terça-feira, 29 de maio de 2018

“Precisávamos de dois minutos de bom basquete”, diz Thompson sobre virada

(Foto: Reprodução)


Enquanto Mike D’Antoni gritava, de pé à beira da quadra, a cada lance, no lado oposto Steve Kerr acompanhava os primeiros movimentos da partida sentado e contido, apesar da fraca atuação do Golden State Warriors no período inicial, liderado pelo Houston Rockets 24 a 19. A fase seguinte, novamente vencida pelos locais (30 a 24) também não tirou Kerr do sério. É como se o técnico dos Warriors soubesse que algo acontece nos terceiros quartos de partidas decisivas. E assim foi: Curry, Durant & Thompson deslancharam nas bolas de três após o intervalo, e o time californiano venceu o período por 33 a 15, e a partida decisiva por 101 a 92. Mas qual o segredo dessa melhora sempre no terceiro quarto?

- O papo no intervalo foi sobre como jogamos tão mal nos dois primeiros quartos. Sobre como estávamos cometendo erros graves na defesa e no ataque. E aí recuperamos a confiança. Sabemos que precisamos de dois minutos de bom basquete para a vibração do jogo mudar para o nosso lado – disse Klay Thompson, peça importante na classificação dos Warriors para a final, com 19 pontos.

O técnico do Golden State tem ideias sobre o que levou o jogo 7 da final da Conferência Oeste a ter esses dois momentos tão distintos. Primeiro o domínio do Houston, depois a recuperação da equipe de Curry e Durant, e aí a vitória.

- É incrível como um jogo de NBA pode ser longo e oferecer tantos caminhos. Às vezes esquecemos que o Jogo 7 é sempre diferente. Que existe uma tensão no ar, e as execuções dos arremessos se tornam mais difíceis. E eu tinha na cabeça o quanto o time do Houston estava cansado. Aí rodamos a bola. Klay (Thompson), Kevin (Durant) e Steph (Curry) foram fantásticos e mostraram talento. É simples: Nós temos três dos melhores arremessadores da Liga – frisou Steve Kerr.

Para Stephen Curry, um dos destaques da noite com 27 pontos e sete cestas de três, a característica de melhorar o desempenho no terceiro quarto é um fator importante do DNA do atual campeão Golden State Warriors.

- Para ser honesto, não dá pra explicar (atuações nos terceiros quartos). Mas passa pela maneira de como esse time foi montado: em cima de entrosamento, motivação. Hoje, conseguimos mudar o clima do jogo para o nosso lado muito rapidamente. Foi uma noite divertida. Estressante, mas divertida – disse aliviado Curry, que está indo para uma final de NBA pela quarta vez consecutiva. E pela quarta vez seguida contra o Cleveland Cavaliers de Lebron James.

Globo Esporte