sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Flu perdeu nos tribunais e encara guerra institucional contra má fama

(Foto: Márcio Moraes/Agência Estado)


Não é de hoje que o Fluminense leva a fama por acionar a Justiça para buscar seus direitos. Historicamente, essa é uma postura adotada pelo clube e que gera muitas brincadeiras entre os rivais. O Tricolor, evidentemente, vê como injustiça e se defende como pode.

O caso mais recente aconteceu no último Fla-Flu, disputado em Volta Redonda. Vencendo por 2 a 1, o Flamengo viu o rival empatar o jogo com Henrique. O zagueiro estava impedido, mas a definição final do lance só ocorreu após 13 minutos de muita discussão e suposta interferência externa do recurso da televisão.

O Fluminense, então, decidiu recorrer ao STJD para anular o clássico e que novo jogo fosse disputado, já que, segundo o clube, a partida havia sido decidida por um recurso que não se encontra nas regras. Como prova, o Tricolor utilizou uma matéria da TV Globo com leitura labial dos envolvidos.

O STJD acatou o pedido e disse que julgaria o caso, mas recuou. Disse que as provas eram "sensivelmente precárias" e arquivou tudo. Fez valer o resultado de campo e ignorou a suposta interferência externa. O resultado disso é que a imagem do Fluminense ficou ainda mais ligada aos tribunais.

Como exposto anteriormente, o Fla-Flu foi apenas o último dos casos que geraram essa fama ao Flu. Entre lendas e versões mal contadas, o UOL Esporte separou os episódios que geraram tanta polêmica e criaram um rótulo sobre o Tricolor.

Escândalo envolvendo Corinthians e Atlético-PR beneficia Flu em 1996

O Fluminense fez péssima campanha no Campeonato Brasileiro de 1996 e ficou entre os últimos, o que resultaria no rebaixamento para a Série B. Porém, estourou um escândalo envolvendo de arbitragem envolvendo Ives Mendes, então presidente da comissão de arbitragem, que mudou o rumo da história. Houve o vazamento de áudios dos presidentes de Atlético-PR e Corinthians com o dirigente e que apontavam possível beneficiamento. Pressionada, a CBF definiu que nenhum clube seria rebaixado e o Brasileiro de 97 fosse disputado com quatro times a mais.

Flu pulou da 3ª para a 1ª divisão? 

Poucos falam ou se lembram, mas em 1999 o Fluminense disputou a Série C e conquistou o título jogando futebol. O normal seria disputar a Série B em 2000, mas novamente o Tricolor acabou levando a fama sem ter qualquer participação no caso. No mesmo ano, Botafogo e Internacional duelavam contra o rebaixamento. Nesse momento, os clubes denunciaram a escalação irregular de Sandro Hiroshi, do São Paulo. Alvinegro e Colorado ganharam os pontos e rebaixaram o Gama, que acionou a Justiça.

Obrigada judicialmente a incluir o Gama, a CBF passou a tarefa de organizar o Brasileiro para o Clube dos 13, que decidiu criar a Copa João Havelange, em 2000, com 166 participantes e quatro módulos. A competição substituiu o Campeonato Brasileiro naquele ano e acabou conquistado pelo Vasco. O Fluminense disputou o módulo com os clubes mais tradicionais do país, teve boa campanha e terminou em oitavo. Sendo assim, conquistou o direito de jogar a primeira divisão em 2001.

Quem foi o maior beneficiado com erro da Lusa? 

O auge da fama ocorreu em 2013, quando o Fluminense novamente terminou o Brasileiro entre os últimos colocados e seria rebaixado. Novamente uma irregularidade cometida por terceiros beneficiou o clube. Dessa vez, a Portuguesa por ter escalado de maneira irregular o apoiador Heverton. O Tricolor terminou a competição com 46 pontos e viu a Lusa ser punida, ficar com 44 e ser rebaixada.

O que pouco se fala é que a Portuguesa não foi o único clube a perder jogadores por escalação irregular. O Flamengo passou exatamente pelo mesmo problema por utilizar o suspenso André Santos. O Rubro-negro também perdeu pontuação e terminou o Brasileiro com 45. O clube da Gávea só não foi rebaixado porque a Lusa ficou com menos pontos após julgamento. O Flu ficou com a 15ª posição após as punições.

UOL Esporte