segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Ricciardo festeja terceiro lugar herdado de Vettel, mas lamenta por não ter ido ao pódio

(Foto: Red Bull Content Pool)


Pouco mais de três horas depois da bandeirada final do GP do México, Daniel Ricciardo subiu ao pódio para festejar o terceiro lugar. Foram muitos minutos de indefinição e de reuniões com os comissários de prova, que analisaram o incidente em que o australiano se envolveu com Sebastian Vettel nas voltas finais da corrida do último domingo (30). No fim das contas, a FIA decidiu que o alemão havia feito uma “mudança anormal de direção” para se defender de uma manobra de ultrapassagem sobre Ricciardo e o puniu em 10s. Assim, Vettel, que havia subido ao pódio no lugar de Max Verstappen após o holandês ter recebido punição de 5s logo após ao fim da prova, perdia a terceira colocação para o dono da Red Bull #3. 

Só restou ao australiano o lamento pela chance perdida de festejar diante de milhares de torcedores no Foro Sol, o setor do estádio que fica cravado no setor final do Autódromo Hermanos Rodríguez. Certamente o piloto levaria não só Lewis Hamilton e Nico Rosberg, mas também Juan Pablo Montoya, convidado e entrevistador no pódio, a beber champanhe em sua sapatilha, o chamado ‘shoey’.

Mas os pontos somados no último domingo com a herança do terceiro lugar no México garantiram Ricciardo como terceiro lugar da temporada 2016 do Mundial de Pilotos. Com 242 pontos, Daniel não pode mais ser superado por Vettel, que caiu para quarto com 187. O oceânico iguala assim a colocação obtida em 2014, seu melhor ano na carreira na F1.

“Obviamente estou feliz por receber os pontos. Isso me coloca em terceiro lugar no Mundial de Pilotos e estou muito orgulhoso do que fiz neste ano”, comemorou o australiano. “Teria sido legal subir ao pódio e comemorar, mas essa foi a situação deste dia. Foi uma corrida divertida, apesar que, quando estava com a imprensa, estava frustrado com todo o incidente”, comentou.

“Tive muitos fãs ao meu lado nesta batalha, e acho que, no fim das contas, ser caçador é muito mais divertido do que você pilotar sozinho. Essa manobra foi a que acabou animando a corrida, e foi um bom dia”, acrescentou o novo terceiro lugar do GP do México, que, comenta-se no paddock, recebeu o troféu da Ferrari de forma discreta, atrás dos boxes do circuito.

Ricciardo não se furtou ao falar do incidente que causou a punição ao seu ex-companheiro de equipe em 2014 na Rd Bull. “Quando você está com a corrida e no momento, talvez as coisas nem sempre acontecem como você acha que acontece lá dentro. Estava bastante convencido que estava certo na minha manobra, e então ele me fechou na freada. Tão logo cheguei aqui e vi o replay porque queria garantir que o que tinha pensado havia acontecido.”

“Quando você se move depois, você está colocando a si mesmo em uma posição ruim. Quando um piloto se move tarde numa frenagem, então ele está tentando reparar um erro que ele cometeu”, explicou o piloto, falando também sobre a chamada regra ‘anti-Verstappen’, que consiste em impedir uma manobra de defesa depois de uma freada. A norma entrou em vigor nos Estados Unidos e, curiosamente, acabou punindo Vettel depois de o alemão ter herdado o pódio de Verstappen ao fim da prova no México.

“A regra passou a valer desde Austin, agora está no papel, de modo que é isso o que vai acontecer. Amo as batalhas e as corridas. Não gosto das punições, mas este movimento na frenagem, todos os pilotos estivemos de acordo que isso não faz parte das corridas de verdade e não é o correto”, completou Ricciardo.

Grande Prêmio