segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Marco Aurélio banca Ricardo Gomes e 'não fecha portas' a Luis Fabiano

Praticamente livre do rebaixamento no Campeonato Brasileiro, mas também com a certeza de mais um ano sem títulos, o São Paulo começa a se planejar para a temporada 2017. Para ter uma equipe mais competitiva, o clube do Morumbi irá ao mercado atrás de reforços e o ataque, um dos setores mais carentes do elenco, deve ser prioridade.

Com o contrato rescindido na China, Luis Fabiano não é descartado pelo diretor executivo de futebol, Marco Aurélio Cunha.

"O Luis Fabiano parece que rescindiu o contrato com a China, nos visitou no CT, mas não sei o que esperar do futuro dele, nem qual a ideia do Luis Fabiano. Não fechamos portas, sempre pensando nos grandes ídolos e reforçando a equipe", disse o dirigente, durante o programa Mesa Redonda, da "TV Gazeta", no último domingo.

Na semana passada, o atacante de 35 anos terminou seu vínculo com o Tianjin Quanjian, da China, logo após o acesso à primeira divisão nacional, e ficou sem futuro definido. No domingo, o terceiro maior artilheiro da história tricolor visitou os ex-companheiros no CCT da Barra Funda, onde a equipe realizou o último treino antes da partida contra o América-MG, marcada para esta segunda, em Belo Horizonte, pelo Campeonato Brasileiro.

Ainda em relação ao setor ofensivo, Marco Aurélio avisou que dificilmente o São Paulo arcará com os custos de uma eventual compra dos direitos econômicos de Kelvin, que pertence ao Porto, de Portugal. Também falou sobre a situação do lateral-esquerdo chileno Eugenio Mena, que tem empréstimo encerrado em dezembro.

"O Kelvin pertence ao Porto e é uma pedida alta. Claro que pode haver mudança em números e aí ele pode interessar. Temos o Mena também que tem feito ótimos jogos, além da rotina técnica de ser muito regular. Vence o contrato e temos que pensar como ficaremos com ele", explicou.

Tema de maior atenção entre torcedores são-paulinos nas últimas semanas, Rogério Ceni também foi citado pelo dirigente tricolor. De acordo com Cunha, o ex-goleiro e maior ídolo do clube certamente será o treinador do time futuramente, mas afirmou que, por ora, a intenção do planejamento é iniciar 2017 com Ricardo Gomes no comando.

"No ano que vem, teremos o Ricardo Gomes. O Rogério sem dúvida um dia vai ser o treinador do São Paulo. Ele está fazendo cursos, uma peregrinação na Europa, conversando com treinadores dos grandes clubes. No momento adequado, quando as coisas coincidirem, ele será o treinador do São Paulo", concluiu.

ESPN