segunda-feira, 17 de julho de 2017

Após outro resultado negativo, Thiago Braz desabafa: "Não sou uma máquina"

(Foto: Wagner Carmo/CBAt)


Em dia depois de mais um resultado ruim na temporada, Thiago Braz fez um desabafo em seus redes sociais nesta segunda feira. O campeão olímpico do salto com vara nos Jogos do Rio pediu desculpas por não conseguir atender às expectativas e ressaltou a importância do incentivo da torcida nesta fase difícil.

No domingo, o brasileiro disputou a etapa de Rabat da Diamond League, mas passou em branco. Ele não conseguiu ultrapassar o sarrafo a 5,40m em suas três tentativas. Foi a segunda vez neste ano que o saltador fica sem marca em uma etapa do principal circuito internacional do atletismo - ele também não teve salto válido em Eugene, em maio.

- Desculpe pela expectativa que não foi alcançada, independente de tudo, não sou uma máquina, mesmo se eu fosse uma maquina, se eu andasse a 100% todos os dias, um dia eu fundiria o motor. Agradeço todos que estão do meu lado, juntos ainda conquistaremos as medalhas desejadas, pois a crítica construtiva nos agarramos , a crítica maldosa nos deletamos. Acima de tudo , estou gastando minha vida e saúde etc pelo Brasil e família etc ... é hora de se conscientizar que os atletas amam o que fazem, só precisamos dar a todos uma nova chance de vencer, é incentivar . Abraços - disse o saltador.

Durante uma série de competições no Brasil no começo de junho, Thiago chegou a falar que está um pouco perdido, que precisa reencontrar seus saltos. Na Rio 2016, ele estabeleceu o recorde olímpico e sul-americano com o voo de 6,03m que lhe rendeu o título. Na atual temporada outdoor, porém, sua melhor marca é o 5,60m da Diamond League de Xangai. O saltador está classificado para o Mundial de Londres, em agosto, por ter superado o índice de 5,70m durante a temporada indoor, no começo do ano - ele saltou 5,86m.

Os resultados de Thiago Braz são um reflexo da mudança no treinamento proposta pelo técnico ucraniano Vitaly Petrov. De olho em quebrar o recorde mundial do francês Renaud Lavillenie (6,16m), o campeão olímpico tem reforçado o trabalho de força.

Globo Esporte