domingo, 10 de julho de 2016

Murray segura até saque de 236 km/h de Raonic e é bicampeão em Wimbledon

(Foto: Glyn Kirk/AFP)


Com uma atuação quase impecável e com o controle do jogo durante todo o tempo, o britânico Andy Murray derrotou o canadense Milos Raonic e conquistou neste domingo o bicampeonato de Wimbledon. O placar de 6/4, 7/6 (3) e 7/6 (2), construído em duas horas e 45 minutos, à primeira vista indica um equilíbrio nos sets, mas em nenhum momento Murray esteve ameaçado no jogo.

Cedendo break points apenas no terceiro set, o britânico esteve muito bem nas devoluções, fez Raonic se mexer bastante na quadra e trabalhou cada ponto para aproveitar as brechas e voltar a conquistar Wimbledon após 3 anos. Tudo isso ganhando ainda um ponto no qual o rival sacou a 147 mp/h (o equivalente a 236 km/h).

Um verdadeiro torpedo
Apesar da derrota em sua primeira final de Wimbledon, Milos Raonic entrou para as estatísticas de Wimbledon ao conseguir o segundo saque mais rápido da história do torneio – ao lado de Sam Groth - durante o segundo set da decisão. Foram 147 mp/h, apenas uma milha a menos do que o recordista Taylon Dent. E não é que Murray ganhou o ponto. (veja o vídeo acima)

Fim da sina de vices em Grand Slams
O bicampeonato em Wimbledon marcou também o fim de uma sequência de vice-campeonatos de Murray em Grand Slams. O britânico perdeu as duas últimas finais do Aberto da Austrália e a decisão de Roland Garros deste ano, todas para o sérvio Novak Djokovic.

Curiosamente, o sérvio foi seu adversário nas outras duas conquistas de Grand Slam, no Aberto dos Estados Unidos de 2012 e em Wimbledon em 2013. Ao todo, agora Murray tem o recorde de três vitórias e oito derrotas em decisões de torneios desta importância.

Presença real
Para acompanhar a sua conquista, Andy Murray contou com o apoio da família real. A Duquesa de Cambridge Kate Middleton e o príncipe William estiveram no camarote e aplaudiram a performance do britânico.

Set a set com o especialista
No primeiro set, Murray teve uma atuação quase impecável. Conseguiu uma quebra no sétimo game e não deu mais brechas para Raonic. Olha como o blogueiro do UOL, Alexandre Cossenza, viu a parcial.

Na segunda parcial, a história foi parecida. Murray não cedeu um mísero break point, mas desta vez não teve o mesmo sucesso nas devoluções. Acabou desperdiçando quatro chances de quebra e teve que decidir no tie-break. Com segurança, dominou desde o início e fechou com tranquilidade

No terceiro set, Murray enfrentou o único momento de dificuldade em todo o jogo. Sacou em 15-40 no quinto game, mas salvou os break points e confirmou os serviços até um novo tie-break. Daí não teve jeito. O britânico abriu vantagem rápido e fechou por 7 a 2.