domingo, 21 de maio de 2017

Após título, Neto exalta mentalidade da Juventus e mira a Seleção: “Preparado”

(Foto: Reprodução)


O primeiro passo já foi dado. Na última quarta, a Juventus conquistou o título da Copa da Itália, o primeiro dos três que disputa na atual temporada. O brasileiro Neto teve participação direta na busca pelo caneco e vem tendo cada vez mais espaço no elenco, mesmo disputando posição com a lenda Gianlugi Buffon. Neste domingo, a Velha Senhora precisa de uma vitória contra o Crotone para levar o Campeonato Italiano.

Depois de cinco anos na Fiorentina, Neto está há quase na Velha Senhora. Neste período, ele afirma que já percebeu o que difere a Juve, atual pentacampeã italiana, dos demais da Bota.

- Acredito que seja a mentalidade vencedora, que acaba sendo uma coisa natal. Quem entra nesse ritmo começa a entender e perceber o motivo de ser um clube na Itália que ganha há tanto tempo. E na Europa, vem de boas temporadas e bons campeonatos. A diferença entre a Juventus e os outros clubes é a mentalidade e a preparação para vencer. Isso foi a maior diferença que eu senti (entre a Juventus e a Fiorentina).

Apesar de já ter assimilado a metodologia, Neto está apenas em sua segunda temporada na Velha Senhora. Ele chegou justamente após uma outra final de Liga dos Campeões da Europa: a de 2014/2015. Na época, a Juve saiu derrotada pelo Barcelona por 3 a 1, perdendo chance de conquistar o título que não vem desde 1996. Dois anos depois, a Juventus está novamente na decisão. Mesmo com o vice-campeonato, Neto acredita que o clube se motivou ainda mais em busca da orelhuda na ocasião.

- A sensação que eu senti é que ficou o sentimento de faltou alguma coisa. Acredito que tudo tem um porquê. Talvez aquele tenha sido o momento de uma preparação para, quem sabe, transformar isso (título) em realidade. No clube, todo mundo tem a consciência e sabe do grupo que a gente tem. Depende só de nós transformar isso em realidade. O entusiasmo é bom, mas temos a responsabilidade e a oportunidade de transformar isso em história - acredita.

E para chegar à segunda final da Liga em três anos, a Juventus contou com as atuações de outro brasileiro. O lateral Daniel Alves foi fundamental nos encontros contra o Monaco, pelas semifinais da competição continental, e ainda marcou um dos gols da Velha Senhora na final da Copa da Itália, contra a Lazio. O bom momento de Dani na Juve é exaltado pelo goleiro, que vê a importância do lateral em um momento fundamental da temporada.

"Fazer o que ele fez na carreira dele, com tantas finais, tantos títulos, e chegar aqui com essa determinação de querer mais, de querer participar e de querer ganhar. É uma coisa para levar conosco, porque foi fundamental a vinda dele para cá assim como a Juventus foi fundamental na vida dele. O crescimento dele foi muito grande no momento final da temporada, em que os outros times acabam tendo uma decaída fisicamente e mentalmente. Foi o momento em que ele se sobressaiu."

E o bom momento na carreira faz Neto buscar sonhos maiores: a seleção brasileira. Sua última convocação foi ainda em 2015, quando Dunga era o treinador. Apesar de não ter atuado, o goleiro fazia parte do elenco da Copa América daquele ano. Antes, havia sido medalhista de prata com a seleção olímpica em Londres 2012.

Neto se vê preparado para ter uma sequência com a camisa amarela. Ele vive uma situação parecida com o atual titular Alisson. O goleiro da Roma joga as copas pela equipe da capital, enquanto o polonês Wojciech Szczesny atua nas partidas do Campeonato Italiano. Na Velha Senhora, o brasileiro atuou na Copa da Itália, enquanto Buffon é o titular no nacional e na Liga dos Campeões. Mesmo com essa semelhança, Neto prefere afastar as comparações para focar o seu momento na Juventus.

- Quando a gente chega em alto nível e se sente preparado para qualquer ocasião, acaba sendo uma coisa natural. Comigo não é diferente, é uma coisa que eu busco, eu venho lutando para isso e em nenhum momento eu vou baixar a guarda por causa desse objetivo. Eu quero fazer de tudo, e vou demonstrar em todas oportunidades que tiver. Não é o fato do Alisson que me dá motivação, é saber que eu estou em um grande clube, estou em alto nível e me sinto preparado para qualquer oportunidade. É óbvio que uma parte depende de mim e a outra do treinador - encerrou.

Globo Esporte