sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Uefa comunica investigação sobre o PSG e Fair Play Financeiro

(Foto: Reprodução)


A Uefa abriu nesta sexta-feira uma investigação formal sobre o Paris Saint-Germain como parte do monitoramento dos clubes em relação ao Fair Play Financeiro (FFP). A entidade avaliará se o clube respeitou as regras de equilíbrio especialmente no recém encerrado mercado de transferências.

O regulamento foi aprovado pela entidade europeia em 2010 e entrou em funcionamento efetivamente em 2011. Ele visa melhorar a saúde financeira dos clubes do continente e, basicamente, tem como meta equilibrar os gastos dos times. Eles não podem gastar mais do que arrecadam. No entanto, em 2015, o texto foi atualizado e incluiu itens de controle de investimentos. O próprio PSG, o Manchester City e o Chelsea, financiado com bilhões por seus donos, inspiraram a atualização.

No dia derradeiro da janela, o PSG contratou por empréstimo o atacante Mbappé, revelação do Monaco, com opção de compra em € 180 milhões (R$ 667,8 milhões na cotação atual) para justamente tentar burlar o FFP. No início de agosto, o clube já havia gastado € 222 milhões em Neymar, no que virou a transação mais cara da história.

Nos próximos meses, um comitê de investigação da Uefa criado para controlar as finanças dos clubes vai se reunir para avaliar cuidadosamente toda a documentação relativa ao caso.

Em nota, a Uefa afirmou que considera o Fair Play um mecanismo crucial para garantir a sustentabilidade financeira dos clubes europeus. Ela ainda disse que não fará mais comentários até que a investigação seja concluída.

O PSG publicou uma nota oficial sobre o caso. Deixou claro que "informou com frequência as equipes que monitoram o Fair Play financeiro da Uefa" sobre o impacto de todas as operações realizadas nesta janela de transferências. Afirma que está confiante em demonstrar que "vai cumprir plenamente todas as regras do Fair Play para o ano fiscal de 2017/18."

Ainda de acordo com o comunicado, o PSG publicou que sempre operou com total transparência, demonstrando muito respeito com as regras da Uefa. O clube apontou que o diretor geral Jean-Claude Blanc teve uma reunião por mais de três horas no dia 23 de agosto com o responsável pelo Fair Play da Uefa, Andrea Traverso, para demonstrar que as operações realizadas com Barcelona e Monaco por Neymar e Mbappé, respectivamente, estavam de acordo com as regras da entidade para o exercício 2017/18.

O Paris Saint-Germain esclarece também que realizou algumas operações com jogadores no mercado de verão de 2017, possibilitando um incremento de € 104 milhões (R$ 384 milhões) para a temporada 2017/18. E que se for necessário, tem jogadores que podem proporcionar ganhos de capital significativos nas próximas duas janelas de mercado, em janeiro e junho de 2018.

Globo Esporte