segunda-feira, 20 de março de 2017

Ponto de Opinião: Corinthians desaprendeu a jogar futebol e liga sinal de alerta

(Foto: Thiago Calil)

Por Nicholas Araujo
Coluna Ponto de Opinião


A partida contra a Ferroviária nesse domingo (19) mostrou nitidamente a limitação do elenco do Corinthians. Mesmo tendo sofrido um gol questionável tanto por jogadores quanto por torcedores, o jogo foi de longe um dos piores da equipe depois de sua grande reformulação.


Um dos grandes defeitos deste atual elenco é depender de um centroavante – no caso o Jô – que foi anulado durante toda a partida contra a equipe de Araraquara. Isso ficou evidente pelos cruzamentos feitos pela intermediária, sempre buscando a altura do jogador. Com uma zaga mais eficiente, a equipe grená (que estava de azul) não teve maiores preocupações.

Mesmo com o elenco longe do ideal dos auges da conquista da Libertadores e Mundial, o Timão insiste ainda em manter um cara que não sabe ser técnico. Fábio Carille sempre viveu as margens de ser técnico interino e nunca conseguiu despontar. Sem pensar, o presidente Roberto de Andrade o colocou como treinador, mas que até agora não fez jus a escolha. Mesmo com os bons resultados no Paulista e Copa do Brasil, a equipe peca na hora dos momentos decisivos. Vencer os clássicos contra Santos e Palmeiras foi uma grande ilusão.

Esse grande sonho que desmoronou em apenas dois jogos. A péssima partida contra o Luverdense no meio de semana foi repetida contra a Ferroviária, sendo que esta aproveitou melhor o momento e se impôs em cima de uma equipe que não conseguia fazer passes certos, se perdeu com faltas bobas e pouco conseguiu no ataque. Ninguém esboçou uma reação para um possível empate.

O Corinthians liga um grande sinal de alerta. O Campeonato Brasileiro é de um nível muito superior ao Paulista, mas a diretoria parece empurrar o problema “com a barriga”. Para uma equipe com a tradição do alvinegro, viver das migalhas apresentadas em campo é de doer o coração dos torcedores. Está na hora de mudar ou o Brasileiro dará um golpe duro nos “torcedores muito loucos”.