terça-feira, 14 de novembro de 2017

Baskonia não libera, e Huertas está fora dos jogos contra Chile e Venezuela

(Foto: Reprodução)


O Brasil não terá o armador Marcelinho Huertas em quadra contra as seleções de Chile e Venezuela. Convocado pelo técnico croata Aleksandar Petrovic para a primeira janela das Eliminatórias Fiba para o Mundial de 2019, na China, o brasileiro não foi liberado pelo Baskonia, clube espanhol que passou a defender no início desta temporada. A decisão foi tomada em conjunto pelos jogadores da equipe espanhola. Além dele, outros seis atletas, do Uruguai, Alemanha, Letônia, França, Espanha e Geórgia não irão defender seus países na janela de partidas. A Confederação Brasileira de Basketball (CBB), já jogou a toalha para o jogo contra o Chile, mas ainda espera contar com o jogador contra a Venezuela, apesar da dificuldade e da mensagem vinda da Europa.

O imbróglio envolvendo clubes e a Federação Internacional de Basquete (Fiba) começou após a mudança no formato das eliminatórias e desde então a Euroliga e a NBA já haviam avisado que não liberariam seus atletas. Meses atrás, reuniões e conversas aconteceram entre as partes, mas o clima não melhorou e em comunicado divulgado por alguns jogadores do Baskonia, foi informado que eles não virão para esses jogos. Mesmo assim, Renato Lamas, gerente da seleção masculina, vai esperar por Huertas.

- O Marcelinho, vamos esperar até os 48 do segundo tempo. É uma situação mais para o jogo do Rio do que para o jogo do Chile. Para o jogo no Chile não estamos contando com ele, mas para o jogo da Venezuela, ainda está em aberto. Sonhar não custa nada - disse Renato Lamas.

Durante a convocação da seleção brasileira, na semana passada, a comissão técnica do Brasil já sabia que existia a possibilidade de não contar com Huertas. Mesmo assim, resolveu apostar e convocou o jogador. Sem o armador, o Brasil vai com 13 jogadores para as partidas contra o Chile, na estreia das Eliminatórias, no dia 24, em Osorno, e possivelmente também contra a Venezuela, no Rio de Janeiro, na Arena Carioca 1, no dia 27 de novembro.

Além de Huertas, pelo Brasil, outros seis jogadores do Baskonia não foram liberados: Janis Timma (Letônia), Jayson Granger (Uruguai), Johannes Voigtmann (Alemanha), Vincent Poirier (França), Ilimane Diop (Espanha) e Tornike Shengelia (Geórgia). Nas redes sociais, Timma conversou com seus fãs para explicar a opção do clube.

- Infelizmente, nós, jogadores da Euroliga, estamos em uma situação em que nunca gostaríamos de ter estado, quando se trata de decidir entre quem te emprega e que mantém a sua família, e o nosso país. Esta situação não é da nossa responsabilidade e não era a nossa vontade, mas é a decisão que deve ser tomada por nós. Discutimos a situação em conjunto no clube e por conta do começo ruim na temporada e da chegada recente de um treinador, tomamos a decisão conjunta de não nos unirmos às nossas seleções para esta etapa das Eliminatórias. Por último, quero desejar sorte a equipe nacional da Letônia e creio que terão sucesso, desta vez sem mim - disse o jogador.

Globo Esporte