terça-feira, 19 de julho de 2016

Cortado da Rio-2016, Murilo chora e oficializa aposentadoria da seleção

(Foto: FIVB/Divulgação)


Acabou a trajetória do ponteiro Murilo Endres, 35, na seleção brasileira de vôlei masculino. O jogador havia sido convocado pelo técnico Bernardinho para a Liga Mundial deste ano, mas acabou preterido das últimas partidas por problemas físicos e foi cortado do grupo que disputará os Jogos Olímpicos deste ano, no Rio de Janeiro. Nesta terça-feira (19), ainda sem saber o diagnóstico ou a gravidade da lesão sofrida na panturrilha esquerda, chorou e anunciou o término de sua carreira na equipe nacional.

“Acho que a seleção, eu já tinha falado no início do ano, acaba para mim. Não da maneira que eu gostaria, mas tudo que eu fiz aqui foi com muita intensidade, muito amor e muito orgulho. Fico feliz de ter estado tanto tempo representando meu país”, disse Murilo com lágrimas nos olhos.

“Eu tinha me programado para essas finais de Liga Mundial serem especiais. Gostaria de estar em quadra e ajudar, mas não consegui. Depois que eu recebi a notícia de não estar entre os 14, comecei a pensar só em Olimpíada. Seria uma despedida, querendo ou não. Agora, nem isso vai acontecer. Chega um momento em que acaba, e hoje se encerra um ciclo meu dentro da seleção”, completou.

Murilo era um dos mais experientes no atual elenco da seleção brasileira. Fez parte da equipe nacional que amealhou as pratas olímpicas de Pequim-2008 e Londres-2012, conquistou seis títulos de Liga Mundial e ainda venceu duas edições do Mundial de vôlei (Japão-2006 e Itália-2010). No ciclo atual, foi acometido por uma série de problemas físicos: o pior problema foi uma operação no ombro direito, em 2014, que comprometeu a potência de ataque e saque do ponteiro durante bom tempo.

O processo de recuperação foi longo, mas ainda rendeu uma convocação para a atual temporada. No entanto, Murilo voltou a sofrer com problemas físicos: um estiramento no músculo peitoral o tirou da segunda semana da Liga Mundial, e um problema na panturrilha esquerda impediu que o ponteiro estivesse entre os 14 de Bernardinho na fase final disputada na Polônia – o Brasil foi superado pela Sérvia no último domingo (17) e ficou com a segunda posição do torneio.

Depois da derrota na decisão, ainda na Polônia, Bernardinho reuniu o grupo no hotel e anunciou os cortes para os Jogos Olímpicos. Além de Murilo, o central Isac e o líbero Tiago Brendle foram alijados da lista final. Todos eles estiveram no voo de volta para o Brasil, que desembarcou no Rio de Janeiro nesta terça-feira.

“É sempre triste e muito difícil. Foi num momento em que ninguém esperava. Ninguém sabia que o corte teria de ser pós-Liga Mundial, com a gente voltando para o Brasil em uma viagem longa. Isso piorou um pouco as coisas. A gente não dormiu depois do jogo e da reunião”, relatou Murilo. “Tudo isso atrapalhou bastante. Não vou dizer que me deixou mais triste porque o caso aqui é não participar das Olimpíadas deste ano, mas é uma coisa natural do esporte. Nunca imaginei que este ano acabaria dessa maneira. Me preparei bastante nos últimos anos. Tive alguns problemas físicos, mas sempre pensei em disputar e ajudar a equipe nos Jogos do Rio para quem sabe conquistar uma medalha. Hoje esse sonho e esse projeto se acabam”, adicionou.

O ponteiro ainda não sabe sequer a gravidade da lesão que o tirou dos Jogos Olímpicos. Murilo será submetido a uma ressonância às 18h (de Brasília) desta terça-feira, em São Paulo, e só então terá noção do tamanho do problema na panturrilha.

“Vou fazer porque preciso saber e ter um diagnóstico, até para voltar aos treinamentos no Sesi, mas isso vai me deixar muito incomodado se por acaso for alguma coisa muito pequena ou se não houver uma lesão. Se daqui a 15 dias eu estiver em condições de jogo, por exemplo. Vai me perseguir bastante isso. Por um bom tempo”, admitiu o atleta, que evitou reclamar da decisão de Bernardinho: “Existem prazos, e eu acredito que não só o Brasil deva ter dado seus 12 nomes. Assim eu espero. E se existia esse prazo, não tenho do que reclamar. São os 12 que estão aptos hoje, e eu não teria condições”.

Durante a Liga Mundial deste ano, o ponteiro Lipe também sofreu com um problema na panturrilha. Ficou parado por dez dias, sem treinar ou saltar, e retomou as atividades a tempo de estar bem na fase final. Murilo teria menos de 20 dias até o início dos Jogos Olímpicos – a estreia do Brasil no vôlei masculino está marcada para o dia 7 de agosto.

“Não consegui esse planejamento porque a gente não teve diagnóstico. Então, era mais a sensação de estar bem ou não. Fiz um treino na quinta-feira, depois que a gente ganhou da Itália, e treinei bem. Na sexta de manhã eu fui treinar de novo e aí eu ressenti um pouco a panturrilha. São coisas do esporte. Na minha cabeça eu estava trabalhando ainda com um prazo de 20 dias. De repente, não precisava ter apressado tanto as coisas”, finalizou o ponteiro.

UOL Esporte