terça-feira, 10 de maio de 2016

Maracanã se deteriora com corte de verba da Odebrecht

Os dois jogos das finais do Estadual do Rio indicaram a deterioração de partes do Maracanã por causa do corte de 70% da verba de manutenção da Odebrecht, segundo apuração do blog. Agora o estádio esta sob comando da Comitê Organizador do Rio-2016, que assumiu e não conseguiu consertar os danos. A empreiteira nega ter reduzido o dinheiro para manter o estádio, mas o governo do Estado confirmou que houve redução dos recursos.

Entre os problemas encontrados na final estavam: a manutenção do gramado, defeitos no sistema eletrônico que inclui um telão quebrado (já consertado), o sumiço dos bancos de reservas, danos em portas e vidros de camarotes, e em ar-condicionados. Por isso, a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio Janeiro) teve de gastar mais, usando a verba das partidas das finais: o custo operacional de cada jogo ultrapassou R$ 500 mil.

Líder do Consórcio, a Odebrecht vinha tendo seguidos prejuízos no estádio, fato que se repetiu em 2015. Por isso, já decidiu deixará sua gestão e assim demitiu praticamente a equipe inteira no final do ano passado: ficaram apenas oito funcionários. Foi contratada para alguns eventos a empresa Binário, formada por ex-empregados da construtora que participavam da gestão do estádio.

Só que o volume de dinheiro investido foi cortado em relação ao necessário. Por exemplo, não se pagou mais a empresa que cuidava do gramado no início de 2016. Por isso, o estado péssimo na primeira final, que melhorou no segundo jogo após cuidados feitos pela Ferj. Houve problemas no ar-condicionado da Globo e em um telão que precisaria de uma peça para funcionar. Foi consertado para o segundo jogo.

Outra questão é a cobertura do estádio que tinha partes queimadas desde a Copa-2014. A Fifa pagou os danos, mas a Odebrecht só deve repará-la depois da Olimpíada.

As avarias causadas pelo show do Coldplay também estavam aparentes. Portas e vidros estavam quebrados, embora a Odebrecht pudesse cobrar o conserto dos itens dos organizadores. Até os bancos de reservas, que eram chumbados no campo, tinham sumido do gramado. Organizadores da final tiveram que encontrá-los em um setor administrativo do Maracanã e os recolocaram no lugar.

“No início de março, a Concessionária Maracanã concluiu o programa de desmobilização do seu quadro de integrantes a fim de se adaptar ao período de uso exclusivo dos Jogos. A redução do seu quadro permanente de funcionários não atingiu os serviços essenciais e obrigatórios previstos no Contrato de Concessão, como limpeza, vigilância e manutenção, que foram cumpridos com a utilização de mão de obra terceirizada até 1º de março'', defendeu a Odebrebrecht.

Afirmou ainda que os produtores do show do Coldplay usaram equipamentos para preservar o gramado, e protegeram o patrimônio. Alegou que o Comitê Rio-2016 não fez reclamações ao assumir o estádio em março.

O Comitê Rio-2016 informou que desconhecia os problemas e disse que o estádio não estava em condições precárias quando recebido. O governo do Estado do Rio prometeu responder perguntas em breve, mas não tinha enviado respostas em 2016. Quando questionado pelo blog, o secretário da Casa Civil, Leonardo Espíndola, disse que confiava na manutenção feita pela Odebrecht que fora atestada em um relatório na entrega do estádio.

UOL Esporte