sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Remo vai apresentar ao STJD notícia de infração, e tentará paralisar Série C

(Foto: Jorge Sauma/Globo Esporte)


O Remo vai ajuizar ainda nesta sexta-feira, dia 23, duas ações no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro. A primeira delas é uma notícia de infração para tentar mostrar ao procurador do órgão as possíveis irregularidades envolvendo o atleta do Botafogo da Paraíba, Sapé. A segunda medida é para tentar paralisar a Série C do Brasileiro até que seja analisada a documentação apresentada pelo Leão.    
Segundo André Cavalcante, presidente do Remo, as informações preliminares acerca da suposta irregularidade do atleta paraibano surgiram ainda no Mangueirão, logo após o empate contra o América-RN. Desde então, o mandatário seguiu para o Rio de Janeiro para coletar informações na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).    

– Após o jogo contra o América-RN fomos procurados. Houve, então, essa informação da possível irregularidade do jogador do Botafogo, mas ainda precisaríamos de algo com mais substância. Então preferimos, por todo o contexto que vivemos e pela necessidade do clube estar em atividade, acompanhar isso in loco na CBF. Lá, recebemos uma certidão que confirma a assinatura do contrato do jogador por procuração e coletamos mais documentos, cópia do contrato, etc. – adiantou Cavalcante.   

Sobre a legalidade e legitimidade da procuração, Cavalcante deu maiores detalhes e apresentou alguns indicativos que serão usados para tentar convencer o STJD. Quem defenderá o clube nesse processo é o advogado Mário Bittencourt, o mesmo que atuou no caso que evitou o rebaixamento do Fluminense na temporada 2013.

– Em 2014 já houve uma briga na Federação Paraibana (de Futebol) sobre isso. Não é usual esse procedimento, mas eu conversei com a presidente da federação paulista e ele me disse que lá não se faz isso, assim como aqui, conforme o Coronel Nunes também me disse. Já no Rio de Janeiro, a federação me disse que costuma acontecer isso. Mas em qualquer instituição existe hierarquia e essa procuração foi assinada apenas pelo presidente do Botafogo-PB, suprimindo a competência do vice. Então, entendemos que existe uma ilegalidade gritante nisso, além de outras coisas que eu prefiro não comentar nesse momento – explicou.

Veja os demais pontos da entrevista:

Elenco  

– É uma sinuca de bico. Na medida em que você acredita que pode voltar, existe também uma serie de compromissos e despesas que são geradas para deixar o elenco em atividade. Eu conversei com o elenco e expliquei isso que estou dizendo para vocês, e que acreditamos na volta do clube ao campeonato. Vai ter atleta que vai querer ficar e que nos interessa também para 2017. E vai ter atleta que vai preferir ir embora. Cada um de forma individual vai conversar com a diretoria para ver sua situação.

Resposta à Heitor Freitas 

– Nós temos um problema muito grande dentro do Clube do Remo. Além de ter que enfrentar os adversários dentro do campo desportivo, e as vezes nas questões administrativas, nós temos que defender o clube dele mesmo. É incrível como esse tipo de situação surge em momentos conturbados administrativamente. Eu acredito que esse rapaz (Heitor) teve seus minutos de fama e até porque ele é um engenheiro e não entende de questões jurídicas. Questão temerária é um termo forte. Esse assunto chegou ao mundo desportivo através da lei de responsabilidade fiscal, que é conhecida com Profut. Então não há razão nenhuma dentro desse enquadramento. Esse rapaz sempre foi declaradamente a favor que outras pessoas assumissem o Clube do Remo. 

Globo Esporte