segunda-feira, 6 de março de 2017

Prefeito de Londres libera, e Chelsea irá construir estádio de quase R$ 2 bi

(Foto: Divulgação Chelsea FC)


O Chelsea deu seu último passo antes de iniciar o projeto de reconstrução do seu estádio, o Stamford Bridge. Nesta segunda-feira, o prefeito de Londres, Sadiq Khan, deu aval para as obras e elogiou os planos do time azul. Em janeiro, o time londrino havia obtido a aprovação do conselho da região de Hammersmith e Fulham, onde está localizada a casa da equipe na capital britânica. O prefeito seguiu o conselho, e agora o Chelsea pode dar andamento ao projeto.


– Londres é uma das cidades que mais vive o esporte, e estou encantado que, em breve, acrescentaremos o novo estádio do Chelsea para o já fantástico rol de arenas esportivas na capital. Estou satisfeito, o projeto tem grande qualidade e design espetacular que irá incrementar significativamente a capacidade já existente na região, além de garantir aos torcedores o fácil acesso com os transportes nos arredores – declarou o prefeito londrino, em comunicado oficial.

O estádio Stamford Bridge, construído em 1905, recebe atualmente 41.600 torcedores. Com a ampliação, a arena terá capacidade para 60 mil espectadores. Segundo o jornal "Guardian", o investimento previsto pelo Chelsea é de 500 milhões de libras (R$ 1,92 bilhões na cotação atual). O estádio estaria disponível para a temporada 2021/22. O clube comemorou a liberação e comunicou que, em breve, divulgará o cronograma das obras.

– Diante da resposta do prefeito de Londres, Sadiq Khan, estamos orgulhosos com a escolha dele de apoiar a decisão do conselho. Esse é o último e significativo passo para a reconstrução do estádio e entrega do programa para a comunidade local – divulgou o Chelsea, em comunicado no seu site oficial.

Enquanto sua casa é remodelada, os Blues devem mandar seus jogos no estádio Wembley. No entanto, devem dividir o espaço com o Tottenham, que também está reformando o seu estádio, o White Hart Lane. A empresa responsável projetar a nova casa do Chelsea é a mesma que trabalhou na Arena de Munique, do Bayern, e do Ninho do Pássaro, em Pequim.

De acordo com o "Guardian", o projeto prevê a demolição de alguns prédios ao redor da área atual da arena, conhecida como "Chelsea Village". Estão previstos também a construção de duas novas passagens que ligam as duas linhas de trens que passam perto da região. O novo estádio deve ter o nível do gramado mais baixo, além de entradas subterrâneas para torcedores dos Blues e das equipes visitantes.

Globo Esporte