terça-feira, 5 de setembro de 2017

Brasil vence a Rússia e está na final da Copa do Mundo de Futebol Social

(Foto: Divulgação)


A seleção brasileira garantiu, nesta segunda-feira (4), uma vaga na final da Copa do Mundo de Futebol Social, a Homeless World Cup, em Oslo (NOR), para enfrentar o México nesta terça-feira (5). Se contra Portugal, em partida válida pelas quartas de final, a classificação chegou a ser tranquila, por 8 x 5, a semifinal contra a Rússia foi marcada pela emoção do começo ao fim: início bom, com 3 x 1 no placar a favor do Brasil, virada em alguns minutos para os russos, 3 x 4, e empate logo em seguida, para definir a vaga nos pênaltis. Enquanto o goleiro Leonel defendeu o penal adversário, Leonardo não teve dificuldades para marcar e garantiu a classificação, 4 (1)x(0) 4.

"Tivemos dois jogos bem difíceis nesta segunda-feira, nos quais quem errou menos conseguiu sair com a classificação. Contra Portugal, abrimos o placar e isso nos tranquilizou para construir a vantagem, mas mesmo assim os portugueses eram bem fortes. Tivemos alguns erros de marcação com bolas cruzadas. O Leonel não está 100%, com dores no joelho, e chegou a nos preocupar", destacou Pupo Fernandes, treinador da seleção brasileira.

"Contra a Rússia, foi um duelo muito estudado e técnico. Já havia analisado como eles jogavam e deu para ver que são bem organizados e com dois trios entrando e saindo a todo momento. O goleiro deles é muito bom e fez grandes defesas", explicou Pupo. "Contamos um pouco com a sorte, em poder empatar no final do duelo e levar para os pênaltis. Antes disso, o árbitro apitou o fim do jogo poucos segundos antes deles desempatarem, mas já não estava valendo. O Leonel foi muito bem no penal e o Léo bem tranquilo, para nos ajudar na classificação. A força de vontade e a superação deles foi o diferencial para chegarmos à final", completou.

Na decisão, marcada para esta terça-feira, às 14h (horário de Brasília), um velho rival pela frente, o México. Foi em cima dos mexicanos que o Brasil conquistou o bicampeonato, em 2013, em Poznan, na Polônia. Porém, foi contra a seleção brasileira que, em 2016, o adversário garantiu seu bicampeonato consecutivo, em Glasgow, na Escócia. Assim, esta será a terceira final entre Brasil e México na história da Copa do Mundo de Futebol Social.

"Alcançamos todas as metas propostas até aqui e na decisão teremos pela frente um grande adversário, com uma excelente equipe. Lá no México eles têm muito apoio e um trabalho similar ao do Brasil. Será um jogo de estratégias, quem errar menos sairá vencedor. Estamos engasgados com eles, porque ano passado nos derrotaram na decisão e o nosso último título foi em cima deles. Uma revanche, em um jogo bonito e técnico, de duas equipes muito qualificadas", finalizou Pupo.

Segunda fase - Com as vitórias sobre Romênia, por 7 x 4, e Dinamarca, 7 x 1, o Brasil classificou-se em primeiro neste domingo (3), para as quartas de final, mantendo 100% de aproveitamento: dez jogos e dez vitórias. Antes, havia vencido também Egito, 8 x 2, Indonésia, 2 x 1, e Holanda, 11 x 5, pelo grupo A da fase intermediária, entre sexta-feira (1º/9) e sábado (2).

Primeira fase - A estreia dos jovens brasileiros foi na terça-feira (29/8), logo após a cerimônia de abertura da Homeless World Cup, contra os noruegueses. A vitória veio pelo placar de 6 x 3, mas com a ansiedade pela estreia, o jogo não foi fácil. Na primeira partida de quarta-feira (30), um triunfo tranquilo contra a Lituânia, por 9 x 1. Encerrando o segundo dia da Copa do Mundo de Futebol Social, o Brasil enfrentou os EUA e também garantiu mais três pontos sem dificuldades, 7 x 2. Na quinta-feira (31), a classificação matemática para a chave principal da segunda fase veio após vencer por 7 x 1 a Suíça. Na sequência, a equipe voltou a ganhar, desta vez da Austrália, 8 x 2. 

As fases da Copa do Mundo - O sistema de disputa da Homeless World Cup conta com duas fases de grupos e uma de mata-mata. Na primeira fase, são oito grupos de cinco ou seis times, em que os três melhores de cada avançam para aí serem formados os quatro grupos principais (chave 1) de seis seleções. Os dois melhores de cada grupo passam para as quartas de final da chave principal (Homeless World Cup Trophy), enquanto do terceiro ao quarto forma-se uma chave secundária (Salvation Army Plate), com mais oito times, e a terceira chave (City of Oslo Bowl) com quinto e sexto colocados. 

Os piores de cada grupo da primeira fase, de quarto a sexto lugares, formam uma chave 2, que irão disputar as taças chamadas de New Balance Shield, KNIF Globe e Frete Quaich. Desta forma, todos os 47 times da chave masculina/mista jogam até o fim da competição.

O Brasil na Copa do Mundo - Disputada anualmente desde 2003, a Copa do Mundo de Futebol Social é realizada em uma quadra reduzida de gramado sintético, com três atletas na linha e um no gol, além de quatro reservas. Atual número 1 do ranking mundial, a seleção brasileira conta atualmente com os patrocínios da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e Penalty.

O Brasil tem um bom histórico recente na competição. Além dos títulos conquistados, o País marca presença entre as quatro melhores seleções do torneio desde 2009. Vice-campeã na última edição da Copa do Mundo de Futebol Social, em Glasgow (ESC), o Brasil foi terceiro colocado em três oportunidades, 2009 (Milão), 2011 (Paris) e 2012 (Cidade do México), e quarto colocado em 2014 (Santiago) e 2015 (Amsterdã).

A seleção brasileira - O brasiliense Mickael Batista, de 19 anos, é o atleta da Capital Federal. Nascido em São Paulo e criado em Osasco, Igor Oliveira, 19 anos, é o representante paulistano na competição, enquanto Felipe Pinho, de 17 anos, é de Sorocaba. Dois atletas são da Baixada Santista: Andreza Guedes, de 19 anos, nascida em Santos e moradora de São Vicente, e o goleiro Leonel da Silva, de 17 anos, também de Santos. Completam a seleção três cariocas: Juliana Conceição, de 17 anos, que hoje vive em Niterói, e Leonardo Conceição e Murilo dos Santos, ambos de 21 anos, que moram no Rio de Janeiro, no Complexo do Alemão e em Padre Miguel, respectivamente.

Os oito jogadores selecionados para competir pelo Brasil na HWC passaram por diversas seletivas realizadas pelos projetos parceiros da Ong Futebol Social, sendo eles representantes do Distrito Federal (Projeto São Sebastião DF), São Paulo (Baixada 013 São Vicente, Garotos Bunge SP e Bola da Vez Sorocaba) e Rio de Janeiro (Padre Miguel RJ, Loirinho RJ e Comunidade Complexo do Alemão RJ). Ao todo, mais de 50 organizações ao redor do País estão envolvidas nos projetos da Ong.

Atuais campeões da América - A seleção brasileira de futebol social é atual campeã da Copa América de 2017 da modalidade. Na fase de grupos foram três jogos. Na abertura, vitória contra a seleção B da Costa Rica, por 6x4. Em seguida, os brasileiros venceram Argentina, por 5x3, e o Chile, por 6x2. Na semifinal, um adversário que sempre complica para o Brasil: o México, batido pelo placar apertado de 5x4. E, na decisão, outra vez os chilenos, vencidos por 5x1.

Ex-jogadores do Futebol Social - Marcante na vida de todos atletas que por lá passaram, a Ong Futebol Social foi muito importante para seus ex-jogadores, seja para seguirem na vida de esportista ou até mesmo para seguirem uma profissão fora do esporte. No mundo da bola, alguns casos de sucesso no futebol foram Edson Gomes e Flaymar Ladim, ambos representantes do País no Mundial de 2009. Enquanto Edson joga atualmente no Corinthians Futsal, Flaymar tem contrato atualmente com o Guarani, de Campinas.

Representante do País em Copenhague, em 2007, a carioca Michele Gomes passou pela seleção brasileira sub-20 e está atualmente no São José FC, um dos principais times de futebol feminino do País. Eleito melhor jogador do Mundial de 2013, em Poznan (Polônia), o carioca Darlan passou pelo sub-20 do Flamengo e, recentemente, transferiu-se para a Noruega, para jogar no FK Arendal. Companheiro de Edson e Flaymar em 2009, Ronaldo "Nenê" é hoje dono de uma barbearia, no Jaguaré, em São Paulo, enquanto Heliton Rodrigues, que disputou o Mundial de 2007 com Michele, é chefe de cozinha em um conceituado restaurante na capital de Angola, a cidade de Luanda.

Principais regras do futebol social - No futebol social, a quadra é reduzida, tem apenas 22 metros de comprimento e 16 de largura. O time vencedor ganha três pontos no campeonato, o perdedor, zero. Em caso de empate, disputa alternada de pênaltis, com dois pontos para o vencedor e um para o time que perder. São dois tempos de sete minutos, com intervalo de um minuto. Os goleiros não podem sair da área, marcar gols, ou fazer cera. Os jogadores de linha também não estão permitidos a invadir a área dos goleiros, sob a pena de um pênalti do time adversário. O Fair Play (jogo limpo) é incentivado nos torneios, e um troféu exclusivo é destinado ao time que demonstrar e jogar com o espírito genuíno do futebol.

Para os jogadores que não jogarem nesse espírito do Fair Play, penalidades: cartão azul (dois minutos) ou vermelho (expulsão do jogo) e, em último caso, exclusão do torneio. Pelo menos um jogador deve ficar no campo oposto, ou seja, três atacam e dois defendem. Uma falta será marcada contra o time que ficar totalmente em seu lado. Se um jogador recebe um cartão azul, enquanto o time estiver com jogador(es) a menos, esta regra não é válida. Da mesma maneira, esta regra não vale se um jogador recebe um cartão vermelho.

ZDL