quarta-feira, 9 de maio de 2018

Vítimas vão ao STJD da ginástica e pedem banimento de técnico acusado de abuso

(Foto: Reprodução)


Três vítimas de abusos sexuais cometidos pelo ex-treinador da seleção brasileira masculina de ginástica Fernando de Carvalho Lopes fazem nesta quarta-feira um pedido de instauração de inquérito no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) da modalidade. A finalidade é pedir o banimento de Lopes do esporte.

O pedido foi encaminhado à corte pelo advogado que representa os três atletas, André Sica. Segundo Sica, outros dos ginastas e ex-ginastas que depuseram à TV Globo sobre os episódios em que foram assediados por Lopes também estão em contato e podem se juntar no pedido.

- Os fatos relatados pelos atletas são gravíssimos e inaceitáveis. Na esfera esportiva, buscaremos o banimento do treinador de qualquer atividade, para que outros atletas nunca mais venham passar pela mesma situação - afirmou o advogado ao GloboEsporte.com.

Pelo regimento, com pedido de instauração de inquérito um auditor deve ser apontado pela presidente do tribunal da ginástica, Renata Quadros, para convocar envolvidos, interrogá-los e elaborar um relatório que culminará na sentença.

O que pode acontecer é que, pelo fato de Lopes não estar mais ligado a clubes ou à seleção, o STJD não ter jurisdição para inquiri-lo e encaminhar o pedido dos ginastas para apreciação no Comitê de Integridade da CBG (Confederação Brasileira de Ginástica), que está em processo final de criação.

Desde as revelações da TV Globo, no domingo 29, Lopes já foi afastado de todas as suas funções no Mesc (Movimento de Expansão Social Católica), clube particular de São Bernardo do Campo, virou alvo de um processo administrativo que deve resultar em sua exoneração de um cargo público que ocupa na Prefeitura de Diadema e outro ético movido pelo Conselho Regional de Educação Física do Estado de São Paulo, que pode cassar seu registro profissional.

Além disso, o Conselho Tutelar de São Bernardo do Campo quer impedi-lo de ter qualquer atividade com crianças até o fim da investigação que corre contra ele na Delegacia da Mulher, da Criança e do Adolescente do município. A Promotoria de Infância e Juventude acatou o pedido e também abriu inquérito. O processo, que está em segredo de Justiça, foi ingressado pelo pai de um atleta com menos de 18 anos que treinava com o acusado.

Globo Esporte