quinta-feira, 9 de março de 2017

Apagada nos testes, Red Bull vai de maior aposta a grande dúvida para 2017

(Foto: Dan Istitene/Getty Images)


Quando o novo regulamento para a temporada de 2017 foi divulgado, muitos apostaram na Red Bull como a grande candidata a se aproveitar das regras para acabar com o domínio da Mercedes. Afinal, a promessa de carros mais rápidos nas curvas passava pela maior importância da aerodinâmica, e o time de Daniel Ricciardo e Max Verstappen possui aquele que é considerado o melhor projetista do grid, Adrian Newey.


No entanto, o que se viu até agora nos testes é uma performance tímida do time que foi quatro vezes campeão mundial entre 2010 e 2014. O melhor tempo obtido até agora foi de 1min19s900, por Ricciardo, na última terça­-feira, enquanto Mercedes e Williams já andaram abaixo de 1min19s5. A marca do australiano é similar à melhor da Ferrari, mas Sebastian Vettel usava o pneu macio quando andou na casa de 1min19s9.

Os tempos de volta, contudo, podem mascarar realidades na pré­temporada, como alertou Fernando Alonso, um dos que seguem apostando na Red Bull.

"É a equipe que mais temo em uma luta pelo campeonato. Nos primeiros testes ninguém dá nada por eles porque ficam olhando os tempos, mas eles sempre fazem a mesma coisa: na Austrália [primeira etapa do campeonato] vão aparecer com um carro completamente diferente", alertou.

Em que pese certa preocupação por alguns problemas relacionados ao motor Renault, os pilotos também se mostraram confiantes. "Sinto que o carro está ganhando vida", disse Ricciardo. "Sintome melhor a cada dia, a sensação está cada vez melhor e sinto a evolução. Só espero que esse tempo da Williams seja o máximo para eles. Não tenho certeza a respeito do que Mercedes ou Ferrari podem fazer, mas estamos chegando perto."

Verstappen, que ainda não fez uma simulação de classificação, mas já ensaiou uma corrida, também elogiou o carro. "Ele é equilibrado, é previsível. Quando você vira, sabe exatamente o que o carro vai fazer."

O time de Newey é conhecido pela qualidade no desenvolvimento de seu equipamento e o consultor Helmut Marko já avisou que a meta é "estar no nível da Mercedes até a metade do ano". Em pouco mais de duas semanas, na Austrália, teremos uma ideia se alguém está escondendo o jogo.

UOL Esporte