quarta-feira, 27 de abril de 2016

Atacada, Conmebol rebate e exige de times melhores estádios na Libertadores



Pressionada por pedidos de cotas maiores, a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) vai rebater os clubes e pedir em troca uma melhoria nas condições de segurança dos estádios. A entidade admite deficiência em diversos locais de jogos da competição. Há previsão de uma reunião em maio entre a Conmebol e a Liga Sul-Americana de clubes.

Os times do continente se reuniram em uma liga para fazer reivindicações à confederação. Exigem maiores cotas pela sua participação na Libertadores e a transparência de todos os contratos de televisão e marketing para saber qual a fatia que lhes é destinada.

Após o início do movimento, a Conmebol já aumentou a cota de US$ 300 mil para US$ 600 mil por jogo. E promete também um incremento considerável nos pagamentos pela Copa Sul-Americana que eram de US$ 150 mil por partida. Mas faz um contra-ataque.

“Como contrapartida pelo aumento de cotas, queremos discutir uma melhoria nas condições de segurança dos estádios. Entendemos que o dinheiro deve ir não só para os clubes e jogadores como também para a melhoria das condições do torcedor'', afirmou o diretor de competições da Conmebol, Hugo Figueredo. “Há grandes clubes na América do Sul que têm nome, mas não tem um estádio nas condições do seu tamanho.''

A entidade elabora um manual para estádios similar ao que tem sido feito pela CBF. Haverá regras para itens desde padronização de gramados a medidas de segurança para torcedores. Não há data para implementação.

O alvo não é o Brasil. Figueredo apontou que o país, após a Copa-2014, tem os melhores equipamentos do continente.

A conversa com entre a Conmebol e os clubes deve acontecer em maio.''Estamos abertos a conversar. Temos que ver se todos os clubes têm a mesma proposta. Agora, vimos que o grupo cresceu bastante para 38″, analisou Figueredo sobre a última reunião da Liga Sul-Americana em São Paulo.

Neste encontro, houve divergências entre times brasileiros e de outros países que quase levaram ao racha da entidade. A diretoria da Conmebol percebeu as diferenças entre os clubes. Resta saber se eles estarão unidos na próxima reunião.

UOL Esporte