quarta-feira, 13 de julho de 2016

Comercial-MS ameaça fechar as portas em 2017



Os torcedores no Mato Grosso do Sul foram pegos de surpresa com uma grande notícia na noite dessa terça-feira (12). Por meia de uma carta aberta publicada nas redes sociais, o Esporte Clube Comercial ameaça fechar as portas em 2017 caso não quite as dívidas adquiridas nos últimos anos.

Na publicação, o clube esclarece toda a movimentação da diretoria para viabilizar a participação do clube no Campeonato Sul-Mato-Grossense e na disputa da série D do Campeonato Brasileiro. Mesmo com um elenco mais enxuto para o nacional, o Colorado não desistiu da vaga, mas acabou sendo eliminado duas rodadas antes do fim da primeira fase.

Confira abaixo todo o relato publicado pelo Comercial nas redes sociais:

Carta aberta aos Comercialinos

Nos últimos anos com esforços de toda sua diretoria, o Esporte Clube Comercial conseguiu inúmeras conquistas, a retomada das categorias de base em 2014, com time sub 17 e sub 19, que chegaram as finais finais de 2014 e 2015, o que possibilitou a disputa da Copa São Paulo em 2015, passando pelo título inacreditável de 2015, que podemos considerar aquela equipe o "Leicester" brasileiro, saindo de quase rebaixado ao título triunfal nos últimos segundos de jogo, ou o "Plaza Colonia", que com ínfimos recursos financeiros venceu o returno do campeonato Uruguaio e sagrou-se vice-campeão nacional diante o Penharol (UR).

Fomos o primeiro clube do Estado a implantar o programa sócio torcedor e o único aderir ao Programa Futebol Melhor da Ambev, porém sem estrutura não conseguimos atender nossos sócios da melhor maneira e crescer realmente de modo que a iniciativa sustentasse a vida do nosso time.
Neste ano de 2016, conseguimos a regularização fiscal, tiramos nossas certidões negativas (INSS/PGFN/FGTS) com apoio de um contador comercialino, que não poderia deixar de citar, e iniciamos nossas competições 100% legais ao contrário de outras equipes. 

Tudo estava de acordo com o planejamento, iniciamos nossa pré-temporada antes que os demais times, que nos deram condições de estar melhor em campo que os demais times, erramos e corrigimos os erros a tempo, mas a bola não entrava, empates, empates e mais empates fizeram que os questionamentos viessem sobre a equipe, xingamentos, pensamentos negativos, porém com as mudanças pontuais deslanchamos e terminamos a primeira fase como a melhor campanha, melhor ataque e defesa menos vazada.

Disputamos os primeiros jogos da Copa Verde a Copa do Brasil com belas partidas e tivemos reais chances de classificação, porém elas não vieram. Não devemos nada para ninguém nessas competições em matéria de futebol.

Trouxemos o Aloísio Chulapa, que movimentou o futebol sul-mato-grossense, principalmente nos Comerários, e que deu destaque nacional ao Comercial, como há muitos anos não havíamos tido. 
Com recursos das competições nacionais, Copa do Brasil, Copa Verde, patrocinadores e empréstimos, o clube conseguiu se manter até a partida final do Estadual, porém o título não veio. E fomos sendo esquecidos pelos torcedores, mesmo tendo garantido as vagas no Brasileiro da Série D 2016/2017 e Copa do Brasil 2017, junto com 7 de Setembro.

Conseguimos um novo projeto arquitetônico para levantarmos do nosso novo Centro de Treinamento doado pela arquiteta colorada, Sandra Regina e conseguimos um patrocínio para construção dos campos oficiais. O recomeço da vila olímpica surripiada no início dos anos 2000 em acordos espúrios, que até hoje sofremos consequências.

Assim como o Sete de Dourados, terminamos o estadual com uma folha salarial atrasada, e com recursos prometidos para a curta série D, montamos uma equipe enxuta para disputar a competição neste ano e manter o sonho de disputá-la com reais chances de acesso a série C em 2017, porém os maus resultados afastaram os novos e velhos patrocinadores e as promessas de apoio não se concretizaram.

Nesses últimos 7 meses tivemos grandes problemas de ordem financeira, mesmo com as certidões negativas e o cadastrado de convênios do governo ok, não conseguimos firmar a parceria com Governo do Estado para receber os recursos prometidos, que estavam dentro do nosso planejamento financeiro deste ano. Tentamos por meio da Justiça conseguir firmar esse convênio, porém uma nova legislação de junho de 2016, passou a exigir a CNDT (Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas) para parcerias entre entidades privadas e entes públicos, pois 15 processos das gestões passadas.

Os R$ 200 mil prometidos pelo governo do Estado, porém inviabilizados por conta da falta da CNDT não saíram do papel, assim como os R$ 460 mil autorizados pelos vereadores da Capital que o prefeito de Campo Grande não deu importância, também. Ficamos desamparados pelo poder público estadual e municipal e pelos nosso próprios torcedores.

O Comercial tentou antecipar parte da receita que tem direito da Copa do Brasil 2017 para saldar a dividas com os jogadores, comissão técnica e pagar o impostos atuais para renovar as certidões negativas como prevê o Estatuto do Torcedor, porém recebeu uma resposta negativa.

Conseguimos uma certa quantidade de sócios patrimoniais, que tentando resguardar a dignidade do clube apoiando financeiramente o colorado mensalmente, porém são poucos, o que não garante a sobrevivência do clube sem patrocínios e apoio do poder público.

Após muitos diretores se desfazerem dos seus patrimônios "colocando" dinheiro no clube para mantê-lo vivo, terem deixado sua vida pessoa e profissional de lado, até mesmo sendo deixados pela suas famílias, podemos dizer que chegamos ao "fundo do posso", sem o apoio dos torcedores e sócios não conseguiremos ir a lugar algum, mesmo com calendário cheio, Campeonato Estadual, Copa do Brasil e Brasileiro Série D 2017 e o início da construção do Centro de Treinamento. Dívidas com fornecedores, atletas e impostos podem atrapalhar nossa existência no próximo ano.

No estádio em 2010 eram mais de 14 mil, igual número de simpatizantes e torcedores na nossa página do Facebook hoje. Se cada um ajudasse um pouquinho, nosso time seria imbatível. Mas o que você pode fazer para que nosso colorado não feche as portas após 73 anos de histórias???

Até o fechamento desta reportagem, não obtivemos uma posição da Federação de Futebol do Mato Grosso do Sul (FFMS) sobre a situação do Comercial.