corrida olímpica, além de receberem um prêmio de U$S 57 mil. A próxima etapa será o Major Series de Porec, na Croácia, de 2 a 6 de junho. No masculino, o título ficou com os espanhóis Herrera e Gavira, que bateram os brasileiros Evandro e Pedro Solberg na decisão.

O primeiro set foi muito equilibrado e disputado ponto a ponto desde o início. Sem forçar muito o saque, as brasileiras mantiveram um ponto de frente no placar até Talita conseguir amortecer um bloqueio e fazer 19 a 17. O lance desestabilizou as holandesas, pois, na jogada seguinte, Meppelink errou uma defesa e a dupla do Brasil abriu três pontos de frente. Aproveitando o bom momento, Larissa forçou o saque e conseguiu um ace, fechando o set em 21 a 17. 

As holandesas saíram na frente no segundo set, mas logo as brasileiras viraram para 3 a 1, com Talita pontuando no bloqueio no terceiro ponto. Regular, a dupla do Brasil seguiu administrando os dois pontos de frente até Van Iersel acertar um ataque e mudar o panorama da partida, que pouco depois já estava empatada. Após um belo saque de Meppelink, as holandesas fizeram 10 a 9. Foi a senha para as brasileiras acordarem e voltarem a ficar à frente no marcador.

Após o tempo técnico, Larissa e Talita passaram a dominar a partida, contando com erros seguidos das rivais. Num ataque certeiro, Talita fez 17 a 13, deixando a vitória e o título bem encaminhados. Para piorar ainda mais a situação das holandesas, a mato-grossense ainda pontuou na largadinha na jogada seguinte. A partir de então, coube à dupla brasileira apenas administrar a vantagem e fechar a parcial em 21 a 14.

Globo Esporte

Presidente da federação nega que África do Sul pagou para sediar Copa

O presidente da Federação Sul-africana de Futebol (Safa) reconheceu neste domingo que o país pagou 10 milhões de dólares em 2008 à Fifa, mas garantiu que não se tratava de compra de votos para ter o direito de sediar a Copa do Mundo-2010.

Dois procedimentos judiciais distintos foram iniciados pelas justiças americana e suíça por suposta corrupção em grande escala na Fifa, o que acarretou na prisão de vários dirigentes da entidade.

Os investigadores dos Estados Unidos acusam o governo sul-africano e o comitê de candidatura para o Mundial-2010 de ter pago 10 milhões de dólares ao trinitino Jack Warner, ex-presidente da Concacaf, em troca de três votos a favor da África do Sul.

Os dez milhões de dólares, destinados a um fundo de desenvolvimento da Concacaf, foram, segundo o jornal Sunday Independent, deduzidos dos 100 milhões de dólares pagos à África do Sul pela Fifa para a organização da Copa do Mundo de 2010.

O dinheiro foi movimentado pela Fifa, segundo a justiça americana, e envolveria outro dirigente sul-africano, o "cúmplice N.16", cujo nome não foi revelado.

Questionado pelo Sunday Independent, o presidente da Safa, Danny Jordaan, que era presidente do comitê de organização da Copa do Mundo-2010, reconheceu que a soma foi paga em 2008, quatro anos depois da África do Sul ser escolhida sede do evento.

"Como poderíamos ter pago propina quatro anos depois de termos sido eleitos?", perguntou Jordaan, que acaba de ser eleito prefeito de Nelson Mandela Bay, município de Port Elizabeth.

"Nunca paguei ou aceitei propina ou algo parecido em toda minha vida", declarou.

"Não sabemos quem foi mencionado aqui", completou, referindo-se ao "cúmplice N.16". "Não quero acreditar que estejam falando de mim".

Uma maleta

Segundo a justiça americana, há também um misterioso portador de uma maleta, alto-dirigente do comitê de candidatura sul-africano, identificado como "cúmplice N.15", que teria entregue 10 mil dólares em dinheiro a outro dirigente esportivo num hotel em Paris.

Thabo Mbeki, presidente do país na época, e o atual governo sul-africano, negaram com veemência as acusações de corrupção.

"Quando organizamos o Mundial em junho (2010), tivemos uma auditoria impecável. (...) Nunca foi sugerida qualquer infração que teria acontecido na África do Sul", declarou o ministro da Presidência, Jeff Radebe.

Fikile Mbalula, ministro dos Esportes desde 2010, também negou as acusações da justiça dos Estados Unidos, afirmando que "parece que estão fazendo um filme!".

A África do Sul, que foi candidata a sediar a Copa do Mundo de 2006, acabou sendo escolhida em 2010, vencendo Egito e Marrocos.

A Copa-2010, apadrinhada por Nelson Mandela, foi um evento importante da era pós-apartheid na África do Sul, onde o futebol é o esporte favorito da maioria negra da população.

UOL Esporte

Robinho 'se despede' com golaço de voleio, mas Santos cede empate ao Sport

O atacante Robinho 'se despediu' do Santos com um gosto amargo. Na última partida de seu atual contrato com o clube, o camisa 7 marcou um golaço de voleio, abusou das jogadas de efeito, mas viu o Sport arrancar um empate por 2 a 2 no último minuto, neste domingo, na Vila Belmiro, pela quarta rodada do Brasileirão.

Nesta segunda-feira Robinho se apresenta à seleção brasileira para a disputa da Copa América e, caso seu contrato não seja renovado, fez sua última partida pelo Santos neste domingo. As conversas para um novo vínculo estão em andamento e ambas as partes combinaram de se reunir novamente na próxima quarta.

O empate no minuto final manteve a invencibilidade do Sport no Brasileirão. A equipe pernambucana aparece na vice-liderança, com oito pontos. Já o Santos perde a chance de se aproximar do G-4 e fica na nona colocação, com cinco pontos.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 2 X 2 SPORT

Santos: Vladimir; Daniel Guedes (Chiquinho), Werley, David Braz e Victor Ferraz; Lucas Otávio, Renato e Lucas Lima; Geuvânio (Gabriel), Robinho e Ricardo Oliveira (Rafael Longuine). Técnico: Serginho Chulapa

Sport: Danilo Fernandes; Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Durval e Renê; Rithely, Wendel, Neto Moura e Régis (Diego Souza); Maikon Leite (Élber) e Joelinton (Mike). Técnico: Eduardo Batista

Local: Vila Belmiro (Santos)
Data: 31/05/2015
Horário: 11h
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (PR)
Assistentes: Moises Aparecido de Souza e Luiz H Souza Santos Renesto (ambos do PR)
Cartões amarelos: David Braz (Santos); Wendel e Neto Moura (Sport)
Gols: Robinho, aos 42 min do 1º tempo; Joelinton, aos 5, Werley, aos 24, e Samuel Xavier aos 47 min do 2º tempo

UOL Esportr

Fora de casa, ADC Ford derrota Indaiatuba na Liga Paulista de Futsal

(Foto: Jonas Barbetta/ Top 10 Comunicação)


















Em uma partida muita equilibrada, a ADC Ford abriu o placar aos cinco minutos do primeiro tempo. Ferrugem arriscou de fora da área, a bola desviou no adversário e balançou as redes. Os donos da casa empataram três minutos depois em jogada de bola parada. Na etapa complementar, os visitantes voltaram melhor e desempataram com o ala Evandro.

“Duelo difícil, porém nossa defesa acabou se destacando e com ótima atuação do goleiro Velloso. O mais importante de tudo isso foram os três pontos ganhos depois de ter perdido

no ginásio do Cemte”, disse o técnico Bruno Zuchinalli.

Restando três jogos para o fim da primeira fase do estadual, a ADC Ford recebe a A.A.B.B na terça-feira, 2, e depois o Corinthians (10) e Brasil Kirin (17). “Confronto direto e não podemos decepcionar diante dos nossos torcedores”, completou o treinador.

Vale News

sábado, 30 de maio de 2015

Comitê da Fifa mantém direito da Conmebol por 5ª vaga para a Copa do Mundo

Nada mudou no sistema de vagas para a Copa do Mundo. Em reunião extraordinária do Comitê Executivo da Fifa realizada na manhã deste sábado na sede da entidade, em Zurique, na Suíça, ficou decidido que a Conmebol, a Confederação da América do Sul, segue com o direito de colocar uma quinta seleção na disputa através de um duelo de repescagem. A decisão vale para as duas próximas Copas - de 2018 na Rússia e 2022 no Qatar -.

"Estamos satisfeitos. Não houve a mudança por uma questão de justiça. As vagas estão iguais e não só para uma Copa do Mundo, e sim duas. Daí em diante teremos novas possibilidades", comemorou o presidente da Conmebol, Juan Ángel Napout, após a reunião

No início do mês, Napout havia admitido em Assunção que a América do Sul corria o risco de perder seu direito a disputar a quinta vaga a partir da edição de 2018. A partir disso, uma corrida política começou para fazer valer o direito anterior. 

O sistema de repescagem da Copa do Mundo dá duas vagas e envolve quatros seleções (América do Sul, América Central e do Norte, Oceania e Ásia). Um sorteio será realizado para definir os confrontos. Para a Copa de 2014, por exemplo, os embates foram entre Uruguai x Jordânia – seleção uruguaia foi a vencedora – e México x Nova Zelândia– vitória dos mexicanos. 

O Comitê Executivo da Fifa é composto por 17 membros, com eleição para decisões como essa. Três membros do grupo se ausentaram. Entre eles, o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero. O dirigente brasileiro voltou ao país na quinta-feira e nem sequer participou da eleição presidencial da entidade no dia seguinte.

UOL Esporte

Nadal segue firme em Roland Garros e passa fácil por rival russo

(Foto: ETIENNE LAURENT/EFE)














O espanhol Rafael Nadal continua firme em sua caminhada em Roland Garros. Neste sábado, o nove vezes campeão do torneio teve mais uma vitória tranquila, despachando o russo Andrey Kuznetsov em sets diretos, com parciais de 6/1, 6/3 e 6/2, depois exatas duas horas de partida.

Com o triunfo, seu 69º no torneio parisiense, Nadal garantiu lugar nas oitavas de final, em que terá pela frente o norte-americano Jack Sock, responsável pela eliminação do jovem croata Borna Coric por 3 sets a 0, com placar final de 6/2, 6/1 e 6/4.

Será a primeira vez que Sock vai cruzar o caminho do canhoto de Mallorca no circuito. O norte-americano de 22 anos e atual 37 do mundo nunca foi tão longe em Roland Garros, onde pela primeira vez passou da terceira rodada.

Do outro lado, Nadal é o maior vencedor no torneio e só perdeu um jogo até agora em Roland Garros, caindo diante do sueco Robin Soderling nas oitavas de 2009. Se passar por Sock, o espanhol tem tudo para rever o sérvio Novak Djokovic nas quartas, repetindo o que foi a final do ano passado.

Apesar do histórico em Paris, o ex-número 1 do mundo chegou ao torneio coberto por uma desconfiança, resultado dos resultados abaixo da média no saibro europeu. Nadal não venceu um título sequer na preparação para Roland Garros e em 2015 venceu apenas no ATP 250 de Buenos Aires.

O primeiro set foi repleto de quebras. Nadal venceu quatro dos seus seis games no saque do rival, que venceu apenas um game, justamente em uma quebra para cima do espanhol.

Na segunda parcial, o canhoto de Mallorca abriu 3/0 logo de cara, repetiu a quebra no sexto game e sacou para repetir o 6/1. Contudo, Kuznetsov devolveu a quebra e adiou a derrota no set, que veio no nono game.

Kuznetsov foi presa fácil para o espanhol no terceiro set, perdeu o saque em duas oportunidades e acabou eliminado por 3 a 0 em seu primeiro confronto da carreira contra Nadal.

UOL Esporte

Flamengo atropela Bauru, mantém hegemonia e é tetracampeão do NBB

No basquete brasileiro, quem manda é o Flamengo. Mesmo diante do time de melhor campanha na primeira fase, o clube carioca não tomou conhecimento do Bauru. Venceu a segunda partida da decisão por 77 a 67, neste sábado (30), em Marília, e sagrou-se tetracampeão do Novo Basquete Brasil (NBB).

Foi o quarto título do Flamengo, o terceiro consecutivo, o que coloca a equipe da Gávea como a maior vencedora da competição nacional. O resultado ainda mantém o NBB com apenas dois campeões na história. Em sete edições, apenas o clube carioca e o Brasília, dono de três conquistas, levantaram o troféu do torneio.

"É uma alegria muito grande, esse foi o mais difícil. Oscilamos muito no campeonato, mas sabíamos do potencial do nosso time. Crescemos no momento certo", vibrou o ala Marcelinho Machado ao Sportv.

"Difícil falar agora alguma coisa. Para quem vê o dia a dia, nosso grupo de trabalho, só eles sabem o que a gente passou nessa temporada. Mérito dos jogadores, a festa é deles. Eles são os melhores mesmo, por isso que a gente conseguiu. Muita gente acha que tem briga por vaidade, mas é porque todos querem ganhar. Todos se respeitam", afirmou o técnico José Neto, comandante do Flamengo nas últimas três conquistas.

Já o Bauru perde a chance de manter os 100% de aproveitamento nesta temporada. O clube conquistou o Campeonato Paulista, a Liga Sul-Americana e a Liga das Américas. Este último título, aliás, dará direito de enfrentar o Real Madrid, campeão da Euroliga, na final da Copa Intercontinental no mês de setembro em São Paulo.

O revés do Bauru na final do torneio nacional também mantém o jejum paulista no NBB. Dono do maior número de representantes na competição (10 dos 16 participantes), o estado de São Paulo nunca conquistou o título do torneio organizado pela Liga Nacional de Basquete (LNB).

A partida deste sábado seguiu a mesma tônica do jogo anterior. O Flamengo controlou as ações com uma defesa agressiva que praticamente anulou as ações ofensivas do Bauru. O time do interior de São Paulo manteve um baixo percentual de arremessos, decisivo para o revés, e só esboçou uma reação no último período, mas sem sucesso.

O primeiro quarto foi um passeio do Flamengo, que nem parecia jogar 'fora de casa' (a partida foi em Marília, já que o ginásio Panela de Pressão, em Bauru, não oferece a capacidade exigida para receber a decisão). A pressão defensiva proporcionou o contra-ataque aos cariocas, que fecharam o período vencendo por 25 a 11.

O nível da partida caiu no segundo quarto e o Bauru equilibrou as ações. Chegou a reduzir a diferença para apenas oito pontos, mas voltou a vacilar no fim do período e viu os cariocas voltaram a ampliar a diferença para 40 a 25.

"Fizemos um bom primeiro tempo, nossa estratégia defensiva está funcionando. É continuar focado, com um jogo intenso", disse Marcelinho Machado.

O Flamengo voltou do intervalo com a mesma intensidade do primeiro quarto e contou com a apatia do Bauru para elevar a diferença. As bolas do Bauru seguiram não caindo, a equipe paulista apresentou uma marcação frouxa e os cariocas colocaram a mão na taça ao abrirem 62 a 39.

O Bauru acordou para a partida apenas no último quarto. Robert Day passou a acertar os chutes de três, marcou 12 pontos no período, a diferença caiu para 10 e 'incendiou' a torcida. A reação, porém, veio tarde. O time paulista ainda perdeu o norte-americano por estourar o limite de faltas e não conseguiu impedir que o Flamengo levantasse mais uma vez o troféu.

UOL Esporte

Concórdia sai na frente, mas Orlândia vira e assume liderança provisória

(Foto: Márcio Damião/Orlândia Futsal)






















O Orlândia começou sonolento na partida contra o Concórdia, na manhã deste sábado, porém, de virada, venceu por 3 a 2 e reassumiu de maneira provisória a liderança da Liga Nacional de Futsal. O jogo aconteceu no ginásio Maurício Leite de Moraes.

Na classificação, Orlândia tem 24 pontos, contra 23 do Guarapuava, que enfrenta o Corinthians nesta noite. Na próxima rodada, os orlandinos enfrentarão o Atlântico, na segunda-feira, no Maurício Leite de Moraes, às 20h15. Na mesma data e horário, o Concórdia visita o Minas, em Belo Horizonte. Os catarinenses estão em oitavo lugar, com 19 pontos.

Sono, velocidade e reação
A proposta de acelerar a partida com toques rápidos e ataque veloz fez Concórdia surpreender o Orlândia no início do jogo desta manhã. Com um minuto de bola rolando, Felipe errou na saída de bola e Dimas, sem dificuldade, fez o primeiro gol dos catarinenses.

Sonolento, o time orlandino acordou com a desvantagem no placar. Aos quatro minutos, o ala Jackson aproveitou um contragolpe e empatou a partida. Aos seis, o ala-pivô Douglas recebeu após escanteio e concluiu forte contra o gol de Deivid para virar o marcador. Porém, o jogo veloz do Concórdia apareceu novamente no minuto seguinte, quando Duda recuperou a bola de Cauê e, por cobertura, deixou tudo igual novamente.

A segunda etapa começou com um bonito gol de Jackson após assistência de Cabreúva, aos três minutos. O restante da partida marcou a tentativa do Concórdia em chegar ao empate com a tática do goleiro-linha, e o Orlândia desperdiçando várias oportunidades para ampliar.

Globo Esporte

FIB empata com São Caetano e se complica na luta por vaga

Depois de abrir 2 a 0 no placar, a FIB acabou cedendo o empate ao São Caetano, nessa sexta-feira (29) à noite, em jogo pela Liga Paulista de Futsal realizado no Ginásio Duduzão. Assim, o time bauruense desperdiça importante oportunidade de se aproximar do G12 da competição, grupo de equipes que avançam à próxima fase, e segue em 13º lugar, com sete pontos. “Saímos com 2 a 0 na frente, sofremos o empate e saímos com gosto de derrota”, resumiu o ala Fumaça, em entrevista à webrádio Jornada Esportiva, logo após a partida.

O primeiro tempo foi bastante disputado, com ambos os times criando e perdendo chances. Quem se deu melhor foi a FIB, quando a etapa já se encaminhava para o final. Após desarme de Fumaça, Júlio Chaló puxou contragolpe pela esquerda e tocou na saída do goleiro Danilo, de São Caetano. E a situação ficou melhor ainda logo no retorno do segundo tempo. A FIB ampliou com Evinho, que se aproveitou de saída errada do São Caetano e bateu no ângulo.

Em desvantagem e com a derrota decretando matematicamente sua eliminação da Liga Paulista, o São Caetano passou a apostar no goleiro-linha e partiu para pressão total. A FIB buscou se defender e avançar para matar o jogo em um contra-ataque. O time do ABC diminuiu com Emerson, que escorou bola cruzada na área. O São Caetano continuou insistindo até chegar ao empate a pouco mais de dois minutos pra o fim, com Gouveia.

O resultado foi ruim para os dois times, mas principalmente para a FIB, que jogou em casa, e perdeu a chance de “colar” na zona de classificação. O técnico Elton Carvalho lamentou as chances perdidas. “A intensidade que aplicamos poderia ter nos dado até três gols de diferença ainda no primeiro tempo. Não fizemos e teve uma falha ou outra que acabaram complicando nosso time”, declarou. “Agora é trabalhar o máximo possível para não cometer os mesmo erros na próxima”, projetou Fumaça. O pivô Lucas Tadeu, estreante da noite na FIB, foi pelo mesmo caminho. “Jogamos bem e perdemos bolas de detalhe”, lamentou.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Ameaça de bomba na votação da Fifa é falsa, informa polícia suíça

(Foto: João Henrique Marques/UOL)




















Uma ameaça de bomba na área destinada à votação presidencial da Fifa preocupou as autoridades nesta sexta-feira. A polícia suíça informou que se trata de alarme falso. Antes de ter certeza de que se tratava de uma notícia falsa, os policiais impediram que qualquer participante saísse do Congresso, em Zurique.

Os jornalistas credenciados ao evento também não puderam entrar na área que supostamente seria alvo de terroristas. A polícia da Suíça agiu rapidamente e impediu que os envolvidos se desesperassem. Não foi preciso evacuar a área. A Fifa realiza nesta sexta a eleição para definir o presidente da entidade. Joseph Blatter tenta se reeleger, tendo como adversário Ali Bin Al Hussein.

O pleito acontece dias depois do maior escândalo da história do futebol. Sete dirigentes da Fifa foram presos no início da semana acusados de corrupção em contratos comerciais de competições realizadas na América do Sul e Central. Entre os detidos está José Maria Marin, ex-presidente da CBF. 

Opositora à atual gestão da Fifa, a Uefa (Confederação da Europa) pressionou Blatter a desistir das eleições em meio a diversas suspeitas de corrupção na Fifa. 

Paralelamente ao escândalo que resultou na prisão de dirigentes da FIfa, a votação presidencial também enfrenta a ira de palestinos, que protestam na entrada do Congresso pedindo a exclusão de Israel do quadro da Fifa.

UOL Esporte

Mesmo com atendimento médico, Djokovic domina e vence em sets diretos

O sérvio Novak Djokovic deu um susto nos seus torcedores na partida desta quinta-feira apesar da tranquila vitória por 3 sets a 0 sobre o experiente luxemburguês Gilles Muller, com parciais de 6/1, 6/4 e 6/4. No fim da segunda parcial, o número 1 do mundo pediu atendimento médico na perna direita, mas isso não o impediu de seguir firme no jogo.

Em busca da único Grand Slam que lhe falta no currículo, Djokovic garantiu lugar na terceira rodada e terá agora pela frente o jovem australiano Thanasi Kokkinakis, que levou a melhor para cima do compatriota Bernard Tomic, que sacou para  jogo no quinto set e teve três match-points a seu favor, mas não confirmou e acabou eliminado com placar de 3/6, 3/6, 6/3, 6/4 e 8/6.

Djokovic começou a construir sua 24ª vitória seguida com uma grande atuação no primeiro set, em que conseguiu duas quebras sobre Muller e venceu perdendo apenas um game. O domínio do sérvio foi tamanho que ele venceu 27 dos 36 pontos disputados, sendo 11 deles com bolas vencedoras.

No segundo set, o número 1 do mundo teve um pouco menos de facilidade, mas conseguiu a vantagem já no terceiro game e o maior susto foi no fim do nono game, quando pediu atendimento médico para a perna direita. Para evitar dúvidas, ele voltou para quadra e fechou a parcial vencendo o seu game de saque de zero.

A partida continuou sob o domínio de Djokovic, que abriu 4/1 e saque no terceiro set e mesmo tendo uma das duas quebras devolvida, se manteve firme na dianteira. Ele confirmou os serviços restantes e sacramentou sua segunda vitória em dois jogos contra Muller, sua vítima também nas oitavas do Aberto da Austrália.

UOL Esporte

FIA abre inscrições para uma nova equipe na F1 na temporada de 2016

(Foto: Amigos da Velocidade)


















A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) lançou um novo processo de seleção que visa inscrever uma nova equipe na Fórmula 1 na temporada de 2016. O calendário de avaliação termina a primeira fase (para manifestação dos interessados) no dia 30 de junho. A decisão da entidade está programada para o final de setembro.

De acordo com um comunicado da FIA, a definição será baseada “nos interesses globais de longo prazo do campeonato”. Há a possibilidade de nenhum candidato ser selecionado caso não seja viável. A FIA avaliará: a capacidade técnica e recursos da equipe; a capacidade de levantamento e manutenção de fundos suficientes para permitir a participação no Mundial em um nível competitivo; experiência e recursos humanos; o valor que o candidato pode trazer para o campeonato como um todo.

UOL Esporte

Clubes têm direito a recuperar propina de Marin nos EUA, e vão estudar caso

Clubes brasileiros têm direito a cobrar judicialmente a recuperação de dinheiro pago em propinas a cartolas como o vice-presidente da CBF, José Maria Marin, em escândalo da Fifa. Dirigentes admitem estudar o caso se houver condenação do dirigente, e comprovação das irregularidades. O dinheiro para reparação viria de pagamentos de multas por acusados como José Hawilla.

Primeiro,documentos do Departamento de Justiça dos EUA deixam claro que a CBF, Fifa e suas entidades constituintes (clubes e federações) foram lesados pelo esquema de corrupção. Foram pagos subornos relacionados à Copa do Brasil e à Libertadores. Os dinheiro das propinas poderiam aumentar as diminutas cotas dos clubes.

Só José Hawilla, que reconheceu sua culpa em ambos os casos, se comprometeu a pagar US$ 151 milhões (R$ 480 milhões), dos quais já quitou um sexto. Esse dinheiro é dado ao governo americano, mas pode ser reivindicado por lesados.

O comunicado do Departamento de Justiça diz: “Todo o dinheiro dado está sendo mantido em reserva para assegurar sua disponibilidade para satisfazer qualquer ordem de restituição entrada por sentença em benefício daqueles indivíduos ou entidades que se qualifiquem como vítimas dos acusados sob a lei federal.''

“A empresa ou pessoa tem que se habilitar e pode levantar partes desse dinheiro desde que tenha uma sentença de culpa, ou que a pessoa se declare culpada'', afirmou o advogado Luiz Roberto Leven Siano. “Me parece claro que os clubes se qualificam, a CBF também.''

Entre os cartolas ouvidos pelo blog, houve cautela sobre o assunto, mas uma intenção de estudar o caso para eventual pedido de recuperação do dinheiro.

“Precisamos conhecer o libelo acusatório, os desvios e as vítimas para entender o quanto formos e se fomos prejudicados'', afirmou o presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar. “Não temos acesso (as acusações). Os clubes a meus ver devem unir-se e constituir advogados para representá-los. Esta é minha proposta.''

“Isso tem que ser investigado. É cedo para criar um juízo de valor. Precisaremos entender, se houve culpa, se houve prejuízo para os clubes'', analisou o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, que considera o episódio “péssimo para o futebol''. “A partir daí, podemos entender se podemos recuperar esses valores.''

Para o dirigente alvinegro, a diretoria da CBF deve colaborar com investigação da Polícia Federal que estão começando. Postura mais cautelosa adotou o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello: disse que espera as conclusões dos fatos para saber se algo tem que ser feito pelo clube.

“O Flamengo apoia a moralização do futebol sul-americano, da Fifa e da CBF. Não queremos acusar ninguém antes de conclusão do processo. Assim como entramos em rota de colisão com a Ferj por transparência, a questão da transparência vale para outras entidades'', afirmou Bandeira de Mello, que elogiou Del Nero por prometer transparência em sua gestão.

O blog ainda questionou o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, se a entidade tinha intenção de recuperar dinheiro da qual foi lesada por propinas. “Não pensamos nisso ainda'', afirmou. A questão é que o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, que decidiria esse tipo de questão, tem fortes indícios de envolvimento com o esquema pelo relatório do Departamento de Justiça dos EUA.

UOL Esporte

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Ponto de Opinião: Investigação envolvendo Fifa move milhões e deixa entidade em xeque



(Foto: Divulgação)



















Aos amantes do futebol nacional e internacional, e também aos jornalistas e críticos do esporte, a semana foi movimentada pelo escândalo envolvendo diversos presidentes de federações nacionais, além do ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin. O escândalo fez o prédio da CBF, no Rio de Janeiro, perder o nome do ex-comandante.
 
Em resumo, seis dirigentes da Fifa foram presos na quarta-feira (26), sob a acusação de corrupção, extorsão e lavagem de dinheiro em contratos comerciais de torneios da América do Sul e Central, dentre eles Copa do Brasil e Taça Libertadores. A investigação foi coordenada pela FBI e contou com auxílio da polícia da Suíça. A Justiça dos EUA informou que os envolvidos podem pegar até 20 de prisão, e os presos foram extraditados para Zurique até o fim das investigações.

A história é comprida, envolve algumas empresas que vendiam direitos de transmissões desses torneios, mas lucravam indevidamente com essas vendas. Um desses envolvidos é José Hawilla, mais conhecido como J. Hawilla, dono da Traffic Group, maior agência de marketing esportivo da América Latina, além de diretor-proprietário da TV Tem, afiliada da Rede Globo.

Suposto esquema que está sendo investigado (Foto: Arte UOL)


Outro nome envolvido nas investigações é de Nicolás Leóz, ex-presidente da Conmebol, que exigiu parte dos lucros da Libertadores, e conseguiu uma mesada e propinas pagas pela Traffic. Os contratos de marketing tiveram um crescimento de 1998 a 2010, sendo que foram pagos R$ 110 milhões pelos direitos de nome da competição comprados pela Toyota. Já no contrato seguinte, foi pago R$ 125 milhões por cinco anos, constatando ou lucro dobrado no novo contrato firmado.

Outro fato, relatado a pouco pela mídia noticiosa, é a saída do atual presidente da Fifa, Marco Polo Del Nero, do hotel na Suíça. O dirigente tomou a medida um dia depois do estouro do escândalo, e a um dia das votações para o novo presidente da Fifa. André Pita e Mauro Carmélio, presidentes da Federação Goiana e Cearense, respectivamente, estão em Zurique e são os possibilitados de representar o Brasil no pleito.

As investigações ainda vão mostrar a grande sujeira envolvida em todos os lucros firmados por debaixo dos panos. Como podemos analisar, as lavagens vêm acontecendo desde a década retrasada, mas só agora estamos vendo o quão grande é o escândalo por trás da Fifa. As investigações envolvendo nomes como Marin, e possíveis Del Nero e Joseph Blatter, atual presidente da Fifa, demonstram o tanto se lucrou em favor pessoal nessas competições. E mais: a justiça dos EUA quer investigar a copa no Brasil.

O Blog do Esporte continuará analisando as notícias, e atualizando a página e redes sociais com mais informações. 

Del Nero pode ser apontado em investigação (Foto: Bruno Domingos/Mowa Press)

Bellucci não consegue tirar set de Nishikori e acaba eliminado na 2ª rodada

(Foto: Gonzalo Fuentes/Reuters)















Não deu para o paulista Thomaz Bellucci em Roland Garros. Vindo de seis vitórias seguidas e o título em Genebra, ele acabou parando diante do japonês Kei Nishikori, atual número 5 do mundo, que bateu o brasileiro por 3 sets a 0, com placar final de 7/5, 6/4 e 6/4, depois de 2h22 de confronto.

Apesar da derrota, o canhoto de Tietê não se despede completamente do saibro parisiense, uma vez que está na chave de duplas e mais tarde terá sua estreia ao lado do português João Sousa. Os finalistas de Genebra se uniram e enfrentarão Jamie Murray e John Peers, cabeças de chave 11.

"Ainda jogo duplas hoje, mas o balanço que eu faço dessa gira no saibro é muito positivo. Comecei fora dos 80 melhores do mundo, mas confiante que conseguiria reverter um começo de ano não tão bom", comentou o paulista.

"Não quero parar por aqui. Tenho outros objetivos a cumprir nessa temporada e vou seguir trabalhando duro pra cumprir cada um deles. Para mim o ano está só começando!", afirmou Bellucci.

Classificado para a terceira rodada, Nishikori terá pela frente o alemão Benjamin Becker, responsável pela eliminação do espanhol Fernando Verdasco, 32º favorito, em uma batalha de cinco sets, definida com parciais de 6/4, 0/6, 1/6, 7/5 e 10/8.

Embora seja o quinto melhor do mundo, o japonês busca pela primeira vez fazer uma boa campanha em Paris, onde nunca passou das oitavas de final.

O primeiro set foi equilibradíssimo e definido apenas na reta final. Mais consistente, Nishikori se deu melhor nos momentos importantes, aproveitou um game irregular de Bellucci nos saques, em que o brasileiro cometeu uma dupla-falta para ceder o break-point e em seguida acabou quebrado. O japonês sacou então em 6/5, confirmou o serviço e saiu na frente.

Bellucci não digeriu bem a derrota no primeiro set e começou errando muito no segundo. Uma série de duplas-faltas em seus dois primeiros games de serviço acabaram custando caro, ele foi quebrado duas vezes e viu Nishikori abrir 4/0. O paulista reagiu e até devolveu uma das quebras, mas ficou nisso e perdeu também a segunda parcial.

No terceiro set, o paulista manteve os erros no saque e amargou duas quebras. A primeira delas veio no terceiro game e a segunda no sétimo, em que Nishikori abriu 5/2 e sacou em seguida. O japonês vacilou na primeira vez que serviu para o jogo, mas na segunda oportunidade selou a vitória sobre Bellucci, a primeira em dois jogos, devolvendo o resultado negativo sofrido em um challenger colombiano em 2007.

Os erros não forçados custaram caro para o canhoto de Tietê, que terminou a partida com 43, sendo 10 deles em duplas-faltas. Do outro lado, Nishikori cometeu 30 erros não forçados e anotou 39 bolas vencedoras, contra 24 de Bellucci.

"Comecei jogando bem, mas cometi uns erros no final do primeiro set e início do segundo e terceiro sets que me custaram o jogo. Não saquei tão bem quanto vinha sacando e isso me deixou em situações complicadas. É difícil jogar atrás do placar contra qualquer jogador, mas principalmente contra os caras tops que te dão muito poucas chances", avaliou o tenista número 1 do Brasil.

UOL Esporte

Ex-chefão da Conmebol exigiu e embolsou lucros da Libertadores

O ex-presidente da Conmebol, Nicolás Leóz, exigiu parte dos lucros da Libertadores, e conseguiu uma mesada e propinas pagas pela Traffic. As informações constam da investigação do Departamento da Justiça e do FBI nos EUA. A competição teve uma explosão de rendimentos nos últimos anos, mas os clubes brasileiros reclamam que o dinheiro não chega a eles.

A investigação mostra o crescimento dos contratos de marketing da competição. De 1998 a 2007, foram pagos R$ 110 milhões pelos direitos de nome da competição comprados pela Toyota. No contrato seguinte, pagou-se R$ 125 milhões por cinco anos, isto é, mais do que o dobro.

Só a Traffic pagou outros R$ 180 milhões para ter os direitos de toda a competição, de 2000 a 2007, que poderiam ser revendidos a redes de televisão e outros patrocinadores. A questão é que o Léoz não queria que a empresa arrecadasse sozinha.

“No início dos anos 2000, o acusado Nicolas Leóz em vários momentos solicitou propina e suborno à Traffic em troca de seu apoio.'' Sua argumentação era de que sabia que a empresa ganharia muito dinheiro e não seria justo ele não ganhar nada pela competição de clubes.

A investigação mostra que, em 2006, foram pagos US$ 2 milhões na conta pessoal de Léoz. Depois, foi estabelecido um pagamento anual de US$ 400 mil por torneio entre 2008 e 2012. Segunda a descrição da investigação, o dinheiro ia direto para conta do paraguaio, ou ele desviava fundos da Conmebol.

Pelo menos um patrocinador ouvido pelo blog afirmou que não dá para fechar contrato com a Conmebol relacionado à Libertadores sem pagar comissão a dirigentes. Como mostrado na investigação, o mesmo vale para a Copa América.

Se for feita uma comparação, um clube ganha como cota em jogos iniciais da Libertadores apenas US$ 250 mil por partidas em casa na primeira fase. Ou seja, um time, com todas as suas despesas, arrecada menos do que a mesada do então presidente da Conmebol. A cota do campeão é de US$ 2,3 milhões, apenas um pouco maior do que a propina recebida por Léoz em 2006.

UOL Esporte

Warriors vencem Rockets e vão à final; Brasil terá segundo campeão da NBA

(Foto: EFE/JOHN G. MABANGLO)














O Golden State Warriors vai enfrentar o Cleveland Cavaliers na grande final da NBA. Nessa quarta-feira, o time de Oakland venceu o Houston Rocktes por 104 x 90, encerrou a série em 4 a 1 e sagrou-se campeão da Conferência Oeste.

Dessa forma, o Brasil já garante seu segundo campeão na história da NBA. De um lado, Anderson Varejão, que está machucado desde meados da temporada mas é um dos ídolos do Cleveland Cavaliers. Do outro, Leandrinho Barbosa, o mais veterano dos brazucas da liga que tem entrado com frequência nos jogos do Golden State Warriors. No ano passado, Tiago Splitter se tornou o primeiro brasileiro campeão da NBA, após título do San Antonio Spurs.

De volta ao jogo dessa quarta, Stephen Curry teve sua primeira partida abaixo da média nesses playoffs. O MVP da temporada regular da NBA aparentou estar sem confiança, depois da queda com a cabeça no chão que assustou todo mundo no último jogo, mas mesmo assim terminou como cestinha do time com 26 pontos.

Mas outra grande estrela também deixou a desejar. Com 13 turnovers, recorde de erros nos playoffs, James Harden não conseguiu repetir as grandes atuações e esteve abaixo da crítica com 14 pontos. O destaque do Houston ficou por conta de Dwight Howard, que dominou o jogo de garrafão e terminou o jogo com 18 pontos e 16 rebotes.

Agora, o Golden State Warriors e o Cleveland Cavaliers começam a série melhor de sete na próxima quinta-feira, 4 de junho. Enquanto o time de Stephen Curry não chegava à final há 40 anos, a equipe de LeBron James nunca foi campeã da NBA.

O jogo
Precisando de uma vitória para continuar vivo na final da Conferência Oeste, o Houston começou em ritmo alucinante contra o Golden State e abriu vantagem no placar mesmo jogando em Oakland.

Com os dois times errando muito, 7 turnovers para os Rockets e 6 para os Warriors, o placar do primeiro quarto foi baixo. Mas os visitantes saíram com vantagem: 22 x 17.

O Golden State "acordou" no segundo período e logo virou o placar. Enquanto o Houston ficou zerado nos três primeiros minutos, Klay Thompson comandou com três bolas de três a reação do time da casa, que anotou dez pontos seguidos.

Com boa atuação de Dwight Howard, os Rockets dominaram o garrafão e não deixaram os Warriors dispararem na partida. Mas o pivô cometeu uma falta técnica, sua sétima nos playoffs, e ficaria de fora de uma possível sexta partida.

Curiosamente, as grandes estrelas das duas franquias tiveram primeiro tempo muito abaixo do esperado. Tanto James Harden, que terminou a metade inicial com 11 pontos e 8 turnovers, como Stephen Curry, que pareceu disperso e sem confiança após bater forte a cabeça no último jogo, decepcionaram. Resultado parcial: Golden State Warriors 52 x 46 Houston Rockets.

O Golden State voltou bem dos vestiários e abriu dez pontos de vantagem no início do terceiro quarto. Mais uma vez, no entanto, não conseguiu administrar a liderança e deixou o Houston encostar no placar. Stephen Curry, inclusive, continuou abaixo da crítica e colocou somente uma bola de quadra.

Mas James Harden estava igualmente apagado e bateu seu recorde de turnovers: 11 erros até o final do terceiro período. Assim, o Golden State contou com a força de sua torcida para segurar a vantagem de seis pontos para o final do jogo.

No período final, mais um susto voltou a calar a estádio em Oakland. Klay Thompson tomou uma joelhada na cabeça e deixou a quadra para realização de exames nos vestiários. Mas teve "apenas" um corte na orelha.

Enfim, a torcida começou a fazer festa quando Golden State colocou 15 pontos de vantagem na metade do quarto. A partir daí, foi só administrar o placar e comemorar a volta às finais da NBA após 40 anos.

UOL Esporte