terça-feira, 29 de agosto de 2017

Em má fase, Guarani demite Vadão e técnico dispara contra presidência

(Foto: Estadão Conteúdo)

Por Redação Blog do Esporte


Sem bons resultados nas últimas rodadas, o técnico Vadão foi demitido do Guarani na noite dessa segunda-feira (28), mas o agora ex-treinador só soube de sua dispensa pela notícias divulgadas pela imprensa. Inconformado, o treinador falou em coletiva sobre a decisão e criticou a postura dos dirigentes.

"Me senti desrespeitado. Não foi assim que eu tratei o Guarani. Esperava um pouquinho mais de respeito. Foi tudo feito ontem (segunda-feira) e eu não fui comunicado. Fui comunicado pelos jornais. Era só pegar o telefone e me ligar, falando da decisão. Era simples. Não foi feito isso. Me aborreceu demais. O resto, não. A tomada de decisão não contesto. Cada um sabe o que está fazendo", criticou o treinador, que concedeu entrevista em sua apartamento, em Campinas.

Vadão comandou o Bugre em 29 jogos durante três meses e agora dá lugar a Marcelo Cabo, ex-Figueirense. Ainda durante a coletiva, o treinador comentou que nunca houve sintonia desde o momento em que Palmeron Mendes Filho assumiu a presidência do clube. O ex-técnico disse que havia mais transparência com o ex-presidente Horley Senna, que o contratou em maio.

"A gente nunca teve um grande entrosamento com essa diretoria. Depois da saída do Horley, a gente não batia muito a filosofia. Dava para levar, mas não tinha um entrosamento perfeito. Nunca gozou de uma tranquilidade maior com essa diretoria. Divergência de opinião existe em qualquer lugar do mundo, e existia aqui. Como a afinidade com o Horley era maior, a coisa foi um pouco melhor. Mas cada um tem a sua opinião", disse.

O ex-treinador também explicou sobre a notícia que foi pressionado para tirar alguns jogadores contestados pela torcida. O lateral-esquerdo Gilton e os atacantes Claudinho e Rentería estariam na lista de dispensa do Guarani.

"Não sofri pressão nenhuma. Às vezes opinião de um jogador ou outro. Não teve nada. Não estou surpreso porque futebol é assim. Sempre soube que eles iam se reunir, porque é um grupo que decide. Esse grupo sempre se reúne após os jogos para fazer avaliações. E a gente sabe o resultado através do pessoal do futebol. Não me pegou de surpresa".

Resultados

Na manhã desta terça-feira, o porta-voz do clube Assis Eurípedes concedeu entrevista coletiva onde falou sobre a dispensa e a "força-tarefa" dentro do clube para manter o objetivo de 2017, que é evitar o rebaixamento.

"É uma decisão tomada em função dos resultados. O que era para ser uma manutenção na Série B passou a ser um sonho do acesso. E não podia se tornar pesadelo. Qualquer treinador com 3 ou 4 derrotas cai. Uma atitude tinha que ser tomada. Passei a adorar o Vadão pela pessoa que ele é, mas também adoro o Guarani", disse o dirigente.

Atualmente, o Guarani é o oitavo colocado na série B do Campeonato Brasileiro.