domingo, 28 de agosto de 2016

Corrida recheada de toques não poupa brasileiros no GP da Bélgica

(Foto: REUTERS/Matthew Childs Livepic)


Em uma corrida marcada por toques, os dois brasileiros não escaparam ilesos: Felipe Massa teve dois 'encontros' durante a prova, no que acabou explicando a queda de rendimento das últimas voltas, quando foi ultrapassado por Valtteri Bottas, Kimi Raikkonen e Sebastian Vettel, chegando apenas em décimo. E Felipe Nasr teve um furo de pneu logo na primeira volta, o que comprometeu sua estratégia e fez com que não passasse da 17ª e última colocação no GP da Bélgica.

"Enquanto o pneu rendia, a gente estava na briga e fazendo uma boa corrida", apontou Massa. "O problema foi manter o pneu. Eu estava tentando economizar pneu, mas chegou um momento em que ele perdeu rendimento e os outros carros começaram a passar. Lógico que ter parado logo de cara me ajudou a ganhar posições, mas depois para manter por tantas voltas não foi fácil."

Outro problema foi o dano causado por dois toques ao longo da prova. "O assoalho está todo quebrado. Tive um toque com o Perez e com o Vettel, que saiu da pista e, quando voltou, veio para cima do meu carro. Por isso foi mais difícil manter o carro equilibrado. Sem dúvida, também não ajudou."

Nasr também correu com o carro danificado em Spa. "A largada foi excelente. Consegui me posicionar bem na primeira curva e ganhei, só ali, umas cinco posições. Mas logo no meio da volta senti que tinha alguma coisa errada e vi que meu pneu traseiro esquerdo estava furado. Tive que parar logo na primeira volta e isso comprometeu a corrida. Tinha muito pedaço de carro e estava muito fácil furar. O carro ficou danificado e foi difícil pilotar."

UOL Esporte