segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Cruzeiro demite Luxemburgo após dez derrotas em menos de três meses

(Foto: Denis Doyle/Getty Images)


O técnico Vanderlei Luxemburgo não vai comandar mais o Cruzeiro neste Campeonato Brasileiro. Em reunião nesta tarde de segunda-feira, ficou decidido que o treinador não está mais à frente do clube. Além de Luxa, o diretor de futebol, Isaías Tinoco, também se desligou do clube após pouco mais de um mês no cargo. Nesta quarta-feira, Deivid deverá ser o comandante celeste na partida contra a Ponte Preta, em Campinas. O Cruzeiro ainda estuda a possibilidade de anunciar o novo treinador após o jogo ou nos dias seguintes.

"Não acho que esse era um momento bom para trocar de treinador, mas eu não podia deixar mais as coisas dessa forma. Vim para a Toca (da Raposa II) mais cedo e conversei com ele (Vanderlei Luxemburgo) sobre o cargo que ele ocupava. O Vanderlei não é mais técnico do Cruzeiro e o (Isaías) Tinoco não é mais o diretor de futebol", comentou Gilvan de Pinho Tavares, presidente do Cruzeiro.

Vitorioso na primeira passagem pelo clube, entre 2002 e 2004, Luxa não conseguiu repetir o bom desempenho da década passada e não durou três meses no cargo. Nesse período foram 19 partidas, entre Copa do Brasil e Brasileirão, e foram dez derrotas. Nos últimos dez compromissos, Luxa alcançou somente uma vitória, despertando a ira da torcida cruzeirense, que passou a questionar suas decisões e pedir por sua saída.Essa foi a segunda demissão do treinador nesse Brasileiro. Até a terceira rodada, ele estava no Flamengo.

Contratado para substituir o bicampeão Marcelo Oliveira, Luxemburgo chegou no começo de junho e venceu as três primeiras partidas, contra Flamengo, o clássico com o Atlético e o Vasco. A empolgação inicial deu lugar a uma série de frustrações, que começou na derrota para a Chapecoense, no Mineirão, mesmo com quase 40 mil torcedores presentes. A meta inicial era de alcançar uma vaga para a Libertadores. No entanto, os resultados não vieram e os objetivos foram mudando, e hoje o principal foco do clube é em se manter na primeira divisão. O Cruzeiro tem 22 pontos na 16ª colocação, superando o Goiás e Coritiba, na zona de rebaixamento, somente devido ao saldo de gols.

A partir de agora, o Cruzeiro inicia sua busca por um treinador, ainda sem data para ser anunciado.

"Ainda não temos um nome definido e não é fácil um acordo como esse. Pode ser que não se resolva tudo depressa. Conversamos com o Deivid (auxiliar de Luxemburgo) e com o (Antônio, preparado físico) Mello para ficarem aqui até que a gente encontre uma solução para o nome. Na quarta, o Deivid comanda o time. No domingo, se não tivermos um novo treinador, ele também estará no comando", acrescentou, Gilvan.

Outros trechos da entrevista de Gilvan:

Decisão por demitir Luxa: Hoje, eu tive a incumbência como presidente do Cruzeiro e gestor do clube de tomara  decisão de conversa com nosso ex-treinador Vanderlei Luxemburgo e com diretor Isaías Tinoco, e expor a eles o fato de que havia uma tendência da torcida de não aceitá-los mais como treinador e diretor do Cruzeiro. Posso confessar que sou dos cruzeirenses que não consegue dormir quando o time perde. Passei mais uma noite acordado. Tenho dormido pouco.

O que levou a demissão: Perder do Palmeiras e do Santos... futebol, você vive de resultados. Se tivéssemos ganho, ninguém pediria cabeça de ele (Luxemburgo). Foi isso que aconteceu. Ele entendeu. Ele enxergou que a diretoria tinha de tomar essa atitude, porque futebol vive de resultados. Presidente não pode ficar à mercê disso tudo se resultados não vêm.

Mano e Muricy Ramalho?: O momento para contratar treinador é muito difícil. Todos estão empregados. Tem dois de ponta que não dirigem clubes atualmente. Os dois já negaram diversos convites de clubes. Não sei se eles poderiam mudar de ideia. A gente tem de trazer um treinador que possa desenvolver um trabalho numa grande equipe como Cruzeiro. A camisa não pesa apenas em jogadores inexperientes. Pesa também em treinadores com menos experiência. Temos de pensar. Esses dois, Muricy e Mano Menezes, são treinadores de ponta que não estão dirigindo nenhuma equipe, mas já vimos pela imprensa que eles não querem dirigir clubes este ano. Não vejo com facilidade a chance de eles aceitarem convite do Cruzeiro.

UOL Esporte

Com domínio, Força é derrotado em rodada da Copa Ipanema

(Foto: Nicholas Araujo/Divulgação)


















Mesmo com bom início de jogo e pressionando o adversário no campo de defesa, o Força/Interouro Alimentos/BBCOP/GVT saiu derrotado de campo por 2 a 1 na tarde desse sábado (29), pela Copa Ipanema Super Master Grama. Jogando contra o Casa do Óleo, a equipe sofreu a primeira derrota na competição e soma um ponto em dois jogos.

Dominando os primeiros 15 minutos de jogo, o Força viu a estratégia se complicar quando o adversário saiu em contra-ataque rápido e abriu o placar na saída do goleiro. No segundo tempo, em cobrança de pênalti, o time do dirigente Mário Sérgio empatou a partida. Entretanto, faltando cinco minutos para o fim do jogo, o Casa Óleo manteve a vantagem e fez o segundo gol no canto direito do goleiro Luciano, decretando a derrota do Força.

O Força volta a campo no próximo sábado (5) contra o Lado a Lado, a partir das 13:45 horas.

domingo, 30 de agosto de 2015

Com Kagawa 'garçom' e golaço, Dortmund bate Hertha, mantém 100% e lidera

Oito jogos na temporada, oito vitórias. O Borussia Dortmund manteve o 100% de aproveitamento em 2015-16 ao superar o Hertha Berlin por 3 a 1 em casa, neste sábado, pela terceira rodada do Campeonato Alemão. Hummels, Aubameyang e Ramos (um golaço no fim, à la futebol de salão) marcaram para os mandantes no Signal Iduna Park, e Kalou descontou.

O destaque da partida foi Kagawa, que deu a assistência para o time comandado por Thomas Tuchel e deu belo lançamento no lance do segundo gol.

Agora com nove pontos, o Dortmund assume a liderança, superando o Bayern de Munique apenas no saldo de gols: dez a nove. A equipe da capital germânica, por sua vez, estaciona nos quatro pontos e fica no 11º lugar.

Os aurinegros começaram a partida com o domínio territorial, mas, neutralizados pela marcação adversária, não conseguiam criar chances claras. Já os visitantes, além de se defenderem com sucesso, tiveram as duas melhores oportunidades da primeira metade da etapa inicial.

Primeiramente, Haraguchi saiu de frente para o gol, mas Hummels apareceu para fazer corte providencial. Depois, Darida chutou no meio do alvo para a defesa de Bürki.

Apesar do cenário adverso, o Dortmund abriu o placar aos 27 minutos do primeiro tempo. Kagawa escapou da marcação na direita e levantou na medida para Hummels cabecear para o fundo da rede.

Na volta do intervalo, o time da casa mostrou-se mais leve pela vantagem, seguiu controlando o jogo e passou a criar mais ocasiões de gol. Assim, ampliou a vantagem aos seis minutos. Kagawa fez ótimo lançamento na área para Ginter, que tocou para Aubameyang completar.

Na sequência do confronto, o duelo foi bem agitado, com boas chances de ambos os lados, sobretudo dos mandantes, que pecaram na finalização. Sem aproveitar as oportunidades de fazer o terceiro, o time aurinegro ainda levou um gol. Aos 33 minutos, Bürki espalmou finalização de Darida. No rebote, Kalou, em impedimento, completou para a rede e descontou.

O primeiro gol sofrido na competição, porém, não ofereceu muitos riscos à equipe da casa, que confirmou o triunfo nos acréscimos com uma pintura. Hofmann fez bela jogada individual na linha de fundo e tocou na área (não ficou claro se a bola havia saído em tiro de meta). Kagawa deixou para Mkhitaryan, que tocou de letra, e Ramos mandou para a rede após driblar o goleiro Kraft. O atacante colombiano, ex-jogador do Hertha, não marcava pela Bundesliga desde 13 de setembro de 2014.

Pela próxima rodada do Campeonato Alemão, o Borussia Dortmund visitará o Hannover 96 na HDI Arena, em 12 de setembro (sábado), às 10h30 (de Brasília). No mesmo dia e horário, o Hertha Berlin receberá o Stuttgart no Olympiastadion.

ESPN

Por que Renato Augusto virou protagonista invisível no líder Corinthians

(Foto: Ricardo Nogueira/Folhapress)















Ele não é o artilheiro da equipe e nem decide jogos, mas cresceu de tal maneira em 2015 que pode ser chamado de protagonista no Corinthians. Na equipe que lidera o Campeonato Brasileiro e vai à Santa Catarina enfrentar a Chapecoense, neste domingo, Renato Augusto desponta, 27 anos, como o nome mais importante. O jogo está marcado para as 16h (de Brasília). 

Renato é o principal passador e o principal driblador do Corinthians na Série A. Entre os jogadores ofensivos, é também aquele com maior número de desarmes em média, segundo o Footstats. Mas, acima de tudo, na avaliação de parte da comissão técnica, é aquele essencial para fazer o time jogar. Não à toa é o jogador mais acionado da equipe, mesmo que execute diferentes funções.

"O Renato é versátil em termos técnicos e táticos", explica Tite. "Se está mais avançado, tem um poder de retenção e finalização muito grandes. Mais recuado, tem um poder de organização perto do volante. No Bayer (Leverkusen) ele jogou por vezes de segundo volante porque tem essa qualidade do passe. São diversas características importantes e versatilidade", define o comandante. 

Mas, para Tite, o diferencial de Renato Augusto ainda é a leitura de jogo e o exemplo foi dado no primeiro jogo da temporada. Com a expulsão de Guerrero contra o Once Caldas-COL, ele imediatamente foi até o treinador discutir um novo posicionamento para a equipe.

O combinado foi ter Jadson e Renato abertos pelos lados e Emerson Sheik avançado. Passados alguns minutos, o meia se voltou ao treinador e disse que era necessário mudar a estrutura e inverter seu posicionamento com Sheik, o que se mostrou uma opção certeira. Avançado como falso centroavante, Renato Augusto brilhou, deu duas assistências e o Corinthians, em inferioridade numérica, goleou por 4 a 0. 

Até mesmo a ascendência de Renato sobre os colegas mudou na terceira temporada pelo Corinthians e foi evidenciada em dois casos recentes. Pressionado por dois erros em sua estreia como profissional, o jovem Guilherme Arana foi contido e orientado pelo meia durante a partida contra o Sport para que tivesse calma. Até mesmo o experiente Vagner Love ouviu conselhos do colega para desencantar no último domingo, com dois gols. 

"Há alguns atletas que, na modificação da estrutura da equipe, quando uns saem e outros ficam, emergem. Os espaços se abrem para lideranças. O Renato tem uma capacidade de análise tática muito desenvolvida. Não porque jogou no exterior, mas porque capta bem, tem essa facilidade. Como Cássio, Gil, Fagner e Jadson vem se desenvolvendo, é um agregador. A equipe absorve esses líderes", analisou Tite. 

Tudo isso, naturalmente, só é possível pela sequência de jogos sem se lesionar, algo que Renato Augusto consegue desde o ano passado. A ponto de, no Campeonato Brasileiro, conseguir enfileirar 15 partidas consecutivas, marca que só foi quebrada diante do Avaí, em que foi poupado. Foi um dos piores jogos do Corinthians na competição no que diz respeito à falta de criatividade. 

No último jogo pela Copa do Brasil. Tite optou por preservar Elias e Jadson, mas mandou Renato Augusto para comandar o meio-campo na dura missão de tentar a reviravolta contra o Santos. No dia seguinte, já eliminado do torneio, Renato foi o escolhido para ser o porta-voz do elenco em entrevista coletiva. Dois fatos que reafirmaram, dentro e fora de campo, a importância do jogador no Corinthians de hoje. 

FICHA TÉCNICA:

CHAPECOENSE x CORINTHIANS

Local: Arena Condá, em Chapecó (SC)
Data: 30 de agosto de 2015
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Fifa - GO)
Auxiliares: Christian Passos Sorence (Especial 2 - GO) e Bruno Raphael Pires (Asp Fifa - GO)

CHAPECOENSE: Danilo; Apodi, Vilson, Neto e Dener; Elicarlos, Bruno Silva e Cleber Santana; Tiago Luís, Ananias (Camilo) e Bruno Rangel. Treinador: Vinícius Eutrópio. 

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Felipe, Gil e Uendel; Ralf; Jadson, Elias, Renato Augusto e Malcom; Vagner Love. Treinador: Tite.

UOL Esporte

Brasil se despede do Mundial de Judô sem medalhas por equipes

Depois de uma campanha decepcionante no individual, com apenas duas medalhas de bronze, a seleção brasileira de judô encerrou sua participação no Mundial de Astana de forma amarga, sem subir ao pódio nas competições por equipes deste domingo, dominadas pelo Japão.

A equipe masculina foi derrotada pelos anfitriões do Cazaquistão na repescagem, enquanto as mulheres caíram logo na primeira rodada, diante das favoritas japonesas, que acabaram conquistando o título.

Líder disparado do quadro de medalhas no individual, o Japão faturou os dois ouros por equipe.

No masculino, superou a Coreia do Sul por 3 a 2 numa final emocionante. A Mongólia e a Geórgia ficaram com o bronze.

No feminino, as japoneses atropelaram a Polônia por 5 a 0 na decisão, deixando Alemanha e Rússia com o bronze. 

Com Charles Chibana, Marcelo Contini, Victor Penalber, Tiago Camilo e David Moura, a equipe masculina do Brasil estreou com vitória por 3 a 2 sobre o Uzbequistão.

O confronto foi emocionante, e decidido na última luta pelo peso pesado David Moura, que derrotou o veterano Abdullo Tangriev, um dos poucos a já ter batido o francês Teddy Riner, lenda viva do esporte, que se sagrou heptacampeão mundial no sábado.

David deu a volta por cima depois de levar um wazari e conseguiu a virada com um estrangulamento que obrigou o rival a bater para abandonar o combate.

Nas quartas de final, porém, o brasileiro provou do próprio veneno, ao perder, também por estrangulamento, para o alemão Dimitri Peters, enquanto vencia por um yuko.

O Brasil, que foi prejudicado pela lesão de Tiago Camilo contra os uzbeques, também foi derrotado por 4 a1 pelos cazaques na repescagem.

No feminino, Érika Miranda, Rafaela Silva, Maria Portela e Rochele Nunes não foram páreo para as japonesas, e perderam todas as suas lutas.

O desempenho neste mundial foi o pior em seis anos, desde a edição de Roterdã-2009, quando o Brasil ficou sem medalha.

Desta vez, apenas Érika Miranda (até 52 kg) Victor Penalber (até 81 kg) conseguiram subir ao pódio, ambos com o bronze, um balanço preocupante a um ano dos Jogos Olímpicos do Rio-2016.

UOL Esporte

Saint-Étienne faz 2 a 1 e impõe primeira derrota ao Bastia no Francês

Na manhã deste domingo, o Saint-Étienne recebeu o Bastia no Estádio Geoffroy-Guichard e conquistou uma vitória por 2 a 1. Foi a primeira derrota do time da Ilha de Córsega, um dos candidatos a surpresa da temporada, no Campeonato Francês.

Maior campeão francês, com dez conquistas, o Saint-Étienne contou com uma vantagem numérica para conquistar a vitória, já que o Bastia teve duas expulsões: a primeira delas logo aos três minutos de jogo, do lateral Alexander Djiku; a segunda já aos 27 do segundo tempo, do meia François Kamano.

O time da casa saiu na frente com o zagueiro Loïc Perrin, aos 20 minutos da etapa inicial, aproveitando cobrança de escanteio. Mesmo com um a menos, o Bastia reagiu. Aos 41, Gaël Danic aproveitou bate-cabeça da dupla de zaga adversária e tocou no canto para igualar o marcador. Só que, aos 17 do segundo tempo, Valentin Eyserric bateu cruzado e confirmou o triunfo do Saint-Étienne.

Com o resultado, o time alviverde chega à oitava colocação no Francês, com sete pontos, e na próxima rodada enfrenta o Montpellier fora de casa. O Bastia continua com os mesmos sete pontos, em sexto. O próximo compromisso dos Azuis será contra o desesperado Olympique de Marselha fora de casa.

ESPN

Sobrinho de Oscar garante vaga olímpica no vôlei de praia ao lado de Alison


(Foto: Divulgação/FIVB)
















A dupla Alison e Bruno Schmidt garantiu sua presença nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. Neste fim de semana, os dois avançaram à semifinal do Grand Slam de Olstzyn, na Polônia, e com isso não podem ser mais alcançadas pelos rivais na briga pela vaga em 2016.

Bruno é sobrinho de Oscar Schmidt, ícone do basquete nacional que disputou as Olimpíadas de 1988, 1992 e 1996. Em 2016, o jovem jogador terá a chance de ir aos Jogos pela primeira vez, e ao lado de um jogador experiente. Alison foi prata em 2012, atuando ao lado de Emanuel.

Como país-sede, o Brasil tem direito a duas duplas em cada gênero na disputa de vôlei de praia. Uma das vagas será definida de acordo com o desempenho dos atletas ao longo de 2015. O ranking avaliado pela CBV (Confederação Brasileira de Futebol} leva em conta os nove principais eventos do esporte na temporada, com direito a dois descartes, e somente a melhor dupla garante vaga direta.

Com o resultado na Polônia, Alison e Bruno Schmidt chegariam a pelo menos 4.600 pontos. Evandro e Pedro Solberg, que estão na segunda colocação, têm apenas 3.200 e não conseguem mais alcançar os líderes que, desta forma, garantem a vaga nominal nos Jogos, como Larissa e Talita haviam feito na última sexta.

"Só nosso time realmente sabe o que a gente enfrentou para conquistar essa vaga com bastante louvor. Passamos por muita coisa, mas foi válido, pois tudo isso fez o time ganhar corpo e se fortalecer. É meu primeiro ciclo olímpico e ao lado de um parceiro experiente e que tem muita vontade, é um guerreiro dentro de quadra", disse Bruno, segundo a CBV.

"Sempre foi difícil, desde o primeiro dia de treinos, saber se eu voltaria a jogar, a pular. Não tenho palavras, estou muito feliz de ter voltado aos Jogos Olímpicos. Muita gente não acreditou, mas muita gente também esteve ao meu lado. Meu parceiro, minha equipe, minha família, torcida, eles me deram força para voltar a fazer o que eu mais gosto, que é jogar voleibol e representar meu país", disse Alison, que passou por uma cirurgia no joelho e uma apendicite meses antes do começo da parceria com Bruno.

Agora, as demais duplas brasileiras seguem trabalhando para conseguirem a segunda vaga disponível, que será definida pela CBV por convocação, em janeiro. 

UOL Esporte

sábado, 29 de agosto de 2015

Larissa e Talita se classificam para a Olimpíada de 2016 no vôlei de praia

(Foto: Divulgação/FIVB)















A pouco menos de um ano para o início dos Jogos Olímpicos de 2016, o Brasil conheceu nesta sexta-feira a primeira parceria que irá participar da competição. Larissa e Talita asseguraram a vaga ao se classificarem para a semifinal do Grand Slam da Polônia e contarem com a eliminação de Ágatha/Bárbara Seixas nas quartas de final. Assim, não poderão ser mais ultrapassadas no ranking da corrida olímpica.

Com a vaga nas semifinais, no pior dos cenários Larissa e Talita somariam mais 560 pontos na Polônia, atingindo 4.600. Como não disputaram o torneio de Stavanger, a dupla tem um descarte de zero ponto, e poderia repetir o descarte na etapa do Rio de Janeiro, mantendo no mínimo os mesmos 4.600 pontos.

Já Ágatha e Bárbara - campeãs mundiais neste ano - podem alcançar no máximo 4.480 pontos (caso sejam campeãs no Open do Rio) até o final da temporada, contando o descarte de seus piores resultados.

A corrida olímpica brasileira soma a pontuação obtida nos nove principais eventos do Circuito Mundial 2015 (cinco Grand Slams, três Major Series e Open do Rio). Os times descartarão os dois piores resultados ao longo da campanha. No masculino, Alison/Bruno Schmidt (ES/DF) e Evandro/Pedro Solberg (RJ) disputam a primeira vaga. As outras duas duplas de cada naipe que disputarão os Jogos de 2016 serão convocadas pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) em janeiro.

Larissa e Talia garantiram a vaga olímpica após derrotarem as canadenses Valjas e Broder por 2 sets a o (21-16 e 21-12). Neste sábado, na semifinal, enfrentarão as holandesas Sophie van Gestel e Jantine van der Vlist.

"Era um objetivo, fizemos um projeto e nos planejamos para chegarmos aos Jogos Olímpicos. Acreditamos muito nisso, abdicamos de muita coisa. Sabíamos que não seria fácil, e realmente não foi, mas valeu a pena cada esforço e suor. O principal foi que cada uma respeitou o limite da outra e estivemos juntas. Agora o trabalho continua pensando em 2016", afirmou Talita.

Tanto Larissa, quanto Talita participarão de uma olimpíada pela terceira vez em suas carreiras. 

Em 2008, Larissa atuou ao lado de Ana Paula e ficou na quinta colocação. Em 2012, ao lado de Juliana conquistou a medalha de bronze. Talia foi quarta colocada em 2008 atuando lado de Renata e ficou apenas no nono posto junto com Maria Elisa em 2012. 

A dupla chega com experiência de sobra em busca de medalhas no Rio de Janeiro. Esta será a terceira participação de Larissa nos Jogos Olímpicos. Em 2008, ao lado de Ana Paula (a então parceira Juliana sofreu uma lesão no joelho), a capixaba terminou na quinta colocação. Já em 2012, ao lado de Juliana, conquistou a medalha de bronze para o Brasil. Talita também tem duas edições no currículo: um quarto lugar ao lado de Renata, em 2008, e uma nona colocação ao lado de Maria Elisa, em 2012.

UOL Esporte

Real pressiona por De Gea, e United propõe colocar Bale em negociação

(Foto: REUTERS/Stefan Wermuth)















Uma das novelas mais longas do mercado de transferências europeu terá que ser finalizada nos próximos dias. Com o fim da janela próximo, o Real Madrid faz os últimos esforços para contratar o goleiro David De Gea. O clube merengue pressiona, mas o Manchester United deu sinal de como quer se aproveitar da busca insistente dos espanhóis pelo goleiro.

O técnico holandês Louis Van Gaal avisou ao Real Madrid que pode liberar De Gea, desde que Gareth Bale seja envolvido na negociação. A intenção dos Diabos Vermelhos, segundo o jornal britânico Daily Star é colocar cerca de R$ 357 milhões - mais o goleiro espanhol – para fechar uma troca.

Com problemas no mercado, o United resolveria duas questões em apenas uma negociação. Bale reforçaria o setor ofensivo da equipe. Ao mesmo tempo, o insatisfeito De Gea teria aval para deixar a Inglaterra.

"Este seria o negócio perfeito para o clube", destacou uma fonte citada pelo diário. O Real Madrid, a princípio, não pensa em liberar o meia-atacante galês para contratar o goleiro espanhol.

Segundo o jornal espanhol As, o Real segue otimista para contratar De Gea. Já há até uma data planejada pela diretoria para apresentar o jogador. A próxima terça-feira é o dia que o clube espanhol pensa em organizar o evento para exibir o reforço.

Fora do United neste início de temporada, De Gea e Louis Van Gaal têm relação muito ruim. É a pressão do jogador para deixar o clube que o Real Madrid também aposta. Os espanhóis não pensar em pagar mais de R$ 100 milhões pelo atleta.

UOL Esporte

Bastão cai de novo e Brasil fica fora das finais dos revezamentos

As equipes brasileiras de revezamento ficaram fora das finais do Mundial de Atletismo de Pequim, por não ter conseguido se classificar nas baterias classificatórias de sábado, com direito a queda de bastão no 4x100 m masculino.

Enquanto o Brasil costumava se destacar na modalidade ao apostar na força coletiva o no treinamento deste fundamento, a passagem de bastão deixou a desejar mais uma vez, como na última edição, em Moscou-2013, quando o 4x100 m feminino teve o mesmo problema quando lutava por medalha na final.

Desta vez, o quadro é bem mais preocupante. Desfalcadas da sua melhor integrante, Ana Cláudia Lemos, lesionada, Bruna Farias, Vitória Rosa, Franciela Krasucki e Rosângela Santos até chegaram perto da final, mas ficaram com o nono tempo, em 43.15, seis centésimos abaixo da Rússia, última classificada.

A melhor marca foi da Jamaica (41.84), Shelly-Ann Fraser Pryce, tricampeã mundial no individual, fechando o revezamento. 

Os Estados Unidos, que contaram com a multicampeã Allyson Felix, também venceram sua bateria, em 42 segundos cravados.

No masculino, o bastão brasileiro caiu logo na primeira transição, entre Gustavo dos Santos e Aldemir Gomes, desclassificando a equipe.

A briga pelo título também será entre Jamaica e Estados Unidos, que optaram por estratégias diferentes.

O superastro Usain Bolt, tricampeão dos 100 m e tetra dos 200 m não participou da fase classificatória, ao contrário de Justin Gatlin, que amargou o vice nas duas provas.

Mesmo sem contar com o 'Raio', os jamaicanos impressionaram ao conseguir o melhor tempo (37.41), cinco décimos mais rápido que os americanos (37.91).

Mais tarde, o Brasil correu apenas na prova masculina dos 4x400 m, e também ficou fora da final, ao terminar a prova com o 12º tempo geral (3:01.05).

Depois da medalha de prata de Fabiana Murer no salto com vara, a única esperança que resta ao país de colocar outra atleta do pódio será na maratona feminina, com Michele Chagas e Roselaine de Sousa.

UOL Esporte

Reunião no SP afasta saída de Pato e adia plano de reforma

(Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)















A reunião de diretoria do São Paulo que na visão dos vice-presidentes e diretores teria como pauta principal a discussão do plano de reforma de gestão apresentado pelo CEO Alexandre Bourgeois ao presidente Carlos Miguel Aidar acabou sem definição. O assunto que não estava em pauta mas que acabou tomando protagonismo foi a possibilidade de saída de Alexandre Pato até segunda-feira, hipótese rechaçada pelo vice-presidente de futebol Ataíde Gil Guerreiro.

Questionado sobre o interesse do Tottenham, da Inglaterra, que como publicou o UOL Esporte pediu informações sobre o atacante a um intermediário do Corinthians, Ataíde Gil Guerreiro falou à diretoria na noite desta sexta-feira que conversou com Pato e com Gilmar Veloz, empresário do atleta, e que ouviu que até agora o interesse do clube inglês não se transformou em proposta.

O São Paulo não acredita na saída de Alexandre Pato pela falta de tempo até o dia 31. Seria necessário romper o contrato de empréstimo com o São Paulo, o contrato de vínculo com o Corinthians e fazer o registro do jogador no futebol inglês, processo que na visão da diretoria são-paulina será demorado.

O São Paulo ainda se baseia nos atrasos de pagamentos de direitos de imagem do Corinthians ao atleta para barrar a saída caso o Corinthians apresente uma proposta recebida de valor igual ou superior a 10 milhões de euros, cláusula de rescisão do empréstimo. O São Paulo tentará invalidar o contrato e a cláusula de rescisão pelo descumprimento das garantias de pagamento do Corinthians ao jogador ao longo do empréstimo.

Como revelado pelo Blog do Perrone, o contrato de empréstimo prevê que se o Corinthians deixar de prover a garantia à parcela da remuneração de Pato com a qual tem de arcar, a cláusula de rescisão do atleta durante o empréstimo passa a ser de 20 milhões de euros. O Corinthians arca com R$ 400 mil mensais - metade do salário total - e chegou a dever sete meses de direitos de imagem para Pato, e o caso só foi resolvido quando o atacante acionou o clube na Justiça.

Segundo membros da diretoria, na reunião Carlos Miguel Aidar afirmou que estudará durante o fim de semana o plano de reforma apresentado por Alexandre Bourgeois, e que durante a próxima semana fará uma exposição dos conceitos a seus vice-presidentes e diretores.

UOL Esporte

Botafogo perde para CRB e pode sair do G4 pela primeira vez nesta Série B

(Foto: ITAWI ALBUQUERQUE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)















O Botafogo teve mais uma oportunidade nesta sexta-feira de retomar a liderança da Série B após empate do Vitória, no Barradão. O time, porém, voltou a apresentar os velhos problemas defensivos e foi derrotado por 2 a 1 para o CRB, em Maceió. Cañete, de pênalti, e Isac fizeram para os donos da casa, enquanto Neílton descontou para o Alvinegro.

Com o resultado, o Botafogo terá que secar os rivais para permanecer no G4. Caso Paysandu, Bahia e Sampaio Correa vençam seus duelos neste sábado, o Alvinegro poderá ficar fora dos quatro primeiros pela primeira vez nesta Série B. Com 36 pontos, a equipe ainda é o vice-líder da competição.


FASES DO JOGO

Primeiro tempo
O Botafogo iniciou o jogo controlando a partida. Porém, o goleiro Juliano fez grandes defesas e evitou o gol dos visitantes. Mas foi aí que a defesa do Alvinegro voltou a apresentar os velhos problemas. Giaretta cometeu pênalti e viu o CRb sair na frente. No lance seguinte, Luis Ricardo falhou na marcação e os donos da casa ampliaram. O clube de General Severiano partiu para cima e descontou com Neílton. Criou mais chances para empatar ainda na etapa inicial, mas não conseguiu.

Segundo tempo
Na etapa complementar, o Botafogo deveria ter partido para cima. Mas não foi o que aconteceu. O CRB se fechou e o time carioca não conseguiu chegar à meta do adversário. Nem mesmo a expulsão de Glaydson fez o Alvinegro melhorar na partida. Péssimo resultado, que pode tirar a equipe do G4 pela primeira vez na Série B.

MELHORES

Clebinho, CRB
Foi o mais lúcido do jogo. Controlou todas as jogadas de ataque do CRB. Mesmo com um jogador a menos no segundo tempo, conseguu levar perigo.
Juliano, CRB

Goleiro do CRB fez grandes defesas e foi fundamental para segurar o Botafogo. Principalmente no primeiro tempo, quando impediu gols de Navarro

PIORES

Luis Ricardo, Botafogo
Tímido no ataque, não consegue oferecer o que tem de melhor. para piorar, deixa o lado direito da zaga completamente exposto. Foi por lá que o CRB marcou o segundo gol.

Daniel Carvalho, Botafogo
Com as bolas nos pés, o talento é inegável. O problema é que ele não consegue ajudar na marcação como deveria. Outros jogadores se encaixam nesse perfil e prejudicam a competitividade do Botafogo.

UOL Esporte

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Coutinho e Rafael Alcântara são convocados pelo técnico Dunga

(Foto: Darren Staples / REUTERS)















Oscar e Ramires, ambos jogadores do Chelsea, foram cortados da seleção brasileira e o técnico Dunga convocou Philippe Coutinho e Rafael Alcântara para os jogos amistosos contra Costa Rica e Estados Unidos. 

O time joga pela primeira vez após ser eliminado na Copa América para o Paraguai. Os jogos estão marcados para Nova Jérsei, no dia 5, e Boston, no dia 8 de setembro. 

O meio-campista ofensivo já havia sido cortado da Copa América, enquanto que o volante recebia uma chance após sair das listas de convocação. Em 2014, ele chegou a ser chamado e foi substituído por Souza, à época atleta do São Paulo. 

Phillipe Coutinho ter ficado de fora foi considerado surpresa por boa parte da imprensa pelas boas atuações que mostra recentemente no Liverpool. Ele também tinha sido convocado para a disputa da Copa América. 

Rafael Alcântara estava convocado para disputar o amistoso da seleção sub-23, que disputaria um amistoso contra a França. O mesmo aconteceu com Fabinho, que herdou a vaga deixada por Daniel Alves, também lesionado. 

UOL Esporte

Lyon faz sondagem por meia Lucas Lima; Santos quer R$ 20 milhões por sua fatia

(Foto: IVAN STORTI/SANTOS FC)

















Em alta após a sua primeira convocação para a seleção brasileira, Lucas Lima recebeu sondagem do Lyon. Com a janela de transferências europeia fechando na próxima segunda-feira, 31, os atuais vice-campeões franceses correm contra o tempo para assegurar a contratação de um camisa 10 e mantiveram contato com o empresário do meia, Wagner Ribeiro.

A princípio, eles esbarram em dois obstáculos: a falta de tempo e o desejo do jogador de permanecer no Brasil até o fim da temporada.

O meia-atacante foi convocado recentemente para os amistosos do Brasil contra Costa Rica e Estados Unidos, nos dias 5 e 8 de setembro, em Nova Jersey e Boston, respectivamente.

O técnico Dunga acompanhou na última quarta-feira a classificação do Santos contra o Corinthians, direto do estádio, em confronto pela Copa do Brasil, em Itaquera. O atleta brilhou com uma assistência para o golaço que abriu a vitória.

Dono de 10% dos direitos econômicos, o Santos pede 5 milhões de euros (cerca de R$ 20 milhões) por sua fatia.

A Doyen Sports, fundo de investimentos maltês que detém outros 80%, fez nas últimas semanas oferta de 3 milhões de euros (aproximadamente R$ 10 milhões) pela parte do clube, mas teve a sua proposta recusada.

O Lyon se soma a uma lista de interessados que abrange Porto-POR, Torino-ITA, Shandong Luneng-CHI e Cruzeiro, que também realizaram investidas pelo meia de 25 anos.

Com a sua chegada à seleção, Lucas Lima teve um aumento salarial de 30%, previsto em cláusula contratual, e viu o seu salário pular de R$ 170 mil para R$ 220 mil. Ele tem compromisso com o clube até o fim de 2017. O presidente Modesto Roma negou ao ESPN.com.br ter recebido qualquer contato.

O seu nome foi indicado ao OL pelo ex-zagueiro Marcelo Dijan, representante dos franceses no Brasil.

A revelação espanhola Sergi Darder, do Málaga-ESP, também está na mira dos europeus.

ESPN

Grandes espantarem zebra na Copa do Brasil é raro. Veja os "reis do vexame"



A Copa do Brasil 2015 chega às quartas de final com poucas surpresas e inverte a tendência da competição marcada por zebras históricas. Nesta temporada, nenhum dos 12 maiores times do País foi eliminado por equipes que não disputam a Série A do Campeonato Brasileiro.

O fato ocorre apenas pela sétima vez em 27 edições da Copa do Brasil. O Atlético-MG é o time com mais quedas diante de adversários fora da elite, com nove, seguido de perto pelo Botafogo, com oito. O Corinthians é o único invicto contra times de divisões inferiores (veja abaixo). 

O levantamento não leva em conta a eliminação de um dos 12 grandes para outro do mesmo grupo quando este estava em uma divisão abaixo, como, por exemplo o Corinthians em 2008 (então na Série B) ter passado pelo Botafogo (na Série A) nas semifinais.

Apenas uma vez, em 2000, oito times grandes se garantiram nas quartas de final. Na atual edição, o Figueirense conseguiu uma vaga entre os oito melhores depois de eliminar o Atlético-MG. Todos os outros sete clubes (Internacional, Fluminense, Grêmio, Palmeiras, Santos, São Paulo e Vasco) fazem parte do grupo das 12 maiores equipes do Brasil. 

UOL Esporte

Aumento em centro de tênis da Olimpíada gera discórdia entre Rio e govermo

(Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br)















O aumento de R$ 26,3 milhões no custo da obra do centro de tênis que será usado na Olimpíada de 2016 criou uma desavença entre a Prefeitura do Rio de Janeiro e o Ministério do Esporte. O órgão federal, que havia comprometido-se a pagar pela construção olímpica, negou-se a arcar com o custo de dois aditivos ao contrato da obra assinados pela administração municipal. A prefeitura, então, viu-se obrigada a pagar com recursos próprios os reajustes. Adiantou, porém, que pretende cobrar formalmente do governo federal o custo do aditivos alegando que acordo firmado entre os entes governamentais já previa possíveis aumentos.

A discórdia foi revelada publicamente pelo próprio prefeito Eduardo Paes na última sexta-feira (21). Em entrevista coletiva sobre a revisão do orçamento oficial da Olimpíada, Paes foi questionado sobre o investimento municipal no Centro Olímpico de Tênis e disse que não concorda com uso de recursos da prefeitura no projeto. "Estamos pagamos, mas eu vou cobrar esse dinheiro de volta", disse ele. "No acordo com o governo, estava previsto que eles pagariam possíveis reajustes."

O acordo mencionado pelo prefeito foi assinado entre prefeitura e o Ministério do Esporte em julho de 2013. Por ele, o município assumiu o compromisso em contratar e executar a obra do Centro Olímpico de Tênis. O Ministério do Esporte, por sua vez, repassaria os recursos necessários para a obra, que na época estava orçada em R$ 183 milhões.

Ainda em julho, a prefeitura lançou uma licitação municipal para escolher uma empresa responsável pela construção. A concorrência entre empresas interessadas no projeto acabou, inclusive, reduzindo o custo da empreitada. O contrato do centro de tênis da Olimpíada acabou assinado por R$ 175 milhões.

Até aí, tudo bem. Ministério e prefeitura mantinham seus compromissos e a obra seguia normalmente. Acontece, neste ano, a construção começou a apresentar problemas. Seu projeto precisou ser modificado e seu custo subiu.

A prefeitura assinou dois aditivos ao contrato da obra. Os dois elevaram para R$ 201 milhões valor total do projeto, isso sem contar os reajustes pela inflação. E quando a administração municipal avisou o Ministério do Esporte do aumento, foi informada de que o governo federal não aumentaria seus repasses para a construção. Criou-se o impasse.

A obra do centro de tênis não poderia parar. Ela, aliás, é uma das quem o cronograma mais apertado entre todas em execução para a Olimpíada --estava 72% concluída na semana passada e precisa estar 100% concluída no fim do mês que vem. Temendo atrasos por problemas de pagamento, a prefeitura resolveu assumir, ainda que por ora, o custo dos aditivos ao contrato de construção.

O prefeito disser estar seguro de que, futuramente, o município receberá do governo federal os R$ 26 milhões aplicados no centro tênis. Questionada nesta semana pelo UOL Esporte, a prefeitura, entretanto, não informou com base em que artigo do acordo firmado com o Ministério do Esporte ela pretende reaver o dinheiro.

O Ministério do Esporte, por enquanto, não prevê mais repasses à obra. Contudo, depois que o prefeito cobrou publicamente o órgão, ele informou que "está avaliando as justificativas da Prefeitura do Rio de Janeiro para decidir sobre eventual aporte de recursos adicionais para o Centro Olímpico de Tênis".

Desavença sobre legado

A discórdia sobre o centro de tênis é a segunda entre prefeitura e ministério em um mês. No final de julho, o município ignorou o governo federal e lançou sozinho um plano para utilização das arenas esportivas da Olimpíada após o evento. Boa parte das arenas é paga exclusivamente com recursos federais.

O plano de legado foi apresentado secretário de Governo do Rio, Pedro Paulo. Segundo ele, foi lançado sem a participação do governo federal já que o ministério não movimentou-se para definir o destino das arenas da Olimpíada.

"O Ministério do Esporte pode ser nosso parceiro. Mas, se ele não quiser participar, isso é uma opção deles", afirmou Pedro Paulo, durante evento convocado pela prefeitura. "A cidade não pode ficar parada esperando discussões. Tomamos à frente para realizar obras olímpicas, e a mesma energia com que estamos fazendo as obras vamos empregar no plano de legado."

Dias depois das declarações de Pedro Paulo, o ministro do Esporte, George Hilton, minimizou a importância do plano municipal de legado e a ausência do governo federal em sua apresentação. "O Ministério do Esporte não estava presente, mas nem prefeito estava", disse, enfatizando que foi um secretário da prefeitura quem anunciou o plano municipal para as arenas olímpicas.

Tanto o Ministério do Esporte quanto a Prefeitura do Rio de Janeiro foram questionados pelo UOL Esporte a respeito da relação entre os dois órgãos no trabalho de organização da Olimpíada. Não responderam.

UOL Esporte

Atleta João Vitor de Oliveira atinge 1º lugar no ranking brasileiro em Mundial da China

Representando o Brasil no Campeonato Mundial de Atletismo, realizado na capital chinesa, Pequim, João Vitor de Oliveira – que integra a equipe do Projeto Atletismo e Cidadania, desenvolvido pela AAARP (Associação dos Amigos do Atletismo de Ribeirão Preto) e apoiado pela SME (Secretaria Municipal de Esportes) – conquistou, no dia 26 de agosto, a 18ª colocação geral na prova de 110m com barreiras. Com o feito, ele alcança o 1º lugar no ranking brasileiro de atletismo adulto.

Oliveira também conseguiu quebrar a própria marcar pessoal, com o tempo de 13s45c. Treinado por José Luiz Barbosa, ex-atleta olímpico e medalhista em campeonatos mundiais, ele é fruto da parceria que a AAARP concretizou, recentemente, com a agência norte-americana AES Sports Agency. Atualmente o atleta, que é natural de Marília (SP), treina em San Diego (EUA).

Milagre do Verbo Agência de Comunicação

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Barcelona terá Leverkusen, Roma e Bate na Liga; Real pega PSG

(Foto: Reprodução Twitter)


O Barcelona conheceu seu primeiro adversário na Liga dos Campeões nesta quinta-feira em Mônaco. O grupo dos catalães terão Bayer Leverkusen, Roma e Bate, no grupo E.

Já o Real Madrid terá como adversários na chave de grupos PSG, Malmo e Shakhtar, no grupo A. Vale lembrar que o time da capital espanhola não foi cabeça de chave e estava no pote 2.

O sorteio apresentou um grupo com quatro times que não aparecem entre os favoritos ao título. Na chave H, Zenit, Valencia, Lyon e Gent disputarão as duas vagas para a próxima fase.

O clube catalão busca seu sexto título da Liga dos Campeões. A equipe defende o título que conquistou na última temporada e terá sua estreia no dia 16 de setembro. Já o Real fará seu primeiro jogo no dia 15 de setembro.

A decisão desta temporada será em Milão, na Itália. Por isso, Paolo Maldini, ex-jogador do Milan, e Javier Zanetti, ex-jogador da Inter de Milão, participaram da cerimônia.

Veja as chaves sorteadas até aqui:

Grupo A

PSG
Real Madrid
Shakhtar
Malmo

Grupo B

PSV
Manchester United
CSKA
Mönchengladbach

Grupo C

Benfica
Atlético de Madri
Galatasaray
Astana

Grupo D

Juventus
Manchester City
Sevilla
Wolfsburg


Grupo E

Barcelona
Bayer Leverkusen
Roma
Bate

Grupo F

Bayern
Arsenal
Olympiacos
Dinamo Zagreb

Grupo G

Chelsea
Porto
Dinamo de Kiev
Maccabi

Grupo H

Zenit
Valencia
Lyon
Gent

UOL Esporte

Messi leva prêmio de melhor jogador do futebol europeu

Sem surpresas, o craque argentino Lionel Messi foi eleito melhor jogador da temporada passada na Europa e recebeu o prêmio nesta quinta-feira, durante a cerimônia do sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões.

Messi superou o companheiro de clube Luis Suárez e o português Cristiano Ronaldo, do arquirrival Real Madrid.

'La Pulga' já conquistou quatro vezes a Bola de Ouro (2009 a 2012), que premia o melhor jogador do ano letivo, e tem tudo para levar a quinta em janeiro.

Com o clube catalão, o argentino foi o grande destaque da conquista da 'tríplice coroa' (Liga dos Campeões, Campeonato Espanhol e Copa do Rei).

UOL Esporte

Victor Penalber vence campeão mundial e é bronze no Mundial de judô

Victor Penalber conquistou, nesta quarta, a segunda medalha do Brasil no Mundial de judô em Astana, no Cazaquistão. Na disputa do bronze da categoria até 81 kg, contra o georgiano Avtandili Tchrikishvili, campeão do mundo em 2014, o brasileiro se superou, venceu e vai ao pódio pela primeira vez em uma competição deste porte.

Grande promessa do judô brasileiro, o carioca que já liderou o ranking ainda estava devendo uma grande atuação em Mundiais. Estava. Nesta quinta, ele se superou, encarou de igual para igual os melhores de sua categoria e subiu no pódio. É uma reviravolta para um atleta que perdeu boa parte do ciclo olímpico anterior cumprindo suspensão por doping. 

Desde que retornou aos tatames, em 2012, ele sobra entre os brasileiros, deixando o veterano Leandro Guilheiro para trás. Em Mundiais, foi nono em 2013, sétimo em 2014 e agora sobe de nível na atual temporada, colocando-se como candidato a medalha no ano que vem, nos Jogos Olímpicos. 

O bronze coroa um belo dia de Penalber, que perdeu nas quartas para o francês Loic Pietri, terceiro melhor do mundo, mas recuperou-se a tempo de buscar a medalha de bronze, batendo Valeriu Duminica, da Moldávia, na repescagem e Tchrikishvili na disputa pelo pódio.

O desempenho valeu muito a Penalber. Ele precisa se manter perto do topo de sua categoria para garantir a vaga olímpica, que será disputada com Leandro Guilheiro. Neste cenário, levar uma medalha pesa bastante a favor do judoca carioca.

Em seu caminho para a repescagem, Penalber venceu três lutas por ippon. Depois de estrear de bye, indo diretamente à segunda rodada, venceu Sergiu Toma, dos Emirados Árabes Unidos, Marlon Acacio, de Moçambique e o grego Alexios Ntanatsidis. Só parou nas quartas, contra o francês Pietri.

Guilheiro vai mal
A outra boa notícia para Penalber, além de seu próprio desempenho, foi a queda precoce de Leandro Guilheiro, duas vezes medalhista olímpico e prata no Mundial de 2010. O experiente judoca, figura constante na seleção brasileira nos últimos dez anos, sofre para retomar a melhor forma após dois anos parado, em que foi submetido a quatro operações no joelho.

Guilheiro começou o Mundial como bye e estreou só na segunda rodada, quando venceu o grego Roman Moustopoulos e o polonês Jakub Kubieniec, em sequência. Ele parou no sul-coreano Seungsu Lee, desqualificado após receber três punições.

Mariana Silva cai na estreia
Representante do Brasil na categoria até 63 kg, Mariana Silva não passou da luta de estreia. 11ª no ranking mundial, a judoca paulista enfrentou a chinesa Junxia Yang, 16ª, e foi surpreendida, deixando precocemente a disputa por uma medalha. 

UOL Esporte

Red Bull deve seguir com Ricciardo e Kvyat em 2016: 'Não há porque mudar'

(Foto: Getty Images)

















A Red Bull não deverá mudar sua formação de pilotos para a temporada de 2016 da Fórumla 1. Com o fim do interesse da Ferrari no australiano Daniel Ricciardo e o crescimento no desempenho do russo Daniil Kvyat, tudo indica que a escuderia austríaca manterá os dois à frente dos cockpits no próximo ano.

"Não vejo nenhuma razão para mudar algo", declarou o chefe da equipe, Christian Horner. "Estamos muito satisfeitos com os dois pilotos. Não tem motivo para se apressar, já que ambos têm longos contratos com a Red Bull", completou.

No caso de Ricciado, a continuidade na Red Bull estava ameaçada devido a um suposto interesse da Ferrari em contar com o piloto no caso da saída de Kimi Raikkonen. A renovação dos italianos com o finlandês, na última semana, enterrou de vez a possibilidade, que era vista como uma "boa oportunidade" por Ricciardo.

Já Kvyat não vinha agradando aos chefes da Red Bull devido ao fraco desempenho especialmente nas cinco primeiras provas da temporada (dois abandonos de corrida, dois nonos lugares e um décimo). Porém, o crescimento nas últimas etapas, incluindo o 4º lugar no GP da Bélgica, no último domingo, fez a direção da escuderia repensar na situação do jovem piloto, de apenas 21 anos.

Na tabela de classificação geral, Kvyat figura na sétima colocação, logo acima do companheiro Ricciardo, com seis pontos a mais (57 a 51). Na disputa de construtores, a Red Bull ocupa a quarta colocação, atrás de Williams, Ferrari e Mercedes.

ESPN

Campeão mundial pelo Corinthians renasceu no Botafogo e já deve sair

(Foto: Victor Silva/SSPress)















Com o objetivo de voltar à elite do futebol, o Botafogo montou elenco com jogadores em baixa na carreira. Um deles é Willian Arão, que mostrou potencial alto logo na disputa do Campeonato Carioca e virou titular absoluto da equipe. Com salário dentro da realidade do Alvinegro, que respeita um teto salarial de R$ 70 mil, o volante virou alvo fácil de outros times, interessados em contar com o atleta a partir de 2016.

Willian Arão surgiu nas divisões de base do Corinthians, onde foi campeão mundial em 2012, ao bater o Chelsea, em Yokohama, no Japão. O problema é que após voltar da grande conquista, o volante não conseguiu se firmar. Muito pela forte concorrência que enfrentava no Alvinegro paulista.

Ele ainda pertence ao Corinthians, mas passou a ser emprestado. Portuguesa, Chapecoense, Atlético-GO e Botafogo. Foi no Rio de Janeiro que Arão passou a ter uma regularidade e mostrar o futebol que fez os dirigentes paulistas investirem tanto.

O Botafogo, claro, quer a renovação, mas deixou claro que não fará nenhuma loucura para manter o volante no elenco na próxima temporada. Nesse sentido, a forte investida do Cruzeiro para levar o atleta pode complicar a sequência de Willian Arão em General Severiano.

Em péssima fase no Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro está de olho na Série B para se reforçar. Marinho, atacante que estava no Ceará, foi contratado e já é titular. Os mineiros tentam fazer a mesma coisa com Willian Arão, mas o contrato de empréstimo até o fim do ano impede o acordo.

O Botafogo é quem tem a prioridade para comprar os direitos econômicos de Willian Arão. Mas o assédio do Cruzeiro inflacionou a negociação e o Alvinegro não entrará em leilão. A dificuldade financeira presente nesta temporada seguirá em 2016. Assim, o clube não poderá engordar tanto assim sua folha salarial.

UOL Esporte

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Arsenal e Tottenham farão clássico na 3ª fase da Copa da Liga; veja os duelos

(Foto: Getty Images)
















O encontro entre Tottenham e Arsenal será o duelo de mais destaque na terceira fase da Copa da Liga Inglesa, quando finalmente entrarão na competição as grandes equipes da Premier League.

Atual campeão, o Chelsea, de José Mourinho, começará sua defesa de título no campo do Walsall, time da League One, equivalente à terceira divisão inglesa.

Manchester United e Liverpool serão mandantes e lutaram por uma vaga à quarta rodada contra Ipwich Town e Carlisle, respectivamente.

O Manchester City visitará o Stadium of Light para enfrentar o Sunderland, no primeiro dos quatro duelos entre times da elite inglesa - além do clássico londrino, também se aconteceram os duelos Norwich x West Brom e Leicester x West Ham.

Veja abaixo todos os confrontos da terceira rodada da Copa da Liga Inglesa:

Middlesbrough x Wolves
Norwich City x West Brom
Hull City x Swansea
Leicester City x West Ham
Aston Villa x Birmingham
Tottenham Hotspur x Arsenal
Manchester United x Ipswich Town
Liverpool x Carlisle United
Crystal Palace x Charlton Athletic
Fulham x Stoke City
Sunderland x Manchester City
Newcastle United x Sheffield Wednesday
Reading x Barnsley ou Everton
Preston x Bournemouth
Walsall x Chelsea
MK Dons x Southampton

ESPN

Brasil vê manobra e tenta barrar o uso de tecnologia na vela da Rio-2016

(Foto: Wander Roberto/inovafoto)















A Baía de Guanabara tinha acabado de ser anunciada como cenário da vela para os Jogos Olímpicos de 2016, e a maioria dos países ainda se preocupava com Londres-2012. Não era o caso da Holanda. Em competições e até treinos realizados no Rio de Janeiro desde 2010, segundo um atleta local, pessoas oriundas do país europeu já estavam posicionadas no alto do Pão de Açúcar e captavam imagens do que acontecia nas águas – desde o comportamento do clima, como vento e correntes, até as decisões tomadas pelos velejadores. O percurso da modalidade no próximo ano é descrito por todas as pessoas envolvidas com adjetivos como "desafiador" e "complicado", e isso motivou uma corrida por informações que, de acordo com os donos da casa, virou uma pressão por mudança de regulamento.

Atualmente, existe uma restrição sobre uso de tecnologia na vela dos Jogos Olímpicos. Medições sobre clima e comportamento das correntes, por exemplo, podem ser feitas até o início da competição. Equipes podem levar botes com estafe técnico para a água, mas qualquer comunicação com os atletas é proibida.

"Até 2000 não tinha bote de técnicos – cada um ia para lá velejar e voltava. De lá para cá virou essa confusão de hoje. Isso não é bom para o esporte e não acrescenta muito, mas dá emprego para um monte de gente", explicou Torben Grael, diretor-técnico da CBVela (Confederação Brasileira de Vela) e ex-atleta olímpico. "Não quero que se use medições durante as provas. Aí você pode ter informações sobre o que vai acontecer com o vento daqui a alguns minutos, e isso não é legal", completou.

A versão de Torben, corroborada por pessoas da CBVela, é que os países com mais poder econômico e estudos mais avançados sobre a Baía de Guanabara têm feito pressão na Isaf (Federação internacional de vela, na sigla em inglês) para que o uso de tecnologia durante os Jogos Olímpicos seja liberado em 2016. A entidade nega, mas o assunto deve ser debatido em congresso anual agendado para novembro.

"Antes dos Jogos Olímpicos começarem, haverá uma data de fechamento da baía. Talvez um mês antes, mas a partir daí não permitiremos ninguém no campo de jogo. Isso está decidido e não há chance de mudança", disse Malcolm Page, diretor de marketing da entidade.

A CBVela teme que essa posição não seja tão definitiva assim. Como a Baía de Guanabara é um local com alto grau de dificuldade, atletas e membros de estafes de outros países têm falado constantemente sobre a vantagem que os donos da casa levam porque conhecem mais o ambiente. E isso, segundo os brasileiros, criou uma pressão para que o uso de tecnologia seja usado para compensar.

"Eles [Isaf] estão em cima do muro. Até hoje nunca teve, mas tem gente puxando para ter. A Isaf é uma caixa preta e ninguém sabe nada. Politicagem, lobby para caramba", criticou Torben.

Por que a Baía de Guanabara é um local tão complexo para a vela

As análises sobre o grau de dificuldade do Rio de Janeiro devem-se fundamentalmente a dois fatores: a diversidade – a vela será disputada em três raias dentro da Baía de Guanabara e três em mar aberto, e os percursos têm características muito diferentes – e a instabilidade – as condições climáticas na região mudam muito de um ano para outro.

"A cada vez que saímos, tentamos coletar mais dados sobre o ambiente e o clima. Nossos técnicos gravam tudo sobre o vento, por exemplo, e tentamos construir uma fotografia do que nos espera no ano que vem. Isso é difícil porque as coisas aqui mudam muito, mas estamos tentando", contou Stephen Park, team manager da vela do Reino Unido. Os britânicos começaram a analisar a Baía de Guanabara em 2013 e mandam missões constantes para o Brasil. Neste ano, a equipe deles deve passar até 50 dias no país.

Há uma grande lista de países que montaram operação no Brasil nos últimos anos para acompanhar o comportamento da Baía de Guanabara. A Holanda, por exemplo, tem um casarão na Urca desde 2013 e faz um projeto de coleta de dados em parceria com a empresa Svasek, que já havia trabalhado com a delegação local nos dois ciclos olímpicos anteriores.

"São dados computadorizados, e os nossos técnicos têm acesso a isso para analisar. O sistema analisa, e nós temos de tomar decisões com base nesses dados. O que essa empresa faz é o macro. Mas nós sabemos que o necessário para vencer uma regata é o micro, que é a decisão baseada em observações e experiência", afirmou Simon Keijzer, gerente de mídia e porta-voz da equipe holandesa.

As medições feitas por todas as equipes, por exemplo, apontaram que agosto é um mês com ventos fortes. Contudo, não foi essa a condição encontrada na semana passada, no evento-teste da vela para os Jogos Olímpicos.

A coleta de dados está em andamento

A restrição de uso de tecnologia abrange apenas os Jogos Olímpicos, mas não existe em outras competições. Durante o evento-teste, equipes puderam fazer medições enquanto as regatas eram realizadas e ajudar seus atletas. Não foram raros os casos de decisões ousadas – velejadores que contrariaram a maioria na regata e pegaram trajetos pouco usuais. Quase sempre, essas apostas foram sustentadas por análises sobre o ambiente.

"Eu acho que os brasileiros têm vantagem por causa do tempo que passam velejando aqui. Muitos moram no Rio há muito tempo, e esses têm uma vantagem ainda maior. É por isso que estamos tentando aumentar nosso conhecimento o máximo possível e o quanto antes", explicou Park.

Todas as potências da vela têm projetos em andamento para coleta de dados sobre a Baía de Guanabara, e isso vai continuar até o ano que vem. O conceito mais usado pelos estrangeiros é "diminuir a desvantagem para os velejadores locais".

"O problema não é vantagem ou desvantagem. A gente quer velejar na Baía porque é difícil, e difícil é bom para os nossos velejadores. Num lugar com vento constante, a regata é corrida de cavalo – quem é mais rápido ganha. Num lugar difícil como esse, é o velejador que ganha. Isso que é bom para a gente", argumentou Torben.

Defesa de tecnologia também é um combate à trapaça

O argumento principal dos países que querem a liberação para uso de tecnologia durante os Jogos Olímpicos é que isso reduziria a incidência de fraudes. "Nossa opinião é que isso deve ser nivelado. Se um tem, o outro deve ter. agora, se você não permite, alguém dá um jeito de burlar. Então, achamos que isso deve ser livre. Livre é mais justo, e o que nós queremos é o justo. Ainda mais nos Jogos Olímpicos", opinou Keijzer.

Existe uma preocupação especial com os donos da casa nesse caso, já que a Marinha seguirá com barcos na água e tem equipamento para medições climáticas. O Brasil terá um total de cinco agências coletando dados durante os Jogos Olímpicos, e essas informações serão compiladas em modelo montado pela APO (Autoridade Pública Olímpica) para uso oficial.

"Nós passamos para a organização do evento, e eles distribuem para as equipes. Cada evento tem uma dinâmica – aqui [na vela] a gente tem um briefing de manhã e atualizações em dois momentos da prova", afirmou Marcelo Pedroso, presidente da APO. Os relatórios produzidos pelas agências brasileiras têm dados sobre altura de onda, índice pluviométrico, umidade e temperatura.

Existe uma relação entre tecnologia e poluição na Baía de Guanabara

A corrida por informações e o alto investimento que alguns países têm feito para isso têm relação direta com a relação de poluição da Baía de Guanabara. O local não será totalmente limpo até os Jogos Olímpicos, e a organização brasileira tem trabalhado com a ideia de uma maquiagem.

Em meio a críticas sobre o resultado disso, membros do COI (Comitê Olímpico Internacional) e da Isaf já aventaram a possibilidade de tirar da Baía de Guanabara as regatas da vela olímpica. E os países que passaram anos investindo para conhecer melhor o espaço, é claro, são contrários a isso.

UOL Esporte

Tour do Rio começa nesta quarta-feira e terá trechos do percurso olímpico

Rafael Andriato, vencedor de três etapas na edição do Tour do Rio 2014 (Foto: Divulgação/Tour do Rio)


O Tour do Rio 2015 terá um ingrediente especial em relação às edições anteriores. A prova, que terá a largada na Praia da Barra, nesta quarta-feira, às 11h (de Brasília), contém trechos do percurso olímpico do ciclismo de estrada na primeira etapa. Ao todo, serão 797 quilômetros e 25 cidades em cinco dias. Considerado o maior evento de ciclismo da América Latina, o evento chega à sua sexta edição, com a participação de 90 ciclistas, distribuídos entre 15 equipes brasileiras e estrangeiras. 

Mais de 300 pessoas acompanharão as cinco etapas da prova até domingo, dia 30 de agosto. Outra novidade é a inclusão de cidades de Minhas Gerais na rota dos competidores. A chegada será na Quinta da Boa Vista, na Cidade Maravilhosa, no dia 30 (por volta das 10h30m).

No primeiro trecho, os ciclistas enfrentarão 158 quilômetros - passando por Rio de Janeiro, Seropédica, Itaguaí, Mangaratiba e Angra dos Reis - e terão uma prévia do trajeto que será percorrido em 2016, na primeira parte da prova.

- O Tour do Rio é a prova mais importante do Brasil e, além disso, conta pontuação para as Olimpíadas do ano que vem. Conquistamos os pontos e cabe à Confederação escolher os atletas que vão para os Jogos. Ir para as Olimpíadas é o sonho de todo atleta, estou atingindo meu auge, tenho uma grande bagagem e estou me dedicando para conquistar uma das vagas - disse Rafael Andriato, campeão em cinco etapas durante as quatro edições anteriores da competição (ele é o recordista).

As mudanças no percurso podem ter efeito decisivo na briga pelo título do Tour do Rio 2015, com inclinações acentuadas nas etapas entre Valença e Rio das Flores e Valença e Teresópolis. 
- Vai ser bastante disputado devido às novas etapas. No tour desse ano, a terceira (etapa) é uma totalmente nova com bastante subida. Essa edição vai ser a mais complicada de todas, principalmente em relação á dificuldade do percurso - comentou Andriato.

A disputa contará com a presença de seis equipes estrangeiras: Portugal, Colômbia, Itália, Ruanda, Costa Rica e Estados Unidos. Também participam nove brasileiras, que ocupam as primeiras posições no ranking da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC).  

A segunda etapa começa na quinta, e os ciclistas vão percorrer 175 quilômetros, de Angra dos Reis a Valença; a terceira, na sexta-feira, entre Valença e Rio das Flores, passa por localidades de Minas Gerais, (Rio Preto e Juiz de Fora), num total de 166 quilômetros, retornando a Valença. Na quarta etapa, sábado, as equipes irão rumo a Teresópolis. No domingo, na última parte, os ciclistas vão percorrer 145 quilômetros entre Teresópolis e Rio, passando por Niterói e cruzando a Ponte Rio-Niterói.

EQUIPES PARTICIPANTES
Area Metropolitana (Colômbia)
Quinta da Lixa (Portugal)
Southeast ProCycling Team (Itália)
Team Rwanda (Ruanda)
Champion System Stans No Tubes (Estados Unidos)
Seleção Nacional da Costa Rica (Costa Rica)
Equipe UFF de Ciclismo (Rio de Janeiro)
Carrefour Funvic Soul Cycling Team (São José dos Campos)
Equipe de Ciclismo de Taubaté (Taubaté)
São Francisco Saúde/Biosev (Ribeirão Preto)
Memorial/Santos/Fupes (Santos)
Avaí/FME Florianópolis/APGE (Florianópolis)
Green/Piracicaba/Arcelomittal/Shimano/Col (Piracicaba)
Team Osasco (Osasco)
Clube Dataro de Cliclismo (Cascavel)

ETAPAS E PERCURSOS 
1ª etapa: Rio de Janeiro - Angra dos Reis (Rio de Janeiro, Seropédica, Itaguaí, Mangaratiba e Angra dos Reis - 158km)
2ª etapa:Angra dos Reis - Valença (Angra dos Reis, Piraí, Barra do Piraí e Valença - 175km)
3ª etapa: Valença – Rio das Flores (Valença, Rio Preto-MG, Juiz de Fora-MG, Matias Barbosa, Simão Pereira, Levy Gasperian e Rio das Flores - 166km)
4ª etapa: Valença - Teresópolis  (Valença, Paraíba do Sul, Três Rios, Areal, Petrópolis e Teresópolis - 153km)
5ª etapa:Teresópolis - Rio de Janeiro (Teresópolis, Guapimirim, Cachoeiras de Macacu, Itaboraí, Tanguá, São Gonçalo, Niterói e Rio de Janeiro - 145km)

Total: 797km
Premiação: R$ 50 mil

Globo Esporte