quinta-feira, 28 de julho de 2016

Carrasco do São Paulo decide e Atlético Nacional é campeão da Libertadores

(Foto: AFP PHOTO / RAUL ARBOLEDA)


Passaram-se 27 anos até que o Atlético Nacional pudesse voltar a gritar "campeão" na Libertadores. Nesta quarta-feira (27), em um lotado Atanasio Girardot, o time colombiano contou com seu amuleto Miguel Borja para vencer o Independiente Del Valle por 1 a 0 e levantar a taça continental.

A conquista é a segunda da história do clube. Além do título conquistado em 1989 em cima do Olimpia (PAR), o Atlético Nacional havia chegado à final do torneio em 1995, quando caiu para o Grêmio. Dessa vez, no entanto, o desfecho foi diferente e o time colombiano volta a escrever seu nome na lista de vencedores da Libertadores. De quebra, deixa para trás uma incômoda sombra: a do narcotraficante Pablo Escobar.

O carrasco do São Paulo ataca novamente

Não é absurdo afirmar que Miguel Borja é uma das melhores contratações da Libertadores. Reforço do Atlético Nacional durante a pausa para a Copa América, o atacante foi responsável pelos quatro gols que eliminaram o São Paulo na semifinal. Agora, na final, o camisa 23 voltou a atacar.

Em um início de total pressão do Atlético Nacional, Macnelly Torres acertou a trave de Azcona. No rebote, a defesa não conseguiu cortar e Borja chutou rasteiro para balançar as redes do Independiente Del Valle.

Del Valle começa segundo tempo pressionando

Depois de um primeiro tempo amplamente dominado pelo Atlético Nacional, o Independiente Del Valle quase empatou o jogo logo no minuto inicial da segunda etapa. Uchuari dominou livre dentro da área, chapelou Bocanegra e foi derrubado por Henríquez antes de conseguir chutar. A sobra ainda ficou com o time equatoriano, mas o árbitro já havia marcado impedimento.

Mesmo sem conseguir balançar as redes, o Del Valle ao menos equilibrou as ações com o Atlético Nacional.

Paciência dá o título ao Nacional

Apesar da pressão do Independiente Del Valle no início do segundo tempo, o Atlético Nacional soube controlar a partida e evitar qualquer susto vindo do lado equatoriano. Com calma e trabalhando bem a bola, o time colombiano quase balançou as redes aos 30 minutos: Borja recebeu na área, dominou e chutou forte para uma grande defesa de Azcona.

A sombra de Pablo Escobar

O único título de Libertadores do Atlético Nacional foi em 1989, uma conquista que causa dor de cabeça aos torcedores do clube. A nunca comprovada influência do narcotraficante Pablo Escobar no futebol é apontada pelos rivais como motivo da conquista do Atlético Nacional.

Nos clássicos contra o Independiente Medellín é comum ouvir a música "Pablito te la compro". Uma parte do cântico diz "que triste foi saber que pagaram para ser campeão. Pablito a comprou para você, a comprou para você, a comprou para você".

A influência de Escobar no futebol nunca foi comprovada. Mas anos depois do título de 1989, Juan Antonio Bava, um dos assistentes da partida entre Atlético Nacional e Danubio, pela semifinal da Libertadores, afirmou à revista "El Gráfico" ter sido ameaçado às vésperas da partida para que o clube colombiano vencesse a partida. "Nos ofereceram dinheiro e ameaçara a nós e nossas famílias".

UOL Esporte