terça-feira, 12 de setembro de 2017

Alfinetadas: Botafogo-SP repensa centenário e recolhe o que restou da série C do Brasileiro

Botafogo desperdiçou inúmeras chances para se classificar (Foto: Agência Botafogo)


Por Nicholas Araujo
Ribeirão Preto, SP



Nesta terça-feira (12), o Botafogo de Ribeirão Preto “recolherá os cacos” de uma campanha que tinha tudo para dar certo, mas não deu. Enquanto a campanha do início do ano no Campeonato Paulista não favorecia, a série C do Campeonato Brasileiro se mostrou de outra forma, para glorificar o centenário em 2018.

A arrancada nas primeiras rodadas mostrava um Botafogo mais decisivo, que buscava o jogo e que usava o Estádio Santa Cruz como fortaleza. O desempenho deu a liderança isolada, o que animou os torcedores pelo acesso.

Por outro lado, o grupo B era uma chave equilibrada. Havia poucas vitórias, muitos empates e uma confusão no G4. O Pantera saltou na frente de todos, mesmo sendo um visitante fácil. Não venceu nenhuma partida fora de Ribeirão, mas nem por isso o sonho deixou de acontecer.

Na virada de turno, a situação começou a decair. As vitórias no Santão não vinham mais e adversários como São Bento, Tupi e Volta Redonda começaram a vencer. O resultado foi a queda para o quarto lugar e correndo risco de perder a vaga.

A saída de Rodrigo Fonseca foi a gota d’água para a queda livre do Botafogo. A demissão do técnico mostrou nitidamente um elenco despreparado, ilusório, desorganizado e apático. A queda continuou e a vaga se tornou impossível.

Rodrigo Fonseca é demitido em momento decisivo no Pantera (Foto: Agência Botafogo)

A última rodada foi uma verdadeira decisão de campeonato e da vida para o Pantera. O jogo foi outro, as cartas jogadas na mesa eram outras e parecia que a vaga aconteceria, não fosse a péssima defesa botafoguense. Estar ganhando por 3 a 0 e deixar o placar ir a 4 a 2 é algo para se repensar. Nem o 5 a 3 ajudou. Do outro lado, o Voltaço perdeu, o Tombense empatou e o Joinville massacrou o Mogi Mirim. Da liderança no primeiro turno para a sexta colocação na última rodada. Uma lástima.

O que mais irritou a torcida foi a despreocupação dos jogadores, que, segundo informações de bastidores, reivindicavam melhores condições de trabalho e salários pagos, o que não acontecia. O sucesso se tornou uma verdadeira guerra.

O técnico Vica não é culpado de nada dentro e fora de campo. O treinador chegou no meio do tiroteio, fez o que pode com o que tinha nas mãos e sai sem nenhum prestígio. O que fica é a passagem de um técnico que pouco fez nas três rodadas “que lhe deram”, para ajustar um elenco fraco tecnicamente e que criava inúmeras confusões fora das quatro linhas.

Sem contar a desinformação. O técnico apontou que, na última rodada, não teve informação do banco sobre os outros jogos. Ficou na indecisão de deixar o jogo correr e tentar mais gols ou recuar para segurar a classificação. O placar de 5 a 3 não ajudou em nada e o time ficou pelo caminho.

Vica pouco pode fazer no período em que esteve no clube (Foto: Agência Botafogo)

A segunda semana de setembro vai ser difícil. A saída do comando técnico, o retorno dos atletas para definir o futuro no Santão e as inúmeras decisões da diretoria para tirar algum proveito desta série C. Existe o que aplaudir, mas existe muitas coisas para serem vaiadas.

O ano do centenário pode não ter o brilho de uma tentativa de série A, mas agora o tricolor tem a obrigação de estar na série B em 2019. Nada mais justo para o torcedor valente que enfrentou o sol escaldante de Ribeirão, quilômetros entre Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro e que sonhou até o fim com o acesso. 

O Paulista também é prioridade, para montar um elenco forte, dedicado, que não se submeta a problemas de bastidores e que possa honrar a camisa do Pantera. Apenas isso, mas que será um longo caminho a percorrer.

Em momentos decisivos, o Botafogo deixou a desejar (Foto: Agência Botafogo)