terça-feira, 15 de novembro de 2016

Guarani rescinde com elenco inteiro, economiza salários, mas assume risco

(Foto: Rodrigo Villalba / GloboEsporte.com)


A diretoria do Guarani adotou um plano inusitado para diminuir os gastos no fim do ano. Todos os jogadores com contrato perto do vencimento (com exceção de Eliandro, que assinou até o fim de 2017, e Fumagalli, vinculado até o fim de dezembro) foram chamados para formalizar a rescisão. Com essa estratégia, o Bugre economiza salários, acerta os pagamentos pendentes e enxuga a folha já pensando em investimentos maiores para a próxima temporada.

– No passado, o Guarani fazia contratos irresponsáveis de um, dois ou três anos. Aí acabava o campeonato e tinha que pagar tudo. Não é só mais um mês. Quem trabalhou outubro tem que receber novembro, quem trabalhou em novembro tem que receber em dezembro. E dezembro tem 13º, então são três meses de salário. Uma folha minha de R$ 600 mil vira R$ 1,8 milhão. Não dá – explicou o presidente bugrino, Horley Senna.

Mas a ideia pode ser prejudicial ao Guarani. Ao liberar todos os jogadores dias depois do vice-campeonato da Série C, o clube coloca seus principais destaques no mercado. Eles estão livres e, portanto, têm condições de assinar com qualquer equipe que se interesse. Assim, o Bugre corre risco de perder atletas que gostaria de manter para a próxima temporada. A diretoria não mostra preocupação:

– Na vida da gente tudo é risco. Eu tenho que garantir que não vai aumentar o passivo trabalhista do Guarani. Aqueles que querem ficar, eu estou conversando verbalmente já há algum tempo. Pode ter certeza que a maior parte vai renovar. Metade vai ficar, tenho certeza. A outra parte, eu não vou entrar em leilão – afirmou o presidente.

Dos 28 principais jogadores do elenco, 25 tinham contrato apenas até o fim da temporada: 18 até este domingo apenas, cinco (os zagueiros Genilson e Léo Rigo, o lateral Régis, o volante Wesley e o atacante Pedro Hulk) até o dia 30 de novembro e dois (Fumagalli e Renatinho) até 31 de dezembro. Apenas o meia Edinho e os atacantes Eliandro e Elielton têm acordo para continuar em 2017, mas só Eliandro tem boas chances de ficar.

Ainda durante a campanha na terceira divisão, a diretoria falava em manter até 80% do grupo. Esse é um pedido do técnico Marcelo Chamusca, que ainda não decidiu se continua em Campinas por mais uma temporada ou se aventura em um projeto no futebol asiático. A tendência, porém, é que muitos nomes que vestiram a camisa alviverde em 2016 busquem outros ares na virada do ano, seja por vontade própria ou desinteresse do Guarani.

A primeira baixa oficializada é o volante Zé Antônio, que não emplacou pelo Bugre e vai disputar o próximo Campeonato Paulista pelo Linense. Quem também já acertou a rescisão, mas ainda não foi confirmado pelo clube de Campinas, é o meia Alex Santana, emprestado gratuitamente pelo Internacional. Mais oito nomes estão nessa lista, que ainda pode ganhar o goleiro Leandro Santos, que possui algumas sondagens.

Do outro lado, o Guarani tem interesse em fazer as renovações passo a passo. Os primeiros procurados pelo presidente Horley Senna foram o executivo Rodrigo Pastana e o coordenador Marcus Vinícius. Se eles aceitarem o projeto para 2017, o foco seguinte é segurar o técnico Marcelo Chamusca. Por fim, a diretoria vai atrás dos jogadores. O torcedor bugrino só espera que não seja tarde demais para isso.

Globo Esporte