quarta-feira, 20 de abril de 2016

Com "herança" de Lacerda, Spinelli completa 8 meses à frente do Bafo

(Foto: Divulgação / Comercial FC)


A gestão de Brenno Spinelli completou oito meses à frente do Comercial nesta terça-feira, 19 de abril. Paralelamente, este é o período em que o clube “perdeu” o contato com seu antigo presidente e gestor Nelson Lacerda, que renunciou ao cargo após o rebaixamento do Leão do Norte na Série A2 do Paulista de 2015.

Segundo o atual mandatário, apesar da falta de diálogo com Lacerda, a “herança” deixada pelo ex-presidente tem influenciado o dia a dia do Comercial, como as dívidas contraídas durante o período em que a Lacerda Sports esteve no clube – 2010 a 2015.

- Todos os dias praticamente nos deparamos com “esqueletos” da administração passada. São muitas dívidas. Desde que assumimos, temos cumprido nossos compromissos, acrescidos de algumas dívidas inevitáveis que eram do tempo dele, como contas de água, luz, internet, enfim, dívidas que precisam ser quitadas para que o clube funcione - que não soube precisar o valor de dívidas já quitadas pelo clube em sua gestão.

As diversas ações trabalhistas contra o Comercial também renderam penhoras de receitas de jogos e o bloqueio da cota de R$ 257 mil da Federação Paulista de Futebol referente à participação do clube na Série A3 do Campeonato Paulista.

De acordo com Brenno Spinelli, o Comercial tenta ser ressarcido na justiça com uma ação contra Nelson Lacerda. Nela, o clube também cobra a quebra do contrato com a empresa Lacerda Sports, de propriedade do ex-presidente. O valor é de R$ 25 milhões, porém, corrigido pela taxa Selic, já ultrapassa R$ 31 milhões.

- Já consolidamos ações contra a Lacerda Sports. Estamos com o procedimento judicial e acompanhando. Nós estamos acionando o Lacerda em todas as instâncias, não apenas na trabalhista. Estamos passando a responsabilidade dessas pendências a ele. A justiça é morosa, mas estamos atentos. É claro que receber um valor tão alto desses de uma vez é complicado, mas buscamos garantias, e não descartamos fazer um acordo judicial - completou Spinelli.

Globo Esporte