sexta-feira, 6 de maio de 2016

Jogando contra os principais rivais, Brasil vence o teste do goalball na Arena do Futuro

(Foto: Rio 2016/Gabriel Nascimento)


Os quatro países mais bem colocados no ranking mundial masculino do goalball testaram a Arena do Futuro, no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro, nesta quarta e quinta-feiras (4 e 5 de maio). O Brasil, atual campeão mundial, venceu a competição. Participaram também Lituânia, Estados Unidos e Finlândia, campeã paralímpica de Londres 2012. Todos jogaram entre si, e os dois melhores – Brasil e Lituânia – fizeram a final. Os donos da casa ganharam o título com vitória por 11 x 7.

Para o brasileiro Leomon Moreno, a oportunidade de jogar contra os principais rivais foi bem aproveitada. “A gente já quis convidar essas equipes que concorrem diretamente com a gente. Como não temos tantos campeonatos fora do Brasil, temos que trazê-los para cá para ver como eles estão jogando. Os jogos não foram fáceis”, disse o artilheiro do último Mundial, em 2014.

As quatro equipes contribuíram para a avaliação da casa da modalidade nos Jogos Paralímpicos Rio 2016. A Arena do Futuro foi aprovada, ponderando-se o fato de que o piso da quadra será diferente durante o megaevento. O mau cheiro que incomodou jogadores e torcedores no evento-teste do handebol, realizado no último fim de semana, também foi citado pelos atletas do goalball.

Esporte auditivo

A modalidade é jogada por cegos, que são classificados em três categorias – B1 (Cegos totais), B2 (atletas que percebem vultos), e B3 (jogadores que conseguem definir imagens)–, mas todos usam vendas nos olhos, de forma a garantir igualdade de condições. É um esporte que exige silêncio da arena, já que a bola usada tem um guizo que orienta os jogadores. Ruídos altos podem atrapalhar, mas os atletas e técnicos não apontaram problemas graves nesse sentido.

“Ontem, treinamos de manhã e de noite, pudemos explorar um pouco a arena. Fomos lá em cima, na área dos espectadores, que é muito boa, assim como o layout do piso que é bem aberto.  Como o goalball é um esporte auditivo, o som de grandes arenas pode ser problemático, mas aqui estamos jogando em um espaço bem menor”, disse o norte-americano Andrew Jenks.

“Tem um pouquinho de eco, mas a gente consegue tirar de letra. Parabéns para a organização, está tudo muito bonito e a quadra também está legal, o piso está bom. A temperatura está legal, eu gosto de jogar no calor”, acrescentou o brasileiro Parazinho.

A temperatura foi a única reclamação do finlandês eleito o melhor do mundo em 2014, Erkki Miinala. “O ar condicionado podia estar mais forte, porque está bem quente e úmido. Talvez haja algo para fazer com a refrigeração. Mas no geral está muito bom para os Jogos Paralímpicos”,disse.

Piso

O piso da quadra foi bastante elogiado pelos atletas. Andrew Jenks destacou a ausência de imperfeições como bolhas, que já foram encontradas por ele em outras arenas. Mas a superfície será diferente para os Jogos Paralímpicos, de acordo com Gustavo Nascimento, diretor de Gestão de Instalações do Comitê Rio 2016. Tanto para o handebol quanto para o goalball – as duas modalidades disputadas na Arena do Futuro nos Jogos –, haverá uma estrutura de madeira, chamada de piso flutuante, embaixo do carpete. E o piso em si também será diferente para o goalball.

“É válido o piso de handebol ser usado no goalball, é autorizado pela Federação Internacional (de Esportes para Cegos).  Aqui a gente teve três dias entre o handebol e o goalball, nos Jogos teremos 15 dias, então usamos o mesmo piso para os dois eventos-teste. O carpete do goalball nos Jogos é diferente e teremos uma plataforma a mais”, explicou Nascimento. Essa plataforma, acrescentou o dirigente, dará mais visibilidade ao jogo e facilitará o trabalho de transmissão.

O técnico do Brasil, Alessandro Tosim, aprovou a arena e comentou a mudança de piso.  “Vai ser o mesmo piso em que jogamos o Mundial, um pouco mais grosso que este, a bola vai quicar um pouco mais. O tempo de bola muda. Vamos ter que nos adaptar ao piso na semana de aclimatação. A arena é de arrepiar, é linda. Tem só um barulhozinho do ar condicionado, mas não interferiu em nada”, disse.

Quanto ao eco citado por Parazinho, o Comitê Organizador informou que está atento à questão. “Teste é para isso, para avaliar os pontos levantados. É um atleta falando. Se a federação internacional disser que tem um problema grave de eco, a gente vai ver sim”, disse Nascimento.

Os testes principais do Rio 2016 tiveram como foco a área de competição, os voluntários específicos do esporte e o sistema de resultados.

Mau cheiro

O mau cheiro relatado no torneio de handebol também foi percebido pelos atletas do goalball. Os deficientes visuais têm os outros sentidos mais apurados, e o olfato do brasileiro Parazinho não ficou indiferente. “Está muito forte nos corredores e no banheiro. Isso não é muito legal. A gente poderia ficar um pouco mais tranquilo, mas precisa se trocar logo para sair de lá de dentro porque incomoda bastante. Mas na quadra a gente quase não percebe”, explicou.

“Ontem, algumas vezes senti o mau cheiro, mas hoje está melhor. Fora da arena, também senti algumas vezes”, relatou o lituano Mantas Brazauskis.  O norte-americano Andrew Jenks sentiu o odor na área externa da arena, mas minimizou a questão. “Tudo dentro da arena está perfeito, e eu não jogo goalball lá fora. Para mim não é problema”, disse.

Para o Rio 2016, é preciso saber a origem exata do mau cheiro antes de qualquer atitude. “A gente continua investigando e não há sinal de que esse cheiro venha da instalação, de algum tipo de conexão mal feita, não há evidências. Se for da lagoa, a gente tem que achar uma solução, mas não vamos falar disso agora. A gente só vai falar da solução quando a gente tiver certeza de onde vem”, explicou Gustavo Nascimento.

Limpeza das lagoas

A Arena do Futuro é a instalação do Parque Olímpico mais próxima da Lagoa de Jacarepaguá, a qual é atribuído o mau cheiro. Presente no Dossiê de Candidatura e no Plano de Políticas Públicas dos Jogos Olímpicos, o projeto de recuperação ambiental do sistema lagunar da Barra e de Jacarepaguá, com trabalhos de dragagem e desassoreamento, não seguiu plenamente o cronograma idealizado. O Ministério Público Federal fez questionamentos, como a falta de um estudo de impacto ambiental, o que retardou o início das obras. A crise financeira, segundo a Secretaria Estadual do Ambiente, agravou a situação.

“Em virtude das legítimas intervenções do Ministério Público, que acabaram por atrasar em um ano e meio o início das obras, o orçamento previsto para as intervenções no Complexo Lagunar da Barra, com o passar do tempo, foi impactado. Nesse período, veio a crise econômica e a realidade agora é outra”, informou a secretaria em nota, que continua:  “A secretaria está fazendo um grande esforço orçamentário, mesmo diante da crise, buscando realizar o que estamos chamando de primeira fase da obra, que é a execução da ampliação do molhe – estrutura costeira feita por pedras e blocos de concreto – na embocadura do Canal da Joatinga. Esta intervenção vai facilitar uma troca maior de água entre a lagoa e o mar, melhorando a balneabilidade da praia. O projeto será feito de forma que essa troca se dirija mais para o alto mar, favorecendo a qualidade da água na região”.

Em relação ao Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Recreio e Jacarepaguá, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (CEDAE) disse que as obras estão mais de 80% finalizadas, com previsão de conclusão para o fim de junho. Orçadas em cerca de R$ 72 milhões, as intervenções beneficiam áreas da região ainda não conectadas à rede da companhia e os empreendimentos e novas construções voltados aos Jogos Olímpicos.  

Ainda de acordo com a CEDAE, o eixo viário, formado pelas avenidas Abelardo Bueno e Salvador Allende, onde se concentram os principais trabalhos, tem a função de coletar e transportar o esgoto para a Estação Elevatória de Esgotos (EEE) de Jacarepaguá. As novas tubulações ligarão a rede de esgotos da região às novas EEE Olimpíada e EEE Olof Palme, e à Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) da Barra. A obra foi projetada para atender a demanda futura nos próximos 20 anos.

Resultados do evento-teste

Quarta (04.05)

Brasil 7x6 Finlândia
Estados Unidos 5x14 Lituânia

Quinta (05.05)
Finlândia 4x4 Estados Unidos
Lituânia 14x11 Brasil
Finlândia 7 x 8 Lituânia
Estados Unidos 4x10 Brasil
Final: Brasil 11x7 Lituânia

Rio 2016