sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Promotoria detém aeroviário ligado a acidente com avião da Chapecoense

(Foto: Reprodução)

Por Redação Blog do Esporte


Um funcionário da Administração de Aeroportos e Serviços da Navegação Aérea (Aasana) foi detido pela promotoria da Bolívia nesta sexta-feira (20), por ignorar as falhas do plano de voo do avião da Lamia, que caiu em novembro de 2016 na Colômbia com a equipe da Chapecoense.


"O Ministério Público ordenou a detenção de Miguel Teodovich Ponce por ‘ignorar as determinações do manual de funções da Direção Geral da Aeronáutica Civil’. Como Supervisor de Trânsito Aéreo da Administração de Aeroportos e Serviços da Navegação Aérea, Teodovich ignorou tudo referente ao plano de voo internacional de transporte de passageiros", disse o comunicado enviado para a AFP.

O funcionário era chefe de Celia Castedo, funcionária da Aasana que fez as observações sobre o plano de voo da Lamia. Castedo fugiu para o Brasil no início de dezembro, sobre o argumento que estava sendo pressionada para mudar o relatório que elaborou após o acidente, no qual informava sobre suas objeções ao voo, ao que a tripulação ignorou.

No final de dezembro, o governo boliviano estabeleceu que a responsabilidade do acidente foi da companhia aérea e do piloto Miguel Quiroga, que executou o voo sem observar as normas de segurança. Cerca de 12 funcionários da Aasana e da estatal Direção Geral de Aeronáutica Civil (DGAC) também foram responsabilizados pelo acidente que matou 71 das 77 pessoas a bordo.