segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Atleta inglês paralímpico critica transporte exclusivo na Rio 2016

(Foto: Getty Images)

Por Redação Blog do Esporte


Mesmo com o aumento surpreendente na presença do público nos Jogos Paralímpicos, o atleta inglês de 23 anos Jonnie Peacock, que ganhou a medalha de ouro nos 100m na classe de atletas amputados dos membros inferiores na última sexta-feira (9), criticou a organização da Rio 2016 em relação ao transporte e faixa exclusivas até os locais de competição.

Ao ser perguntando na zona mista de imprensa sobre sua estadia e experiência nos Jogos, Peacock foi firme ao criticar os transportes dos atletas. “É obviamente muito diferente, por causa dessas longas viagens. Não usam as faixas olímpicas, o que, na minha opinião, é ridículo. Felizmente não choveu, porque me contaram que quando chove toda a cidade do Rio de Janeiro para. Então eu acho que é o caso de abrir as faixas exclusivas para as pessoas que estão participando dos Jogos Paraolímpicos, porque é ridiculamente injusto com os atletas. Você nunca veria Londres fazendo tal coisa. E isto fala por si só o quanto de respeito há pelos Paraolímpicos”, diz.

A prefeitura do Rio utiliza ônibus exclusivos com wifi liberado e ar condicionado para transportar os competidores da Vila dos Atletas até o Estádio do Engenhão, em uma distância de quase 30 quilômetros. Questionado sobre as críticas do inglês, o diretor de comunicação da Rio-216, Mário Andrada, rebateu o discurso do atleta. 

“Acho que o senhor Jonnie Peacock não entende bem o Rio de Janeiro. O conhecimento dele sobre o Rio porque ele não esteve aqui muitas vezes, e acredito que as autoridades de trânsito e o governo municipal entendem muito mais a cidade do que ele. A decisão de não haver faixa exclusiva de trânsito nos Jogos Paraolímpicos tem a ver com o fato de as escolas já terem retomado as aulas, a cidade está em seu ritmo normal, está trabalhando normalmente. A cidade está indo muito bem, o Parque está repleto de crianças, Sr. Jonnie Peacock fez uma bela corrida, deveria estar feliz e a vida segue, e não há problemas de transporte no Rio”, respondeu.