quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Mudanças na Libertadores podem ‘inchar’ calendário do futebol brasileiro

(Foto: Reprodução)

Por Nicholas Araujo
Rio de Janeiro, RJ


A Conmebol anunciou nesta semana que a Taça Libertadores sofrerá algumas mudanças já a partir de 2017, e que a competição deve durar praticamente o ano inteiro, algo para “copiar” o formato da Liga dos Campeões da Europa. As mudanças refletiram no calendário brasileiro, que também passará por mudanças para se adequar ao novo sistema.

De acordo com o diretor de competições da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Manoel Flores, os impactos dessa decisão da Conmebol irão interferir diretamente na Copa do Brasil e no Brasileirão. Uma das mudanças seria a participação das equipes nas oitavas de final da competição nacional também possam participar do torneio continental.

“É importante ressaltar que não há possibilidade de convite. A vaga virá da principal competição do país. Se houver vaga para o Brasil, naturalmente essa vaga viria do Campeonato Brasileiro. E seria para a fase prévia, sim”, explica Flores em entrevista coletiva.

A ideia da Conmebol é aumentar o número de participantes da Libertadores, que passaria a integrar 42 clubes, e algumas confederações conseguiriam mais vagas para o torneio, inclusive o Brasil. Caso isso realmente aconteça, o Campeonato Brasileiro pode ter um G5 já em 2016. 

Outra mudança importante seria em relação à Copa do Brasil e a Copa Sul-Americana. O clube, atualmente, teria que optar pela copa nacional ou a competição continental, e isso deixará de existir. Com isso, a ideia apontada por Manoel Flores é antecipar a Copa do Brasil, que já com um formato consolidado, seria difícil realizar novas regras para 2017, além da manutenção de duas datas para as eliminatórias da seleção, em setembro e outubro.

“A busca é para manter equilíbrio do calendário que soltamos em julho. Queremos mexer o menos possível nas premissas básicas que tivemos no Comitê de Reformas. Os dois períodos de eliminatórias que conquistamos, vamos buscar manter. A gente vai encurtar o período da Copa do Brasil. O sucesso dela se passa pelo formato dela. Esse problema da Sul-Americana, com relação à escolha por qual torneio disputar, será superado”, diz.

A Taça Libertadores passará a ser disputada entre fevereiro e novembro e poderá ter final única em campo neutro. A Copa Sul-Americana não sofrerá alterações, mas terá mais 10 equipes que foram desclassificadas na primeira fase da Libertadores. Com isso, o maior torneio da América do Sul terá 42 semanas, e os vencedores das duas competições terão vaga garantida na Libertadores do ano seguinte. O calendário brasileiro para 2017 deve ser divulgado na semana que vem.