domingo, 28 de maio de 2017

Vettel supera Kimi, encerra jejum da Ferrari em Mônaco, e dispara na liderança

(Foto: Reprodução)


O GP de Mônaco disputado neste domingo poderia muito bem ter acontecido no início dos anos 2000. Por que? Hoje foi dia de Sebastian Vettel emular o ídolo Michael Schumacher. Largando na segunda colocação do grid, atrás de Kimi Raikkonen, o alemão esperou o rival parar nos boxes, acelerou na pista, e conseguiu abrir vantagem suficiente para ir ao pit stop e voltar na liderança, prática usada por Schumi em boa parte de seus triunfos pela escuderia. O finlandês, por sua vez, sofreu com o desempenho dos pneus supermacios, e teve que se contentar com a segunda posição. O triunfo é o 44º na carreira do tetracampeão, e põe fim a um jejum de 16 anos da Ferrari no Principado, desde a vitória de Schumacher em 2001. A vitória amplia a liderança de Vettel, que agora acumula 129 pontos contra 104 de Lewis Hamilton, que chegou em 7º, após largar de 13º.

Daniel Ricciardo fechou o pódio com a RBR, seguido da Mercedes de Valtteri Bottas, e de Max Verstappen, em quinto. Em mais uma grande apresentação, o espanhol Carlos Sainz Jr. terminou em sexto com a Toro Rosso. Lewis Hamilton fez o que pode largando em 13º, ficou em sétimo e conseguiu salvar seis pontos para o campeonato. A Haas, pela primeira vez na história, colocou os dois carros entre o Top 10, com Romain Grosjean em oitavo e Kevin Magnussen em décimo. Felipe Massa se recuperou da classificação ruim e foi o nono com a Williams após começar em 14º.

A corrida foi marcada por um acidente que deixou todos apreensivos. Pascal Wehrlein (Sauber) e Jenson Button (McLaren) se tocaram antes da entrada do túnel, a Sauber do piloto alemão virou e ficou parado de lado na barreira de proteção. Por sorte, o trecho era de baixa velocidade. Vieram momentos de suspense, principalmente, porque Wehrlein teve problemas cervicais no início da temporada. Até que veio a mensagem pelo rádio: "Sim, estou bem. Mas ficaria melhor se conseguisse sair do carro", disse Wehrlein. O piloto precisou esperar alguns minutos até que os técnicos conseguiram voltar com o carro para a posição normal. Wherlein não sofreu nenhuma lesão mais grave e saiu andando do local do acidente.

A Fórmula 1 volta daqui a duas semanas, em Montreal, com o GP do Canadá. O primeiro treino livre será no dia 9 de junho às 11h (de Brasília).

A Largada

Quando Jensen Button alinhou para a largada no GP de Mônaco, veio a surpresa. Direto de Indianápolis, Fernando Alonso mandou uma mensagem ao vivo pelo rádio. Button substituiu o espanhol na Mclaren em Monte Carlo já que Alonso resolveu correr as 500 Milhas de Indianápolis.

Ao contrário do que costuma acontecer, a largada do GP de Mônaco foi limpa, sem nenhum grande entrevero. Kimi Raikkonen manteve a liderança com tranquilidade, seguido de Sebastian Vettel e Valtteri Bottas. Tentando a ultrapassagem sobre Max Verstappen, Daniel Ricciardo tocou de leve o companheiro de equipe, mas ambos mantiveram suas posições, com o holandês em quarto e o australiano em quinto. Largando da 13ª colocação, Hamilton tracionou melhor e conseguiu a ultrapassagem sobre Stoffel Vandoorne. Felipe Massa manteve o 14º lugar. Voltando à F1, Jenson Button saiu dos boxes em último.

Globo Esporte