Praia Clube vence Osasco e garante vaga na decisão da Superliga Feminina

(Foto: João Pires / Fotojump)


A série de semifinal mais equilibrada da Superliga Feminina 2017/18 não poderia terminar de outra forma. Decidida no quinto jogo, em Uberlândia, o mando de quadra prevaleceu mais uma vez, mas não foi fácil. De virada, o Praia Clube venceu o Osasco por 3 sets a 1 (parciais de 18/25, 25/16, 25/19 e 25/21) e garantiu um lugar na grande decisão.

O triunfo foi a terceira vitória do time mineiro na série, contra duas das paulistas, e deu fim ao tabu do time mineiro de nunca ter vencido o Osasco em séries de mata-mata. A oposta norte-americana Nicole Fawcett foi eleita a melhor em quadra e ficou com o troféu VivaVôlei.

Na final, decidida em dois confrontos, o Praia Clube vai enfrentar o Sesc/RJ, reeditando a decisão da Superliga 2015/16, vencida pelo time de Bernardinho. As duas partidas da final serão realizadas nos dias 15 e 22 de abril, às 10h. Em caso de uma vitória para cada equipe, a decisão será com golden set.

O jogo

Assim como toda a série, o primeiro set começou equilibrado. Com os ataques levando a melhor, os times alternaram a liderança do placar até Tandara bloquear Fê Garay em 8 a 6. Com o ataque bem marcado, o Praia teve dificuldades de passar pelo paredão do Osasco, liderado por Tandara e Bia. Em ace de Tandara, o time paulista chegou a abrir seis pontos em 15 a 9. No ponto 23 a 15 do Osasco, um fato interessante. Dois “Desafios” pedidos, um de cada lado, para revisar um lance. Paulo Coco pediu revisão de toque no bloqueio, revisão acertada. Mas Luizomar pediu revisão de bola dentro/fora, e a bola caiu dentro. Decisão da arbitragem de bola dentro mantida. O Praia até ensaiou uma reação com uma sequência de bloqueios em Leyva e Tandara, mas a diferença no marcador era grande. Tranquilo, o Osasco administrou a vantagem, aproveitou os erros do Praia e fechou o primeiro set em bloqueio de Leyva em Walewska: 25 a 18.

O Praia largou na frente no segundo set, mas o Osasco não deixou o time mineiro distanciar. Em ace de Fawcett, o Praia voltou a ficar em vantagem: 5 a 3. Claudinha, nas bolas de segurança com Fabiana, ajudou o time mineiro a aumentar a vantagem: 9 a 5. Forçando o saque em Leyva, o Praia quebrou o passe do Osasco, que ficou com poucas opções de ataque. Em ataque de Fawcett, o time abriu seis pontos em 14 a 8. Na boa passagem de Tandara no saque, a diferença caiu para três pontos. Mas o Praia respondeu com Fawcett no serviço. Além de quebrar o passe, os pontos de saque deixaram o time com folga no placar ainda maior. Mantendo o ritmo forte no saque e no bloqueio, o Praia abriu dez pontos em 23 a 13. Em saque para fora de Mari Paraíba, o time mineiro fechou o set em 25 a 16.

Embalado pelo segundo set, o Praia voltou forçando o saque em Leyva e abriu 3 a 0. Depois, foi a vez do Osasco aproveitar o fundamento e quebrar a recepção do Praia: 4 a 4. Com Fawcett sacando, o Praia dificultou novamente a vida do Osasco e abriu vantagem: 9 a 5. Fê Garay era a válvula de escape do Praia, enquanto Tandara respondia. Com o bloqueio ajustado, o Osasco foi tirando a diferença e diminuiu em 13 a 12. Em ace de Tandara, o jogo ficou igual em 15 a 15, e a virada veio com Bia, na China. Aí foi a vez de Amanda descontar com outro ace, revertido pelo “Desafio” e deixar o Praia de novo em vantagem: 19 a 17. Mantendo o ritmo forte, o Praia aproveitou a boa passagem de Amanda no saque, ampliou a diferença. Com bloqueios certeiros e erros do Osasco, conduziu a parcial e, em China de Walewska, fechou o terceiro set em 25 a 19.

No quarto set, o Osasco entrou mais ligado, aproveitou as bobeiras do Praia, colocou as bolas no chão e abriu 6 a 0. Dominando as ações, o time paulista explorou os bloqueios com Tandara e aumentou a diferença em 9 a 1. Melhor defensivamente, o time da casa foi tirando a diferença ponto a ponto, fez nove pontos seguidos e virou em 10 a 9, com ataque de Fawcett. O set ficou lá e cá, e decidido nos detalhes. Em toque na rede de Bia, o Praia fez 15 a 13. O time da casa ainda abriu quatro pontos, mas parou no paredão do Osasco. Mari Paraíba conseguiu quebrar a recepção do Praia e em toque na rede de Fawcett, a equipe paulista empatou em 18 a 18. Na base da força e experiência da norte-americana, o Praia voltou a abrir dois pontos. Os times trocaram pontos e, em bola para fora de Tandara, o Praia fechou o set em 25 a 21 e o jogo em 3 sets a 1, avançando à decisão da Superliga.

Globo Esporte