quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Scheidt mantém liderança da SSL Finals 2017 nas Bahamas

 (Foto: Carlo Borlenghi / SSL Divulgação)


Robert Scheidt segue velejando de forma consistente nas Bahamas. Em busca do segundo título da SSL Finals, o bicampeão olímpico mantém a liderança da competição após quatro regatas disputadas nesta quarta-feira (6), no Nassau Yacht Club. Ao lado do proeiro Henry Boenning, o Maguila, conseguiu um 11º, 4º, 3º e 6º lugares e, com essa regularidade, segurou a ponta na classificação geral, agora com 18 pontos perdidos (contando o descarte do pior resultado). Nesta quinta-feira (7), a fase decisiva da Star Sailors League prossegue com mais quatro corridas.

A regularidade para velejar sempre entre os líderes é a maior arma de Scheidt na SSL Finals, que reúne alguns dos melhores iatistas do planeta em uma disputa acirrada e de alto nível. Mesmo sem cruzar em primeiro em nenhuma das seis regatas disputadas até agora (no primeiro dia fez um 2º e um 3º lugares), o brasileiro mantém uma diferença de dois pontos para a dupla segunda colocada, formada pelos norte-americanos Mark Mendelblatt e Brian Fatih (18 a 20). Na terceira posição aparece Paul Cayard/Phil Trinter, também dos Estados Unidos, com 25 pontos perdidos.

Mesmo com o bom desempenho, Scheidt revele não ter tido um dia de facilidades em Nassau nesta quarta-feira, especialmente com a queda na velocidade do vento. “O mais importante foi termos conseguido evitar erros mais graves. Mantive-nos entre os primeiros, velejando sempre ao lado dos italianos e dos norte-americanos, mas foi difícil manter a concentração durante quatro regatas e com o vento perdendo intensidade. Superamos as dificuldades com o nosso entrosamento. A quinta-feira será um dia importantíssimo”, explicou o bicampeão olímpico de 44 anos, que tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela.

Campeão no ano de estreia da SSL Finals, em 2013, Scheidt disputa a primeira competição internacional após anunciar o encerramento do ciclo visando os Jogos de Tóquio, em 2020, na classe 49er. Ao lado de Henry Boenning, ganhou a medalha de bronze da competição no ano passado. Do total de quatro edições disputadas até agora, o bicampeão olímpico participou de três. Além do título em 2013, conquistado ao lado de Bruno Prada, e o bronze no ano passado com Maguila, Robert foi quinto colocado em 2014, também com Prada.

Além de Scheidt e Boenning, o Brasil conta com mais seis velejadores na SSL Finals. Além das duplas Torben Grael/Guilherme Almeida e Lars Grael/Samuel Gonçalves, os proeiros Bruno Prada (velejando com o suíço Freddy Loof) e Arthur Lopes (formando dupla com o alemão Hubert Merkelbach) completam a lista.

Despedida olímpica - Scheidt tomou a decisão de deixar a 49er e o ciclo olímpico para Tóquio por motivos profissionais e pessoais. “Não é fácil começar do zero, aos 43 anos, em uma categoria que exige muito do físico. Sofri com algumas lesões nessa temporada e o período de recuperação não é mais o mesmo. Eu precisaria de muito mais tempo de treino para chegar competitivo em 2020 e, nessa altura da vida, não quero abrir mão da família. Tenho dois filhos pequenos, minhas maiores medalhas, e estar com eles e com minha mulher é muito importante”, esclareceu o iatista de 44 anos, sobre sobre Erik, de oito anos, e Lukas, de quatro, fruto do casamento com a lituana e também velejadora Gintare.

Robert Scheidt tem duas medalhas de ouro olímpicas (Atlanta/96 e Atenas/2004)e uma prata (Sidney/2000) na classe Laser, mais uma prata e um bronze na Star (Pequim/2008 e Londres/2012). Ao todo, são 11 títulos mundiais na Laser e três na Star. Na Rio/2106, terminou na quarta colocação. Scheidt tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela.

ZDL