sexta-feira, 22 de julho de 2016

Botafogo-SP sofre baixas, mas tenta recuperar prestígio no Campeonato Brasileiro

(Foto: Luís Augusto/Agência Botafogo)


Neste sábado (23), o Botafogo de Ribeirão Preto visita o Mogi Mirim para o início do returno da série C do Campeonato Brasileiro. O jogo acontece as 15h30 no Estádio Vail Chaves, casa do Sapão. As duas equipes buscam se manterem próximas ao G4 e garantir vaga para a próxima fase.

Durante a manhã desta sexta-feira (22), o técnico fez o último treino em Ribeirão para montar a equipe titular. À tarde, atletas e comissão técnica já partem em viagem de ônibus com destino a Mogi Mirim.

O treinador precisou realizar várias modificações no elenco devido aos últimos episódios ocorridos nos bastidores do Pantera. O atacante Alemão deixou o clube após um desentendimento com a torcida e Isac deve ser a opção para o ataque. Na defesa, Caio Ruan não joga após ser suspenso com o terceiro amarelo e Matheus Mancini, prata da casa, deve assumir a vaga.

O clube também sofreu duas baixas esta semana no elenco. O meia Danilo Bueno, que vinha sendo aproveitado por Fernandes, se transferiu para o futebol do Chipre e não joga mais pelo Fogo. Para a posição, o comandante optou pela entrada do volante Derli.

Outra baixa no elenco foi o meia Léo Coca, de 20 anos, que foi negociado por empréstimo para o Internacional de Porto Alegre. Segundo contrato firmado entre as agremiações, Léo terá os salários pagos pelo Inter, que fica com direito de compra de 100% dos direitos federativos e 50% dos direitos econômicos ao final do período de empréstimo. O atleta chegou ao Bota para integrar a equipe sub-20, e após a Copa São Paulo deste ano, subiu para o time profissional.

Ponto de Opinião

Parece que os últimos fatos ocorridos dentro do Botafogo deram um desânimo para a atual diretoria. A falta de vitórias e a preocupação da possível não-classificação colocaram os dirigentes com um pé atrás. Em dado momento, o time se inchou de bons jogadores e os resultados aconteceram, mas o desequilibro iniciado no primeiro embate entre Márcio e Alemão esfriaram os ânimos dentro do clube.

O que vejo é uma movimentação da diretoria para que a série C não se torne mais um prejuízo para o Botafogo, como foi a disputa do Campeonato Paulista deste ano. No entanto, não é de hoje que o planejamento botafoguense, apontado de início como expectativa de bons resultados, fica “a ver navios” quase no final da temporada.

Elenco, o Botafogo tem de sobra, e tem um técnico com cabeça para remodelar a equipes apesar das perdas, mas as negociações em meio a um campeonato considerado equilibrado por jogadores e imprensa deixam claro que a diretoria não quer terminar o ano no vermelho. Mas nessa altura, o Pantera não pode perder o fôlego e se deixar levar por conflitos. Equipes de ponta superam, e rápido, os momentos difíceis. E está na hora do Botafogo superar.