segunda-feira, 12 de março de 2018

Chefe da McLaren justifica problemas: "Temos de assumir riscos"

(Foto: EFE)


Quando trocou a Honda pela Renault depois de três temporadas sofrendo com a falta de confiabilidade das unidades japonesas, a McLaren apostou as fichas na volta da competitividade e, por consequência, da tranquilidade. Bem, nas duas semanas de pré-temporada em Barcelona, até que o novo modelo MCL33 se mostrou rápido, tanto que Fernando Alonso foi o terceiro mais rápido no geral. No entanto, a resistência do conjunto ainda deixou a desejar. Com Alonso e Stoffel Vandoorne, a McLaren foi a equipe que menos andou nos testes, apesar de ter claramente evoluído na quilometragem acumulada desde os tempos de Honda.

Chefe da equipe, Eric Boullier tentou colocar panos quentes. Para o francês, o início de uma parceria com um fabricante de motores sempre apresenta algumas dificuldades.

- Os últimos três anos foram difíceis. Agora estamos tentando trazer a McLaren de volta ao lugar em que deveria estar. Como tudo, você não faz isso em um dia, talvez haja pequenas falhas. Temos de ser ambiciosos. É é por que temos de ser ambiciosos que temos de correr riscos - comentou.

Boullier tentou tranquilizar os fãs da McLaren e garantiu que a equipe terá uma temporada bem melhor do que as últimas - com os motores Honda, a McLaren terminou os três campeonatos de construtores em nono, sexto e nono lugares:

- Não perdemos a nossa capacidade de desenhar carros rápidos, e espero que vocês vejam isso na pista em breve. Tudo isso temos de deixar para trás juntos e estamos trabalhando juntos.

A McLaren não vence uma corrida desde o encerramento da temporada de 2012, no Brasil, com Jenson Button. Na mesma corrida, Lewis Hamilton cravou a última pole position da equipe. O time não vai ao pódio desde que Kevin Magnussen e Button terminaram o GP da Austrália em segundo e terceiro, respectivamente.

Globo Esprote