segunda-feira, 6 de junho de 2016

Ponto de Opinião: Arbitragem continua perdida e CBF apenas ‘se cala’

(Foto: Reprodução/Facebook)


A vitória do Palmeiras em cima do Flamengo por 2 a 1, no último domingo (5) pelo Campeonato Brasileiro, demonstrou o quanto a arbitragem brasileira continua perdida e influenciando nos resultados. Antes do pênalti convertido por Jean, após o zagueiro César Martins realizar uma “defesaça”, a mesma arbitragem “ignorou” um pênalti cometido por Léo Duarte, que também colocou a mão na bola de forma clara, impedindo que a redonda entrasse na pequena área.

As atitudes dos jogadores do Flamengo fizeram com que o Palmeiras reclamasse durante todo o segundo tempo das marcações da arbitragem. Em seguida, o zagueiro César Martins deu uma de goleiro e tirou a bola que claramente iria estufar as redes. No lance seguinte, Jean bateu com precisão o pênalti e deu a vitória ao time paulista.

Situações como essa continuam a se repetir na temporada 2016, uma vez que os próprios clubes e jogadores pediram a CBF que fiscalizasse os árbitros e realizasse alguma ação preventiva para que os times não fossem prejudicados pelos erros da arbitragem. Como se percebe, o pedido não foi atendido pela entidade e continuamos a ver o “mais do mesmo” no Brasileiro deste ano.

Súmula

Todavia, o que mais chamou a atenção do pós-jogo foi a súmula realizada pelo árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva e os auxiliares Guilherme Dias Camilo e Bruno Raphael Pires, todos habilitados pela Fifa. O documento emitido pela CBF mostra que Thiago Santos começou entre os titulares e Matheus Sales ficou no banco, mas quem começou o jogo foi Matheus. 

Outro ponto foi a entrada do atacante Luan, que substituiu Matheus Sales, e não Jean, como mostra a súmula. No entanto, o mesmo Jean foi quem cobrou o pênalti aos 26 minutos, e nisso a arbitragem acertou na súmula, para você o tamanho da discordância de informações repassadas pelos profissionais.

Em resumo, a arbitragem deixou muito a desejar na partida, realizou uma série de equívocos e foi muito contestada. O Palmeiras pretende acionar na Justiça o caso, mas a CBF parece não estar preocupada com isso. O futebol brasileiro parece jogado as traças, onde ninguém comanda e ninguém sabe de nada. E agora nos deparamos com um futuro incerto desse esporte no Brasil, mas que só caminha para um precipício.