terça-feira, 13 de setembro de 2016

Momento Paralímpico: Brasil arrasador em segunda-feira de três medalhas de ouro

(Foto: Rio 2016/Alex Ferro)

Por Redação Blog do Esporte


A segunda-feira foi repleta de sucessos para o Brasil na bocha, natação e atletismo. O dia começou com a disputa de Israel Stroh levando a prata no tênis de mesa, e mesmo com a derrota, o Brasil conquistou a inédita medalha paralímpica na modalidade. Nunca antes a delegação havia conquistado alguma medalha no tênis de mesa.

A grande modalidade do dia foi o atletismo, que conquistou a prata no revezamento masculino, após os Estados Unidos invadirem a área que não era permitida e serem desclassificados pelos árbitros. A modalidade não utiliza bastão. Além disso, Fábio Bordignon levou mais uma medalha de prata nos 200m da classe T35, para pessoas com paralisia cerebral. O atleta é o primeiro brasileiro a conseguir dois pódios no atletismo no Rio.

Quem também conseguiu medalha ao atletismo foi Rodrigo Parreira da Silva, no salto em distância na categoria T36, após saltar 5,62m e levar a medalha de prata. 

Surpresa na final, o brasileiro Alessandro Silva conquistou a medalha de ouro no lançamento de disco da classe F11, para deficientes visuais sem nenhum tipo de visão, ao bater o recorde paralímpico e anotar a marca de 43,06m. A medalha de prata ficou com o italiano Oney Tapia, que fez 40,89m, e o bronze ficou com o espanhol David Sierra, com 38,58.

Natação

(Foto: Gabriel Nascimento/Rio 2016)

Nome da natação brasileira e mundial na Rio 2016, Daniel Dias levou mais uma medalha de ouro ao vencer a prova dos 50m da classe S5 com o tempo de 32s78, à frente do chinês Thanh Tung Vo com 33s94, e do norte-americano Roy Perkins com 34s42.

Ainda no masculino, Talisson Glock garantiu o bronze nos 200m medley da classe SM6 (classe intermediária) após bater a prova com 2min41s39 e contar com uma punição ao colombiano Nelson Crispim Corzo, que havia chegado em terceiro. Os árbitros viram uma irregularidade do atleta da Colômbia e o desclassificou.

O nadador André Brasil também conquistou a medalha de bronze nos 100m borboleta da classe S10, somando assim sua 11ª medalha na história dos Jogos Paralímpicos. O ouro e prata ficaram nas mãos dos ucranianos Denys Dubrov e Maksym Krypak, respectivamente. 

No feminino, a atleta Joana Maria Silva garantiu a medalha de prata nos 50m livre da classe S5. A brasileira terminou apenas 0s26 atrás da chinesa Li Zhang, que ficou com ouro. O bronze foi para a tcheca Bela Trebinova.

Bocha

A bocha fez história nas Paralímpiadas. O trio formado por Dirceu Pinto, Eliseu Santos e Marcelo Santos foi derrotado pela Eslováquia por 4 a 2, mas garantiu a prata na classe BC4, para atletas em cadeiras de rodas, mas que não necessitam de auxílio.

A grande vitória veio mais tarde, com o conjunto formado por Antonio Leme, Evelyn de Oliveira e Evani Soares. O trio se vingou da Coreia do Sul, que havia derrotado os brasileiros na frase de grupos por 4 a 1, e levaram o ouro após a vitória por 5 a 2. Na classe BC3, os atletas competem em cadeiras de rodas e podem ser ajudados por outra pessoa durante a competição.

(Foto: Rio 2016/Brandão)

(Foto: MPIX/CPB/Daniel Zappe)

Quadro de medalhas (Foto: Reprodução)