quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Com JP e Marquinhos ligados, Flamengo reencontra torcida e bate o Caxias do Sul

(Foto: Staff Images/Flamengo)


Vestindo branco, o Flamengo voltou a jogar diante de sua torcida após a eliminação da Liga Sul-Americana, e se o clima com a arquibancada ainda não é o mesmo da outrora, o Rubro-Negro deu o primeiro passo em busca da paz com a Nação. Dominando o Caxias do Sul desde o primeiro quarto e com boa atuação de JP Batista e Marquinhos, os cariocas fizeram 79 a 69 no Ginásio do Tijuca e conquistaram a segunda vitória no Novo Basquete Brasil em três partidas. O confronto, porém, foi acompanhado por apenas 325 pessoas, barulhentas, mas longe dos melhores públicos do clube no ginásio.


Grande destaque do Flamengo neste começo de temporada, JP Batista anotou 16 pontos, pegou sete rebotes e deu duas assistências. Marquinhos também foi bem, com 15 pontos, três rebotes e três assistências, acelerando sempre que preciso. Ronald Ramón teve seis pontos e seis assistências, e o menino João Vitor veio do banco para fazer oito pontos e pegar seis rebotes. No Caxias do Sul, Paranhos anotou 13 pontos e pegou oito rebotes. Cauê Borges, porém, foi mais uma vez o desafogo, com 13 pontos, oito rebotes, cinco assistências e três roubadas de bola. Cauê Verzola, Pedro e Marcão também terminaram com dígito duplo de pontuação: 11, 10 e 16.

O Flamengo volta a jogar no sábado, às 18h, novamente no Ginásio do Tijuca. Será a segunda partida da equipe no Rio de Janeiro e a quarta pela competição. Já o Caxias do Sul volta a atuar na segunda-feira, no seu sexto jogo pelo NBB, agora dentro de casa, contra a Liga Sorocabana, às 19h, no Ginásio Vasco da Gama.

Flamengo domina o Caxias o jogo inteiro

Protagonista do Flamengo neste início de temporada, JP Batista foi acionado na primeira metade do quarto inicial e teve boa movimentação no garrafão. Com alto aproveitamento, anotou oito pontos e manteve o Rubro-Negro na frente em grande parte do período. O Caxias, que buscava a recuperação após derrota para o Minas na prorrogação, também apostava no jogo de garrafão, e Paranhos aparecia bem com sete pontos. Os cariocas tentaram muito tiros de três pontos, mas o aproveitamento não foi bom. De sete, apenas dois caíram. Ambos de Cubillán, esse com 100% de acertos. Descontando no outro lado com velocidade, Pedro teve oito pontos para os gaúchos e o quarto terminou em 22 a 19 para a equipe da casa.

Flamengo e Caxias faziam um jogo muito pegado fisicamente, de batalha pelos espaços, mas falhavam muito nos chutes. A primeira cesta do segundo quarto saiu após quatro minutos, e ambos os times tinham menos de 50% de aproveitamento nos arremessos. O hiato de acertos terminou com duas bolas de três de Ronald Ramón para os Rubro-Negros, que abriram 29 a 19. Se as cestas não saíam, a briga por espaço seguia ferrenha. Em um dos lances, JP Batista perdeu o tênis e a arbitragem parou o jogo, interrompendo o contra-ataque do Caxias, para desespero de Cauê Verzola. Carregado de faltas, os visitantes perdiam a paciência a cada marcação da arbitragem. Mas passaram a acertar mais e trouxeram para 34 a 28 a diferença. Aparecendo para o jogo no segundo quarto, Marquinhos chegou aos sete pontos pelo Flamengo, que fechou na frente por 39 a 30.

O Rubro-Negro voltou para o terceiro quarto bem mais certeiro. Em três ataques, converteu belas cestas com JP Batista, Cubillán e Olivinha, colocando 45 a 30 nos dois primeiros minutos. Marcão descontou em bola de três, mas logo depois deixou a quadra ao reclamar muito da arbitragem. Na saída, deu um soco na cerca de alumínio ao lado do banco de reservas. O lance acordou os visitantes, que ensaiaram uma reação com Cauê Borges e o xará Cauê Verzola. Mas o Flamengo se acertou e na metade do período tinha 52 a 39 após cesta e falta de João Vitor. Esforçado, o Caxias tentava reagir, mas esbarrava no fraco aproveitamento nos lances livres, só 52%, com 12 de 22 tentados e derrota parcial por 59 a 47 ao fim do terceiro período.

Novamente acionado, JP Batista começou o último período com quatro pontos no garrafão e outros três rebotes, ficando perto de um duplo-duplo faltando cinco minutos para o fim da partida e com o placar em 66 a 53 para o Flamengo. Chamando o jogo, Cauê Borges tentava as infiltrações, mas a defesa carioca pressionava. Faltando três minutos, o Rubro-Negro tinha placar confortável, e José Neto aproveitava para dar mais bagagem para o menino João Vitor, que chegava aos oito pontos e aos seis rebotes, com quase dez minutos em ação. No fim, Marquinhos meteu bola de três, e Cauê Borges, do meio da rua, de antes do meio da quadra, fez três pontos para o Caxias no estouro, mas a vitória rubro-negra já estava consolidada: 79 a 69.

Globo Esporte