quarta-feira, 20 de abril de 2016

Cielo faz tempo para os 50 m livre e fica mais perto de vaga na Rio-2016

(Foto: Satiro Sodré/SSPress)


Cesar Cielo está mais perto dos Jogos Olímpicos. O brasileiro de 29 anos obteve índice de qualificação para os 50 m livre nesta quarta-feira (20), na eliminatória da prova no Troféu Maria Lenk, última seletiva da natação nacional para a Rio-2016. No entanto, ainda depende da prova final, com início previsto para 17h, para saber se ficará com uma das duas vagas do país na distância.

O Brasil pode inscrever dois nadadores por prova individual da Rio-2016. Cielo nadou os 50 m livre em 21s99 nesta quarta e ficou com o segundo melhor tempo do país – o melhor é de Bruno Fratus, que tem 21s50 feitos na seletiva olímpica de Palhoça (SC) no fim do ano passado. Já Ítalo Duarte, que tem 22s08, foi ultrapassado por Cesão e agora é o terceiro na corrida pelas duas vagas.

"Não tira a pressão das costas. Esse tempo não garante nada. Ainda tenho trabalho a ser feito", disse Cielo após a prova.

Ainda que a conquista da vaga não seja definitiva, o tempo registrado nesta manhã é uma grande notícia para Cielo. O brasileiro não nadava abaixo do índice olímpico (22s27) desde o Troféu Maria Lenk do ano passado, em abril, quando fez 21s84. Porém, o nadador reprovou a própria performance.

"Não foi o tempo que eu queria. Esse 21s99 me coloca na segunda vaga agora, mas sei que tenho tempos melhores dentro de mim. Nadar às 9h30 é muito difícil. Em lugar nenhum do mundo as eliminatórias são tão cedo. Espero poder me recuperar bem à tarde para voltar com sangue no olho", declarou.

Já Ítalo, superado por Cielo e no momento fora da Olimpíada, disse que já esperava que o campeão olímpico baixasse seu tempo. "Tem que ir para os Jogos quem está melhor. Outras seleções estão muito fortes, e o Brasil tem de levar o mais rápido: eu, Cielo ou outro qualquer. Não me vejo como vilão nessa briga", minimizou.

Maior nome da história da natação brasileira, Cielo tem três medalhas olímpicas em provas de velocidade (ouro nos 50 m livre e bronze nos 100 m livre em Pequim-2008; bronze nos 50 m livre em Londres-2012). Ele detém desde 2009 os recordes mundiais dos 50 m livre e dos 100 m livre.

Contudo, o ciclo olímpico do nadador para 2016 foi extremamente conturbado. Cielo trocou seis vezes de treinador desde os Jogos de Londres, mudou a estrutura de sua comissão técnica e alternou trabalhos no Brasil e nos Estados Unidos.

No ano passado, ele foi destronado em âmbito nacional por Bruno Fratus, abriu mão dos Jogos Pan-Americanos, abandonou o Mundial de esportes aquáticos de Kazan (Rússia) por causa de uma lesão no ombro e saiu da primeira seletiva olímpica do Brasil, em Palhoça, sem sequer disputar os 50 m livre – na época, depois de ter feito apenas o 11º tempo na eliminatória dos 100 m livre, o nadador alegou "questões pessoais" para ter deixado a competição.

Em Palhoça, cinco nadadores brasileiros obtiveram índice de classificação para os 50 m livre dos Jogos Olímpicos. Bruno Fratus (21s50), Ítalo Duarte (22s08), Marcelo Chierighini (22s17), Matheus Santana (22s17) e Henrique Martins (22s25) chegaram ao Maria Lenk com marcas suficientes para disputar a Rio-2016. Neste ano, a marca mais baixa de Cielo havia sido um 22s28 em Austin (Estados Unidos) – ele registrou 22s08 no Rio de Janeiro, mas o tempo ocorreu em um treinamento.

UOL Esporte