sexta-feira, 6 de maio de 2016

Centro Esportivo da UFRJ ganha dois campos de hóquei sobre a grama e piscina olímpica

(Foto: Francisco Medeiros/ ME)


Os Jogos Rio 2016 vão mostrar para os brasileiros disputas no mais alto nível de dezenas de modalidades pouco praticadas no país. Uma oportunidade para despertar o interesse dos amantes do esporte, que a partir do legado olímpico terão as estruturas necessárias para se desenvolverem. Exemplos disso são os dois campos de hóquei sobre a grama, inaugurados nesta quinta-feira (05.05) pelo ministro do Esporte Ricardo Leyser na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

“Estamos fazendo investimentos em novas modalidades, que não atraem tanto patrocínio, mas que são importantes. Estes e os de Deodoro são os únicos campos da América Latina com padrão olímpico. Seria inconcebível realizar os Jogos sem deixar um legado para as universidades federais”, destacou Leyser, para enfatizar a relevância da Academia na formação dos profissionais do esporte.

“Este é um caminho que deveríamos aprofundar. O Brasil voltou a olhar para as universidades como desenvolvedoras do país. É importante ressaltar que nosso desempenho está calcado nos profissionais - fisioterapeutas, nutricionistas, médicos, técnicos - e não apenas nas obras físicas. Não é possível fazer o esporte sem esse grau de profissionalização”, prosseguiu o ministro.

A interdisciplinaridade por trás do resultado final de um atleta, envolvendo diversas áreas do conhecimento, torna a universidade um espaço importante para o aperfeiçoamento e a popularização do desporto, conforme explicou o reitor da UFRJ. “A universidade pensa o esporte como uma dimensão da cultura. Termos novas modalidades significa democratizar essa cultura. O esporte mobiliza diversas áreas da ciência e o fato de termos esta infraestrutura, pública, é de grande importância para realizarmos projetos de extensão com as escolas. Com isso, a universidade está contribuindo para produzir e democratizar o acesso a essas novas modalidades”.

Os campos de hóquei sobre a grama beneficiaram disciplinas que a primeira vista não estão associadas ao esporte, como a engenharia. A construção da estrutura demandou tecnologia e conhecimento de ponta para deixar tudo dentro do mais alto padrão exigido pela Federação Internacional. A grama sintética de grande densidade é feita com fios de polietileno, constantemente irrigada, para que uma lâmina de três milímetros de água permaneça no campo.

“A partida é realizada com essa camada de água, para que a bola possa deslizar melhor. Para isso, o campo deve ser totalmente plano, não podendo ultrapassar 0,4% de caimento”, descreve Rogério Patini, diretor comercial da empresa alemã responsável pelo campo. Ele explica que por baixo da grama há uma camada de borracha e outras duas de asfalto, uma drenante e outra lisa. Apenas a última é impermeável. “A água vai para um tanque com capacidade para 600 mil litros e é reutilizada na irrigação”.

A área de jogo mede 91,4 metros de comprimento, por 55 metros de largura. São mais cinco metros de área de escape nas linhas de fundo e quatro nas laterais. Com os campos construídos para os Jogos Pan-Americanos de 2007 e reformados para os Jogos de 2016, o Rio de Janeiro passa a contar com quatro espaços para a prática da modalidade. A estrutura da UFRJ, inclusive, fica disponível para receber as delegações estrangeiras que quiserem fazer aclimatação antes das Olimpíadas.

O presidente da Confederação Brasileira de Hóquei sobre a Grama (CBHG), Sydnei Rocha, afirmou que dará início às tratativas para receber as seleções, que devem desembarcar para treinos no Brasil nos meses de junho e julho. Junto com a UFRJ e a Federação do Rio, Rocha também pretende definir o uso dos campos para os times e seleção nacionais. “Temos dois campos, com iluminação, o que permite o uso noturno, então, podemos receber muitas equipes, inclusive ao mesmo tempo”.

O Centro de Treinamento do Complexo Esportivo da Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ conta ainda com um campo de rúgbi, inaugurado no mês de março, e uma piscina olímpica, entregue também nesta quinta-feira. No total, foram investidos R$ 61,4 milhões pelo Ministério do Esporte nestas estruturas. Outro aporte do Governo Federal na universidade foi a construção e equipagem do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem, no valor de R$ 188 milhões.

Homenagem
Após a entrega dos campos de hóquei, o ministro Ricardo Leyser inaugurou a piscina olímpica do Parque Aquático Margarida Thereza Nunes. Presente no evento, a professora emérita da UFRJ e uma das pioneiras do nado sincronizado no país se emocionou com a homenagem de ter seu nome batizando o local. “Não mereço tanto, não tenho esse perfil de emérita, mas posso dizer que trabalhei muito”, conta Margarida. Aos 91 anos, ela esbanja alegria e disposição. Arriscou deitar ao lado da piscina e tocar as mãos na água.

Mesmo que não possa mais praticar seu esporte favorito, a botafoguense de coração revela ter encontrado outra forma para se manter ativa. “Eu tenho uma coleção linda de objetos olímpicos. Ali tem a alma de uma pessoa que através da coleção conseguiu sobreviver, porque quando você não pode mais pular, correr, nadar tem que arranjar uma atividade na vida”. Mas a lista com milhares de botons, medalhas e álbuns não ficará como relíquias guardadas para si. A intenção da professora é doar seu acervo para o Ministério do Esporte. “Quero doar para que as pessoas tenham consciência que devemos guardar as memórias”.

Ricardo Leyser prometeu receber o material e destiná-lo ao Museu Olímpico que deve ser formado após os Jogos. “Uma das coisas boas de ser ministro é ter a oportunidade de conhecer as pessoas que fazem e fizeram a história do nosso esporte. Aqui fazemos uma homenagem justa e merecida para a professora Margarida”.

A piscina de 50 por 25 metros foi reformada de acordo com as normas da Federação Internacional de Natação (Fina). O equipamento tem três metros de profundidade, dez raias e conta com sistema de aquecimento a gás, com redundância de energia solar, para deixar a temperatura em 27ºC, conforme exigido pela Fina.

O parque aquático ainda tem áreas de apoio, depósito e escritório, vestiários, iluminação, calçamento, drenagem e acessibilidade completa. A piscina será usada pelas seleções de polo aquático que quiserem se aclimatar e treinar antes e durante as Olimpíadas.

(Foto: Francisco Medeiros/ ME)

Ministério do Esporte