terça-feira, 13 de setembro de 2016

Brasil bate recorde paraolímpico e conquista ouro no revezamento 4 x 100m

(Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)


Com direito a recorde paraolímpico, o Brasil conquistou o ouro no revezamento 4x100 m da classe T11-T13 (para atletas com deficiência visual) ao dominar a final desta terça-feira nos Jogos Paraolímpicos do Rio de Janeiro, no Engenhão.

Os atletas Diogo Jerônimo da Silva, Gustavo Araújo, Daniel Silva (com o guia Heitor Oliveira Sales) e Felipe Gomes (com o guia Jonas Silva) completaram a prova em 42s37 superando a China, que se atrapalhou na passagem do bastão e ficou com a prata com 43s05. O Uzbequistão acabou com o bronze (43s47).

O recorde paraolímpico anterior pertencia à equipe russa em Londres-2012 (42s66), que não está no Rio de Janeiro por conta do banimento do país do evento por causa do escândalo de doping. Os russos também ostentam o recorde mundial, conquistado em 2015: 42s11.

Aliviado, Gustavo Araújo lembrou das frustrações da equipe quando, por exemplo, foram desclassificados na Paraolimpíada de Londres. "Nosso revezamento já estava engasgado há um bom tempo. Não podia vir de forma melhor. Em casa, diante da nossa torcida. Eles estavam aqui em plena terça-feira e nos propomos a dar nosso melhor para eles. Nossa alegria é grande", disse o atleta que compete na classe T13, com menos grau de lesão.

Já Diogo Jerônimo da Silva, que abriu o revezamento, disse que teve a certeza da vitória ao ouvir a torcida incentivando. "Quando eu ouvi o barulho da torcida, pensei: ninguém tira da gente", disse o atleta da T12, que também não precisa do auxílio de guias.

Felipe Gomes, da classe T11 (com maior comprometimento da visão), foi o responsável por encerrar o revezamento após receber o bastão de outro atleta da T11, Daniel Silva, já em considerável vantagem para os chineses.

Com o ouro e a prata conquistada nos 100m, Gomes, ao lado de Petrucio Ferreira, tem o melhor desempenho brasileiro no atletismo até aqui.

"Fico feliz em ter sucesso até aqui, mas o jogo ainda não acabou, faltam mais duas provas. Pretendo continuar esse sucesso e dar mais alegrias ao Brasil", disse o atleta, que ainda disputará os 200m e os 400m.

UOL Esporte